ÍNDICE SISTEMÁTICO DO REGULAMENTO DO ICMS

DECRETO Nº 21.400, DE 10 de dezembro de 2002 – QUE APROVOU O NOVO REGULAMENTO DO ICMS

ÚLTIMA ALTERAÇÃO DECRETO Nº 29.942 DE 27 DE JANEIRO DE 2015.

LIVRO I – DO IMPOSTO……………………………...…………………………………………………………….Arts. 1º ao 141

TÍTULO I

Da Obrigação Tributária…………………………………………………………………………………………….Arts. 1º ao 21

CAPÍTULO I

Da Incidência…………………………………………………………………………………………………………………..Art. 1º

CAPÍTULO II

Da Não-Incidência……………………………………………………………………………………………………………..Art. 2º

CAPÍTULO III

Do Fato Gerador……………………………………………………………………………………………………….Arts. 3º e 4º

CAPÍTULO IV

Da Isenção, dos Incentivos e Benefícios Fiscais………………………………………………………………Arts. 5º ao 8º

CAPÍTULO Vl

Da Suspensão………………………………………………………………………………………………………..Arts. 9º ao 12

CAPÍTULO VI

Do Diferimento……………………………………………………………………………………………………….Arts. 13 ao 18

CAPÍTULO VII

Do Local Da Operação ou da Prestação…………………………………………………………………………Arts. 19 a 21

TÍTULO II

Da Obrigação Principal……………………………………………………………………………………………Arts. 22 ao 136

CAPÍTULO I

Da Base de Cálculo……………………………………………….. ………………………………………………..Arts. 22 a 39

Seção I

Das Disposições Gerais…………………………………………………………………………………………….Arts. 22 a 35

Seção II

Do Arbitramento Fiscal………………………………………………………………………………………………Arts. 36 a 38

Seção III

Da Base de Cálculo Reduzida……………………………………………………………………………………………..Art. 39

CAPÍTULO II

Das Alíquotas………………………………………………………………………………………………………….Arts. 40 e 41

CAPÍTULO III

Do Lançamento………………………………………………………………………………………………………Arts. 42 ao 44

CAPÍTULO IV

Da Sistemática de Apuração do Imposto………………………………………………………………………Arts. 45 a 130

Seção I

Da Não-Cumulatividade………………………………………………………………………………………………Arts. 45 e 46

Seção II

Do Direito de Crédito…………………………………………………………………………………………………Arts. 47 a 52

Subseção I

Do Crédito Fiscal……………………………………………………………………………………………………..Arts. 47 a 52

Subseção II

Do Crédito Extemporâneo…………………………………………………………………………………………..Arts. 53 a 56

Seção III

Do Crédito Presumido………………………………………………………………………………………………………..Art. 57

Seção IV

Da Vedação do Crédito………………………………………………………………………………………………………Art. 58

Seção V

Do Estorno do Crédito……………………………………………………………………………………………………….Art. 59

Seção VI

Da Manutenção do Crédito………………………………………………………………………………………………….Art. 60

Seção VII

Do Direito ao Crédito Relativo a Devolução e ao Retorno de Mercadorias………………………………..Arts. 61 a 65

Subseção I

Da Devolução por Desfazimento de Negócio e da Devolução no Retorno de Mercadoria……………….Arts.61a 65

Subseção II

Da Substituição de Peças em Virtude de Garantia por Concessionária, Revendedor,  Agência ou Oficina Autorizada………………………………………………………………………………………………………………Arts. 66 a 68

Subseção II-A

Da Substituição de Peças em Virtude de Garantia ……………………………………………………..Arts. 68-A a 68-F

Subseção II-B

Da Substituição de Peças e Partes em Virtude de Garantia por Empresa Nacional da Indústria Aeronáutica ………Arts. 68-G a 68-M

Seção VIII

Do Crédito Fiscal Acumulado ……………………………………………………………………………………..Arts. 69 a 73

Subseção I

Das Hipóteses de Acumulação do Crédito Fiscal……………………………………………………………………..Art. 69

Subseção II

Da Apuração do Crédito Fiscal Acumulado…………………………………………………………………..Arts. 70 a 70-A

Subseção III

Da Utilização do Crédito Fiscal Acumulado…………………………………………………………………………….Art. 71

Subseção IV

Da Escrituração do Crédito Acumulado………………………………………………………………………….Arts. 72 a 73

Seção IX

Do Débito Fiscal ……………………………………………………………………………………………………..Arts. 74 a 76

Subseção I

Da Constituição do Débito ………………………………………………………………………………………….Arts. 74 e 75

Subseção II

Do Estorno ou Anulação do Débito Fiscal ………………………………………………………………………………Art. 76

Seção X

Da Apuração do Imposto ……………………………………………………………………………………………Arts. 77 a 98

Subseção I

Das Disposições Gerais ……………………………………………………………………………………………Arts. 77 a 82

Subseção II

Do Regime Normal de Apuração do Imposto …………………………………………………………………………..Art. 83

Subseção III

Do Regime Simplificado de Apuração do Imposto …………………………………………………………………….Art. 84

Subseção IV

Do Regime de Estimativa …………………………………………………………………………………………..Arts. 85 a 94

Subseção V

Da Centralização da Apuração do Imposto …………………………………………………………………….Arts. 95 a 98

Seção XI

Do Recolhimento do Imposto …………………………………………………………………………………….Arts. 99 a 107

Subseção I

Dos Prazos …………………………………………………………………………………………………………..Arts. 99 a 100

Subseção II

Do Pagamento……………………………………………………………………………………………………..Arts. 101 a 104

Subseção III

Da Forma ……………………………………………………………………………………………………………Arts. 105 a 107

Seção XII

Dos Acréscimos Moratórios………………………………………………………………………………………………Art. 108

Seção XIII

Da Atualização Monetária…………………………………………………………………………………………………Art. 109

Seção XIV

Da Restituição ……………………………………………………………………………………………………..Arts. 110 a 117

Seção XV

Do Ressarcimento…………………………………………………………………………………………………Arts. 118 a 129

Subseção I

Nas Saídas Interestaduais……………………………………………………………………………………….Arts. 118 a 129

Subseção II

Empresas Enquadradas no SIMFAZ e Contribuinte Não Inscrito…………………………………………………Art. 130

CAPÍTULO V

Do Regime Especial de Tributação ……………………………………………………………………………Arts. 131 a 136

TÍTULO III

Da Sujeição Passiva………………………………………………………………………………………………Arts. 137 a 141

CAPÍTULO I

Das Diposições Gerais……………………………………………………………………………………………Arts. 137 a 138

CAPÍTULO II

Do Contribuinte……………………………………………………………………………………………………..Arts. 139 a 140

CAPÍTULO III

Do Responsável por Solidariedade………………………………………………………………………………………Art. 141

LIVRO II – DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS……………………………………………………………..Arts. 142 a 465

TÍTULO I

Da Observância da Legislação Tributária……………………………………………………………………..Arts. 142 a 144

TÍTULO II

Do Cadastro de Contribuintes…………………………………………………………………………………..Arts. 145 a 168

Das Disposições Gerais………………………………………………………………………………………….Arts. 145 a 146

CAPÍTULO II

Da Inscrição…………………………………………………………………………………………………………..Art. 147 a 168

Seção I

Da Obrigatoriedade………………………………………………………………………………………………………….Art. 147

Seção II

Da Solicitação………………………………………………………………………………………………………Arts. 148 a 162

Seção III

Do Credenciamento do Contabilista…………………………………………………………………………………….Art. 163

Seção IV

Da Alteração………………………………………………………………………………………………………………….Art. 164

Seção V

Do Cancelamento………………………………………………………………………………………………….Arts. 165 a 167

Seção VI

Da Baixa………………………………………………………………………………………………………………………Art. 168

Seção VII

Da Suspensão e da Atualização……………………………………………………………………………….Arts. 169 a 171

TÍTULO III

Dos Documentos e Livros Fiscais……………………………………………………………………………….Art. 172 a 349

CAPÍTULO I

Dos Documentos Fiscais………………………………………………………………………………………..Arts. 172 a 294

Seção I

Das Disposições Comuns a Todos os Documentos Fiscais……………………………………………..Arts. 172 a 192

Subseção I

Das Disposições Gerais………………………………………………………………………………………….Arts. 172 a 174

Subseção II

Da Autorização para Impressão de Documentos Fiscais…………………………………………………Arts. 175 a 176

Subseção III

Das Características dos Documentos Fiscais ……………………………………………………………..Arts. 177 a 179

Subseção IV

Das Séries e Subséries dos Documentos Fiscais…………………………………………………………………..Art. 180

Subseção V

Da Emissão dos Documentos Fiscais ……………………………………………………………………….Arts. 181 a 187

Subseção VI

Do Documento Fiscal Inidôneo…………………………………………………………………………………………..Art. 188

Subseção VII

Do Cancelamento e do Prazo de Validade dos Documentos Fiscais ………………………………….Arts.189 a 192

Seção I-A

Da Nota Fiscal Avulsa Emitida para Órgão ou Entidade da Administração Pública Estadual ou Municipal…………………………………………………………………………………………………………………..Art.192-A

Seção I-B

Do Documento Fiscal Eletrônico – DFE e do Registro Eletrônico de Documento Fiscal – REDF…..Arts. 192-B a 192-D

Seção II

Dos Documentos Fiscais Relativos às Operações…………………………………………………………Arts. 193 a 225

Subseção I

Da Nota Fiscal nas Operações de Saída……………………………………………………………………..Arts. 193 a 203

Subseção II

Da Nota Fiscal nas Operações de Entrada…………………………………………………………………..Arts. 204 a 206

Subseção III

Da Nota Fiscal de Venda a Consumidor………………………………………………………………………Arts. 207 a 210

Subseção IV

Da Nota Fiscal de Produtor………………………………………………………………………………………Arts. 211 a 214

Subseção V

Da Nota Fiscal/Conta de Energia Elétrica……………………………………………………………………Arts. 215 a 219

Subseção VI

Da Nota Fiscal Avulsa………………………………………………………. …………………………………..Arts. 220 a 225

Seção III

Dos Documentos Fiscais Relativos às Prestações de Serviços…………………………………………Arts. 226 a 294

Subseção I

Da Nota Fiscal de Serviço de Transporte……………………………………………………………………..Arts. 226 a 232

Subseção I-A

Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico…………………………………………………..Arts. 232-A a 232-X

Subseção II

Do Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas …………………………………………………..Arts. 233 a 241

Subseção III

Do Conhecimento de Transporte Aguaviário de Cargas …………………………………………………..Arts. 242 a 248

Subseção IV

Do Conhecimento Aéreo………………………………………………………………………………………….Arts. 249 a 253

Subseção V

Do Conhecimento de Transporte Ferroviário de Cargas …………………………………………………..Arts. 254 a 257

Subseção V-A

Do Conhecimento de Transporte Multimodal de Cargas……………………………………………………257-A a 257-G

Subseção V-B

Da Nota Fiscal de Serviço de Transporte Ferroviário…………………………………………………………257-H a 257-J

Subseção VI

Do Despacho de Transporte………………………………………………………………………………………………Art. 258

Subseção VII

Da Ordem de Coleta de Cargas…………………………………………………………………………………Arts. 259 a 260

Subseção VIII

Do Manifesto de Carga …………………………………………………………………………………………..Arts. 261 a 262

Subseção IX

Da Autorização de Carregamento e Transporte – ACT………………………………………………………………Art. 263

Subseção X

Do Bilhete de Passagem Rodoviário…………………………………………………………………………..Arts. 264 a 267

Subseção XI

Do Bilhete de Passagem Aquaviário…………………………………………………………………………..Arts. 268 a 270

Subseção XII

Do Bilhete de Passagem e Nota de Bagagem………………………………………………………………Arts. 271 a 273

Subseção XIII

Do Bilhete de Passagem Ferroviário…………………………………………………………………………..Arts. 274 a 277

Subseção XIII-A

Das Disposições Comuns aos Prestadores dos Serviços de TRansporte………………………………277-A a 277-C

Subseção XIV

Do Uso de Máquina Registradora, ECF, PDV ou Catraca, ou de Sistemas de Marcação, Perfuração, Picotamento ou Assinalação de Bilhetes………………………………………………………………………………Art. 278

Subseção XV

Do Resumo de Movimento Diário……………………………………………………………………………….Arts. 279 a 284

Subseção XVI

Do Documento de Excesso de Bagagem………………………………………………………………………………Art. 285

Subseção XVII

Da Nota Fiscal de Serviço de Comunicação…………………………………………………………………Arts. 286 a 289

Subseção XVIII

Da Nota Fiscal de Serviço de Telecomunicações…………………………………………………………..Arts. 290 a 294

Título III-A

Da Emissão Escrituração, Manutenção e Prestação das Informações Relativas a Documentos Fiscais Emitidos em uma Única Via por Sistema Eletrônico de Processamento de Dados………………….294-A a 349-H

Capítulo I

Da Emissão e Escrituração das Informações Relativas aos Documentos Fiscais com Emissão em uma Única Via por Sistema Eletrônico de Processamento de Dados………………………………………………….294-A a 294-B

Capítulo II

Da Integridade das Informações do Documento Fiscal Gravado em Meio Eletrônico……………………………294-C

Capítulo III

Da Manutenção em Meio Ótico, das Informações Constantes dos Documentos Fiscais Emitidos em Via Única…………………………………………………………………………………………………………………..294-D a 294-E

Capítulo IV

Da Entrega dos Arquivos Mantidos em Meio Óptico………………………………………………………..294-F a 294-G

Capítulo II

Da Emissão de Documentos Fiscais e da Escrituração de Livros Fiscais Por Sistema Eletrônico de Processamento de Dados……………………………………………………………………………………….Arts. 295 a 326

Seção I

Dos Objetivos e do Pedido……………………………………………………………………………………….Arts. 295 a 296

Seção II

Das Condições para Utilização do Sistema………………………………………………………………….Arts. 297 a 300

Seção III

Dos Documentos Fiscais………………………………………………………………………………………..Arts. 301 a 303

Subseção I

Da Nota Fiscal……………………………………………………………………………………………………..Arts. 301 a 302

Subseção II

Dos Conhecimentos de Transporte Rodoviário, Aquaviário e Aéreo………………………………………………Art. 303

Seção IV

Das Disposições Comuns aos Documentos Fiscais………………………………………………………Arts. 304 a 306

Seção V

Dos Formulários Destinados à Emissão de Documentos Fiscais………………………………………Arts. 307 a 309

Subseção I

Das Disposições Comuns aos Formulários Destinados à Emissão de Documentos Fiscais…….Arts. 307 a 308

Subseção II

Da Autorização para Confecção de Formulários Destinados à Emissão de Documentos Fiscais………..Art. 309

Seção VI

Da Escrita Fiscal…………………………………………………………………………………………………..Arts. 310 a 319

Subseção I

Do Registro Fiscal…………………………………………………………………………………………………Arts. 310 a 314

Subseção II

Da Escrituração Fiscal……………………………………………………………………………………………Arts. 315 a 319

Seção VII

Da Fiscalização…………………………………………………………………………………………………….Arts. 320 a 321

Seção VIII

Das Disposições Finais e Transitórias………………………………………………………………………..Arts. 322 a 326

CAPÍTULO III

Da Impressão e Emissão Simultâneas de Documentos Fiscais por Impressor Autônomo ………Arts. 327 a 328

CAPÍTULO III-A

Da Nota Fiscal Eletrônica e do Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica…………………Arts. 328-A a 328-X

Seção I

Da Nota Fiscal Eletrônica…………………………………………………………………………………. Arts.328-A a 328-H

Seção II

Do Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica……………………………………………………..Arts. 328-I a 328-R

Seção III

Da Obrigatoriedade da Emissão da Nota Fiscal Eletrônica…………………………………………..Art. 328-S a 328-Y

Seção IV

Do Formulário de Segurança para Impressão de Documento Auxiliar de Documento Fiscal Eletrônico….328-Z a 328-Z-L

CAPÍTULO IV

Dos Livros Fiscais…………………………………………………………………………………………………Arts. 329 a 348

Seção I

Das Disposições Gerais………………………………………………………………………………………….Arts. 329 a 338

Seção II

Do Livro Registro de Entradas…………………………………………………………………………………………….Art. 339

Seção III

Do Livro Registro de Saídas……………………………………………………………………………………….Art. 340 a 342

Seção IV

Do Livro Registro de Apuração do ICMS……………………………………………………………………………….Art. 343

Seção V

Do Livro Registro de Impressão de Documentos Fiscais…………………………………………………………..Art. 344

Seção VI.

Do Livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrências…………………………..Art. 345

Seção VII

Do Livro Registro de Inventário……………………………………………………………………………………………Art. 346

Seção VIII

Do Livro Registro de Controle da Produção e do Estoque………………………………………………………….Art. 347

Seção IX

Do Livro de Movimentação de Combustíveis…………………………………………………………………………..Art. 348

Seção X

Do Livro de Movimentação de Produtos………………………………………………………………………………..Art. 349

CAPÍTULO IV-A

Escrituração Fiscal Digital…………………………………………………………………………………..Art. 349-A a 349-H

TÍTULO IV

Do Equipamento Emissor de Cupom Fiscal – ECF…………………………………………………………Arts. 350 a 453

CAPÍTULO I

Da Obrigatoriedade do Uso……………………………………………………………………………………Arts. 350º a 362º

Seção I

Das Disposições Gerais……………………………………………………………………………………….Arts. 350º a 354º

Seção II

Do Pedido de Uso ou Cessação de Uso de Equipamento Emissor de Cupom Fiscal – ECF……..Arts. 355 a 361

Seção III

Da Vedação do Uso de Equipamentos para Fins Não Fiscais…………………………………………………….Art. 362

CAPÍTULO II

Das Definições……………………………………………………………………………………………………..Arts. 363 a 364

CAPÍTULO III

Do Hardware………………………………………………………………………………………………………..Arts. 365 a 366

Seção I

Dos Requisitos Gerais……………………………………………………………………………………………………..Art. 365

Seção II

Da Placa Controladora Fiscal…………………………………………………………………………………………….Art. 366

CAPÍTULO IV

Do Software Básico……………………………………………………………………………………………….Arts. 367 a 385

Seção I

Dos Requisitos Gerais……………………………………………………………………………………………………..Art. 367

Seção II

Da Memória Fiscal………………………………………………………………………………………………………….Art. 368

Subseção I

Dos Dados da Memória Fiscal……………………………………………………………………………………………Art. 368

Subseção II

Disposições Gerais sobre a Memória Fiscal………………………………………………………………………….Art. 369

Seção III

Do Modo de Intervenção Técnica………………………………………………………………………….  ….Arts. 370 a 371

Seção IV

Da Memória de Fita-Detalhe………………………………………………………………………………………………Art. 372

Seção V

Da Autenticação……………………………………………………………………………………………………………..Art. 373

Seção VI

Do Preenchimento de Cheque……………………………………………………………………………………………Art. 374

Seção VII

Das Condições de Pagamento……………………………………………………………………………………………Art. 375

Seção VIII

Da Leitura da Memória de Trabalho……………………………………………………………………………………..Art. 376

Seção IX

Do Ajuste do Relógio de Tempo-Real…………………………………………………………………………………..Art. 377

Seção X

Das Operações de Descontos, de Acréscimos e de Cancelamentos…………………………………Arts.  378 a 382

Subseção I

Do Desconto………………………………………………………………………………………………………………….Art. 378

Subseção II

Do Acréscimo………………………………………………………………………………………………………………..Art. 379

Subseção III

Do Cancelamento……………………………………………………………………………………………………………Art. 380

Subseção IV

Das Disposições Gerais…………………………………………………………………………………………Arts. 381 a 382

Seção XI

Das Disposições Gerais sobre o Software Básico…………………………………………………………Arts. 383 a 385

CAPÍTULO V

Dos Documentos Emitidos no ECF……………………………………………………………………………Arts. 386 a 416

Seção I

Das Características Aplicadas a Todos os Documentos………………………………………………….Arts. 386 a 387

Seção II

Dos Documentos Fiscais………………………………………………………………………………………..Arts. 388 a 406

Subseção I

Da Leitura da Memória Fiscal…………………………………………………………………………………..Arts. 388 a 389

Subseção II

Da Redução Z………………………………………………………………………………………………………Arts. 390 a 391

Subseção III

Da Leitura X…………………………………………………………………………………………………………Arts. 392 a 393

Subseção IV

Do Cupom Fiscal…………………………………………………………………………………………………..Arts. 394 a 396

Subseção V

Do Cupom Fiscal para Registro de Prestação de Serviço de Transporte

de Passageiro………………………………………………………………………………………………………Arts. 397 a 401

Subseção VI

Da Nota Fiscal de Venda a Consumidor……………………………………………………………………………….Art. 402

Subseção VII

Do Mapa Resumo de Viagem…………………………………………………………………………………………….Art. 403

Subseção VIII

Do Registro de Venda………………………………………………………………………………………………………Art. 404

Subseção IX

Do Conferência de Mesa…………………………………………………………………………………………………..Art. 405

Subseção X

Dos Bilhetes de Passagem Rodoviário, Aquaviário e Ferroviário………………………………………………….Art. 406

Seção III

Dos Demais Documentos………………………………………………………………………………………..Arts. 407 a 416

Subseção I

Do Comprovante de Crédito ou Débito…………………………………………………………………………Arts. 407 a 410

Subseção II

Do Comprovante Não-Fiscal …………………………………………………………………………………….Arts. 411 a 413

Subseção III

Do Comprovante Não-Fiscal Cancelamento……………………………………………………………………………Art. 414

Subseção IV

Do Relatório Gerencial……………………………………………………………………………………………………..Art. 415

Subseção V

Da Fita-detalhe em ECF com Memória de Fita-detalhe…………………………………………………………….Art. 416

CAPÍTULO VI

Dos Requisitos Gerais Sobre o ECF…………………………………………………………………………..Arts. 417 a 418

CAPÍTULO VII

Da Escrituração Fiscal……………………………………………………………………………………………Arts. 419 a 423

Seção I

Do Mapa Resumo ECF…………………………………………………………………………………………………….Art. 419

Seção II

Do Resumo de Movimento Diário……………………………………………………………………………….Arts. 420 a 421

Seção III

Do Registro de Saídas……………………………………………………………………………………………Arts. 422 a 423

CAPÍTULO VIII

Do Ponto de Venda no Estabelecimento, do Programa Aplicativo e do

Uso de Sistema de Gestão do Estabelecimento……………………………………………………………Arts. 424 a 433

Seção I

Do Ponto de Venda no Estabelecimento……………………………………………………………………..Arts. 424 a 425

Seção II

Do Sistema de Gestão Comercial e do Programa Aplicativo…………………………………………….Arts. 426 a 430

Subseção I

Do Sistema de Gestão do Estabelecimento…………………………………………………………………Arts. 426 a 427

Subseção II

Do Programa Aplicativo…………………………………………………………………………………………..Arts. 428 a 429

Subseção III

Da Codificação das Mercadorias…………………………………………………………………………………………Art. 430

Seção III

Da Bobina de Papel para Emissão de Documentos e da Fita-detalhe…………………………………Arts. 431 a 433

Subseção I

Da Bobina de Papel para Emissão de Documentos……………………………………………………….Arts. 431 a 432

Subseção II

Da Fita-detalhe……………………………………………………………………………………………………………….Art. 433

CAPÍTULO IX

Do Credenciamento, Competência e Atribuições dos Responsáveis Pela Intervenção Técnica em ECF…………………………………………………………………………………………………………………..Arts. 434 a 438

Seção I

Do Credenciamento e da Competência……………………………………………………………………………….. Art. 434

Seção II

Das Atribuições dos Credenciados a Intervir em ECF……………………………………………………………….Art. 435

Seção III

Do Atestado de Intervenção Técnica em ECF……………………………………………………………….Arts. 436 a 438

CAPÍTULO IX-A

Dos Procedimentos Relativos à Análisa de Programa Aplicativo Fiscal – (PAF-ECF)………..Arts. 438-A a 438-P

Seção I

Disposições Preliminares…………………………………………………………………………………..Arts. 438-A a 438-C

Seção II

Da Análise Funcional de Programa Aplicativo Fiscal – Do Credenciamento de Órgão Técnico……..Arts. 438-D a 438-G

Seção III

Dos Procedimentos da Análise Funcional de PAF-ECF……………………………………………..Arts. 438-H a 438-J

Seção IV

Dos Procedimentos para Cadastro, Credenciamento ou Registro de PAF-ECF……………….Arts. 438-K a 438-M

Seção V

Das Disposições Finais…………………………………………………………………………………….Arts. 438-N a 438-P

CAPÍTULO X

Das Disposições Finais…………………………………………………………………………………………..Arts. 439 a 453

TÍTULO V

Das Informações Econômico – Fiscais………………………………………………………………………..Arts. 454 a 465

CAPÍTULO I

Da Declaração de Informações do Contribuinte – DIC……………………………………………………..Arts. 454 a 460

CAPÍTULO II

Do Sistema Integrado de Informações Sobre Operações Interestaduais Com Mercadorias – SINTEGRA…….Art. 461º

CAPÍTULO III

Do Valor Adicionado Fiscal………………………………………………………………………………………Arts. 462 a 465

CAPÍTULO IV

Da Guia de Informação de Documentos Fiscais………………………………………………………Arts. 465-K a 465-O

LIVRO III

Dos Procedimentos Especiais………………………………………………………………………………….Arts. 466 a 796

TÍTULO I

Das Operações e Prestações Especiais……………………………………………………………………..Arts. 466 a 616

CAPÍTULO I

Das Mercadorias Remetidas Para a Zona Franca de Manaus e Para as Áreas de Livre Comércio…..Arts. 466 a 480

Seção I

Das Notas Fiscais…………………………………………………………………………………………………Arts. 466 a 467

Seção II

Do ingresso, Do Internamento, Da Vistoria Física e Da Vistoria Técnica……………………………………….Art. 468

Subseção I

Do Ingresso………………………………………………………………………………………………………….Arts. 469 a 474

Subseção II

Da Vistoria Física………………………………………………………………………………………………….Arts. 475 a 477

Subseção III

Da Vistoria Técnica…………………………………………………………………………………………….Arts. 478 a 480-A

Seção III

Do Internamento………………………………………………………………………………………………Arts. 480-B a 480-C

Seção IV

Do Desinternamento de Produtos………………………………………………………………………..Arts. 480-D a 480-E

Seção V

Da Emissão das Notas Fiscais………………………………………………………………………………………..Art. 480-F

Seção VI

Das Disposições Finais…………………………………………………………………………………….Arts. 480-G a 480-K

CAPÍTULO II

Das Vendas a Ordem ou Para Entrega Futura………………………………………………………………Arts. 481 a 483

Seção I

Da Emissão da Nota Fiscal nas Vendas à Ordem ou Para Entrega Futura…………………………..Arts. 481 a 483

Seção II

Da Emissão da Nota Fiscal nas Remessas de Medicamentos Promovidas por Ordem do Ministério da Saúde……………………………………………………………………………………………………………………….Art. 483-A

CAPÍTULO III

Das Prestações de Serviços Públicos de Telecomunicações e comunicações…………………..Arts. 484 a 494-F

Seção I

Das Operações de Serviços Públicos de Telecomunicações…………………………………………….Arts. 484 a 494

Seção II

Das Prestações de Serviços de Televisão por Assinatura – Via satélite” e de Provimento de Acesso à “Internet” Art. 494-A a 494-F 

CAPÍTULO III-A

Da Atribuição de Responsabilidade Tributária em Prestações de Comunicação para a Caixa Econômica Federal………………………………………………………………………………………………………….Arts. 494-G a 494-J

Seção I

Da substituição tributária……………………………………………………………………………………………..Art. 494-G I

Seção II

Da Base de cálculo, da Apuração e do Recolhimento do Imposto Apurado……………………..Arts. 494-H e 494-I

Seção III

Das Obrigações Acessórias…………………………………………………………………………………………….Art. 494-J

CAPÍTULO IV

Das Operações Relativas a Mercadorias Para Demonstração…………………………………………..Arts. 495 a 498

CAPÍTULO V

Das Operações Relativas a Mercadorias Para Exposição ou Feira…………………………………….Arts. 499 a 503

CAPÍTULO VI

Dos Estabelecimentos Industrializadores e dos Estabelecimentos Autores de Encomendas……Arts. 504 a 508

CAPÍTULO VII

Dos Feirantes e dos Ambulantes não Enquadrados no SIMFAZ………………………………………..Arts. 509 a 511

CAPÍTULO VIII

Das Operações Realizadas Pela Conab/PGPM…………………………………………………………….Arts. 512 a 552

SEÇÃO I

Do Regime Especial Relacionado ao Cumprimento das Obrigações pela CONAB/PGPM………..Arts. 512 a 525

SEÇÃO II

Do Regime Especial Relacionado ao Cumprimento das Obrigações pela CONAB/PAA………Arts. 525-A a 525-I

CAPÍTULO IX

Da Aquisição, Distribuição e Entrega de Brindes…………………………………………………………..Arts. 526 a 529

Seção I

Da Disposição Preliminar………………………………………………………………………………………………….Art. 526

Seção II

Da Distribuição de Brindes por Conta Própria……………………………………………………………….Arts. 527 a 528

Seção III

Da Entrega de Brindes ou Presentes por Conta e Ordem de Terceiro…………………………………………..Art. 529

CAPÍTULO X

Das Operações Com Mercadoria em Consignação Mercantil……………………………………………………..Art. 530

CAPÍTULO XI

Das Operações de Consignação Industrial…………………………………………………………………..Arts. 531 a 534

CAPÍTULO XII

Da Diferença de Alíquota…………………………………………………………………………………………Arts. 535 a 541

CAPÍTULO XIII

Das Empresas de Energia Elétrica…………………………………………………………………………….Arts. 542 a 544

Seção I

Da Centralização da Escrita Fiscal…………………………………………………………………………Arts. 542 a 543-C

Seção I-A

Da Emissão de Documentos Fiscais no Âmbito do Programa de Incentivo às Fontes Alternativa de Energia Elétrica – PROINFA……………………………………………………………………………………………………….Arts. 543-D a 543-I

Seção II

Da Emissão de Nota Fiscal……………………………………………………………………………………………….Art. 544

Seção III

Do Agente da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica-CCEE………………………….Arts. 544-A a 544-E

CAPÍTULO XIII-A

Da Atribuição da Responsabilidade pelo Pagamento do ICMS devido pela Conexão e uso de Sistema de Transmissão de Energia Elétrica…………………………………………………………………………..Arts. 544-G a 544-I

CAPÍTULO XIV

Dos Depósitos Fechados………………………………………………………………………………………..Arts. 545 a 550

CAPÍTULO XV

Dos Armazéns-Gerais, dos Remetentes e dos Depositantes…………………………………………….Arts.551 a 557

CAPÍTULO XVI

Das Operações Realizadas Fora do Estabelecimento Inclusive por Meio de Veículo………………Arts. 558 a 564

Seção I

Das Operações Realizadas por Contribuintes de Outras Unidades da Federação no Território do Estado de Sergipe……………………………………………………………………………………………………………….Arts. 558 a 561

Seção II

Das Operações Realizadas por Contribuinte Deste Estado para o Mesmo ou para Outros Estados……Arts. 562 a 564

CAPÍTULO XVII

Das Operações Relativas à Cana-de-Açúcar e Aos Produtos Resultantes de Sua Moagem e Industrialização…………………………………………………………………………………………………….Arts. 565 a 569

CAPÍTULO XVIII

Do Arrendamento Mercantil – (Leasing)…………………………………………………………………………………Art. 570

CAPÍTULO XIX

Das Operações Relativas às Mercadorias Importadas do Exterior……………………………………..Arts. 571 a 579

Seção I

Do Desembaraço Aduaneiro…………………………………………………………………………………….Arts. 571 a 578

Seção II

Dos Bens Destinados Unidade Federada Diversa da do  Domicílio do Importador……………………………Art. 579

Seção III

Das Operações Interestaduais com Mercadorias Importadas Tributadas a Alíquota de 4%……..Arts. 579-A a 579-K

Seção IV

Das Disposições Transitórias………………………………………………………………………………….Arts. 579-L e 579-M

CAPÍTULO XX

Das Operações e Prestações Que Destinem Mercadorias e Serviços ao Exterior………………….Arts. 580 a 593

Seção I

Da Não Incidência………………………………………………………………………………………………….Arts. 580 a 581

Seção II

Da Manutenção do Crédito………………………………………………………………………………………………..Art. 582

Seção III

Das Operações que Antecedem a Exportação……………………………………………………………..Arts. 583 a 593

Subseção I

Do Credenciamento do Fabricante ou Remetente e do Intermediário……………………………………………Art. 583

Subseção II
Dos Procedimentos do Estabelecimento Remetente………………………………………………………Arts. 584 a 585

Subseção III

Dos Procedimentos do Estabelecimento Destinatário-Exportador………………………………………Arts. 586 a 588

Subseção IV

Da Não-Efetivação da Exportação……………………………………………………………………………………….Art. 589

Subseção V

Da Mercadoria Exportada sob o Regime de Depósito Alfandegado Certificado………………………Arts. 590 a 593

Subseção VI

Do Procedimento de Controle das Remessas de Mercadorias para Formação de Lotes de Exportação em RecintosAlfandegados………………………………………………………………………………………Arts. 593-A a 593-D

Seção IV

Dos procedimentos de Controle e Emissão de Documentos Fiscais nas Remessas de Mercadoria para Exportação Direta, por Conta e Ordem de Terceiros Situados no Exterior………………………Arts. 593-E a 593-H

CAPÍTULO XXI

Das Operações Com Gado……………………………………………………………………………………Arts. 594 a 598-C

Seção II

Das Operações de Entrada de Gado Suíno para Industrialização……………………………….. Arts. 598-A a 598-C

CAPÍTULO XXII

Das Operações Relativas aos Eqüinos Puro-Sangue de Corrida………………………………………..Arts. 599 a 600

CAPÍTULO XXIII

Das Obrigações Dos Síndicos, Comissários, Inventariantes, Liquidantes e Leiloeiros……………..Arts. 601 a 603

CAPÍTULO XXIV

Das Operações De Destroca De Botijões Vazios (Vasilhames) Destinados Ao Acondicionamento de GLP…………………………………………………………………………………………………………………..Arts. 604 a 612

CAPÍTULO XXV

Da Coleta, Armazenagem e Remessa de Pilhas e Baterias Usadas…………………………………………….Art. 613

CAPÍTULO XXV-A

Da Dispensa da Emissão de Nota Fiscal Relativa à Coleta, Armazenagem e Remessa de Baterias Usadas de Telefone Celular ………………………………………………………………………………………………………….Art. 613-A

CAPÍTULO XXVI

Dos Produtores Rurais e Dos Extratores……………………………………………………………………..Arts. 614 a 616

CAPÍTULO XXVII
Da Parcela Vinculada ao Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza…………….Arts. 616-A a 616-I

Seção I
Da Incidência………………………………………………………………………………………………………………Art. 616-B

Seção II
Da Não-Incidência………………………………………………………………………………………………………..Art. 616-C

Seção III
Do Documento Fiscal……………………………………………………………………………………….Arts. 616-D e 616-E

Seção IV
Da Apuração……………………………………………………………………………………………………………….Art. 616-F

Seção V
Do Recolhimento………………………………………………………………………………………………Arts. 616-G a 616-I

CAPÍTULO XXVIII
Das Empresas de Construção Civil……………………………………………………………………………………Art. 616-J

CAPÍTULO XXIX

Das Operações de Venda de Veículos Autopropulsados Realizadas por pessoas Jurídicas que explorem a atividade de produtor agropecuário, locação de veículos e arrendamento mercantil…………….Art. 616-R a 616-Y

Seção I

Das Disposições Preliminares…………………………………………………………………………………………Art. 616-R

Seção II

Da Base de Cálculo………………………………………………………………………………………………………Art. 616-S

Seção III

Do Recolhimento do ICMS………………………………………………………………………………………………Art. 616-T

Seção IV

Das Obrigações das Montadoras……………………………………………………………………………………..Art. 616-U

Seção V

Das Disposições Finais…………………………………………………………………………………….Arts. 616-V a 616-Y

CAPÍTULO XXX

Do Regime Especial concedido à Petróleo Brasileiro S.A. para emissão de Nota Fiscal ……………………………………………………………….Arts. 616-Z a 616–Z-F

CAPÍTULO XXXI

DOS PROCEDIMENTOS RELATIVOS ÀS SAÍDAS E ENTRADAS DE PARTES, PEÇAS E COMPONENTES DE USOS AERONÁUTICOS……………………………………Arts. 616-Z-G a Art. 616-Z-J

TÍTULO II

DAS EMPRESAS DE TRANSPORTES………………………………………………………………………Arts. 617 a 651

CAPÍTULO I

Dos Transportadores de Passageiros ou de Mercadorias…………………………………………………Arts. 617 a 639

Seção I

Das Disposições Gerais………………………………………………………………………………………….Arts. 617 a 618

Seção II

Da Inscrição Única e da Escrituração Fiscal Centralizada…………………………………………………………Art. 619

Seção III

Da Subcontratação de Transporte……………………………………………………………………………………….Art. 620

Seção IV

Do Redespacho de Mercadoria…………………………………………………………………………………………..Art. 621

Seção V

Da Devolução e do Retorno de Cargas…………………………………….……………………………………………Art. 622

Seção VI

Da Coleta de Carga no Endereço do Remetente……………………….…………………………………………....Art. 623

Seção VII

Do Transporte Intermodal………………………………………………………………………………………………….Art. 624

Seção VIII

Do Excesso de Bagagem………………………………………………………………………………………………….Art. 625

Seção IX

Do Transbordo de Cargas, Turistas, Pessoas e Passageiros……………………………………………………..Art. 626

Seção X

Do Transporte de Carga Própria………………………………………………………………………………..Arts. 627 a 628

Seção XI

Do Transporte de Mercadoria Vendida a Preço FOB………………………………………………………………..Art. 629

Seção XII

Do Transporte de Mercadoria Vendida a Preço CIF………………………………………………………………….Art. 630

Seção XIII

Do Regime Especial para Empresas de Transporte Aéreo…………………………………………………………Art. 631

Seção XIV

Do Regime Especial para Empresas de Transporte Ferroviário……………………………………………………Art. 632

Seção XV

Do Regime Especial para Empresas de Transporte Aquaviário……………………………………………………Art. 633

Seção XVI

Do Regime Especial para Transportadores de Valores……………………………………………………………..Art. 634

Seção XVI-A

Do Regime Especial para Acobertar o Trânsito de Bens do Ativo Permanente………………..Arts. 634-A e 634-B

Seção XVII

Do Transporte de Mercadorias ou Bens Realizado por Empresa de “Courier”……………………….Arts. 635 a 639

CAPÍTULO II

Do Termo De Responsabilidade………………………………………………………………………………..Arts. 640 a 651

Seção I

Das Disposições Gerais……………………………………………………………………………………………………Art. 640

Seção II

Do Termo de Transferência de Responsabilidade – TTR…………………………………………………..Arts. 641 a 642

Seção III

Da Baixa de Termo de Responsabilidade – TR e de Termo de Transferência de Responsabilidade–TTR..Art. 643

Subseção I

Da Baixa………………………………………………………………………………………………………………………Art. 643

Subseção II

Da Baixa Administrativa……………………………………………………………………………………………………Art. 644

Seção IV

Da Pendência de Termo de Responsabilidade-TR ou Termo de Transferência de Responsabilidade – TTR……………………………………………………………………………………………………………………………..Art. 645

Seção V

Do Cancelamento de Termo de Responsabilidade-TR e de Termo de Transferência de Responsabilidade – TTR……………………………………………………………………………………………………………………………..Art. 646

Seção VI

Das Disposições Finais…………………………………………………………………………………………..Arts. 647 a 651

CAPÍTULO III

Do Credenciamento das Empresas de Transporte……………………………………………………Arts. 651-A a 651-H

Seção I

Do Credenciamento…………………………………………………………………………………………Arts. 651-A a 651-E

Seção II

Da Suspensão…………………………………………………………………………………………………………….Art. 651-F

Seção III

Da Inabilitação…………………………………………………………………………………………………………….Art. 651-G

Seção IV

Do Descredenciamento…………………………………………………………………………………………………Art. 651-H

TÍTULO III

Do Regime de Apuração Simplificado do Imposto – SIMFAZ ………………………………………Arts. 674-A a 674-D

CAPÍTULO III

Das Empresas Enquadradas no Simples Nacional ………………………………………………….Arts. 674-A a 674-D

Seção I

Da Complementação de Alíquota Interestadual……………………………………………………………………Art. 674-A

Seção II

Do Enquadramento e do Desenquadramento………………………………………………………….Arts. 674-B a 674-D

TÍTULO IV

Da Substituição e Antecipação Tributárias…………………………………………………………………..Arts. 675 a 796

CAPÍTULO I

Da Substituição Tributária………………………………………………………………………………………..Arts. 675 a 780

Seção I

Das Disposições Gerais………………………………………………………………………………………….Arts. 675 a 676

Seção II

Da Responsabilidade no Regime de Substituição Tributária……………………………………………..Arts. 677 a 680

Seção III

Dos Contribuintes Substitutos nas Operações Interestaduais…………………………………………………….Art. 681

Seção III-A

Dos Contribuintes Substitutos nas Operações Interestaduais com Energia Elétrica………….Arts. 681-A a 681-D

Seção IV

Dos Contribuintes Substitutos nas Operações Internas…………………………………………………………….Art. 682

Seção V

Dos Contribuintes Substitutos nas Prestações de Serviços de Transporte…………………………………….Art. 683

Seção VI

Da Base de Cálculo da Substituição Tributária……………………………………………………………..Arts. 684 a 687

Seção VII

Da Apuração do Imposto na Substituição Tributária…………………………………………………………………Art. 688

Seção VIII

Do Recolhimento do Imposto na Substituição Tributária………………………………………………….Arts. 689 e 690

Seção IX

Da Substituição Tributária nas Operações com Veículos Automotores……………………………….Arts. 691 a 692

Subseção I

Do Contribuinte Substituto……………………………………………………………………………………….Arts. 691 a 692

Subseção II

Da Base de Cálculo e da Apuração do Imposto…………………………………………………………….Arts. 693 a 695

Subseção III

Das Obrigações Acessórias…………………………………………………………………………………….Arts. 696 a 699

Subseção IV

Do Faturamento Direto ao Consumidor……………………………………………………………………….Arts. 700 a 707

Seção X

Da Substituição Tributária nas Operações com Trigo em Grão e Farinha de Trigo……………………………Art. 708

Subseção I

Da Base de Cálculo e Apuração do Imposto…………………………………………………………………Arts. 709 a 714

Subseção II

Da Partilha e do Recolhimento do Imposto…………………………………………………………………..Arts. 715 a 718

Subseção III

Das Obrigações e do Acompanhamento……………………………………………………………………..Arts. 719 a 720

Seção X-A

Das Operações com Derivados da Farinha de Trigo…………………………………………………..Arts. 720-A a 720-I

Subseção I

Da Substituição Tributária nas Operações com Derivados da Farinha de Trigo………………..Arts. 720-A e 720-B

Subseção II

Da Antecipação Tributária com Encerramento da Fase de Tributação……………………………………….Art. 720-C

Subseção III

Da Base de Cálculo e Apuração do Imposto…………………………………………………………..Arts. 720-D a 720-G

Subseção IV

Das Demais Disposições……………………………………………………………………………………Arts. 720-H e 720-I

Seção XI

Da Substituição Tributária nas Operações com Combustíveis e Lubrificantes, Derivados ou Não de Petróleo………………………………………………………………………………………………………………Arts. 721 a 722

Subseção I

Da Responsabilidade……………………………………………………………………………………………..Arts. 721 a 726

Subseção II

Do Cálculo do Imposto Retido e do Momento do Pagamento…………………………………………Arts. 727 a 735-A

Subseção III

Das Operações Interestaduais com Combustíveis Derivados de Petróleo em que o Imposto Tenha Sido Retido Anteriormente…………………………..Arts. 735-B a 736

Subseção III-A

Das Operações Interestaduais com Gás Liquefeito de Petróleo – GLP Derivado de Gás Natural……….Arts. 736-A a 736-N

Subseção IV

Das Operações com Álcool Etílico Anidro Combustível – AEAC…………………………………………………Art. 737

Subseção IV-A

Dos Procedimentos da Refinaria de Petróleo ou Suas Bases………………………………………………….Art. 737-A

Subseção V

Das Operações com Quaisquer Tipos de Álcool e com Álcool Etílico Hidratado Combustível – AEHC……..Arts. 738 a 746

Subseção VI

Das Informações Relativas às Operações Interestaduais com Combustíveis……………………………….Arts. 747 a 751-A

Subseção VII

Das Demais Disposições……………………………………………………………………………………..Arts. 753 a 760-A

Subseção VIII

Do Sistema de Segurança em Bombas Medidoras de Combustíveis…………………………………..Arts. 761 a 767

Seção XII

Da Documentação e da Escrituração Fiscal Relativas à Substituição Tributária…………………….Arts. 768 a 780

Subseção I

Da Emissão de Documentos e da Escrituração do Contribuinte Substituto…………………………..Arts.768 a 773

Subseção II

Da Emissão de Documentos e da Escrituração do Contribuinte Substituído…………………………Arts. 774 a 776

Subseção III

Da Emissão de Documentos e da Escrituração nas Prestações de Serviço Transporte…………………….Art. 777

Subseção IV

Das Disposições Finais…………………………………………………………………………………………..Arts. 778 a 780

CAPÍTULO II

Da Antecipação Tributária………………………………………………………………………………………..Arts. 781 a 796

Seção I

Das Disposições Gerais………………………………………………………………………………………….Arts. 781 a 783

Seção II

Da Antecipação Tributária Com Encerramento da Fase de Tributação………………………………………….Art. 784

Seção III

Da Antecipação Tributária Sem Encerramento da Fase de Tributação………………………………………….Art. 785

Seção IV

Da Base de Cálculo da Antecipação Tributária……………………………………………………………………….Art. 786

Seção V

Da Apuração da Antecipação Tributária………………………………………………………………………Arts. 787 a 789

Seção VI

Do Recolhimento do Imposto na Antecipação Tributária………………………………………………….Arts. 790 a 791

Seção VII

Da Documentação e da Escrituração na Antecipação Tributária………………………………………..Arts. 792 a 796

LIVRO IV

DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA…………………………………………………………………………..Arts. 797 a 850

TÍTULO I

DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA…………………………………………………………………………..Arts. 797 a 822

CAPÍTULO I

Da Fiscalização ……………………………………………………………………………………………………Arts. 797 a 805

CAPÍTULO II

Da Apreensão de Mercadorias, Livros e Documentos Fiscais…………………………………………..Arts. 806 a 822

TÍTULO II

Das Infrações e Penalidades…………………………………………………………………………………….Arts. 823 a 837

CAPÍTULO I

Das Disposições Gerais………………………………………………………………………………………….Arts. 823 a 827

CAPÍTULO II

Da Responsabilidade Por Infrações……………………………………………………………………………Arts. 828 a 830

CAPÍTULO III

Das Infrações e Multas Aplicáveis……………………………………………………………………………..Arts. 831 a 833

CAPÍTULO IV

Da Sujeição ao Regime Especial de Fiscalização…………………………………………………………………..Art. 834

CAPÍTULO V

Da Suspensão ou Perda Definitiva de Benefícios Fiscais…………………………………………………………..Art. 835

CAPÍTULO VI

Da Decadência e Da Prescrição………………………………………………………………………………..Arts. 836 e 837

Seção I

Da Decadência……………………………………………………………………………………………………………….Art. 836

Seção II

Da Prescrição………………………………………………………………………………………………………………..Art. 837

TÍTULO III

Das Disposições Gerais, Transitórias e Finais………………………………………………………………Arts. 838 a 850

DECRETO  N° 21.400
DE  10 DE DEZEMBRO  DE 2002.

Publicado no D.O.E.  nº  24.190, de 26/12/02
Republicado no D.O.E nº 24.234, de 25/02/2003

Aprova o novo Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação – ICMS.

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SERGIPE, no uso das atribuições que lhe são conferidas nos termos do Art. 84, incisos V, VII e XXI, da Constituição Estadual; e na conformidade da Lei nº 3.591, de 09 de janeiro de 1995, combinada com disposições das Leis nº.s 2.608, de 27 de fevereiro de 1987, e 2.960, de 09 de abril de 1991.

Considerando o disposto na Lei nº 3.796, de 26 de dezembro de 1996, que dispõe quanto ao imposto sobre Operações Relativas às Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação – ICMS, especialmente no seu art. 82, que estabelece a respectiva competência para aprovação do correspondente Regulamento;

DECRETA:

Art. 1°. Fica aprovado o novo Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação – ICMS, que com este Decreto é publicado.

Art. 2°. Este Decreto entrará  em vigor na data da sua publicação, produzindo seus efeitos a partir de 1º de maio de 2003.

Art. 3°. Revogam-se as disposições em contrário e, em especial, o Decreto nº 17.037, de 26 de dezembro de 1997, e suas alterações subseqüentes.

Aracaju, 10 de dezembro de 2002, 181° da Independência e 114° da República.

ALBANO FRANCO
GOVERNADOR DO ESTADO

Fernando Soares da Mota
Secretário de Estado da Fazenda

Antonio Roberto Rocha Messias
Secretário Chefe da Casa Civil

Observação: O Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Sobre Prestações de Serviços de Transportes Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação – ICMS, será publicado juntamente com este Decreto em Edição Especial ou Suplementar deste Diário Oficial do Estado.

Reproduzido por ter sido publicado com incorreção no Diário Oficial do dia 25 de dezembro de 2002.

LIVRO I
DO IMPOSTO

TÍTULO I
DA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA

CAPÍTULO I
DA INCIDÊNCIA

Art. 1º O Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação – ICMS, incide sobre:

I – operações relativas à circulação de mercadorias, inclusive o fornecimento de alimentação e bebidas em bares, restaurantes, hotéis e estabelecimentos similares;

II – prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal, por qualquer via, ou meio, inclusive gasoduto, oleoduto e aqueduto, de pessoas, bens, mercadorias ou valores;

III – prestações onerosas de serviços de comunicação, por qualquer meio, inclusive a geração, a emissão, a recepção, a transmissão, a retransmissão, a repetição e a ampliação de comunicação de qualquer natureza;

IV – fornecimento de mercadorias com prestação de serviços não compreendidos na competência tributária dos Municípios;

V – fornecimento de mercadorias com prestação de serviços sujeitos ao imposto sobre serviços, de competência dos Municípios, quando a lei complementar aplicável expressamente o sujeitar à incidência do imposto estadual;

VI – a entrada de mercadorias ou bens importados do exterior, por pessoa física ou jurídica, ainda que não seja contribuinte habitual do imposto, qualquer que seja a sua finalidade (Lei Complementar Federal n.º 114/2002 e Lei Estadual nº 4.732/02); (NR)

Inciso VI, alterado pelo Decreto nº 22.110, de 18/08/2003, com vigência a partir de 01/05/2003.

VII – o serviço prestado no exterior ou cuja prestação se tenha iniciado no exterior;

VIII – a entrada, no Estado de Sergipe, de petróleo, inclusive lubrificantes e combustíveis líquidos e gasosos dele derivados, e de energia elétrica, quando não destinados à comercialização, industrialização, produção, geração ou extração inclusive na hipótese de lubrificantes e combustíveis líquidos ou gasosos derivados de petróleo adquiridos por prestador de serviço de transporte para emprego na prestação de seus serviços;

IX – a entrada de mercadoria, bem ou a utilização de serviço, efetuada por contribuinte do imposto, em decorrência de operação ou prestação interestadual, quando a mercadoria ou bem forem destinados ao seu uso, consumo ou ativo permanente ou quando o serviço não estiver vinculado a operação ou prestação subseqüentes.

Parágrafo único. Considera-se mercadoria para efeito de aplicação da legislação do ICMS, qualquer bem móvel, novo ou usado, suscetível de circulação econômica, inclusive semoventes e energia elétrica, mesmo quando importado do exterior para uso ou consumo do importador ou para incorporação ao ativo permanente do estabelecimento.

CAPÍTULO II
DA NÃO-INCIDÊNCIA

Art. 2º O ICMS não incide sobre:

I – operações com livros, jornais e periódicos, e com o papel destinado à sua impressão, observado o estabelecido no § 1º deste artigo;

II – operações que destinem ao exterior mercadorias, inclusive produtos primários e produtos industrializados semi-elaborados, bem como sobre prestações de serviços para o exterior, observado o disposto nos artigos 580 a 593 deste Regulamento;

III – operações interestaduais relativas à energia elétrica e petróleo, inclusive lubrificantes e combustíveis líquidos e gasosos dele derivados, quando destinados à comercialização, industrialização, produção, geração ou extração;

IV – operações com ouro, quando definido em lei como ativo financeiro ou instrumento cambial;

V – operações relativas a mercadorias que tenham sido ou que se destinem a ser utilizadas na prestação, pelo próprio autor da saída, de serviço de qualquer natureza definido em lei complementar como sujeito ao imposto sobre serviços, de competência dos Municípios, ressalvadas as hipóteses previstas na mesma lei complementar;

VI – operação interna de qualquer natureza decorrente da transmissão da propriedade de estabelecimento industrial, comercial ou de outra espécie, havendo a continuidade das atividades do estabelecimento pelo novo titular, inclusive nas hipóteses de transferência:

  1. a) a herdeiro ou legatário, em razão de sucessão “causa mortis”, nos legados ou processos de inventário ou arrolamento;
  2. b) em caso de sucessão “inter vivos”, tais como venda de estabelecimento ou fundo de comércio, transformação, incorporação, fusão ou cisão;
  3. c) por mudança de endereço;

VII – operações decorrentes de alienação fiduciária em garantia, inclusive a operação efetuada pelo credor em decorrência do inadimplemento do devedor;

VIII – operações de arrendamento mercantil, não compreendida a venda de bens arrendados ao arrendatário;

IX – operações de qualquer natureza de que decorra a transferência de bens móveis salvados de sinistro para companhias seguradoras;

X – operações com impresso personalizado, promovidas por estabelecimento de indústria gráfica, diretamente a usuário final, pessoa física ou jurídica;

XI – operações com mercadorias destinadas a armazém- geral, ou depósito fechado e o retorno ao estabelecimento remetente,  quando situados dentro do Estado de Sergipe, observado o disposto nos §§ 2º, 3º e 4º deste artigo.

XII – as saídas ou fornecimento de bens de uso em decorrência de contrato de comodato (empréstimo), ou arrendamento mercantil (“leasing”), bem como o respectivo retorno observado, neste último caso, o disposto no art. 570 deste Regulamento.

Inciso XII, alterado pelo Decreto nº 26.215 de 17 de junho de 2009, com vigência a partir de 18.06.2009

XIII – prestações de serviços de radiodifusão sonora e os de televisão que não sejam a cabo ou por assinatura;

XIV – operação ou prestação efetuada pelas pessoas ou entidades adiante indicadas, inclusive a remessa e o correspondente retorno de equipamentos ou materiais:

  1. a) a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, sendo que esse tratamento:

1 – é extensivo às autarquias e às fundações instituídas e mantidas pelo poder público, no que se refere às mercadorias e aos serviços vinculados exclusivamente a suas finalidades essenciais;

2 – não se aplica às mercadorias e aos serviços relacionados com exploração de atividades econômicas regidas pelas normas aplicáveis a empreendimentos privados, ou quando houver contraprestação ou pagamento de preços ou tarifas pelo usuário;

  1. b) os templos de qualquer culto, os partidos políticos e suas fundações, as entidades sindicais de trabalhadores e as instituições de educação ou de assistência social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei, ressalvando-se que esse tratamento compreenderá somente as mercadorias, bens e serviços relacionados exclusivamente com as finalidades essenciais das entidades mencionadas nesta alínea;

XV – saída ou fornecimento:

  1. a) de programa para computador (“software”) elaborado sob encomenda para uso específico do encomendante, sendo a operação realizada pelo estabelecimento que o tiver desenvolvido, quando houver entre o vendedor ou fornecedor e o adquirente contrato de assessoria ou consultoria técnica na área de processamento de dados, excluindo-se, contudo, do tratamento fiscal aqui previsto o fornecimento dos periféricos e suportes informáticos;
  2. b) efetuada por prestador de serviços gráficos:

1 – de materiais que tenham sido submetidos em seu estabelecimento a processos de composição gráfica, fotocomposição, clicheria, zincografia, litografia e fotolitografia, exclusivamente;

2 – de mercadoria produzida em seu estabelecimento sob encomenda direta do consumidor final, assim entendidos os impressos que não se destinem à participação, de alguma forma, de etapas seguintes de comercialização ou industrialização;

  1. c) de bens e materiais, efetuada por empresa funerária, para prestação de seus serviços, não prevalecendo, porém, este tratamento, no caso de operações comerciais com aqueles bens ou materiais não vinculadas a uma prestação de serviços funerários pela própria empresa;

XVI – o transporte de carga própria ou referente a transferência de mercadoria entre estabelecimentos do mesmo titular, em veículo do próprio contribuinte, bem como, o transporte de pessoas, não remunerado, efetuado por particular, observado o disposto no § 10 do “caput” deste artigo.

  • A não incidência de que cuida o inciso I deste artigo não se aplica:

I – a papel:

  1. a) encontrado em estabelecimento que não exerça atividade de empresa jornalística, editora ou gráfica impressora de livro ou periódico;
  2. b) encontrado na posse de pessoa que não seja o importador, o licitante, o fabricante ou estabelecimento distribuidor do fabricante ou importador do produto;
  3. c) consumido ou utilizado em finalidade diversa da edição de livros, jornais ou periódicos;
  4. d) encontrado desacobertado de documento fiscal;

II – a livros em branco, riscados ou pautados ou destinados a escrituração ou preenchimento;

III – as agendas e todos os livros deste tipo;

IV – os catálogos, listas e outros impressos que não se destinem ao uso do encomendante.

  • Considera-se depósito fechado o armazém pertencente ao contribuinte, situado neste Estado e destinado à recepção e movimentação de mercadoria própria, com simples função de guarda e proteção, podendo o contribuinte manter quantos depósitos fechados necessitar.
  • Para efeito do disposto no parágrafo anterior, o depósito fechado deverá ser vinculado a um dos estabelecimentos do contribuinte situados no Estado.
  • Para fins deste Regulamento, considera-se armazém-geral o estabelecimento destinado à recepção e movimentação de mercadoria de terceiros, isolada ou conjuntamente com mercadoria própria, com a simples função de guarda e proteção.
  • Para os efeitos deste Regulamento, considera-se industrialização qualquer operação que modifique a natureza, o funcionamento, o acabamento, a apresentação ou a finalidade do produto ou o aperfeiçoe para o consumo, tais como:

I – transformação, assim entendida a que, executada sobre matéria-prima ou produto intermediário, resulte na obtenção de espécie nova;

II – beneficiamento, a que importe modificação, aperfeiçoamento ou, de qualquer forma, alteração do funcionamento, da utilização, do acabamento ou da aparência do produto;

III – montagem, a que consista na reunião de peças ou partes e de que resulte um novo produto ou unidade autônoma;

IV – acondicionamento ou reacondicionamento, a que importe alteração da apresentação do produto pela colocação de embalagem, ainda que em substituição à originária, salvo quando se tratar de simples embalagem de apresentação de produto primário ou de embalagem destinada apenas ao transporte da mercadoria;

V – renovação ou recondicionamento, a que, executada sobre produto usado ou parte remanescente de produto deteriorado ou inutilizado, renove ou restaure o produto para utilização.

  • Não se considera industrialização: (NR)

I – o preparo de produtos alimentares, não acondicionados em embalagem de apresentação:

  1. a) na residência do preparador ou em restaurantes, bares, sorveterias, confeitarias, padarias, quitandas e semelhantes, desde que os produtos se destinem a venda direta a consumidor;
  2. b) em cozinhas industriais, quando destinados a venda direta a corporações, empresas e outras entidades, para consumo de seus funcionários, empregados ou dirigentes;

II – o preparo de refrigerantes, à base de extrato concentrado, por meio de máquinas, automáticas ou não, em restaurantes, bares e estabelecimentos similares, para venda direta a consumidor;

III – a confecção ou preparo de produto de artesanato;

IV – a confecção de vestuário, por encomenda direta do consumidor ou usuário, em oficina ou na residência do confeccionador;

V – o preparo de produto, por encomenda direta do consumidor ou usuário, na residência do preparador ou em oficina, desde que, em qualquer caso, seja preponderante o trabalho profissional;

VI – a manipulação em farmácia, para venda direta a consumidor, de medicamentos oficinais e magistrais, mediante receita médica;

VII – a moagem de café torrado, realizada por comerciante varejista como atividade acessória;

VIII – a operação efetuada fora do estabelecimento industrial, consistente na reunião de produtos, peças ou partes e de que resulte:

  1. a) edificação (casas, edifícios, pontes, hangares, galpões e semelhantes, e suas coberturas);
  2. b) instalação de oleodutos, usinas hidrelétricas, torres de refrigeração, estações e centrais telefônicas ou outros sistemas de telecomunicação e telefonia, estações, usinas e redes de distribuição de energia elétrica e semelhantes;
  3. c) fixação de unidades ou complexos industriais ao solo;

IX – a montagem de óculos, mediante receita médica;

X – o acondicionamento de produtos classificados nos Capítulos 16 a 22 da TIPI, adquiridos de terceiros, em embalagens confeccionadas sob a forma de cestas de natal e semelhantes;

XI – o conserto, a restauração e o recondicionamento de produtos usados, nos casos em que se destinem ao uso da própria empresa executora ou quando essas operações sejam executadas por encomenda de terceiros não estabelecidos com o comércio de tais produtos, bem assim o preparo, pelo consertador, restaurador ou recondicionador, de partes ou peças empregadas exclusiva e especificamente naquelas operações;

XII – o reparo de produtos com defeito de fabricação, inclusive mediante substituição de partes e peças, quando a operação for executada gratuitamente, ainda que por concessionários ou representantes, em virtude de garantia dada pelo fabricante;

XIII – a restauração de sacos usados, executada por processo rudimentar, ainda que com emprego de máquinas de costura;

XIV – a mistura de tintas entre si, ou com concentrados de pigmentos, sob encomenda do consumidor ou usuário, realizada em estabelecimento varejista, efetuada por máquina automática ou manual, desde que fabricante e varejista não sejam empresas interdependentes, controladora, controlada ou coligadas.

  • 6º, alterado pelo Decreto nº 22.110 de 18/08/2003, com vigência a partir de 01/05/2003.
  • Não se considera industrialização a atividade que, embora exercida por estabelecimento industrial, esteja conceituada por lei complementar como prestação de serviço tributada pelos Municípios, observadas as ressalvas nela contidas quanto à incidência do ICMS.
  • Nas hipóteses de que tratam os incisos VI, VII, VIII e XII do “caput” deste artigo, a não-incidência do imposto fica condicionada à celebração de contrato por escrito, produzindo efeitos tributários apenas quando registrado em cartório ou órgão competente, conforme o caso.
  • A não-incidência prevista no inciso II do “caput” deste artigo se aplica a partir de 16 de setembro de 1996.
  • 10. Entende-se como veículo próprio, para os efeitos do inciso XVI do “caput” deste artigo, aquele em que o possuidor detenha a propriedade plena do veículo, comprovada esta mediante a apresentação do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo-CRLV, bem como aquele operado em regime de locação constituído mediante contrato escrito e registrado no cartório competente.

CAPÍTULO III
DO FATO GERADOR

Art. 3º Considera-se ocorrido o fato gerador do imposto no momento:

I – da saída de mercadoria de estabelecimento de contribuinte, inclusive em caso de transferência, ainda que para outro estabelecimento do mesmo titular;

II – do fornecimento de alimentação, bebidas e outras mercadorias por qualquer estabelecimento, incluídos os serviços prestados;

III – da transmissão, a terceiro, da propriedade de mercadoria depositada em armazém-geral ou em depósito fechado;

IV – da transmissão da propriedade de mercadoria ou bem adquirido no País, ou de título que os represente, quando a mercadoria ou bem não tiver transitado pelo estabelecimento do transmitente;

V – do início da prestação de serviço de transporte interestadual e intermunicipal, por qualquer via de pessoas, bens, mercadorias ou valores, inclusive por meio de gasoduto, oleoduto e aqueduto;

VI – do ato final da prestação de serviço de transporte iniciada no exterior, observado:

  1. a) considera-se serviço de transporte iniciado no exterior aquele vinculado a contrato de transporte internacional, ainda que haja transbordo, subcontratação ou redespacho, inclusive em se tratando de transporte intermodal;
  2. b) no caso de prestações de serviços de transporte de mercadorias com o fim específico de exportação destinadas às pessoas relacionadas no 580, observar-se-á o disposto em seu § 4º;

VII – das prestações onerosas de serviços de comunicação, feitas por qualquer meio, inclusive a geração, a emissão, a recepção, a transmissão, a retransmissão, a repetição e a ampliação de comunicação de qualquer natureza, excluídos os de radiodifusão sonora e os de televisão que não sejam a cabo ou por assinatura;

VIII – do fornecimento de mercadoria, pelo prestador do serviço, nos casos de prestações de serviços não compreendidos na competência tributária dos Municípios, como definida em lei complementar, inclusive nos casos em que, embora o serviço conste na Lista de Serviços, a natureza do serviço ou a forma como for contratado ou prestado não corresponda à descrição legal do fato gerador do tributo municipal, tais como:

  1. a) fornecimento de material, pelo prestador do serviço, na instalação e montagem de aparelhos, máquinas e equipamentos;
  2. b) fornecimento de material, pelo prestador do serviço, na montagem industrial, inclusive de conjuntos industriais;
  3. c) fornecimento de tapetes e cortinas, pelo prestador do serviço de colocação;
  4. d) fornecimento de material, exceto o de aviamento, por alfaiates, modistas e costureiros, ainda que a prestação do serviço seja feita diretamente ao usuário final, na confecção de artigos de vestuário e outros produtos de alfaiataria e costura;
  5. e) demais hipóteses de prestações de serviços não especificados por lei complementar como sendo da competência tributária dos Municípios, sempre que houver fornecimento de mercadoria pelo prestador;

IX – do desembaraço aduaneiro de mercadoria ou bens importados do exterior;

X – do recebimento, pelo destinatário, de serviço prestado no exterior;

XI – da aquisição, em licitação pública, de mercadorias ou bens importados do exterior e apreendidos ou abandonados;

XII – da entrada, neste Estado, de energia elétrica, petróleo, lubrificantes e combustíveis líquidos e gasosos dele derivados, oriundos de outro Estado, quando não destinados à comercialização, industrialização, produção, geração ou extração inclusive na hipótese de lubrificantes e combustíveis líquidos ou gasoso derivados de petróleo adquiridos por prestador de serviço de transporte para emprego na prestação de seus serviços.

XIII – da entrada, no estabelecimento de contribuinte, de mercadoria oriunda de outro Estado, destinada a consumo ou ativo permanente, observado o disposto no § 6º deste artigo;

XIV – da utilização, ou recepção, por contribuinte, de serviço de transporte ou de comunicação cuja prestação tenha iniciado em outro Estado quando o serviço não estiver vinculado a operação ou prestação subseqüente;

XV – da entrada de mercadoria ou bens no estabelecimento do adquirente, ou em outro por ele indicado, para efeito de exigência do imposto por substituição ou antecipação tributária, observado o disposto no art. 28;

XVI – da contratação, por contribuinte inscrito no cadastro estadual, de serviço a ser prestado por transportador autônomo, para efeito de exigência do imposto por substituição ou antecipação tributária;

XVII – do encerramento das atividades do contribuinte, relativamente às mercadorias constantes do estoque final;

XVIII – da venda de mercadoria à ordem ou para entrega futura;

XIX – da saída de ouro, na operação em que este deixar de ser ativo financeiro ou instrumento cambial;

XX – da saída decorrente da desincorporação de bem do ativo permanente;

XXI – do fornecimento de mercadoria com prestação de serviços compreendidos na competência tributária dos Municípios, em que, por indicação expressa de lei complementar, o fornecimento de materiais se sujeitar à incidência do ICMS, a saber:

  1. a) fornecimento, pelo prestador do serviço, de mercadoria por ele produzida fora do local da prestação do serviço:

1 – nos casos de execução, por administração, empreitada ou subempreitada, de obras de construção civil, de obras hidráulicas e de outras obras semelhantes e respectiva engenharia consultiva, inclusive serviços ou obras auxiliares ou complementares;

2 – nos casos de conservação, reparação e reforma de edifícios, estradas, pontes, portos e congêneres;

  1. b) fornecimento de material, pelo prestador do serviço, nos casos de paisagismo, jardinagem e decoração;
  2. c) fornecimento de peças e partes, pelo prestador do serviço, nos casos de lubrificação, limpeza e revisão de máquinas, veículos, aparelhos e equipamentos;
  3. d) fornecimento de peças e partes, pelo prestador do serviço, no conserto, restauração, manutenção e conservação de máquinas, veículos, motores, elevadores ou de quaisquer objetos;
  4. e) fornecimento de peças, pelo prestador do serviço, no recondicionamento de motores;
  5. f) fornecimento de alimentação e bebidas, nos serviços de organização de festas e recepções (“buffet”);
  6. g) fornecimento de alimentação em hotéis, motéis, pensões e congêneres, sempre que o respectivo valor não estiver incluído no preço da diária ou mensalidade;

XXII – da saída de produtos de estabelecimento de empresa de construção civil produzidos fora do local da obra;

XXIII – da saída de materiais, inclusive sobras residuais decorrentes da obra executada, ou de demolição, quando remetidos a terceiros, efetuados por empresa de construção civil;

XXIV – Revogado

Inciso XXIV revogado pelo Decreto nº 23.921 de 08.08.2006, com vigência a partir de 11.08.2006.

  • Na hipótese do inciso VII do “caput” deste artigo, quando o serviço for prestado mediante pagamento em ficha, cartão ou assemelhados, considera-se ocorrido o fato gerador do imposto quando do fornecimento desses instrumentos ao usuário.
  • Na hipótese do inciso IX do “caput” deste artigo, a entrega, pelo depositário, de mercadoria ou bens importados do exterior, somente se fará mediante a exibição do comprovante de pagamento do ICMS incidente, ressalvadas as hipóteses previstas neste Regulamento.
  • O fato de a escrituração indicar saldo credor de caixa, suprimentos a caixa não comprovados ou a manutenção no passivo, de obrigações já pagas ou inexistentes, bem como a ocorrência de entrada de mercadorias não contabilizadas e não escrituradas em livros fiscais próprios, pagamentos não registrados, na forma da legislação pertinente, autoriza a presunção de omissão de saídas de mercadorias tributáveis sem pagamento do imposto, ficando assegurado ao contribuinte a prova da improcedência da presunção.
  • A presunção de que trata o parágrafo anterior se aplica, igualmente, a qualquer situação em que a soma das despesas, pagamentos de títulos, salários, retiradas, pró-labore, serviços de terceiros, aquisição de bens em geral e outros gastos do contribuinte seja superior à receita do estabelecimento.
  • Equipara-se à saída:

I – o consumo ou a integração ao ativo permanente de mercadoria adquirida para industrialização ou comercialização;

II – a transmissão da propriedade de mercadoria estrangeira, efetuada antes de sua entrada no estabelecimento importador;

III – a transmissão da propriedade de mercadoria decorrente de alienação onerosa ou gratuita ou de título que a represente, ou a sua transferência mesmo que não haja circulação física.

  • Não são considerados matérias de uso ou consumo as mercadorias ou matérias adquiridos por prestador de serviços para emprego ou aplicação na prestação de serviço de qualquer natureza.
  • Na hipótese de entrega de mercadoria ou bem importados do exterior, antes do desembaraço aduaneiro, considera-se ocorrido o fato gerador neste momento, devendo a autoridade responsável, salvo disposição em contrário, exigir a comprovação do pagamento do imposto (Lei Complementar Federal n.º 114/2002 e Lei Estadual n.º 4.732/02).
  • 7º acrescentado pelo Decreto nº 22.110, de 18/08/2003, com vigência a partir de 01/05/2003.

Art. 4º São irrelevantes para caracterização do fato gerador:

I – a natureza jurídica da operação ou prestação de que resulte qualquer das hipóteses previstas no art. 3º deste Regulamento;

II – o título pelo qual a mercadoria ou bens estejam na posse do respectivo titular;

III – a via e o meio pelos quais são transportados mercadorias, pessoas ou valores;

IV – a validade jurídica da propriedade, da posse do veículo transportador ou do contrato de prestação de serviços;

V – o resultado financeiro decorrente da prestação de serviços, ressalvadas as hipóteses previstas neste Regulamento;

VI – o cumprimento de quaisquer exigências legais, regulamentares e administrativas referentes ao serviço de transporte;

VII – a capacidade civil das pessoas qualificadas como sujeito passivo da obrigação tributária;

VIII – estar a pessoa jurídica regularmente constituída, bastando, apenas, que se configure numa unidade econômica ou profissional.

CAPÍTULO IV
DA ISENÇÃO, DOS INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS

Art. 5º As isenções, incentivos e benefícios fiscais do ICMS serão concedidos ou revogados mediante convênio celebrado nos termos de lei complementar.

Parágrafo único. São incentivos e benefícios fiscais:

I – a redução da base de cálculo;

II – a devolução total ou parcial, direta ou indireta, condicionada ou não, do imposto ao contribuinte, ao responsável ou a terceiros;

III – o crédito presumido;

IV – a anistia, a remissão, a transação, a moratória e o parcelamento;

V – a fixação de prazo de recolhimento do imposto superior ao estabelecido em convênio;

VI – quaisquer outros favores ou benefícios dos quais resulte redução ou eliminação, direta ou indireta, do ônus do imposto.

Art. 6º Quando o reconhecimento da isenção, incentivo ou do benefício do imposto depender de condição, não sendo esta satisfeita, o imposto será considerado devido no momento em que ocorreu a operação ou prestação.

Art. 7º A concessão de qualquer benefício não dispensa o contribuinte do cumprimento de obrigações acessórias, salvo as exceções previstas neste Regulamento.

Art. 8º Ficam isentas do ICMS as operações e as prestações indicadas nas Tabelas I e II do Anexo I deste Regulamento.

  • As disposições de convênio autorizativo somente integrarão a legislação tributária do Estado de Sergipe após sua regulamentação, mediante decreto específico.
  • 1º-A. No caso de convênio destinado a prorrogar o prazo de vigência de benefício fiscal já concedido, uma vez publicada a sua ratificação no Diário Oficial da União, sua aplicação será automática, mesmo em se tratando de benefício fiscal contemplado em convênio autorizativo.
  • 1º-A acrescentado pelo pelo Decreto nº 22.639, de 27.12.03, com vigência a partir de 01.01.04.
  • A isenção, o incentivo ou o benefício fiscal, quando não concedidos em caráter geral, deverão ser reconhecidos por despacho da autoridade administrativa competente.
  • O despacho referido no parágrafo anterior não gera direito adquirido, devendo a concessão ser revogada de ofício sempre que se apure que o beneficiado não satisfazia ou deixou de satisfazer as condições, ou não cumprira ou deixou de cumprir os requisitos para a sua concessão, cobrando-se o imposto atualizado, monetariamente, com acréscimos legais:

I – com imposição da penalidade cabível, nos casos de dolo ou simulação do beneficiado, ou de terceiros em benefício daquele;

II – sem imposição de penalidade, nos demais casos.

CAPÍTULO V
DA SUSPENSÃO

Art. 9º Ocorrerá a suspensão do ICMS nas operações em que a incidência deste ficar condicionada a evento futuro.

Art. 10. Fica suspenso o lançamento do ICMS:

I – nas remessas internas, interestaduais e para o exterior de mercadorias destinadas a conserto, reparo ou industrialização, observado o disposto nos §§ 1º e 2º deste artigo e nos artigos 504 a 508 (Conv. AE 15/74; Convênios ICM 25/81 e 35/82; e Convênios ICMS 34/90, 80/91 e 151/94);

II – nas saídas interestaduais de bens integrados ao ativo permanente, bem como de moldes, matrizes, gabaritos, padrões, chapelonas, modelos e estampas, para fornecimento de serviços fora do estabelecimento ou com destino a outro estabelecimento inscrito como contribuinte, para serem utilizados na elaboração de produtos encomendados pelo remetente (Conv. ICMS 19/91);

III – nas saídas de produtos agropecuários para estabelecimento beneficiador, neste Estado, por conta e ordem do remetente;

IV ‑ nas saídas internas de mercadorias remetidas para demonstração desde que devam retornar ao estabelecimento de origem, observado o disposto nos artigos 495 a 498-C. (NR)

Inciso IV alterado pelo Decreto nº 25.760, de 02.12.2008, com vigência a partir de 03.12.2008.

V – nas saídas internas e interestaduais destinadas a exposição ou feira de amostra, para fins de exposição ao público, desde que devam retornar ao estabelecimento de origem, observado o disposto nos artigos 499 a 503 (I Conv. do Rio de Janeiro, cláusula primeira, item 8, Conv. de Cuiabá, item 5 e Convênios ICMS 30/90, 80/91 e 151/94);

VI – nas saídas, em retorno ao estabelecimento de origem e no prazo preestabelecido, das mercadorias de que tratam os incisos precedentes, cujas saídas anteriores tenham ocorrido com os benefícios neles previstos, devendo, contudo, nos casos dos incisos I, II e III deste artigo, ser debitado o imposto relativo ao valor adicionado, quando:

  1. a) tratar-se de operação interestadual;
  2. b) a mercadoria em retorno não se destinar à comercialização ou a sua subseqüente saída não for tributada;

VII – nas saídas internas de combustíveis e lubrificantes derivados ou não de petróleo, não acondicionados em embalagem, realizadas entre empresas distribuidoras, destinados a armazenagem para depósito em nome do remetente;

VIII – a partir de 01/01/1999, nas saídas internas de óleo diesel destinado a empresa distribuidora, para fins de armazenagem em nome da Petróleo Brasileiro S/A – E & P/SEAL, bem como o seu respectivo retorno;

IX – a partir de 27.03.2012 até 31.12.2016 devido pelas saídas de gado do Estado de Sergipe para os Estados da Bahia, Espírito Santo e Minas Gerais desde que se destinem exclusivamente a “recurso de pasto”, por prazo não superior a 180 (cento e oitenta) dias, prorrogável, a critério da Superintendência Geral de Gestão Tributária e Não Tributária – SUPERGEST, por mais 02 (dois) períodos de 90 (noventa) dias, a requerimento do interessado, observado o que segue, bem como o §11 e o §12 deste artigo (Protocolos ICMS n.º 54/2012, 33/2013 e 72/14):(NR) (alterado pelo Decreto nº 29.942/15, efeitos a partir de 11.12.2014)

  1. a) a suspensão do imposto será concedida exclusivamente ao gado pertencente a produtores devidamente credenciados pela Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe – EMDAGRO;
  2. b) no ato da expedição da Nota Fiscal para acobertar o trânsito do gado será assinado “Termo de Compromisso”, conforme modelo constante no Anexo XXVIII deste Regulamento, emitido em 03 (três) vias, com a seguinte destinação: (NR)

Alínea “b” alterada pelo Decreto nº 28.657 de 26.07.2012, com vigência a partir de 27.07.2012.

1 – a 1ª via será retida pela Coordenadoria Regional da circunscrição do produtor;

2 – a 2ª via acompanhará o trânsito e será entregue à repartição da circunscrição fiscal de destino, até 10 (dez) dias após o ingresso do gado no Estado destinatário;

3 – a 3ª via será entregue ao produtor para fins de controle e arquivamento;

  1. c) a concessão do “recurso de pasto”, e a sua prorrogação, se for o caso, serão processadas pela repartição fiscal do domicílio do remetente ou na forma como dispuser ato do Secretário de Estado da Fazenda;
  2. d) para retorno do gado ao Estado de Sergipe, a repartição fiscal do Estado onde o mesmo se encontra em “recurso de pasto” emitirá a competente Nota Fiscal, na qual fará constar a seguinte observação:

“GADO EM RETORNO, RECEBIDO PARA RECURSO DE PASTO CONFORME NOTA FISCAL Nº ………………. DE……/…../……..E…………CRIAS”.

  1. e) ultrapassado o prazo do “recurso de pasto” e não retornando o gado, caberá à Secretaria de Estado da Fazenda – SEFAZ a cobrança do ICMS, com base nos valores vigentes na data do encerramento do prazo concedido;
  2. f) ocorrendo a venda do gado no Estado destinatário, caberá à repartição daquele Estado exigir o respectivo pagamento do imposto e comunicar ao Estado de Sergipe a referida ocorrência;
  3. g) ocorrendo a hipótese prevista na alínea “f’ deste inciso, caberá ao Estado de Sergipe, a parcela do imposto correspondente à aplicação da alíquota interestadual, que será recolhida pelo produtor na repartição onde se processou o “recurso de pasto”;
  4. h) na hipótese da alínea “g” deste inciso, a base de cálculo do imposto é o valor de “Pauta Fiscal”, não podendo ser inferior àquela estabelecida no Estado de destino;
  5. i) as disposições contidas neste inciso manterão seus efeitos para regular o retorno do gado, quando este ocorrer após o encerramento do prazo final nele previsto.

X – nas entradas no Estado de Sergipe de mercadorias destinadas exclusivamente à demonstração, observados o inciso II do § 2º e o § 3º deste artigo, bem como o art. 640 deste Regulamento.

XI – a partir de 1º.01.04, nas saídas interestaduais de algodão em pluma  destinadas à produção de fio de algodão no Estado do Piauí,  sob condição resolutória do retorno do produto resultante da industrialização, observado o disposto nos §§ 2º e 4º deste artigo, no art. 504 e o que segue (Prot. ICMS 32/03):

Alíneas de “a” a “g” –  Revogadas

Alíneas de “a” a “g” do inciso XI, revogadas pelo Decreto nº 25.329 de 30.05.2008, com vigência a partir de 02.06.2008, produzindo seus efeitos a partir de 1º.05.2008.

Inciso XI acrescentado pelo Decreto n.º 22.674, de 29 de janeiro de 2004, com vigência a partir de 03.02.2004.

XII – a partir 1º.05.2008, nas saídas interestaduais de sucata de cobre promovidas por contribuinte estabelecido neste Estado de Sergipe, destinadas à produção de barras de cobre  – posição 7408.11.00 da NBM/SH, no Estado da Bahia, sob condição resolutória do retorno dos produtos resultantes da industrialização, observado, especialmente, o disposto no inciso III do § 2º e nos §§ 3º e 4º deste artigo (Prot. ICMS 30/08).

Inciso XII acrescentado pelo Decreto nº 25.329 de 30.05.2008, com vigência a partir de 02.06.2008, produzindo seus efeitos a partir de 1º.05.2008.

  • O disposto no inciso I do “caput” deste artigo não se aplica às saídas de sucatas e de produtos primários de origem vegetal ou mineral, salvo se a remessa e o retorno se fizerem nos termos de protocolos celebrados entre os Estados interessados.
  • Para o reconhecimento da suspensão prevista neste artigo, observar-se-ão as seguintes regras:

I – nas hipóteses dos incisos I e II do “caput” deste artigo, as mercadorias remetidas ou os produtos industrializados deverão retornar ao estabelecimento de origem, no prazo de 180 (cento e oitenta) dias, contados da data das respectivas saídas, prorrogável por igual período, admitindo-se, a critério da Superintendência de Gestão Tributária – SUPERGEST e em face de requerimento do contribuinte, uma segunda prorrogação;

II – nas hipóteses dos incisos III, V e X do “caput” deste artigo, as mercadorias deverão retornar ao estabelecimento de origem, no prazo de 30 (trinta) dias, contados da data da saída.”(NR)

Inciso II alterado pelo Decreto nº 25.760, de 02.12.2008, com vigência a partir de 03.12.2008.

III – na hipótese dos incisos VIII, XI e XII do “caput” deste artigo, as mercadorias deverão retornar ao estabelecimento de origem no prazo de 90 (noventa) dias, contados da data da saída do estabelecimento encomendante, podendo no caso do inciso XI e XII ser prorrogado por igual período mediante autorização expressa da Superintendência de Gestão Tributária – SUPERGEST (Protocolo  ICMS 32/03 e 30/08). (NR)

Inciso III, alterado pelo Decreto nº 25.329 de 30.05.2008, com vigência a partir de 02.06.2008, produzindo seus efeitos a partir de 1º.05.2008.

  • Decorridos os prazos previstos no § 2º deste artigo, sem que as mercadorias remetidas ou os produtos industrializados tenham retornado ao estabelecimento de origem, a saída será considerada definitiva, para fins de tributação, devendo o encomendante recolher o imposto, até o 1º dia útil subseqüente ao vencimento dos referidos prazos devidamente atualizado e adicionado dos acréscimos moratórios incidentes a partir da data da remessa das mercadorias destinadas à industrialização.
  • Para efeito da suspensão de que tratam os incisos X, XI e XII do “caput” deste artigo, o remetente deve requerer Regime Especial de Tributação à Gerência-Geral de Tributação Estadual – GERTRIB (Prot. ICMS 32/03  e 30/08). (NR)
  • § 3º e 4º, alterados pelo Decreto nº 25.329 de 30.05.2008, com vigência a partir de 02.06.2008, produzindo seus efeitos a partir de 1º.05.2008.
  • A suspensão do imposto estende-se às saídas do produto promovidas pelo estabelecimento industrializador, em retorno ao estabelecimento autor da encomenda;
  • No retorno dos produtos resultantes da industrialização será devido ao Estado onde esteja sediado o industrializador da encomenda, apenas o imposto incidente sobre o valor total cobrado pela industrialização ao autor da encomenda.
  • No caso de perecimento ou desaparecimento das mercadorias remetidas para industrialização, seja qual for à causa, o imposto correspondente será recolhido em favor do Estado de Sergipe.
  • Na remessa das mercadorias para o estabelecimento industrializador, o encomendante emitirá Nota Fiscal, sem destaque do valor do imposto, contendo, além dos requisitos exigidos, a expressão “Suspensão do ICMS – Art. 10, inciso XII” deste Regulamento.
  • A suspensão de que trata este artigo poderá ser denunciado, em conjunto ou isoladamente, pelos signatários dos Protocolos, que acordaram reciprocamente sobre operações de circulação de mercadorias com suspensão do imposto, desde que comunicado com antecedência de 30 (trinta) dias.
  • 10. A Secretaria de Estado da Fazenda de Sergipe e das demais unidades federadas signatárias dos Protocolos que acordarem sobre a suspensão do imposto, prestarão assistência mútua para fiscalização das operações abrangidas pelos Protocolos em questão.
  • § 5º, 6º, 7º, 8º, 9º e 10º, acrescentados pelo Decreto nº 25.329 de 30.05.2008, com vigência a partir de 02.06.2008, produzindo seus efeitos a partir de 1º.05.2008.
  • 11. Ficam convalidados os procedimentos efetuados pelos contribuintes localizados neste Estado, nos termos do inciso IX do “caput” deste artigo, entre 1º de janeiro de 2013 até 26.03.2013 (Protocolo ICMS nº 33/2013).
  • 12. A convalidação de que trata o §11 deste artigo não autoriza a restituição ou a compensação de importâncias já pagas (Protocolo ICMS nº 33/2013).
  • § 11º e 12º, acrescentados pelo Decreto nº 29.264 de 17.05.2013, com vigência a partir de 27.05.2013.

Art. 11. Na documentação fiscal relativa às operações com suspensão do imposto, deverá constar a seguinte expressão: “ICMS suspenso – art. 10, inciso… do RICMS/SE”, independentemente de o documento fiscal indicar o código da situação tributária.

Art. 12. Encerra-se a suspensão quando:

I – não ocorrer o retorno da mercadoria;

II – ocorrer a saída da mercadoria do estabelecimento destinatário para estabelecimento diverso do remetente.

CAPÍTULO VI
DO DIFERIMENTO

Art. 13. Ocorrerá o diferimento do ICMS quando o lançamento e o pagamento do imposto incidente sobre determinada operação ou prestação forem transferidos para operação ou prestação posterior, hipótese em que a responsabilidade pelo pagamento fica atribuída ao adquirente, destinatário ou usuário do serviço que motivar o encerramento do diferimento, na condição de substituto tributário.

  • Encerra o diferimento a saída da mercadoria com destino a consumidor ou usuário final ou destinada a outro Estado ou ao exterior, hipóteses em que o imposto devido será pago pelo estabelecimento que a promover, mesmo que esta operação final seja isenta ou não tributada.
  • Ocorrido o momento final previsto para o encerramento do diferimento, será exigido o imposto diferido, independentemente de qualquer circunstância superveniente e ainda que a operação final não esteja sujeita ao pagamento do imposto, ou, por qualquer evento, essa operação tenha ficado impossibilitada de se efetivar.
  • Na hipótese de responsabilidade tributária em relação às operações ou prestações antecedentes, o imposto devido pelas referidas operações ou prestações será pago pelo responsável, quando:

I – da entrada ou recebimento da mercadoria ou do serviço;

II – da saída subseqüente por ele promovida, ainda que isenta ou não tributada;

III – ocorrer qualquer saída ou evento que impossibilite a ocorrência do fato determinante do pagamento do imposto.

Art. 14. Ficam diferidos o lançamento e o pagamento do ICMS:

I – na saída de leite fresco pasteurizado ou não, com destino a estabelecimento industrial ou cooperativa, para o momento em que ocorrer:

  1. a) a saída para estabelecimento de terceiros ou para estabelecimento varejista do próprio remetente;
  2. b) a saída dos produtos resultantes de sua industrialização;
  3. c) a saída para outra Unidade Federada;
  4. d) a saída com destino a consumidor final;

Vide Portaria n.° 668/2011–SEFAZ, que dispõe sobre a dispensa de emissão de documentos fiscais nas saídas internas de leite “in natura”, promovidas por produtores rurais não inscritos no Cadastro de Contribuintes do Estado de Sergipe – CACESE, e destinadas à associação de produtores, cooperativas, comerciante atacadista, ou estabelecimento industrial de laticínio.

II – na saída interna de gado bovino, suíno, ovino, bufalino, caprino, eqüino, asinino e muar em pé, para o momento em que ocorrer:

  1. a) o abate;
  2. b) a saída para outra Unidade Federada;

III na saída de papel usado e aparas de papel, sucata de metal, ferro velho, caco de vidro, fragmentos de plástico e de tecido e demais sucatas, com destino a estabelecimento localizado neste Estado, observado o disposto no inciso II e no parágrafo único, do art. 16 deste Regulamento, para o momento em que ocorrer: (NR)

Inciso III alterado pelo Decreto n.º 23.015, de 29 de novembro de 2004, com vigência a partir de 30.11.2004.

  1. a) a saída dos produtos resultantes de sua industrialização;
  2. b) a saída para outra Unidade Federada;

IV – na saída interna de mercadoria promovida por produtor com destino a estabelecimento de cooperativa de que faça parte, para o momento em que ocorrer a subseqüente saída da mercadoria, observado o disposto no § 1º deste artigo;

V – na importação, do exterior, de algodão em pluma destinado a estabelecimento industrial, para o momento em que ocorrer:

  1. a) a saída do produto resultante de sua industrialização;
  2. b) a saída a qualquer título, exceto para estabelecimento de mesmo titular ou grupo localizado neste Estado, hipótese em que o imposto diferido será atualizado monetariamente da data em que ocorreu o desembaraço aduaneiro até o dia em que for pago;

VI – na importação, do exterior, de cloreto de potássio, DAP (di-amônio fosfato), MAP (mono-amônio fosfato), sulfato de amônio, sulfato de potássio, superfosfato simples, superfosfato triplo e uréia, para o momento em que ocorrer:

  1. a) a saída da produção agropecuária;
  2. b) a saída para outra Unidade Federada;

VII – na saída interna de produto gorduroso não comestível de origem animal, inclusive o sebo, para o momento em que ocorrer (Conv. ICMS 89/99):

  1. a) a saída do produto resultante de sua industrialização;
  2. b) a saída para outra Unidade Federada;

VIII – na importação do exterior, de ração animal destinada à criação de camarão, para o momento em que ocorrer:

  1. a) a saída do camarão;
  2. b) a saída para outra Unidade Federada;

IX – na importação, do exterior, de fécula de batata para o momento em que ocorrer:

  1. a) a saída, a qualquer título do estabelecimento importador, ainda que para outro do mesmo titular;
  2. b) a saída dos produtos resultantes de sua industrialização;
  3. c) a saída para outra Unidade Federada;

X ‑ na importação, do exterior, promovida diretamente por pessoa jurídica de direito público ou privado, de aparelhos, máquinas, equipamentos e instrumentos médico-hospitalares, para o momento em que ocorrer a saída das mesmas mercadorias, quando desincorporadas do ativo permanente ou imobilizado, observado o disposto no § 2º deste artigo;”(NR)

Inciso X, alterado pelo Decreto nº 25.453, de 29.07.2008, com vigência a partir de 30.07.2008.

XI – na importação, do exterior, de farinha de camarão, de peixe e pasta de lula, para o momento em que ocorrer:

  1. a) a saída, a qualquer título, ainda que para outro estabelecimento do mesmo titular;
  2. b) a saída dos produtos resultantes de sua industrialização, ainda que destinada à utilização, pelo estabelecimento importador, na piscicultura e carcinicultura;
  3. c) a saída para outra Unidade Federada;

XII – na importação, do exterior, de máquinas e equipamentos, bem como de suas partes e peças, destinados ao ativo permanente de estabelecimento agrícola, para o momento em que ocorrer:

  1. a) a transferência interestadual dos respectivos bens;
  2. b) a desincorporação do ativo permanente;
  3. c) a substituição das respectivas partes adquiridas com o diferimento;

XIII – na importação, do exterior, por instituição educacional sem fins lucrativos, reconhecida de utilidade pública mediante lei estadual, de equipamento utilizado nas atividades educacionais, para o momento em que ocorrer a desincorporação do ativo permanente;

XIV – na importação, do exterior, de máquinas e equipamentos, bem como de suas partes e peças, destinados ao ativo permanente de estabelecimento industrial, observado o disposto no § 3º deste artigo, para o momento em que ocorrer:

  1. a) a transferência interestadual dos respectivos bens;
  2. b) a desincorporação do ativo permanente;
  3. c) a substituição das respectivas partes e peças adquiridas com diferimento;

XV – a entrada interestadual de máquinas e equipamentos, bem como de suas partes e peças, destinados ao ativo permanente de estabelecimento industrial, para o momento em que ocorrer qualquer uma das hipóteses enumeradas no inciso anterior, observado o disposto no § 3º deste artigo;

XVI – até 31.12.2002, nas operações com mercadorias doadas pelo Programa Mundial de Alimentos – PMA, destinadas ao Programa Comunidade Solidária, para fins de distribuição gratuita ou comercialização por intermédio da Companhia Nacional de Abastecimento – CONAB, para o momento da subseqüente saída (Conv. ICMS 63/95, 102/96, 05/99 e 10/01);

XVII – na importação, do exterior, de fio de algodão, destinado a estabelecimento industrial, para o momento em que ocorrer:

  1. a) a sua saída, a qualquer título, hipótese em que o imposto diferido será atualizado monetariamente, da data em que ocorreu o desembaraço aduaneiro até o dia em que for pago;
  2. b) a saída do produto resultante de sua industrialização;

XVIII – na saída interna em retorno ao estabelecimento encomendante, no tocante ao valor cobrado pela industrialização de produtos têxteis, para o momento em que ocorrer a efetiva saída dos produtos industrializados;(ver arts. 3º, 4º, 5º e 6º do Decreto nº 29.831/14, republicado em 23.07.2014, efeitos a partir de 1º.08.2014)

XIX – na importação, do exterior, de máquinas, equipamentos científicos e de informática, seus acessórios, peças de reposição e produtos químicos relacionados com as respectivas atividades, adquiridos pelos Órgãos da Administração Direta e pelas Autarquias e Fundações Públicas Estaduais, para o momento em que ocorrer:

  1. a) a saída dos mesmos materiais, quando desincorporados do ativo permanente;
  2. b) a substituição dos respectivos acessórios e peças de reposição, adquiridos com diferimento;

XX – opcionalmente pelo contribuinte, nas operações internas de transferência entre estabelecimentos da mesma pessoa jurídica, que tenham ou não feito a opção pelo crédito presumido de que tratam os incisos VII e VII-A do art. 57 deste Regulamento, de produtos de produção própria, para o momento em que ocorrer a venda, do produto acabado, para esta ou outra Unidade da Federação, observado o disposto no §10 deste artigo; (alterado pelo Decreto nº 29.831/14, republicado em 23.07.2014, efeitos a partir de 1º.08.2014, observar arts. 3º, 4º,  5º, e 6º do mesmo)

XXI – opcionalmente pelo contribuinte, observado o disposto no §10 deste artigo, nas operações internas entre empresas que tenham ou não feito à opção pelo crédito presumido de que tratam os incisos VII e VII-A do art. 57 deste Regulamento, de matéria-prima, para o momento em que ocorrer;(alterado pelo Decreto nº 29.831/14, republicado em 23.07.2014, efeitos a partir de 1º.08.2014, observar arts. 3º, 4º,  5º, e 6º do mesmo)

  1. a) a saída do produto resultante de sua industrialização;
  2. b) a saída para outra Unidade da Federação;

XXII – nas saídas internas de reprodutores e matrizes de avestruz para o momento em que ocorrer:

  1. a) a saída dos produtos resultante do abate;
  2. b) a saída para outra Unidade da Federação;
  3. c) a saída com destino a consumidor final;

XXIII – na importação do exterior, do tecido cru, fio ou fibra de: poliéster; rayon, bambu e viscose, destinados a estabelcimento industrial, a ser utilizado como matéria prima, para o momento em que ocorrer:(alterado pelo Decreto nº 29.831/14, republicado em 23.07.2014, efeitos a partir de 1º.08.2014)

  1. a) a sua saída, a qualquer título, hipótese em que o imposto diferido será atualizado monetariamente, da data em que ocorreu o desembaraço aduaneiro até o dia em que for pago;
  2. b) a saída do produto resultante de sua industrialização;

XXIV- REVOGADO

Revogado o inciso XXIV pelo Decreto n.º 23.921/06, efeitos a partir de 11/08/2006.

XXV – na saída do produtor rural ou de qualquer pessoa não escrita no CACESE, de polvilho azedo de mandioca para o momento em que ocorrer:

  1. a) a saída, a qualquer título, do contribuinte adquirente;
  2. b) a saída do produto resultante de sua industrialização.

XXVI – REVOGADO

Inciso XXVI revogado pelo Decreto nº 27.478 de 05.11.2010, com vigência a partir de 08.11.2010, produzindo seus efeitos a partir de 28.09.2010.

XXVII – a partir de 1º.07.1999, nas operações com Álcool Etílico Anidro Combustível – AEAC, quando destinadas à distribuidora de combustíveis, como tal definida e autorizada pelo órgão federal competente, para o momento em que ocorrer a saída da gasolina resultante da mistura com o AEAC promovida pela distribuidora;

XXVIII – a partir de 1º.11.95, nas entradas interestaduais de silos destinados ao Ativo Imobilizado de empresa estadual de desenvolvimento agropecuário para o momento em que ocorrer:

  1. a) a transferência interestadual dos referidos bens,
  2. b) a sua desincorporação do ativo fixo da empresa.

XXIX – nas saídas internas de crustáceos, inclusive camarão e lagosta, com destino à industrialização, para o momento em que ocorrer a saída dos produtos industrializados

Inciso IXXIX acrescentado pelo Decreto n.º 23.223, de 20.05.05, com vigência a partir de 23.05.05.

XXX – Revogado

Inciso XXX, revogado pelo Decreto nº 24.662 de 05.09.2007, com vigência a partir de 31.07.2007.

XXXI – na saída interna de mercadoria promovida por agricultores familiares, suas associações ou cooperativas, desde que a mercadoria seja adquirida pela Companhia Nacional de Abastecimento – CONAB, através do Programa de Aquisição de Alimentos – PAA, instituído pela Lei (Federal) 10.696/2003 e regulamentado pelo Decreto nº 5.873/2006, para o momento em que ocorrer a saída da mesma mercadoria, observado o disposto no inciso III do “caput” do art. 16 deste Regulamento.

Inciso XXXI acrescentado pelo Decreto nº 25.358 de 20.06.2008, com vigência a partir de 23.06.2008.

XXXII – a entrada interestadual de carretas e cilindros apropriados para estocagem de gás em alta pressão, classificados nas posições  8716.39.00 e 8413.50.10 da NCM destinadas ao ativo permanente de empresas que promovam serviços de compressão e entrega de gás natural, para o momento em que ocorrer a desincorporação do seu imobilizado;

XXXIII – a saída interna de arroz em casca produzido no Estado de Sergipe destinado a estabelecimento beneficiador, localizado neste Estado, para o momento em que ocorrer a saída do produto beneficiado, observado o disposto no inciso IV do “caput” do art. 16 deste Regulamento.

Incisos XXXII e XXXIII, acrescentados pelo Decreto nº 25.533 de 27.08.2008, com vigência a partir de 28.08.2008, produzindo seus efeitos a partir de 1º.09.2008.

XXXIVa partir de 1º.12.2008, a importação do exterior, bem como sobre o imposto relativo ao diferencial de alíquota de máquinas, equipamentos, peças, partes e acessórios destinados à instalação de usinas de geração de energia elétrica, para o momento da alienação ou eventual saída dos bens.

XXXV – a partir de 1º.12.2008, na saída interna de máquinas, equipamentos, peças, partes, acessórios e matérias destinados a integrar o ativo fixo das usinas de geração de energia elétrica, para o momento da alienação ou saída dos respectivos bens, observado o disposto no inciso XXXIV do “caput” do art. 60 deste Regulamento.

XXXVI – a partir de 1º.12.2008, na saída interna de combustível destinado a usinas de geração de energia elétrica para o momento em que ocorrer a saída de energia da elétrica, sendo considerado pago englobadamente o imposto diferido com o imposto devido pela mesma, sobre as operações que praticar, observado o disposto no inciso XXXIV do “caput” do art. 60 deste Regulamento. (NR)

Incisos XXXIV, XXXV e XXXVI, alterados pelo Decreto nº 26.382 de 27.08.2009, com vigência a partir de 31.08.2009.

XXXVII – a partir de 1º.01.2009, nas operações com biodiesel  B100, quando destinadas à distribuidora de combustíveis, como tal definida e autorizada pelo órgão federal competente, para o momento em que ocorrer a saída do óleo diesel resultante da mistura com B100 promovida pela distribuidora (Conv. ICMS 136/08).

Inciso XXXVII acrescentado pelo Decreto nº 25.885, de 07.01.2009, com vigência a partir de 1º.01.2009.

XXXVIII – referente ao valor total cobrado ao autor da encomenda pela industrialização de petróleo bruto, para o momento em que ocorrer a entrada real ou simbólica do produto industrializado no estabelecimento do encomendante, observado o disposto no inciso VI do art. 16.

Inciso  XXXVIII acrescentado pelo Decreto nº 27.509 de 22.11.2010, com vigência a partir de 23.11.2010.

XXXIX – a partir de 1º de janeiro de 2013, na saída do produtor rural de milho seco destinada a estabelecimento industrial, para o momento em que ocorrer:

  1. a) a saída do produto resultante de sua industrialização;
  2. b) a saída do milho para esta ou outra unidade federada, caso não tenha sido utilizado no processo de industrialização.

Inciso XXXIX acrescentado pelo Decreto nº 29.029 de 05.02.2013, com vigência a partir de 07.02.2013.

  • O diferimento de que trata o inciso IV do “caput” deste artigo estende-se às saídas internas promovidas:

I – pela cooperativa com destino a outro estabelecimento dela mesma, a estabelecimento de cooperativa central ou de federação de cooperativas de que faça parte;

II – pela cooperativa central com destino a estabelecimento de federação de cooperativas.

  • O disposto no inciso X do “caput” deste artigo:

I – somente se aplicará na hipótese em que as mercadorias se destinarem à prestação de serviço médico-hospitalares pelo adquirente;

II – estende-se aos casos de doação, ainda que exista similar nacional dos bens importados.

  • O benefício de que tratam os incisos XIV e XV do “caput” deste artigo, não se aplica às empresas geradoras de energia elétrica.
  • O benefício de que trata o inciso XIX do “caput” deste artigo estende-se às importações dos materiais referidos, quando decorrentes de doações feitas por pessoas físicas ou jurídicas aos mencionados órgãos e entidades.
  • 5º Revogado
  • 5º revogado pelo Decreto nº 23.921, de 08.08.2006, com vigência a partir de 11.08.2006.
  • O diferimento de que trata o inciso XXVIII aplica-se mesmo que os silos adquiridos sejam repassados para associações de pequenos produtores rurais deste Estado, sob o regime de comodato.
  • Para efeito de fruição de que tratam os inciso XXXIV, XXXV e XXXVI do “caput” deste artigo, a sociedade empresarial deve ter o respectivo projeto e cronograma de implantação aprovado pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia, no prazo de 02 anos a contar de 1º.12.2008.
  • O disposto nos incisos XXXIV, XXXV e XXXVI do “caput” deste artigo, também se aplica às empresas ou consórcios de empresas que vierem a ser subcontratadas para a construção das usinas geradoras de energia elétrica.
  • Na saída dos bens adquiridos pela subcontrada na forma do § 8º deste artigo, a responsabilidade pelo pagamento do ICMS diferido fica transferida para a contratante, nas condições estabelecidas nos incisos XXXIV, XXXV e XXXVI do “caput” deste artigo.
  • § 7º, 8º e 9º, acrescentados pelo Decreto nº 25.669 de 24.10.2008, com vigência a partir de 28.10.2008, produzindo seus efeitos a partir de 1º.12.2008.
  • 10. O contribuinte deve efetuar o estorno do imposto de que se tiver creditado, sempre que o serviço tomado ou a mercadoria entrada no estabelecimento, for objeto de saída com diferimento de que tratam os incisos XX e XXI deste artigo.(acrescentado pelo Decreto nº 29.831/14, republicado em 23.07.2014, efeitos a partir de 1º.08.2014)

Art. 15. O recolhimento do imposto decorrente do diferimento será efetuado no prazo estabelecido em Portaria do Secretário de Estado da Fazenda, mediante documento de arrecadação distinto das operações normais do contribuinte responsável.

Art. 16. É dispensado o pagamento do imposto diferido: (NR)

I – Revogado

  1. a) Revogada

*Inciso I revogado pelo Decreto nº 28.145 de 08.11.2011, com vigência a partir de 09.11.2011.

Redação revogada:

I – Revogado

  1. a) à saída interna de leite pasteurizado tipo “C”, com até 3,2% (três inteiros e dois décimos por cento) de gordura, e de leite pasteurizado magro, reconstituído ou não, com 2% (dois por cento) de gordura, destinado a estabelecimento varejista ou a consumidor final;

  1. b) Revogada

*Alínea b, revogada pelo Decreto nº 24.662 de 05.09.2007, com vigência a partir de 31.07.2007.

Redação revogada

“b) à saída interna, em retorno, relativamente ao valor cobrado pelo beneficiamento do leite in natura, efetuado pela indústria de laticínio sob encomenda de associação ou cooperativa de produtores de leite, desde que a saída do produto industrializado esteja vinculada ao Programa de Aquisição de Alimentos – PAA, coordenado pelo Ministério de Desenvolvimento Social e executado pela Secretaria de Estado da Inclusão, Assistência e Desenvolvimento Social – SEIDES;”

*Inciso I, alterado pelo Decreto n.º 24.530, de 18.07.07, com vigência a partir de 1º.06.07.

*Redação Anterior com vigência de 27.08.04 até 31.05.07.

“I – relativo às saídas internas de leite pasteurizado tipo “C”, com até 3,2% (três inteiros e dois décimos por cento) de gordura, e de leite pasteurizado magro, reconstituído ou não, com 2% (dois por cento) de gordura, destinado a estabelecimento varejista ou a consumidor final.”

II – relativo às entradas de papel usado e aparas de papel, sucata de metal, ferro velho, caco de vidro, fragmentos de plástico e de tecido e demais sucatas, desde que :

  1. a) tenha sido efetuado o recolhimento do imposto na forma do art. 99 deste Regulamento;
  2. b) a operação tenha sido efetuada por contribuintes do Simples Nacional. (NR)”.

Inciso II alterado pelo decreto nº 27.166 de 07.06.2010, com vigência a partir de 08.06.2010

III – relativo à saída interna de que trata o inciso XXXI do “caput” do art. 14, quando a saída subseqüente for alcançada com isenção.

*Inciso III acrescentado pelo Decreto nº 25.358 de 20.06.2008, com vigência a partir de 23.06.2008.

IV – relativo à saída interna de arroz em casca destinado a beneficiador localizado neste Estado e desde que o arroz seja por este beneficiado.

*Inciso IV, acrescentado pelo Decreto nº 25.533 de 27.08.2008, com vigência a partir de 28.08.2008, produzindo seus efeitos a partir de 1º.09.2008.

V – relativo à saída interna na hipótese de que trata o inciso II do “caput” do art. 14.

*Inciso V acrescentado pelo Decreto nº 25.631 de 1º.10.2008, com vigência a partir de 02.10.2008, produzindo seus efeitos a partir de 1º.11.2008.

VI – relativo ao valor total cobrado pela industrialização de petróleo bruto de que trata o inciso XXXVIII do art. 14.

*Inciso  VI acrescentado pelo Decreto nº 27.509 de 22.11.2010, com vigência a partir de 23.11.2010.

VII – relativo:

  1. a) à saída dos produtos resultante da industrialização, do leite fresco pasteurizado ou não, com destino a estabelecimento varejista, atacadista ou a consumidor final.
  2. b) à saída interna de leite fresco pasteurizado ou não com destino a estabelecimento de terceiro ou para outro estabelecimento varejista do próprio remetente ou ainda para consumidor final.

*Inciso VII acrescentado pelo Decreto nº 28.145 de 08.11.2011, com vigência a partir de 09.11.2011.

VIII- relativo às operações indicadas no inciso V, alínea “a”, no inciso XVII, alínea “b”, nos incisos XVIII e XX, no inciso XXI, alíneas “a” e “b” e no inciso XXIII, alínea, “b”, todos do “caput” do art. 14. (NR) (alterado pelo Decreto nº 29.938, efeitos a partir de 19.01.2015)

Vide Portaria n.° 668/2011–SEFAZ, que dispõe sobre a dispensa de emissão de documentos fiscais nas saídas internas de leite “in natura”, promovidas por produtores rurais não inscritos no Cadastro de Contribuintes do Estado de Sergipe – CACESE, e destinadas à associação de produtores, cooperativas, comerciante atacadista, ou estabelecimento industrial de laticínio.

Parágrafo único. A dispensa do pagamento de que trata o inciso II deste artigo não se aplica às empresas enquadradas no SIMFAZ/COMÉRCIO.”

*Parágrafo Único. acrescentado pelo Decreto n.º 23.015, de 29 de novembro de 2004, com vigência 28.08.08, efeitos a partir de 30.11.2004.

Art. 17.  Revogado

*Art. 17  Revogado pelo Decreto n.º 23.015  de 29.11.04 com vigência a partir de 30.11.2004

*Redação revogada

Art. 17 .Nas saídas interestaduais dos produtos referidos no inciso III do art. 14, o imposto deverá ser recolhido pelo remetente, antes de iniciada a remessa das mercadorias, mediante documento de arrecadação, com juntada obrigatória à Nota Fiscal própria, para fins de transporte e aproveitamento do crédito pelo destinatário.

Art. 18. Na documentação fiscal relativa às operações ou prestações com imposto diferido, deverá ser consignada a seguinte expressão: “ICMS diferido – art. 14, inciso… do RICMS/SE”, independentemente de o documento fiscal indicar o código da situação tributária.

CAPÍTULO VII
DO LOCAL DA OPERAÇÃO OU DA PRESTAÇÃO

Art. 19. O local da operação ou da prestação, para os efeitos da cobrança do ICMS e definição do estabelecimento responsável, é:

I – tratando-se de mercadoria ou bens:

  1. a) o do estabelecimento onde se encontrem, no momento da ocorrência do fato gerador;
  2. b) onde se encontrem, quando em situação irregular pela falta de documentação fiscal ou quando acompanhados de documentação fiscal inidônea como definida no art. 188 deste Regulamento;
  3. c) o do estabelecimento que transfira a propriedade, ou o título que a represente, de mercadoria por ele adquirida no País e que por ele não tenha transitado;
  4. d) o do estabelecimento onde ocorrer a entrada física definitiva, quando importados do exterior;
  5. e) o do domicílio do adquirente, não estabelecido, quando importados do exterior;
  6. f) aquele onde seja realizada a licitação, no caso de arrematação de mercadoria ou bens importados do exterior e apreendidos ou abandonados;
  7. g) onde estiver localizado o adquirente, inclusive consumidor final, nas operações interestaduais com energia elétrica e petróleo, lubrificantes e combustíveis dele derivados, quando não destinados à industrialização ou à comercialização;
  8. h) onde o ouro tiver sido extraído, quando não considerado como ativo financeiro ou instrumento cambial;
  9. i) o do desembarque do produto, na hipótese de captura de peixes, crustáceos e moluscos;
  10. j) o do estabelecimento que adquirir, em operação interestadual, mercadoria ou bens para consumo ou ativo permanente, na hipótese e para os efeitos do inciso XIII do “caput” do art. 3º deste Regulamento;

II – tratando-se de prestação de serviço de transporte:

  1. a) onde tenha início a prestação;
  2. b) onde se encontre o transportador, quando em situação irregular pela falta de documentação fiscal ou quando com documentação inidônea, como definida no art. 188;
  3. c) o do estabelecimento destinatário, no caso de utilização de serviço cuja prestação se tenha iniciado em outra Unidade Federada e não esteja vinculado à operação ou prestação subseqüente;

III – tratando-se de prestação onerosa de serviço de comunicação:

  1. a) o da prestação do serviço de radiodifusão sonora e de som e imagem, assim entendido o da geração, emissão, transmissão, retransmissão, repetição, ampliação e/ou recepção;
  2. b) o do estabelecimento da concessionária ou da permissionária que forneça ficha, cartão ou assemelhados através dos quais o serviço seja pago;
  3. c) o do estabelecimento destinatário, no caso de utilização de serviço cuja prestação se tenha iniciado em outra Unidade Federada e não esteja vinculado à operação ou prestação subseqüente;
  4. d) o do estabelecimento ou domicílio do tomador do serviço, quando prestado por meio de satélite (Lei Complementar Federal n.º 102/2000 e Lei Estadual n.º 4.314/00);
  5. e) onde seja cobrado o serviço, nos demais casos;

IV – tratando-se de serviços prestados ou iniciados no exterior, o do estabelecimento ou do domicílio do destinatário.

  • O disposto na alínea “c” do inciso I do “caput ” deste artigo não se aplica às mercadorias recebidas em regime de depósito de contribuinte de outro Estado, hipótese em que será considerado o local da operação o do estabelecimento depositário.
  • Para os efeitos da alínea “h” do inciso I do “caput ” deste artigo, o ouro, quando definido como ativo financeiro ou instrumento cambial, deve ter sua origem identificada.
  • Quando a mercadoria for remetida para armazém-geral ou para depósito fechado do próprio contribuinte, neste Estado, a posterior saída considerar-se-á ocorrida no estabelecimento do depositante, salvo se para retornar ao estabelecimento remetente.
  • Na hipótese do inciso III do “caput” deste artigo, tratando-se de serviços não medidos, que envolvam localidades situadas no Estado de Sergipe e em outras Unidades da Federação e cujo preço seja cobrado por períodos definidos, independentemente destes atuarem como prestadores ou tomadores, o imposto devido será recolhido em partes iguais para essa e para a outra Unidade da Federação, localidades do prestador e do tomador (Lei Complementar Federal n.º 102/2000 e Lei Estadual n.º 4.314/00).

Art. 20. Para os efeitos deste Regulamento, estabelecimento é o local, privado ou público, edificado ou não, próprio ou de terceiros, onde pessoa física ou jurídica exerça suas atividades em caráter temporário ou permanente, bem como onde se encontrem armazenadas as mercadorias.

  • Na impossibilidade de determinação do estabelecimento, considera-se como tal o local em que tenha sido efetuada a operação ou prestação, encontrada a mercadoria ou constatada a prestação.
  • Considera-se, também, local da operação o estabelecimento que transfira a propriedade, ou o título que a represente, de mercadoria que por ele não tenha transitado e que se ache em poder de terceiros, sendo irrelevante o local onde se encontra.
  • Considera-se como estabelecimento autônomo, em relação ao estabelecimento beneficiador, industrial, comercial ou cooperativa, ainda que do mesmo titular, cada local de produção agropecuária ou extrativa vegetal ou mineral, de geração, inclusive de energia, ou de captura pesqueira, situado na mesma área ou em áreas diversas do referido estabelecimento.
  • Considera-se, também, estabelecimento autônomo, o veículo de qualquer espécie utilizado:

I – nas operações de comércio ambulante, salvo quando o comércio ambulante for exercido em conexão com o estabelecimento fixo de contribuinte deste Estado, caso em que o veículo transportador será considerado uma extensão ou dependência daquele estabelecimento, nas operações internas;

II – na circulação de mercadorias sem destinatário certo, neste Estado, feita por contribuinte de outra Unidade da Federação;

III – na captura de pescados;

IV – na prestação de serviço de transporte, não sendo o proprietário inscrito no cadastro estadual.

  • O estabelecimento, quanto ao tipo pode ser:

I – produtor;

II – comercial;

III – industrial;

IV – prestador de serviço;

V – extrator.

  • Quando o estabelecimento estiver situado no território de mais de um Município deste Estado, considera-se o contribuinte domiciliado, para os efeitos fiscais, no Município em que se encontrar localizada a sede da propriedade.
  • Caso a sede se situe em Município diverso daquele da base territorial do estabelecimento, considera-se o contribuinte domiciliado no Município em que possua a maior base territorial do estabelecimento.
  • Na impossibilidade de determinação do estabelecimento, nos termos do parágrafo anterior, considerar-se-á como tal, o local onde houver sido efetuada a operação ou prestação, ou for encontrada a mercadoria.
  • Caso ainda não seja possível determinar o domicílio tributário, este será imputado por ato da Administração Tributária.

Art. 21. Para efeito de determinação do local da operação e da prestação, a plataforma continental, o mar territorial e a zona econômica exclusiva integram o território do Estado de Sergipe na parte que lhe é confrontante.

TÍTULO II
DA OBRIGAÇÃO PRINCIPAL

CAPÍTULO I
DA BASE DE CÁLCULO

Seção I
Das Disposições Gerais

Art. 22. O montante do ICMS integra a sua própria base de cálculo, constituindo o respectivo destaque mera indicação para fins de controle e cumprimento da obrigação tributária.

Art. 23. A base de cálculo do ICMS é:

I – o valor da operação:

9a) na saída de mercadoria de estabelecimento de contribuinte, ainda que para outro do mesmo titular;

  1. b) na transmissão, a terceiro, da propriedade de mercadoria depositada em armazém-geral ou em depósito fechado;
  2. c) na transmissão da propriedade de mercadoria, ou de título que a represente, quando a mercadoria não tiver transitado pelo estabelecimento do transmitente;

II – o valor total da operação, compreendendo a mercadoria e o serviço, no fornecimento de alimentação, bebidas e outras mercadorias;

III – o preço do serviço, na prestação de serviço de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação;

IV – o valor da operação, no fornecimento de mercadoria com prestação de serviços não compreendidos na competência tributária dos Municípios;

V – o preço corrente da mercadoria fornecida ou empregada, com prestação de serviço compreendido na competência tributária dos Municípios e com indicação expressa de incidência do imposto de competência estadual, como definido em lei complementar aplicável;

VI – a soma das parcelas abaixo indicadas, no desembaraço aduaneiro de mercadorias ou bens importados do exterior:

  1. a) o valor da mercadoria ou bens, constante nos documentos de importação, observado o disposto no art. 32 deste Regulamento;
  2. b) o imposto sobre a importação;
  3. c) o imposto sobre produtos industrializados;
  4. d) o imposto sobre operações de câmbio;
  5. e) quaisquer outros impostos, taxas, contribuições, além de despesas aduaneiras cobradas ou debitadas ao adquirente, relativas ao adicional ao frete para renovação da marinha mercante, armazenagem, capatazia, estiva, arqueação e multas por infrações, observado o disposto nos §§ 5º e 6º deste artigo (Lei Complementar (Federal) n.º 114/2002 e Leis n.ºs  4.732/02 e 5.849/06 ); (NR)

*Alínea “e” alterada pelo Decreto nº 23.876, de 03.07.2006, com vigência a partir de 21.03.2006.

*Redação Anterior com vigência a partir de 01.05.2003, até 20.03.2006.

“e) quaisquer outros impostos, taxas, contribuições e despesas aduaneiras (Lei Complementar Federal n.º 114/2002 e Lei Estadual n.º 4.732/02); (NR)

* Alínea “e”, alterada pelo Decreto nº 22.110, de 18/08/2003, com vigência a partir de 01/05/2003.

*Primeira Redação do Decreto N° 21.400, de 10 de Dezembro de 2002

  1. e) quaisquer despesas aduaneiras;”

VII – o valor da prestação do serviço, acrescido, se for o caso, de todos os encargos relacionados com a sua utilização, no recebimento, pelo destinatário, de serviço prestado no exterior;

VIII – o valor da operação, acrescido do valor dos impostos de importação e sobre produtos industrializados e de todas as despesas cobradas ou debitadas ao adquirente, na aquisição, em licitação pública, de mercadorias ou bens importados do exterior e apreendidos ou abandonados;

IX – o valor da operação de que decorrer a entrada, neste Estado, de energia elétrica, petróleo, lubrificantes e combustíveis líquidos e gasosos dele derivados, oriundos de outro Estado, quando não destinados à comercialização, industrialização, produção, geração ou extração inclusive na hipótese de lubrificantes e combustíveis líquidos ou gasoso derivados de petróleo adquiridos por prestador de serviço de transporte para emprego na prestação de seus serviços;

X – o valor da operação ou prestação no Estado de origem:

  1. a) na entrada, no estabelecimento de contribuinte, de mercadoria oriunda de outro Estado, destinada a consumo ou ativo permanente;
  2. b) na utilização, por contribuinte, de serviço cuja prestação se tenha iniciado em outro Estado e não esteja vinculada a operação ou prestação subseqüente;

XI – o valor das mercadorias inventariadas na data do encerramento das atividades do contribuinte, tomando-se como parâmetro o preço de aquisição mais recente;

XII – o valor da média aritmética do período fiscalizado, no levantamento do estoque, na hipótese de o contribuinte não identificar o produto, na saída, com as mesmas especificações constantes da nota fiscal de entrada.

XIII – o valor total da Nota Fiscal, acrescido do percentual de 20% (vinte por cento), se outro não houver, referente à margem de agregação, quando da não comprovação da saída, do território sergipano, das mercadorias em trânsito neste Estado de Sergipe, ou se tratar de saída de mercadoria para outra Unidade Federada e for comprovada a não saída da mesma do território sergipano, pela falta de baixa do Termo de Responsabilidade ou do Termo de Transferência de Responsabilidade, observado o disposto no inciso I do art. 47 deste Regulamento. (NR)

* Inciso XIII, alterado pelo Decreto nº 21.881, de 02/06/2003, com vigência a partir de 03/06/2003.

* Redação Anterior com vigência de 01/05/2003 até 02/06/2003.

XIII – o valor total da Nota Fiscal, acrescido do percentual de 20% (vinte por cento), se outro não houver, referente à margem de agregação, quando se tratar de saída de mercadoria para outra Unidade Federada e for comprovada a não saída da mesma do território sergipano, pela falta de baixa do Termo de Responsabilidade ou do Termo de Transferência de Responsabilidade, observado o disposto no inciso I do art. 47 deste Regulamento.

  • Quando a mercadoria entrar no estabelecimento para fins de industrialização, ou comercialização e for consumida ou integrada ao ativo permanente do estabelecimento, acrescentar-se-á, à base de cálculo, o valor do IPI cobrado na operação de que decorreu a entrada.
  • Na saída de mercadoria para estabelecimento pertencente ao mesmo titular localizado neste ou em outro Estado a base de cálculo do imposto é:

I – o valor correspondente à entrada mais recente da mercadoria;

II – o custo da mercadoria produzida, assim entendida a soma do custo da matéria-prima, material secundário, mão-de-obra e acondicionamento;

III – tratando-se de mercadorias não industrializadas, o seu preço corrente no mercado atacadista do estabelecimento remetente.

  • A base de cálculo do ICMS, na saída de mercadoria a qualquer título de estabelecimento de contribuinte, ainda que para outro do mesmo titular, sem o valor da operação e na impossibilidade de determinação, será apurada da seguinte maneira:

I – o preço corrente da mercadoria, ou de seu similar no mercado atacadista do local da operação, caso o remetente seja produtor, extrator ou gerador, inclusive de energia;

II – o preço FOB do estabelecimento industrial à vista, no caso do remetente industrial, condicionando-se, para a validade da norma aqui estabelecida, que o preço seja efetivamente cobrado pelo remetente na apuração mais recente;

III – o preço FOB do estabelecimento comercial à vista, na venda efetuada por comerciante a outro comerciante ou industrial, condicionando-se, também, ao preço cobrado pelo remetente na operação mais recente;

IV – 75% (setenta e cinco por cento) do preço de venda efetivamente cobrado pelo estabelecimento na operação mais recente, na hipótese do inciso III deste parágrafo, caso o estabelecimento remetente não efetue venda a outro comerciante ou industrial.

  • Na impossibilidade de se determinar a base de cálculo nos moldes do § 3º deste artigo, por falta de operação de venda anterior de igual mercadoria, a base de cálculo aplicável será a seguinte:

I – o valor correspondente à entrada mais recente, quando se tratar de estabelecimento comercial;

II – o custo da mercadoria produzida, assim entendido a soma do custo da matéria-prima, material secundário, mão-de-obra e acondicionamento, nos demais casos.

  • 5º. Na hipótese de despacho antecipado, os valores das despesas aduaneiras indicadas na alínea “e” do inciso VI do “caput” deste artigo devem ser estimados (Lei  n.º 5.849/06 ).
  • 6º. Havendo necessidade de ajustes nos valores estimados, na hipótese do § 5º deste artigo, estas devem ser procedidos na forma estabelecida nos artigos  34, 74, e 181 deste Regulamento (Lei  n.º 5.849/06 ).”

*§§ 5º e 6º acrescentados pelo Decreto nº 23.876, de 03.07.2006, com vigência a partir de 21.03.2006.

Art. 24. Nas prestações de serviços sem preço determinado, a base de cálculo do ICMS é o valor corrente do serviço no local da prestação.

Art. 25. No transporte de pessoas executado por empresa de turismo, o preço do serviço de transporte deverá ser lançado no documento fiscal, em parcela separada dos valores referentes aos demais serviços.

Art. 26. Inclui-se também na base de cálculo do ICMS incidente sobre prestações de serviços de comunicação os valores cobrados a título de acesso, adesão, ativação, habilitação, disponibilidade, assinatura e utilização dos serviços, bem assim aqueles relativos a serviços suplementares e facilidades adicionais que otimizem ou agilizem o processo de comunicação, independentemente da denominação que lhes seja dada. ( Conv ICMS 69/98).

Art. 27. Quando o frete for cobrado por estabelecimento pertencente ao mesmo titular da mercadoria ou por outro estabelecimento de empresa que com aquele mantenha relação de interdependência, na hipótese de o valor do frete exceder os níveis normais de preço no mercado local para serviço semelhante, constante de tabela elaborada por órgão competente, o valor excedente será havido como parte do preço da mercadoria.

Art. 28. Para fins de substituição tributária, a base de cálculo é a definida no art. 684.

Art. 29. Na hipótese da base de cálculo do ICMS ser inferior ao preço da mercadoria adquirida de terceiro ou ao valor da operação anterior, bem como da mercadoria produzida ou do serviço prestado pelo próprio estabelecimento, deverá ser observado o disposto no inciso V do art 59.

Art. 30. Integram a base de cálculo do ICMS, os valores correspondentes:

I – ao Imposto sobre Produtos Industrializados – IPI:

  1. a) quando o produto for destinado a consumidor ou usuário final, a estabelecimento prestador de serviço de qualquer natureza não considerado contribuinte do ICMS, ou para uso, consumo ou ativo imobilizado de estabelecimento de contribuinte;
  2. b) nas devoluções de mercadorias, caso na aquisição ou recebimento tiver o imposto federal integrado a base de cálculo do ICMS;

II – ao seguros, juros e demais importâncias recebidas ou debitadas, bem como bonificações e descontos concedidos sob condição;

III – ao frete, caso o transporte seja efetuado pelo próprio remetente.

Parágrafo único. Serão deduzidos da base de cálculo os descontos constantes no documento fiscal, desde que não concedidos sob condição, assim entendidos os que estiverem sujeitos a eventos futuros e incertos.

Art. 31. Não integram a base de cálculo do ICMS:

I – o valor do IPI, quando a operação de saída:

  1. a) for realizada entre contribuintes do ICMS e relativa a produto destinado a comercialização, industrialização, produção, geração ou extração, bem como destinado a prestador de serviço de transporte, de comunicação ou de serviços de qualquer natureza sujeitos ao ICMS; e
  2. b) configurar fato gerador de ambos os impostos;

II – o valor correspondente a juros, multas e atualização monetária recebidos pelo contribuinte a título de mora, por inadimplência de seu cliente, desde que calculados sobre o valor da saída da mercadoria ou do serviço prestado, e auferidos após a ocorrência do fato gerador do tributo.

Art. 32. O preço de importação expresso em moeda estrangeira será convertido em moeda nacional pela mesma taxa de câmbio utilizada no cálculo do imposto de importação, ou a que seria utilizada para tanto, sem qualquer acréscimo ou devolução posterior se houver variação da taxa de câmbio até o pagamento efetivo do preço (Lei nº 7.111, de 29 de dezembro de 2010).

Parágrafo único. O valor fixado pela autoridade aduaneira para fins de base de cálculo do Imposto de Importação, nos termos da lei aplicável, substituirá o preço declarado. (NR)

*Art. 32 alterado pelo Decreto nº 27.611 de 11.01.2011, com vigência a partir de 13.01.2011, produzindo seus efeitos a partir de 1º.01.2011.

*Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 31.12.2010.

“Art. 32. Sempre  que  o  valor   da  operação  ou  prestação estiver expresso em moeda estrangeira, far‑se‑á sua conversão em moeda nacional pela mesma taxa de câmbio utilizada no cálculo do imposto sobre a importação, e não havendo imposto de importação, a taxa de câmbio será a do dia do desembaraço, sem qualquer acréscimo ou devolução posterior se houver variação de taxa de câmbio até o pagamento efetivo do preço.

Parágrafo único.  O valor fixado pela autoridade aduaneira para base de cálculo do imposto sobre a importação, nos termos da legislação aplicada, substituirá o preço declarado.”

Art. 33. Nos casos em que a fixação de preços ou a apuração do valor tributável depender de fatos ou condições só possíveis de verificação após a saída da mercadoria, tais como pesagem, medição, análise e classificação, o imposto, necessariamente, será calculado, a princípio, sobre o preço corrente da mercadoria e, após essas verificações, far-se-ão os ajustes necessários, observadas as normas fixadas neste Regulamento e em ato do Secretário de Estado da Fazenda.

Art. 34. Ocorrendo reajustamento de preço, após a ocorrência do fato gerador, o imposto correspondente ao acréscimo do valor será recolhido juntamente com o montante devido no período em que foi apurado, observando-se o estabelecido neste Regulamento e em ato do Secretário de Estado da Fazenda.

Art. 35. A Superintendência de Gestão Tributária – SUPERGEST, fixará, periodicamente, tabela de preços correntes de mercadorias com o fim de determinar a base de cálculo do ICMS na operação em que o preço declarado pelo contribuinte for inferior ao de mercado, bem como na primeira operação realizada por produtor, extrator ou gerador, inclusive de energia, em que não seja possível determinar a base de cálculo por falta do valor da operação.

  • Havendo discordância por parte do contribuinte, em relação ao valor fixado para a mercadoria, caberá a este comprovar a exatidão do valor por ele declarado.
  • A pauta poderá ser aplicada em uma ou mais regiões do Estado, levando-se em conta categorias, grupos ou setores de atividades econômicas e ter seu valor atualizado sempre que necessário, bem como ser alterada para inclusão ou exclusão de mercadoria ou serviço.

Vide Portaria n.º 1.094/2005-SEFAZ,  que estabelece pauta fiscal de valores mínimos a serem considerados, para fins de tributação dos produtos especificados no Anexo Único desta Portaria.

Revogada a INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 23/2004,  que estabelece pauta fiscal de valores mínimos a serem considerados, para fins de tributação dos produtos especificados no Anexo Único desta Instrução Normativa, pela Portaria n.º 1.094/2005-SEFAZ

SEÇÃO II
Do Arbitramento Fiscal

Art. 36. Far-se-á o arbitramento da base cálculo do ICMS, quando não for possível apurar o montante real da base de cálculo, desde que se comprove qualquer dos casos seguintes:

I – falta de apresentação, dos livros fiscais e contábeis, ou sua apresentação sem que estejam devidamente escriturados, bem como dos documentos necessários à comprovação de registro ou lançamento em livro fiscal ou contábil, inclusive sob alegação de perda, extravio, desaparecimento ou sinistro dos mesmos;

II – omissão de lançamento nos livros fiscais ou na escrita geral do estabelecimento;

III – lançamento ou registro fictício ou inexato na escrita contábil ou fiscal;

IV – falta de emissão de documento fiscal a que esteja obrigado o contribuinte, ou emissão em desconformidade com a operação realizada;

V – declaração, nos documentos fiscais, de valores notoriamente inferiores ao preço corrente das mercadorias;

VI – utilização de Máquina Registradora – MR, Terminal Ponto de Venda – PDV e Equipamento Emissor de Cupom Fiscal – ECF que não atenda às exigências regulamentares ou que não esteja autorizado, conforme o caso;

VII – realização de operação ou prestação sem os documentos fiscais ou com documentação inidônea;

VIII – utilização de regime especial em desobediência às normas que o regem;

IX – qualquer outro caso em que não se possa conhecer o montante sonegado.

Art. 37. O arbitramento da base de cálculo do ICMS será efetuado por qualquer um dos métodos a seguir indicados:

I – ao valor do estoque final do período anterior, atualizado monetariamente, serão adicionados os valores, também atualizados, das entradas efetuadas durante o período considerado, inclusive as parcelas do IPI, frete, carretos e demais despesas debitadas ao adquirente , deduzindo-se do montante o valor do estoque final do período, pelo seu valor nominal, obtendo-se assim o custo das mercadorias vendidas, agregando-se um dos seguintes percentuais, a título de lucro:

  1. a) alimentação, bebidas e outras mercadorias fornecidas em restaurantes, lanchonetes, bares, cafés, sorveterias, hotéis, pensões, boates, cantinas e estabelecimentos similares: 100%;
  2. b) perfumaria, jóias, artigos de armarinho, confecções, artefatos de tecidos e calçados: 80%;
  3. c) ferragens, louças, vidros, material elétrico, eletrodomésticos e móveis: 60%;
  4. d) tecidos: 40%;
  5. e) gêneros alimentícios: 30%;
  6. f) bebidas em geral, exceto cerveja, chope e refrigerantes: 50%;
  7. g) cervejas, chopes e refrigerantes: 120%;
  8. h) farinha de trigo: 110%;
  9. i) outras mercadorias: 30%, se outro não for estabelecido;

II – conhecendo-se o valor das despesas gerais do estabelecimento durante o período, admite-se que esse valor, atualizado monetariamente, até o último mês do período fiscalizado, seja equivalente a:

  1. a) 15% do valor das saídas, em relação à alimentação, bebidas e outras mercadorias fornecidas em restaurantes, lanchonetes, bares, cafés, sorveterias, hotéis, motéis, pensões, boates e estabelecimentos similares;
  2. b) 20% do valor das saídas, em relação aos artigos de perfumaria e armarinho, artefatos de tecido, confecções e jóias;
  3. c) 25% do valor das saídas, em relação aos tecidos e eletrodomésticos, material elétrico, móveis, ferragens e louças;
  4. d) 30% do valor das saídas, em relação a gêneros alimentícios;
  5. e) 30% do valor das saídas, em relação a outras mercadorias não compreendidas nas alíneas anteriores;
  6. f) 40% do valor cobrado na prestação de serviço de transporte e de comunicação;

III – na impossibilidade de aplicação dos métodos de que cuidam os incisos anteriores, tomar-se-á por base qualquer exercício anterior de cujos valores disponha o Fisco, observadas as regras do inciso I deste artigo;

IV – no caso de uso irregular de MR, PDV e ECF:

  1. a) havendo ou não autorização de uso, tendo sido zerado ou reduzido o seu valor acumulado, estando o equipamento funcionando com teclas, funções ou programas que deveriam estar desativados, constatando-se violação do lacre de segurança, ou qualquer outra hipótese de uso irregular, inclusive na falta de apresentação ao Fisco, ou de apresentação do equipamento danificado, impossibilitando a apuração do valor nele acumulado, aplicar-se-ão, no que couber, as regras de arbitramento previstas nos incisos I, II III e VI deste artigo ;
  2. b) não autorizado pelo Fisco, em que não se possa precisar o período de utilização, por falta de registros ou documentos confiáveis, os valores acumulados no equipamento consideram-se relativos às operações ou prestações ocorridas no período da execução da ação fiscal e promovidas ou realizadas pelo respectivo estabelecimento, ficando a critério do Fisco optar pela exigência do imposto não recolhido, com base nos valores acumulados no equipamento ou com base em qualquer dos métodos de que cuidam os incisos I, II, III e VI deste artigo;

V – na hipótese de equipamentos irregulares que possuam prova documental indicativa da data de aquisição, será considerada, a partir da mesma, a média dos valores totalizados pelos demais equipamentos regulares utilizados pelo mesmo estabelecimento;

VI – na hipótese de equipamentos irregulares que não possuam prova documental indicativa da data da aquisição, será efetuada a média dos valores totalizados pelos demais equipamentos regulares, utilizados pelo mesmo estabelecimento, considerando-se o período de aquisição dos mesmos;

VII – na hipótese em que todos os equipamentos estejam irregulares, deverá ser solicitado Regime Especial de Fiscalização, possibilitando o acompanhamento diário das saídas de mercadorias, durante o período de 30 (trinta) dias, a fim de estimar a base de cálculo do imposto devido durante a utilização dos equipamentos;

VIII – quando se tratar de imposto apurado proveniente de levantamento específico de mercadoria:

  1. a) o preço médio de venda praticado pelo contribuinte no mês em que foi apurada a diferença, ou na sua ausência, a média do mês imediatamente anterior, no caso de verificada a falta de emissão de nota fiscal de saída;
  2. b) o preço médio de compra praticado pelo contribuinte no mês em que foi detectada a diferença, ou na sua ausência, a média do mês imediatamente anterior, no caso de verificada a falta de nota fiscal de aquisição;
  3. c) o preço médio, do último mês do período do arbitramento, praticado por outro estabelecimento da mesma praça, que explore idêntica atividade econômica quando os preços não forem conhecidos ou não merecerem fé.
  4. d) o preço médio do último mês do período apurado, ou do mês imediatamente anterior, quando não for possível discriminar os fatos geradores, mês a mês.

* Inciso VIII, alterado pelo Decreto nº 23.422 de 10.10.2005, com vigência a partir de 13.10.2005.

* Redação Anterior com vigência de 01/05/2003 até 12.10.2005.

VIII – na hipótese de diferença apurada em levantamento quantitativo de estoque, o valor unitário da mercadoria será:

  1. a) no caso de omissão de saída, o preço médio de venda praticado pelo contribuinte no último mês em que a mercadoria foi comercializada no período considerado ou, quando os preços não forem conhecidos ou não merecerem fé, o preço médio praticado por outro estabelecimento da mesma praça, que explore idêntica atividade econômica, em relação ao último mês do período objeto do arbitramento;
  2. b) no caso de comprovação de entrada de mercadoria não contabilizada, o preço médio de compra da mesma no último mês em que houve aquisição ;

  1. e) em se tratando de mercadoria sujeita ao regime de substituição tributária:

1 – o preço médio, acrescido da MVA específica para a mercadoria;

2 – o valor da pauta fiscal ou do preço final a consumidor sugerido pelo fabricante ou importador.

*Alínea “e” acrescentada pelos Decretos nºs 24.755 e 24.764 de 17.10.2007, com vigência a partir de 18.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2007.

IX – na hipótese de falta de apresentação de livros ou documentos pelo contribuinte que tenha antecedentes de práticas fraudulentas, sob alegação de desaparecimento, perda, extravio, sinistro, furto ou roubo, tomar-se-á por base, para efeito de arbitramento, o valor das saídas ou dos serviços de qualquer exercício anterior, do qual se disponha de dados, inclusive mediante documentos de informações econômico-fiscais, ao qual serão adicionados os valores relativos às omissões de saídas ou de serviços porventura apurados pelo Fisco em ações fiscais anteriores, pertinentes ao período tomado como parâmetro, desde que o respectivo Auto de Infração tenha sido pago, tenha o contribuinte incorrido em revelia ou tenha o processo transitado em julgado na esfera administrativa, devendo-se atualizar, monetariamente, os valores até o último mês do período objeto do arbitramento;

X – em se tratando de estabelecimento industrial, tomar-se-á por base:

  1. a) o custo da mercadoria produzida, assim entendido a soma do custo das matérias-primas, materiais secundários, produtos intermediários, acondicionamento, mão-de-obra e outros gastos de fabricação, cujos valores serão atualizados monetariamente até o último mês do período, agregando-se ao montante o percentual de 20% (vinte por cento), a título de lucro;
  2. b) o preço FOB em estabelecimento industrial, à vista, adotando-se como referência a operação mais recente;
  3. c) qualquer um dos métodos previstos nos demais incisos deste artigo que se adequar à situação real;

XI – na fiscalização de trânsito:

  1. a) ao valor da mercadoria, incluídos os valores referentes ao IPI, frete, carretos e outras despesas debitadas ao adquirente, será agregado, a título de lucro, um dos percentuais constantes no inciso I, aplicando-se, quando for o caso, o percentual relativo à mercadoria preponderante no documento fiscal;
  2. b) adotar-se-á, na ausência ou inidoneidade do documento fiscal:
  3. o preço corrente da mercadoria ou o preço de pauta;
  4. 2. a tarifa de frete corrente na praça.
  • Do valor do imposto apurado através de arbitramento, serão deduzidos o saldo do crédito fiscal do período anterior, os créditos destacados em documentos fiscais utilizados no período, bem como o valor do imposto pago relativamente às operações e prestações.
  • O disposto no parágrafo anterior não se aplica à hipótese do inciso V do “caput” deste artigo, a menos que tenham sido incluídas no levantamento quantitativo notas fiscais de entrada de mercadorias não lançadas na escrita fiscal.
  • Na impossibilidade de se determinar com precisão a data da ocorrência do fato gerador, este considerar-se-á ocorrido no último dia do período fiscalizado.
  • Na apuração da base de cálculo por meio de arbitramento, aplicar-se-á, quando for o caso, o percentual de lucro correspondente à mercadoria preponderante na atividade do contribuinte, sem prejuízo do disposto na alínea “a” do inciso VIII do “caput” deste artigo;
  • O arbitramento limitar-se-á às operações, prestações e/ou períodos em que houver ocorrido o fato que o motivou.
  • Nas hipóteses dos incisos I, III, IV, VI e VII do “caput” deste artigo, o arbitramento poderá basear-se em informações econômico-fiscais do mesmo exercício ou de exercício anterior, bem como em outros dados apurados dos quais disponha a Secretaria de Estado da Fazenda – SEFAZ.
  • As ações e omissões descritas nos incisos II, III, IV e VIII do art. 36 deste Regulamento só autorizam o arbitramento quando a escrita se tornar insuficiente para determinar as entradas, as saídas ou o estoque das mercadorias, ou o valor dos serviços prestados, conforme o caso.

Art. 38. A Superintendência de Gestão Tributária – SUPERGEST poderá baixar instruções que visem esclarecer os métodos e critérios de arbitramento.

Seção III
Da Base de Cálculo Reduzida

Art. 39. A base de cálculo do ICMS será reduzida nas operações e prestações enumeradas no Anexo II deste Regulamento conforme ali disciplinado.

CAPÍTULO II
DAS ALÍQUOTAS

Art. 40. As alíquotas do ICMS são as seguintes, observado o disposto no art. 40-A deste Regulamento: (NR)

*Art. 40 alterado pelo Decreto nº 21.681, de 20/02/2003, com vigência a partir de 01/05/2003

*Redação Anterior:

Art. 40. As alíquotas do ICMS são as seguintes:”

I – 17% (dezessete por cento) nas operações e prestações internas, ainda que iniciadas no exterior, ressalvadas as alíquotas abaixo indicadas;

II – 12% (doze por cento) nas operações e prestações interestaduais que destinem mercadorias ou serviços a contribuintes do imposto;

III – nas prestações de serviço de transporte aéreo:

a)12% (doze por cento) – (Conv ICMS 120/96):

  1. 1. nas prestações internas, a partir de 01/01/97;
  2. 2. nas prestações interestaduais de pessoas cargas e mala postal, quando tomadas por não contribuinte do ICMS ou a este destinadas;
  3. b) 4% (quatro por cento), nas prestações interestaduais de transporte aéreo de passageiro, cargas e mala postal, quando tomadas por contribuintes do ICMS ou a este destinadas, a partir de 01.01.97 (Resolução do Senado Federal nº 95/96);

IV – nas operações internas com energia elétrica a seguir especificadas:

  1. a) residencial:
  2.  0% (zero por cento) para consumo até 50Kwh; (NR)
  3.  25% (vinte e cinco por cento) para consumo acima de 50 Kwh; (NR)

*Itens 1 e 2 da alínea “a” alterados pelo Decreto n.º 22.764 de 19.04.2004, com vigência a partir de 01.01.2004.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 31.12.2003.

  1. 0% para consumo até 50Kw;

2 25%(vinte e cinco por cento) para consumo acima de 50Kw;”

  1. b) 25% (vinte e cinco por cento) para consumo comercial;
  2. c) industrial:
  3. 17% (dezessete por cento) na utilização como insumo (Lei nº 4.493/01)(NR);

*Item I da alínea “c” alterado pelo Decreto nº 22.675 de 29.01.2004, com vigência a partir de 03.02.2004.

*Redação anterior com vigência de 01.05.2003 até 02.02.2004.

  1. 17% (doze por cento) na utilização como insumo (Lei n.º 4.493/01);

  1. 2. 25%(vinte e cinco por cento) para outros consumos.
  2. d) rural:
  3. 0% (zero por cento) no consumo até 1.000 Kwh; (NR)

*Item 1 da alínea “d” alterado pelo Decreto n.º 22.764 de 19.04.2004, com vigência a partir de 01.01.2004.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 31.12.2003.

  1. 0% (zero por cento) no consumo até 1.000 Kw;”

  1. 2. 0% (zero por cento) no consumo para irrigação;
  2. 17% no consumo acima 1.000 Kwh. (NR)

*Item 3 da alínea “d” alterado pelo Decreto n.º 22.764 de 19.04.2004, com vigência a partir de 01.01.2004.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 31.12.2003.

  1. 17% no consumo acima 1.000 Kw.”

  1. e) 17% (dezessete por cento) poderes públicos.
  2. f) 0% (zero por cento) iluminação pública.
  3. g) 0% (zero por cento) serviço de abastecimento de água;

V – nas operações internas com combustíveis:

  1. a) 25% (vinte e cinco por cento) com gasolina automotiva;
  2. b) 25%(vinte e cinco por cento) com álcool etílico (etanol), anidro ou hidratado para fins carburantes;

VI – nas prestações de serviços de comunicação:

  1. a) 12% (doze por cento) telefonia rural;
  2. b) 25% (vinte e cinco por cento) demais comunicações;

VII – 25% (vinte e cinco por cento) com os seguintes produtos:

  1. a) nas operações com fumo e seus sucedâneos:
  2. 1. cigarros – NCM – 2402.20.00, exceto cigarros feitos a mão (produção caseira) e cigarros não contendo fumo ( NCM – 2402.90.00);
  3. 2. charutos cigarrilhas, contendo fumo (tabaco) – NCM – 2402.10.00;
  4. 3. fumos industrializados, compreendendo fumo picado, desfiado, migado ou em pó, aromatizados ou não – NCM – 2403.10.00 – exceto: fumo total ou parcialmente destalado (NCM – 24.01.20 ou não destalado (NCM – 2401.10), fumo curado ( NCM – 2401.10 e 2401.20), fumo em corda ou em rolo (NCM – 2403.10.00), fumo homogeneizado ou reconstituído (NCM – 2403.91.00, extratos e molhos de fumo (NCM 2403.99.10), rapé (NCM – 2403.99.90) e desperdícios de fumo ( NCM – 2401.30.00);
  5. b) bebidas alcóolicas a saber:
  6. 1. vinhos enriquecidos com álcool, inclusive champanha, mostos de uvas com adição de álcool, mistelas – NCM – 2204;
  7. 2. vermutes e outros vinhos de uvas frescas aromatizados por plantas ou por substâncias aromáticas (quinados, gemados, mistelas) – NCM – 2205;
  8. 3. aguardente de vinho ou de bagaço de uvas (conhaque, pisco, bagaceira ou graspa) – NCM – 2208.20.00;
  9. 4. uísque – NCM – 2208.30;
  10. 5. rum e tafiá – NCM – 2208.40.00 – exceto aguardente de cana (caninha), aguardente de melaço (cachaça), aguardente simples de agave ou de outras plantas (tequila e semelhantes), aguardente simples de frutas (de cidra, de ameixa de cereja, etc) e outras aguardentes simples;
  11. 6. aguardente composto de alcatrão, de gengibre, de cascas, de folhas, de polpa, de raízes ou de óleos ou essências naturais ou artificiais, e aperitivos amargos – NCM – 2208.90.00;
  12. 7. gim e genebra NCM – 2208.50.00;
  13. 8. vodca – NCM – 2208.60.00;
  14. 9. licores e batidas – NCM – 2208.70.00;
  15. Revogado

*Item 10 da alínea “b” do inciso VII do “caput” do art. 40, revogado pelo Decreto nº 22.697, de 13.02.2004, com vigência a partir de 02.01.2004.

*Redação revogada:

  1. cerveja e chope”

11.REVOGADO.

Revogado *Item 11 da alínea “b” do inciso VII pelo Decreto nº 29.392 de 02.08.2013, com vigência a partir de 09.08.2013.

Redação Revogada:

  1. cervejas e chopes (Lei Estadual n.º 7.213/2011);

*Item 11 acrescentado pelo Decreto n.º  28.141 de 07.11.2011, com vigência a partir de 1º.01.2012.

  1. c) ultraleves e suas peças e partes:
  2. 1. planadores e asas voadoras (asas-delta) – NCM – 8801.10.00;
  3. 2. balões dirigíveis NCM – 8801.90.00;
  4. 3. Partes e peças de veículos e aparelhos das posições dos sub-itens 7.1.e 7.2;
  5. d) embarcações de esporte e recreio e artigos ou equipamentos aquáticos para divertimento ou esporte:
  6. 1. barcos infláveis – NCM – 8903.10.00;
  7. 2. barcos a remo e canoas – NCM – 8903.99.00;
  8. 3. barcos a vela, mesmo com motor auxiliar – NCM – 8903.91.00;
  9. 4. barcos a motor – NCM – 8903.92.00 e 8903.99.00;
  10. 5. iates NCM – 8903.
  11. 6. esquis aquáticos ou jet-esquis – NCM – 9506.29.00;
  12. 7. pranchas de surfe – NCM – 9506.29.00;
  13. 8. pranchas a vela – NCM – 9506.21.00;
  14. e) armas e munições, exceto as destinadas às Polícias Civil e Militar e às Forças Armadas:
  15. 1. armas de fogo (por deflagração de pólvora), armas de ar comprimido, de mola ou de gás, para defesa pessoal, de tiro a alvo ou de caça, inclusive revólveres; pistolas, espingardas e carabinas ainda que destinados a tiros de festim (sem bala) ou com êmbolo cativo para abater animais – NCM – 93.01 a 9304;
  16. 2. munições para armas do item anterior – NCM – 9306;
  17. f) artefatos de joalharia e de ourivesaria e suas partes, de metais preciosos ou de metais folheados ou chapeados de metais preciosos (NCM – 7113 e 7114); obras de metais preciosos ou de metais folheados ou chapeados de metais preciosos (NCM – 7115); obras de pérolas naturais ou cultivadas, de pedras preciosas ou semipreciosas, de pedras sintéticas ou reconstituídas (NCM – 7116) e bijuterias (NCM – 7117);
  18. g) perfumes (extratos) e águas-de-colônia (NCM – 3303.00.10 e 3303.00.20;
  19. h) produtos de beleza ou de maquilagem preparados e preparações para conservação ou cuidados da pele, inclusive bronzeadores, preparações para manicuros e pedicuros (NCM – 3304), excetuados medicamentos e anti-solares;
  20. i) preparações capilares (NCM – 3305), excetuados os xampus compreendidos no código (NCM – 3305.10.00);
  21. j) preparações para barbear (antes durante ou após), desodorantes corporais, preparações para banhos, depilatórios, outros produtos de perfumaria ou de toucador preparados e outras preparações cosméticas, não especificadas nem compreendidos em outras posições; desodorantes de ambiente, preparados, mesmo não perfumados, com ou sem propriedades desinfetantes compreendidos na posição 3307, excetuados os desodorantes axilares;
  22. k) Revogado;

*Alínea “k”, revogada pelo Decreto nº 21.881, de 02/06/2003, com vigência a partir de 03/06/2003.

*Redação Revogada com vigência de 01/05/2003 até 02/06/2003.

  1. k) cremes de beleza, inclusive com geléia real de abelhas; cremes e loções tônicas (preparados anti-solares exceto os bronzeadores, ruge, mesmo cremoso ou líquido, e outros);

  1. l) jogos eletrônicos de vídeo (NCM – 9504.10.10) e suas partes e acessórios (NCM – 9504.10.9); cartas para jogar (NCM – 9504.40.00); raquetes de tênis, mesmo não encordoadas (NCM 9506.51.00) e bolas de tênis (NCM – 9506.61.00);
  2. m) cachimbos (incluídos os seus fornilhos) e piteiras (boquilhas) e suas partes (NCM – 9614);
  3. n) fogos de artifícios (NCM – 3604.10.00);
  4. o) pólvoras, explosivos, artigos de pirotecnia e outros materiais inflamáveis (exceto dinamite e explosivos para emprego na extração mineral ou na construção civil, foguetes de sinalização, foguetes e cartuchos contra granizo e semelhantes, e fósforos) a saber:
  5. 1. pólvoras propulsivas NCM – 3601;
  6. 2. explosivos preparados NCM – 3602;
  7. 3. estopins ou rastilhos, cordéis detonantes, cápsulas fulminantes, escorvas, espoletas, detonadores elétricos – NCM – 3603;
  8. 4. bombas, petardo, busca-pé, estalos de salão e outros fogos semelhantes, foguetes, cartuchos – NCM – 3604.90.90;
  9. p) cervejas e chopes. (Lei (Estadual nº  7.213, de 27 de setembro de 2011).

Acrescentada alínea “p” pelo Decreto nº 29.392 de 02.08.2013, com vigência a partir de 09.08.2013

VIII – 12% (doze por cento) nas seguintes hipóteses:

  1. a) com alimentação e bebidas fornecidas em restaurantes e bares, desde que classificados como empreendimentos de interesse turístico, sejam portadores de Certificado de Registro da Empresa Brasileira de Turismo – EMBRATUR, e obtenham, anualmente, da Empresa Sergipana de Turismo – ENSETUR, parecer técnico confirmando a referida classificação;
  2. b) com os produtos da cesta básica abaixo indicados, observado, o disposto no art. 787. deste Regulamento:
  3. 1. arroz;
  4. REVOGADO

*Item 2 revogado pelo Decreto nº 25.631 de 1º.10.2008, com vigência a partir de 02.10.2008, produzindo seus efeitos a partir de 1º.11.2008.

Redação revogada

“2. carne e demais produtos comestíveis frescos, resfriados, congelados, salgados, secos ou temperados, resultante do abate de gado bovino, bufalino, ovino e suínos.” (NR)

*Item 2 da alínea “b” do inciso VIII, alterado pelo Decreto nº 23.665, de 14.02.2006, com vigência a partir de 1º.01.2006.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 31.12.2005.

  1. carne e demais produtos comestíveis frescos, congelados, salgados, secos, resultante do abate de gado bovino, bufalino, ovino e suínos. (NR)

* Item 2, alterado pelo Decreto nº 23.382, de 19.09.2005, com vigência a partir de 01.01.2006.

* Redação anterior com vigência de 01.05.2003 até 31.12.2005.

Item 2. carne verde e produtos comestíveis resultantes do abate de gado bovino, bufalino, caprino, ovino e suíno, em estado natural ou congelado;

3.REVOGADO

Item 3 da alínea “b” revogado pelo Decreto nº 29.533 de 10.10.13, com vigência a partir de 16.10.13, produzindo seus efeitos a partir de 1º.09.13.

Redação Anterior até 31.08.13

  1. farinha de mandioca;

  1. 4. feijão;
  2. 5. leite “in natura”, leite pasteurizado tipo especial, com 3,2% de gordura, e leite pasteurizado magro, reconstituído ou não, com até 2% de gordura;
  3. 6. REVOGADO

Item 6, revogado pelo Decreto nº 23.382, de 19.09.2005, com vigência a partir de 01.09.2006.

* Redação revogada com vigência de 01.05.2003 até 31.12.2005.

  1. carne do sol;
  2. 7. café torrado, moído e solúvel;

  1. 8. REVOGADO

Item 8, revogado pelo Decreto nº 23.382, de 19.09.2005, com vigência a partir de 01.09.2006.

* Redação revogada com vigência de 01.05.2003 até 31.12.2005.

  1. charque;
  2. 9. farinha e fubá de milho (pré-cozido);
  3. 10. sal de cozinha;
  4. 11. mortadela;
  5. 12. Salsichas a granel; (NR)

*Item 12 alterado pelo Decreto nº 25.079 de 27.02.2008, com vigência a partir de 29.02.2008.

Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 28.02.2008.

“12. salchichas a granel;”

  1. 13. óleo comestível de soja ;
  2. 14. sabão em barra ;
  3. 15. manteiga comum a granel e em garrafa;
  4. 16. queijo coalho;
  5. 17. requeijão.
  6. 18. charque

*Item 18 acrescentado pelo Decreto nº 29.006, de 10.01.2013, com vigência a partir de 24.01.2013.

19 – leite em pó, exceto o leite em pó modificado;

  1. REVOGADO

Item 20 da alínea “b” do inciso VIII revogado pelo Decreto nº 29.542 de 17.10.13, com vigência a partir de 1º.11.13.

Redação Revogado com vigência até 31.10.13.

20-leite UHT

*Itens 19 e 20 acrescentados pelo Decreto nº 29.449, de 05.09.2013, com vigência a partir de 06.09.2013, produzindo seus efeitos a partir de 1º.09.2013

IX – 7% (sete por cento) com produto ou material de informática, alistados no Anexo III deste Regulamento, observado o disposto no art. 41 deste Regulamento;

X – nas operações e prestações interestaduais:

  1. a) 12% (doze por cento) quando o destinatário for contribuinte do ICMS;
  2. b) Revogada

*Alínea “b” revogada pelo Decreto nº 22.675 de 29.01.2004, com vigência a partir de 03.02.2004.

*Redação revogada com vigência de 01.05.2003 até 02.02.2004.

b)17% (dezessete por cento) quando o destinatário não for contribuinte do imposto;”

XI – 4% (quatro por cento), nas operações interestaduais com bens e mercadorias importados do exterior que, após o desembaraço aduaneiro, não tenham sido submetidos a processo de industrialização, ou, ainda, que submetidos a processo de transformação, beneficiamento, montagem, acondicionamento, reacondicionamento renovação ou recondicionamento, resultem em mercadorias ou bens com Conteúdo de Importação superior a 40% (quarenta por cento), observado o disposto nos arts. 579-A, 579-B, 579-C, 579-D, 579-E, 579-F e 579-G, 579-H, 579-I, 579-J, 579-K deste Regulamento (Resolução do Senado Federal nº 13/2012).

*Inciso XI acrescentado pelo Decreto nº 29.011 de 14.01.2013, com vigência a partir de 25.01.2013, produzindo seus efeitos a partir de 1º.01.2013.

  • Aplica-se, ainda, a alíquota interna:

I – Revogado;

* Inciso I, revogado pelo Decreto nº 21.881, de 02/06/2003, com vigência a partir de 03/06/2003.

* Redação Revogada com vigência de 01/05/2003 até 02/06/2003.

I – nas saídas de mercadorias com destino à empresa de construção civil, obras hidráulicas, e outras assemelhadas, inclusive de serviços auxiliares ou complementares, estabelecida em outra Unidade Federada;”

II – na entrada no território deste Estado, de energia elétrica, petróleo, inclusive lubrificantes e combustíveis líquidos e gasosos dele derivados, adquiridos em outro Estado, quando não destinados à comercialização ou à industrialização;

III – nas operações e prestações interestaduais destinadas a não contribuinte do imposto.”

*Inciso III acrescentado pelo Decreto nº 22.675 de 29.01.2004, com vigência a partir de 03.02.2004.

  • Nas doações, inclusive de brinde, ou na remessa de mercadoria para demonstração a contribuinte do imposto situado em outra Unidade Federada, aplicar-se-á a alíquota cabível para as operações interestaduais.

Art. 40-A. Durante o período de 1º de fevereiro de 2003 a 31 de dezembro de 2018, nas operações e prestações indicadas no art. 616-B deste Regulamento, as alíquotas do ICMS ficarão acrescidas de 02 (dois) pontos percentuais, relativos à parcela correspondente ao Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza, passando a ser: (NR)

Vide Portaria n.º 676/2010-SEFAZ, que acrescenta o art. 1º-A a Portaria 1.116 de 26 de junho de 2000, que dispõe sobre período e prazo de pagamento do ICMS e dá outras providências.

Vide Portaria n.º 583/2003-SEFAZ , que dispõe sobre prazo de pagamento do adicional de ICMS para o Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza. Revogada pela Portaria n.º 676/2010-SEFAZ.

Vide Decreto nº 24.733/07, que regulamenta o Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza – FUNPOBREZA, e cria seu Conselho Gestor, nos termos da Emenda Constitucional nº 31, de 14 de dezembro de 2000, da Lei nº 4.731, de 27 de dezembro de 2002, alterada pelas Leis nºs 4.911, de 22 de agosto de 2003, e 4.982, de 30 de setembro de 2003, e dá providências correlatas.

*Caput do art. 40-A, alterado pelo Decreto nº 27.356 de 03.09.2010, com vigência a partir de 06.09.2010, produzindo seus efeitos a partir de 1º.08.2010.

*Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 31.07.2010.

“Art. 40-A. Durante o período de 1º de fevereiro de 2003 a 31 de dezembro de 2010, as operações e prestações indicadas no art. 616-B, deste Regulamento, as alíquotas do ICMS ficarão acrescidas de dois pontos percentuais, relativos à parcela correspondente ao Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza, passando a ser, com nas mercadorias e serviços a seguir indicados:”

I – 14% (quatorze por cento), com telefonia rural;

II – 19% (dezenove por cento), com:

  1. a) gasolina de aviação;
  2. b) dinamite e explosivos para emprego na extração mineral ou na construção civil, foguetes de sinalização, foguetes e cartuchos contra granizo e semelhantes;
  3. c) Revogada

*Alínea “c” revogada pelo Decreto n.º  28.141 de 07.11.2011, com vigência a partir de 1º.01.2012.

*Redação revogada.

“c) cerveja e chope;”

*Alínea “c” acrescentada pelo Decreto nº 22.665 de 28.12.04, com vigência a partir de 29.01.04, produzindo seus efeitos a partir de 01.02.2004.

III – 27% (vinte e sete por cento), com:

  1. a) cigarros – NCM – 2402.20.00;
  2. b) charutos cigarrilhas, contendo fumo (tabaco) – NCM – 2402.10.00;
  3. c) fumos industrializados, compreendendo fumo picado, desfiado, migado ou em pó, aromatizados ou não – NCM – 2403.10.00;
  4. d) bebidas alcoólicas importadas;
  5. e) Revogada

*Alínea “e” revogada pelo  Decreto nº 22.665 de 28.01.04, com vigência a partir de 29.01.04, produzindo seus efeitos a partir de 01.02.2004.

*Redação revogada com vigência de 01.05.2003 até 28.01.2004.

  1. e) cerveja e chope;

  1. f) ultraleves e suas partes e peças:
  2. 1. asas-delta;
  3. balões e dirigíveis;
  4. partes e peças dos veículos e aparelhos indicados nos itens anteriores;
  5. g) embarcações de esporte e recreio:
  6. barcos infláveis – NCM – 8903.10.00;
  7. barcos a remo e canoas – NCM – 8903.99.00;
  8. barcos a vela, mesmo com motor auxiliar – NCM – 8903.91.00;
  9. barcos a motor – NCM – 8903.92.00 e 8903.99.00;
  10. iates NCM – 8903.
  11. 6. esquis aquáticos ou jet-esquis – NCM – 9506.29.00;
  12. h) álcool etílico (etanol), anidro ou hidratado para fins carburantes;
  13. i) gasolina automotiva;
  14. j) armas de fogo (por deflagração de pólvora), armas de ar comprimido, de mola ou de gás, para defesa pessoal, de tiro a alvo ou de caça, inclusive revólveres; pistolas, espingardas e carabinas, ainda que destinados a tiros de festim (sem bala) ou com êmbolo cativo para abater animais – NCM – 93.01 a 9304;
  15. k) munições para armas da alínea anterior – NCM – 9306;
  16. l) jóias (não incluídos os artigos de bijuteria):
  17. artefatos de joalharia e de ourivesaria e suas partes, de metais preciosos ou de metais folheados ou chapeados de metais preciosos (NCM – 7113 e 7114);
  18. obras de pérolas naturais ou cultivadas, de pedras preciosas ou semipreciosas, de pedras sintéticas ou reconstituídas (NCM – 7116)
  19. m) perfume importado;
  20. n) pólvoras, explosivos, artigos de pirotecnia e outros matérias inflamáveis, a saber:
  21. pólvoras propulsivas NCM – 3601;
  22. explosivos preparados NCM – 3602;

3 estopins ou rastilhos, cordéis detonantes, cápsulas fulminantes, escorvas, espoletas, detonadores elétricos – NCM – 3603;

  1. bombas, petardo, busca-pé, estalos de salão e outros fogos semelhantes, foguetes, cartuchos – NCM – 3604.90.90;
  2. o) fogos de artifícios (NCM – 3604.10.00)
  3. p) serviços de telefonia, telex, fax e outros serviços de telecomunicações, inclusive serviço especial de televisão por assinatura.
  4. q) fornecimento de energia elétrica, acima de 220 Kwh/mês,  para consumo residencial e comercial.

*Alíneas “g” a “o” renumeradas pelo Decreto n.º  28.141 de 07.11.2011, com vigência a partir de 08.11.2011.

*Alínea “o” acrescentada pelo Decreto nº 22.638 de 27.12.2003, com vigência a partir de 01.01.2004.

  1. r) cervejas e chopes (Lei Estadual n.º 7.213/2011).

*Alínea “r” acrescentada pelo Decreto nº 28.141 de 07.11.2011, com vigência a partir de 1º.01.2012.

Parágrafo único. Para cumprimento das obrigações principal e acessória decorrentes do adicional previsto no “caput” deste artigo, deverão ser observadas as disposições do Capítulo XXVII do Título I do Livro III deste Regulamento.

*Art. 40-A acrescentado pelo Decreto nº 21.681, de 20/02/2003, com vigência a partir de 01/05/2003

Art. 41. É vedada a utilização cumulativa da alíquota de 7%, de que trata o inciso IX do artigo anterior, com qualquer outro benefício fiscal.

CAPÍTULO III
DO LANÇAMENTO

Art. 42. O lançamento do imposto será feito nos documentos e nos livros fiscais, com a descrição das operações ou prestações, na forma prevista neste Regulamento.

Art. 43. O lançamento constitui atividade de exclusiva responsabilidade do contribuinte, ficando sujeito a posterior homologação pela autoridade fazendária.

Art. 44. Após 5 anos, contados a partir de 1º de janeiro do ano seguinte ao da efetivação do lançamento pelo contribuinte, considera-se ocorrida a homologação tácita do lançamento.

CAPÍTULO IV
DA SISTEMÁTICA DE APURAÇÃO DO IMPOSTO

Seção I
Da Não-Cumulatividade

Art. 45. O ICMS é não-cumulativo, compensando-se o que for devido em cada operação relativa à circulação de mercadorias ou prestação de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação com o montante cobrado na operação ou prestação anterior.

Art. 46. Para a compensação a que se refere o artigo anterior, é assegurado ao sujeito passivo o direito de creditar-se do imposto anteriormente cobrado em operações de que tenha resultado a entrada de mercadoria, real ou simbólica, no estabelecimento, inclusive a destinada ao uso ou consumo ou ao ativo permanente, ou o recebimento de serviços de transporte interestadual e intermunicipal ou de comunicação, observado o disposto no § 1º do art. 47 deste Regulamento.

Seção II
Do Direito de Crédito

Subseção I
Do Crédito Fiscal

Vide Portaria n.º 1.133/2003-SEFAZ, que disciplina a utilização de crédito por estabelecimentos industriais submetidos ao regime normal de apuração do ICMS que utilizam a farinha de trigo como matéria prima na industrialização de seus produtos.

Vide Portaria nº 707/2007-SEFAZ, que dispõe sobre a utilização do crédito fiscal, levantado pelos franqueados do grupo Boticário, em razão da revogação do Termo de Acordo nº 2005/11817-1.

Art. 47. Constitui crédito fiscal, para fins de cálculo do ICMS a recolher:

I – o valor do imposto anteriormente cobrado em relação às mercadorias recebidas real ou simbolicamente para comercialização;

II – o valor do imposto cobrado relativamente às matérias-primas e produtos intermediários recebidos no período e que, utilizados no processo de industrialização ou produção, sejam neles consumidos ou integrem o produto final na condição de elementos indispensáveis à sua composição;

III – o valor do imposto cobrado sobre o material de embalagem a ser utilizado na saída de produto industrializado sujeito ao tributo;

IV – o valor do imposto cobrado referente ao serviço de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação tomado, quando utilizado pelo estabelecimento, na comercialização de mercadoria, no processo de produção, extração, industrialização ou geração, inclusive de energia, ou na prestação de serviço;

V – o valor concedido a título de crédito presumido;

VI – o valor dos estornos de débitos;

VII – o valor de imposto pago indevidamente em virtude de erro de fato ocorrido na escrituração dos livros fiscais ou no preparo do documento de arrecadação, mediante lançamento, no período de sua constatação, pelo valor nominal, no quadro “Crédito do Imposto – Outros Créditos” do Livro Registro de Apuração do ICMS, mencionando-se a origem do erro, bem como o respectivo registro no Livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrências, desde que não ultrapasse 100 UFP/SE.

VIII – o valor do imposto cobrado relativo às mercadorias recebidas para emprego na prestação de serviço, quando sobre esta houver incidência do ICMS;

IX – o valor do eventual saldo credor do período anterior;

X – o valor do imposto pago referente ao diferencial de alíquota, observado o disposto nos §§ 1º e 9º deste artigo e do art. 48 deste Regulamento;

XI – o valor do imposto destacado nas Notas Fiscais relativas às entradas de mercadorias destinadas ao seu uso ou consumo ou ao ativo permanente, ou o recebimento de serviços de transporte interestadual e intermunicipal ou de comunicação, observado o disposto no § 1º do “caput” artigo e no art. 48 deste Regulamento;

XII – o valor do ICMS referente à energia elétrica usada ou consumida no estabelecimento, observado o disposto no § 1º deste artigo;

XIII – o valor do imposto referente ao transporte de mercadorias destinadas ao uso, consumo ou ativo permanente;

XIV – o valor do imposto destacado na Nota Fiscal, bem como do retido na hipótese do disposto no § 10 deste artigo;

XV – o valor do imposto retido pelo regime de substituição tributária, quando o contribuinte substituído for estabelecimento industrial;

XVI – nas hipóteses de extravio, sinistro ou quebra anormal de mercadorias recebidas com ICMS pago por antecipação, quando devidamente comprovadas tais ocorrências, sendo impossível a revenda das mercadorias, até o limite de 100 UFP’s, vedado, contudo, o crédito relativo ao ICMS normal.

  • O direito de creditamento, relativo às operações abaixo especificadas, ocorrerá a partir de:

I – 1º de novembro de 1996 em relação a:

  1. a) serviços e/ou mercadorias destinados ao ativo permanente;
  2. b) energia elétrica usada ou consumida no estabelecimento até 31 de dezembro de 2000;
  3. c) diferencial de alíquota relativamente às entradas destinadas ao ativo permanente;

II – 1º de janeiro de 2001, se referente à entrada de energia elétrica, a partir dessa data, no estabelecimento, somente quando esta (Lei Complementar Federal n.º 102/2000 e Lei Estadual n.º 4.314/00):

  1. a) for objeto de operação de saída de energia elétrica;
  2. b) for consumida no processo de industrialização;
  3. c) ao ser consumida, resultar em operação de saída ou prestação para o exterior, na proporção destas sobre as saídas ou prestações totais;

III – 1º janeiro de 2001, se referente ao recebimento de serviços de comunicação utilizados pelo estabelecimento (Lei Complementar Federal n.º 102/2000 e Lei Estadual n.º 4.314/00):

  1. a) ao qual tenham sido prestados na execução de serviços da mesma natureza;
  2. b) quando sua utilização resultar em operação de saída ou prestação para o exterior, na proporção desta sobre as saídas ou prestações totais;

IV – 1º de janeiro de 2020, nas demais hipóteses, em relação à entrada de energia elétrica e ao recebimento de serviços de comunicação utilizados pelo estabelecimento, a partir dessa data (Leis Complementares (Federais) nºs 122/06 e 138/2010 e Lei Estaduais nºs  6.103/06, 7.111/2010 e 7.203/2011);

*Inciso IV alterado pelo Decreto nº 28.141 de 07.11.2011, com vigência a partir de 08.11.2011.

*Redação anterior com vigência de 1º.01.2011 até 07.11.2011.

“IV – 1º de janeiro de 2015, nas demais hipóteses, em relação à entrada de energia elétrica e ao recebimento de serviços de comunicação utilizados pelo estabelecimento, a partir dessa data (Leis Complementares Federais nºs 122/06 e 138/2010 e Leis nºs 6.103/06 e 7.111/2010);”

*Inciso IV alterado pelo Decreto nº 27.611 de 11.01.2011, com vigência a partir de 13.01.2011, produzindo seus efeitos a partir de 1º.01.2011.

*Redação anterior com vigência de 1º.01.2007 até 31.12.2010.

“IV – 1º de janeiro de 2011, nas demais hipóteses, em relação à entrada de energia elétrica e ao recebimento de serviços de comunicação utilizados pelo estabelecimento, a partir dessa data (Lei Complementar Federal n.º 122/06 e Lei Estadual n.º 6.103/06);”

*Inciso IV, alterado pelo Decreto nº 24.259 de 22.02.2007, com vigência a partir de 24.02.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.01.2007.

*Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 31.12.2006.

“IV – 1º de janeiro de 2007, nas demais hipóteses, em relação à entrada de energia elétrica e ao recebimento de serviços de comunicação utilizados pelo estabelecimento, a partir dessa data (Lei Complementar Federal n.º 114/02 e Lei Estadual n.º 4.732/02); (NR)”

*Inciso IV, alterado pelo Decreto n.º 22.126, de 25 de agosto de 2003, com vigência a partir de 1.º de maio de 2003.

*Redação anterior com vigência até 30.04.2003.

IV – 1º de janeiro de 2007, nas demais hipóteses, em relação à entrada de energia elétrica e ao recebimento de serviços de comunicação utilizados pelo estabelecimento, a partir dessa data (Lei Complementar Federal n.º 102/2000 e Lei Estadual n.º 4.314/00);”

V – 1º de janeiro de 2020, se referentes a serviços e/ou mercadorias destinados ao uso ou consumo do estabelecimento, nele entradas a partir dessa data (Leis Complementares (Federais) nºs 122/06 e 138/2010 e Leis Estaduais nºs 6.103/06, 7.111/2010 e 7.203/2011); (NR)

*Inciso V alterado pelo Decreto nº 28.141 de 07.11.2011, com vigência a partir de 08.11.2011.

*Redação anterior com vigência de 1º.01.2011 até 07.11.2011.

“V – 1º de janeiro de 2015, se referentes a serviços e/ou mercadorias destinados ao uso ou consumo do estabelecimento, nele entradas a partir dessa data (Leis Complementares Federais nºs 122/06 e 138/2010 e Leis nºs 6.103/06 e 7.111/2010);”

*Inciso V alterado pelo Decreto nº 27.611 de 11.01.2011, com vigência a partir de 13.01.2011, produzindo seus efeitos a partir de 1º.01.2011.

*Redação anterior com vigência de 1º.01.2007 até 31.12.2010.

“V – 1º de janeiro de 2011, se referentes a serviços e/ou mercadorias destinados ao uso ou consumo do estabelecimento, nele entradas a partir dessa data (Lei Complementar Federal n.º 122/06 e Lei Estadual n.º 6.103/06);”

*Inciso V, alterado pelo Decreto nº 24.259 de 22.02.2007, com vigência a partir de 24.02.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.01.2007.

*Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 31.12.2006.

“V – 1º de janeiro de 2007, se referentes a serviços e/ou mercadorias destinados ao uso ou consumo do estabelecimento, nele entradas a partir dessa data (Lei Complementar Federal n.º 114/02).”

  • Ressalvadas as hipóteses de crédito presumido, não será permitida a utilização de crédito do imposto não destacado em documento fiscal.
  • Quando o imposto não vier destacado ou for destacado a menor, a utilização do crédito fiscal ficará condicionada à regularização, mediante emissão de documento fiscal complementar pelo emitente, observado o estabelecido no § 5º do art. 181 deste Regulamento.
  • Não se considerará como crédito fiscal qualquer valor acrescido ao imposto, tais como juros, multas e atualização monetária.
  • O estabelecimento que receber mercadoria devolvida por qualquer pessoa física ou jurídica não considerada contribuinte ou não obrigada à emissão de documentos fiscais, poderá creditar-se do imposto destacado no documento fiscal referente à saída da mercadoria, observado o estabelecido nos artigos 61 a 65 deste Regulamento.
  • O lançamento de qualquer crédito do imposto será feito no período em que se verificar a entrada de mercadoria ou a aquisição de sua propriedade.
  • 6º-A Para efeitos do parágrafo anterior, na hipótese em que a exigibilidade do imposto incidente na operação de aquisição de mercadorias ou de serviços estiver suspensa em virtude de apresentação de impugnação ou de recurso administrativo, nesta ou em outra unidade da Federação, o lançamento do crédito será efetuado no período em que ocorrer a emissão de eventual documento fiscal complementar.

*§ 6º-A acrescentado pelo Decreto nº 27.510 de 24.11.2010, com vigência a partir de 25.11.2010.

  • O saldo credor do ICMS existente na data do encerramento da atividade de qualquer estabelecimento não será restituível.
  • Além do lançamento em conjunto com os demais créditos, para efeito da compensação prevista neste artigo e no art. 46 deste Regulamento, os créditos resultantes de operações de que decorra a entrada de mercadorias destinadas ao ativo permanente serão objeto de outro lançamento, conforme art. 49 deste Regulamento.” (NR)
  • 8º alterado pelo Decreto nº 27.120 de 25.05.2010, com vigência a partir de 27.05.2010

Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 26.052010

  • 8º Além do lançamento em conjunto com os demais créditos, para efeito da compensação prevista neste artigo e no art. 46 deste Regulamento, os créditos resultantes de operações de que decorra a entrada de mercadorias destinadas ao ativo permanente serão objeto de outro lançamento, em livro próprio, para aplicação do disposto nos §§ 5º, 6º, 7º e 21 do art. 59 deste Regulamento.
  • O crédito referente à diferença de alíquota somente poderá ser utilizado após o seu pagamento, observado o disposto no § 1º deste artigo.
  • 10. O disposto no inciso XIV deste artigo somente se aplica aos contribuintes que não tenham celebrado Termo de Acordo com o Fisco Estadual, hipótese em que as suas operações serão tributadas sem as reduções da base de cálculo previstas nos incisos I e II do item 8 do anexo II deste Regulamento.
  • 11. O imposto incidente sobre o frete será creditado:

I – pelo destinatário, quando a operação de origem for FOB e o transportador for contratado por ele;

II – pelo remetente, quando a operação de circulação for CIF, o transportador for contratado por ele e a respectiva base de cálculo incluir o preço do serviço, desde que este esteja destacado no corpo da nota fiscal.

  • 12. Para os efeitos do parágrafo anterior, entende-se por:

I – preço FOB, aquele em que as despesas de frete e seguro correrem por conta do adquirente da mercadoria;

II – preço CIF, aquele em que as despesas de frete e seguro estejam incluídas no preço da mercadoria.

  • 13. A nota fiscal a ser emitida para o fim do parágrafo anterior, deve especificar, resumidamente, além dos elementos regularmente exigidos, as quantidades e espécies de mercadorias, seu valor e o ICMS recuperado, e conter observações acerca do motivo determinante desses procedimentos.
  • 14. Salvo prova em contrário, presumem-se alheios à atividade do estabelecimento, não conferindo ao adquirente direito ao crédito, dentre outras situações:

I – os veículos de transporte pessoal, assim entendidos os automóveis ou utilitários de uso individual dos administradores da empresa ou de terceiros;

II – a utilização de serviço e a aquisição de bens e/ou mercadorias não relacionados à atividade fim do estabelecimento, a exemplo dos bens do ativo permanente adquiridos para locação a terceiros ou para fins de investimento ou especulação.

  • 15. Não será permitida a utilização do crédito nas operações ou prestações acompanhadas de documento fiscal que não seja em 1ª (primeira) via.
  • 16. Na hipótese do parágrafo anterior, o crédito será admitido após adotadas as providências previstas no inciso IV do art. 58, e antes de iniciada a ação fiscalizadora.
  • 17. Nas entradas reais ou simbólicas de mercadorias, insumos, bens do ativo permanente, bens de uso e materiais de consumo, observado o § 1º deste artigo, e nas utilizações de serviços de transporte e de comunicação, os documentos fiscais serão lançados:

I – no Registro de Entradas:

  1. a) sob o título “ICMS – Valores Fiscais”, nas colunas:
  2. “Operações ou Prestações com Crédito do Imposto”:

1.1. tratando-se de mercadorias, matérias-primas, produtos intermediários, material de embalagem e outras mercadorias adquiridas e serviços tomados, quando efetivamente destinados ou utilizados na comercialização, na industrialização, na produção, na extração, na geração de energia ou na prestação de serviço de transporte interestadual ou intermunicipal ou de serviço de comunicação, estando as operações ou prestações subseqüentes sujeitas ao imposto;

1.2. a partir de 1º/01/2020, tratando-se de bens de uso ou materiais de consumo, inclusive os serviços de transporte correspondentes (Leis Complementares (Federais) nºs 122/06 e 138/2010 e Leis Estaduais nºs 6.103/06, 7.111/2010 e 7.203/2011); (NR)

*Subitem 1.2 alterado pelo Decreto nº 28.141 de 07.11.2011, com vigência a partir de 08.11.2011.

*Redação anterior com vigência de 1º.01.2011 até 07.11.2011.

“1.2. a partir de 1º/01/2015, tratando-se de bens de uso ou materiais de consumo, inclusive os serviços de transporte correspondentes (Leis Complementares Federais nºs 122/06 e 138/2010 e Leis nºs  6.103/06 e 7.111/2010);”

*Subitem 1.2 alterado pelo Decreto nº 27.611 de 11.01.2011, com vigência a partir de 13.01.2011, produzindo seus efeitos a partir de 1º.01.2011.

*Redação anterior com vigência de 1º.01.2007 até 31.12.2010.

“1.2. a partir de 1º.01.2011, tratando-se de bens de uso ou materiais de consumo, inclusive os serviços de transporte correspondentes (Lei Complementar Federal n.º 122/06 e Lei Estadual n.º 6.103/06);”

*Subitem 1.2, alterado pelo Decreto nº 24.259 de 22.02.2007, com vigência a partir de 24.02.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.01.2007.

*Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 31.12.2006.

“1.2. a partir de 1º/01/2007, tratando-se de bens de uso ou materiais de consumo, inclusive os serviços de transporte correspondentes (Lei Complementar Federal n.º 114/02); (NR)”

* Subitem 1.2. alterado pelo Decreto nº 21.882, de 02/06/2003, com vigência a partir de 01/05/2003.

* 1ª Redação com vigência de 01/05/2003.

1.2. a partir de 01/1/2003, tratando-se de bens de uso ou materiais de consumo, inclusive os serviços de transporte correspondentes (Lei Complementar nº 102/00);

  1. 2. “Operações ou Prestações sem Crédito do Imposto”:

2.1. tratando-se de mercadorias ou serviços alheios à atividade do estabelecimento;

2.2. tratando-se de mercadorias ou serviços relacionados com operações ou prestações subseqüentes isentas ou não tributadas;

2.3 até 31/12/2019, tratando-se de bens de uso ou materiais de consumo, inclusive os serviços (Leis Complementares (Federais) nºs 122/06 e 138/2010 e Leis Estaduais nºs 6.103/06, 7.111/2010 e 7.203/2011); (NR)

*Subitem 2.3 alterado pelo Decreto nº 28.141 de 07.11.2011, com vigência a partir de 08.11.2011.

*Redação anterior com vigência de 1º.01.2011 até 07.11.2011.

“2.3. até 31/12/2014, tratando-se de bens de uso ou materiais de consumo, inclusive os serviços (Leis Complementares Federais nºs 122/06 e 138/2010 e Leis nºs 6.103/06 e 7.111/2010); (NR)”

*Subitem 2.3 alterado pelo Decreto nº 27.611 de 11.01.2011, com vigência a partir de 13.01.2011, produzindo seus efeitos a partir de 1º.01.2011.

*Redação anterior com vigência de 1º.01.2007 até 31.12.2010.

“2.3. até 31/12/2010, tratando-se de bens de uso ou materiais de consumo, inclusive os serviços correspondentes (Lei Complementar Federal n.º 122/06 e Lei Estadual n.º 6.103/06);”

*Subitem 2.3, alterado pelo Decreto nº 24.259 de 22.02.2007, com vigência a partir de 24.02.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.01.2007.

*Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 31.12.2006.

“2.3. até 31/12/2006, tratando-se de bens de uso ou materiais de consumo, inclusive os serviços correspondentes (Lei Complementar Federal n.º 114/02); (NR)”

*Subitem 2.3. alterado pelo Decreto nº 21.882, de 02/06/2003, com vigência a partir de 01/05/2003.

*1ª Redação com vigência de 01/05/2003.

2.3. até 31/12/2002, tratando-se de bens de uso ou materiais de consumo, inclusive os serviços correspondentes (Lei Complementar nº 102/00);

2.4. tratando-se de bens destinados ao ativo imobilizado, hipótese em que será consignada, na coluna “Observações”, a expressão “crédito fiscal a ser apropriado nos termos do art. 48”;

  1. b) na coluna “Observações”, relativamente aos totais das diferenças de alíquotas, cujos valores serão apurados segundo a alíquota interna aplicável à respectiva espécie de mercadoria ou serviço, tratando-se de:
  2. 1. mercadoria oriunda de outra unidade da Federação e destinada:

1.1. ao ativo permanente

1.1.1. para manutenção das atividades do estabelecimento;

1.1.2. sendo a mercadoria alheia às atividades do estabelecimento;

1.2. a uso ou consumo do estabelecimento;

  1. utilização de serviço cuja prestação tiver sido iniciada em outra unidade da Federação e não estiver vinculada a operações ou prestações subseqüentes;

II – no Registro de Apuração do ICMS:

  1. a) no tocante às aquisições das mercadorias e aos serviços tomados, com base no Registro de Entradas;
  2. b) relativamente à diferença de alíquotas:
  3. REVOGADO

*Item 1 revogado pelo Decreto nº 23.689, de 02.03.2006, com vigência a partir de 1º.02.2006.

Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 31.01.2006.

  1. no quadro “Débito do Imposto”, item “Outros Débitos”, tratando-se de:

1.1. bens do ativo permanente procedentes de outras unidades da Federação, quer destinados à manutenção das atividades do estabelecimento, quer alheios a tais atividades;

1.2. bens de uso ou materiais de consumo procedentes de outras unidades da Federação;

1.3. utilização de serviço cuja prestação tiver sido iniciada em outra unidade da Federação e não estiver vinculada a operações ou prestações subseqüentes;

  1. 2. no quadro “Crédito do Imposto”, item “Outros Créditos”:

2.1. tratando-se de bens do ativo imobilizado procedentes de outras unidades da Federação, inclusive os serviços de transporte correspondentes, observando-se que o lançamento do crédito dar-se-á parceladamente, na forma prevista no art. 48;

2.2. a partir de 1º/01/2020, tratando-se de bens de uso ou materiais de consumo procedentes de outras Unidades da Federação, inclusive os serviços de transporte correspondentes (Leis Complementares (Federais) nºs 122/06 e 138/2010 e Leis Estaduais nºs 6.103/06, 7.111/2010 e 7.203/2011); (NR)

*Subitem 2.2 alterado pelo Decreto nº 28.141 de 07.11.2011, com vigência a partir de 08.11.2011.

*Redação anterior com vigência de 1º.01.2011 até 07.11.2011.

“2.2. a partir de 1º/01/2015, tratando-se de bens de uso ou materiais de consumo procedentes de outras Unidades da Federação, inclusive os serviços de transporte correspondentes (Leis Complementares Federais n°s 122/06 e 138/2010 e Leis nºs 6.103/2006 e 7.111/2010;”

*Subitem 2.2 alterado pelo Decreto nº 27.611 de 11.01.2011, com vigência a partir de 13.01.2011, produzindo seus efeitos a partir de 1º.01.2011.

*Redação anterior com vigência de 1º.01.2007 até 31.12.2010.

“2.2. a partir de 1º.01.2011, tratando-se de bens de uso ou materiais de consumo procedentes de outras Unidades da Federação, inclusive os serviços de transporte correspondentes (Lei Complementar Federal n.º 122/06 e Lei Estadual n.º 6.103/06); (NR)”

*Subitem 2.2, alterado pelo Decreto nº 24.259 de 22.02.2007, com vigência a partir de 24.02.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.01.2007.

*Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 31.12.2006.

“2.2. a partir de 1º/01/2007, tratando-se de bens de uso ou materiais de consumo procedentes de outras Unidades da Federação, inclusive os serviços de transporte correspondentes (Lei Complementar Federal n.º 114/02). (NR)”

* Subitem 2.2. alterado pelo Decreto nº 21.882, de 02/06/2003, com vigência a partir de 01/05/2003.

* 1ª Redação com vigência de 01/05/2003.

2.2. a partir de 01/1/2003, tratando-se de bens de uso ou materiais de consumo procedentes de outras unidades da Federação, inclusive os serviços de transporte correspondentes (Lei Complementar nº 102//00).

  • 18. A utilização do crédito fiscal relativo às operações interestaduais com os produtos indicados no “caput” do art. 1º da Lei (Federal) n.º 10.147, de 21 de dezembro de 2000, destinadas a contribuintes desse Estado de Sergipe, somente deve ser permitida em relação ao imposto calculado na forma estabelecida no Convênio ICMS n.º 34, de 07 de julho de 2006.

  • 18 acrescentado pelo Decreto nº 24.026 de 10.10.2006, com vigência a partir de 13.10.2006, efeitos a partir de 31.07.2006.

Art. 48. Para efeito do disposto nos incisos X e XI do “caput” do artigo anterior, relativamente aos créditos decorrentes de entrada de mercadorias no estabelecimento destinadas ao ativo permanente, a partir de 1º de janeiro de 2001, deverá ser observado o que segue (Lei Complementar Federal n.º 102/2000 e Lei Estadual n.º 4.314/00):

I – a apropriação será feita à razão de 1/48 (um quarenta e oito avos) por mês, devendo a primeira fração ser apropriada no mês em que ocorrer a entrada no estabelecimento;

II – em cada período de apuração do imposto, não será admitido o creditamento de que trata o inciso I deste artigo, em relação à proporção das operações de saídas ou prestações isentas ou não tributadas sobre o total das operações de saídas ou prestações efetuadas no mesmo período;

III – para aplicação do disposto nos incisos I e II deste artigo, o montante do crédito a ser apropriado deve ser obtido multiplicando-se o valor total do respectivo crédito pelo fator igual a 1/48 (um quarenta e oito avos) da relação entre o valor das operações de saídas e prestações tributadas e o total das operações de saídas e prestações do período, equiparando-se às tributadas, para fins deste inciso, as saídas e prestações com destino ao exterior ou as saídas de papel destinado à impressão de livros, jornais e periódicos (Lei Complementar (Federal) n.º 120/2005 e Lei n.º 5.849/06); (NR)

*Inciso III alterado pelo Decreto nº 23.876 de 03.07.2006, com vigência a partir de  01.01.2006.

*Redação Anterior com vigência a partir de 01.05.2003, até 31.12.2005.

III – para aplicação do disposto nos incisos I e II deste artigo, o montante do crédito a ser apropriado será o obtido multiplicando-se o valor total do respectivo crédito pelo fator igual a 1/48 (um quarenta e oito avos) da relação entre o valor das operações de saídas e prestações tributadas e o total das operações de saídas e prestações do período, equiparando-se às tributadas, para fins deste inciso, as saídas e prestações com destino ao exterior;

IV – o quociente de 1/48 (um quarenta e oito avos) será proporcionalmente aumentado ou diminuído, “pro rata die”, caso o período de apuração seja superior ou inferior a um mês;

V – na hipótese de alienação dos bens do ativo permanente, antes de decorrido o prazo de quatro anos contado da data de sua aquisição, não será admitido, a partir da data da alienação, o creditamento de que trata este parágrafo em relação à fração que corresponderia ao restante do quadriênio;

VI – serão objeto de outro lançamento, além do lançamento em conjunto com os demais créditos, para efeito da compensação prevista neste artigo e em artigos anteriores, em livro próprio ou de outra forma que a legislação determinar, para aplicação do disposto nos incisos I a V deste artigo;

VII – ao final do quadragésimo oitavo mês contado da data da entrada do bem no estabelecimento, o saldo remanescente do crédito será cancelado.

Art. 49. Para o controle do aproveitamento dos créditos dos bens do ativo permanente de que trata o art. 48 deve ser preenchido o documento “Controle de Apropriação de Crédito do ICMS do Ativo Permanente – CIAP, conforme Anexo XXI deste Regulamento (Ajuste SINIEF 08/97e 03/01).” (NR)

Art. 49 alterado pelo decreto nº 27.120 de 25.05.2010, com vigência de a partir de 27.05.2010.

Redação anterior de 01.05.2003 até 26.05.2010.

Art. 49. Para o controle do aproveitamento dos créditos dos bens do ativo permanente de que trata o artigo anterior deve ser preenchido o Documento “Controle de Apropriação de Crédito do ICMS do Ativo Permanente – CIAP”, conforme modelo constante do Anexo XXI deste Regulamento.

  • São considerados bens do ativo permanente, para os efeitos deste regulamento, as máquinas, os equipamentos, instrumentos, móveis, utensílios, veículos e outras mercadorias, cuja vida útil ultrapasse 12 (doze) meses de uso.
  • Excluem-se do conceito de ativo permanente quaisquer bens ou mercadorias destinados à edificação de bem imóvel, independentemente da vida útil.
  • No CIAP, o  controle dos créditos de ICMS dos bens do ativo permanente deverá ser efetuado englobadamente, devendo a sua escrituração ser feita nas linhas, nos quadros e nas colunas próprias, da seguinte forma:

I – linha ANO: o exercício objeto de escrituração;

II – linha NÚMERO: o número atribuído ao documento, que será seqüencial por exercício, devendo ser reiniciada a numeração após o término do mesmo;

III – Quadro 1 – IDENTIFICAÇÃO DO CONTRIBUINTE: o nome, endereço, e inscrições estadual e federal do estabelecimento;

IV – Quadro 2 – DEMONSTRATIVO DA BASE DO CRÉDITO A SER APROPRIADO:

  1. a) colunas sob o título IDENTIFICAÇÃO DO BEM:

1 . Coluna NÚMERO OU CÓDIGO – atribuição do número ou código ao bem, a critério do contribuinte, consoante a ordem seqüencial de entrada, seguido de 02 (dois) algarismos indicando o exercício, findo o qual deve ser reiniciada a numeração;

  1. Coluna DATA – a data da ocorrência de qualquer movimentação do bem, tais como, aquisição, transferência, alienação, baixa pelo decurso do prazo de 04 (quatro) anos de utilização;
  2. Coluna NOTA FISCAL – o número do documento fiscal relativo à aquisição ou outra ocorrência;
  3. Coluna DESCRIÇÃO RESUMIDA – a identificação do bem, de forma sucinta;
  4. b) Colunas sob o título VALOR DO ICMS:
  5. Coluna ENTRADA (CRÉDITO PASSÍVEL DE APROPRIAÇÃO) – o valor do imposto, passível de apropriação, relativo à aquisição, acrescido, quando for o caso, do ICMS correspondente ao serviço de transporte e ao diferencial de alíquotas, vinculados à aquisição do bem;
  6. Coluna SAÍDA, BAIXA OU PERDA – o valor correspondente ao imposto, passível de apropriação, relativo à aquisição do bem, anteriormente escriturado na coluna ENTRADA (CRÉDITO PASSÍVEL DE APROPRIAÇÃO), quando ocorrer a alienação, a transferência, o perecimento, o extravio ou a deterioração do referido bem, ou, ainda, quando houver completado o quadriênio de sua utilização; ,
  7. Coluna SALDO ACUMULADO (BASE DO CRÉDITO A SER APROPRIADO) – o somatório da coluna ENTRADA, subtraindo-se desse o somatório da coluna SAÍDA, BAIXA OU PERDA, cujo resultado, no final do período de apuração, serve de base para o cálculo do crédito a ser apropriado; .

V – Quadro 3 – DEMONSTRATIVO DA APURAÇÃO DO CRÉDITO A SER EFETIVAMENTE APROPRIADO:

  1. a) Coluna MÊS – o mês objeto de escrituração, caso o período de apuração seja mensal;
  2. b) Colunas sob o título OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (SAÍDAS):
  3. Coluna 1 – TRIBUTADAS E EXPORTAÇÃO – o valor das saídas (operações e prestações) tributadas e de exportação escrituradas no mês;
  4. Coluna 2 – TOTAL DAS SAÍDAS – o valor total das operações e prestações de saídas escrituradas pelo contribuinte no mês;
  5. c) Coluna 3 – COEFICIENTE DE CREDITAMENTO – o índice de participação das saídas e prestações tributadas e de exportação no total das saídas e prestações escrituradas no mês, encontrado mediante a divisão do valor das saídas e prestações tributadas e de exportação (item 1 da alínea anterior) pelo valor total das saídas e prestações (item 2 da alínea anterior), considerando-se, no mínimo, 4 (quatro) casas decimais;
  6. d) Coluna 4 – SALDO ACUMULADO (BASE DO CRÉDITO A SER APROPRIADO) – valor base do crédito a ser apropriado mensalmente, transcrito da coluna com o mesmo nome do quadro DEMONSTRATIVO DO CRÉDITO A SER APROPRIADO;
  7. e) Coluna 5 – FRAÇÃO MENSAL – o quociente de 1/48 (um quarenta e oito avos) caso o período de apuração seja mensal;
  8. f) Coluna 6 – CRÉDITO A SER APROPRIADO – o valor do crédito a ser apropriado é encontrado mediante a multiplicação do coeficiente de creditamento (alínea “c” deste inciso), pelo saldo acumulado (alínea “d” deste inciso) e pela fração mensal (alínea “e” deste inciso), cujo resultado deve ser escriturado no Livro Registro de Apuração do ICMS -RAICMS, na coluna 007 – “Outros Créditos”, mencionando o n.º deste artigo.”
  • Para fins do item 1 da alínea “b” do inciso V do § 3°, equiparam-se às tributadas as saídas e prestações com destino ao exterior e as saídas de papel destinado à impressão de livros, jornais e periódicos (Lei Complementar (Federal) n.º 120/2005 e Lei n.º 5.849/06).
  • Na escrituração do CIAP, deverão ser observadas, ainda, as seguintes disposições:

I – o saldo acumulado não sofrerá redução em função da apropriação mensal do crédito, somente se alterando com nova aquisição ou na ocorrência de alienação, transferência, perecimento, extravio, deterioração, baixa ou outra movimentação de bem;

II – quando o período de apuração do imposto for diferente do mensal, o quociente de 1/48 (um quarenta e oito avos) deverá ser ajustado, efetuando-se as adaptações necessárias nas colunas MÊS e FRAÇÃO MENSAL do Quadro 3;

III – na utilização do sistema eletrônico de processamento de dados, o Quadro 3 – DEMONSTRATIVO DA APURAÇÃO DO CRÉDITO A SER EFETIVAMENTE APROPRIADO poderá ser apresentado apenas na última folha do CIAP do período de apuração.

  • As folhas do CIAP, relativas a cada exercício serão enfeixadas, encadernadas e autenticadas até o último dia do mês de fevereiro do ano subseqüente, salvo quando a manutenção dos dados for em meio magnético.” (NR)
  • § 3º, 4º, 5º e 6º do art. 49 alterados pelo decreto 27.120 de 25.05.2010, com vigência a partir de 27.05.2010.

Redação anterior de 01.01.2006 até 26.05.2010.

  • 3º Para efeito do disposto no “caput” deste artigo, o CIAP deve ser preenchido para cada bem, individualmente, devendo a escrituração ser feitas nas linhas, nos campos e nas colunas próprias, da seguinte forma:

I – “N.º de Ordem”: o número atribuído ao documento, que será seqüencial por bem;

II – “Identificação”: destina-se à identificação do contribuinte e do bem, contendo os seguintes campos:

  1. a)  “Contribuinte”: o nome do contribuinte;
  2. b) “Inscrição”: o número da inscrição estadual do estabelecimento;
  3. c) “Bem”: a descrição do bem, modelo, números da série e da plaqueta de identificação, se houver;

III – “Entrada”: as informações fiscais relativas à entrada do bem, contendo os seguintes campos:

  1. a) “Fornecedor”: o nome do fornecedor;
  2. b) “n.º da Nota Fiscal”: o número do documento fiscal relativo à entrada do bem;
  3. c) “n.º do LRE”: o número do Livro Registro de Entradas em que foi escriturado o documento fiscal;
  4. d) “Folha do LRE”: o número da folha do Livro Registro de Entradas em que foi escriturado o documento fiscal;
  5. e) “Data da Entrada”: a data da entrada do bem no estabelecimento do contribuinte;
  6. f) “Valor do Crédito”: o valor do crédito total do imposto a ser apropriado relativo a aquisição, acrescido, quando for o caso, do ICMS correspondente ao serviço de transporte e ao pagamento da diferença de alíquotas, vinculadas à aquisição do bem;

IV – “Saída”: as informações fiscais relativas à saída do bem, contendo os seguintes campos:

  1. a) “n.º da Nota Fiscal”: o número do documento fiscal relativo à saída do bem;
  2. b) “Modelo”: o modelo do documento fiscal relativo à saída do bem;
  3. c) “Data da Saída”: a data da saída do bem do estabelecimento do contribuinte;

V – “Controle da Apropriação Mensal do Crédito”: destina-se à escrituração, nas colunas sob os títulos correspondentes do 1º a 48º mês, o montante do crédito a ser apropriado será obtido multiplicando-se o valor total do respectivo crédito pelo fator igual a um quarenta e oito avos da relação entre o valor das operações e prestações de  saídas tributadas e o total das operações de saídas e prestações do período, contendo os seguintes campos:

  1. a) “Mês/ano”: o mês e o ano objeto de escrituração;
  2. b) “Totais”: o valor total das saídas e das prestações realizadas em cada mês;
  3. c) “Tributadas”: o valor das saídas e das prestações tributadas realizadas em cada mês;
  4. d) “% Tributadas”: o resultado da relação entre o valor das operações de saídas e prestações tributadas e o das operações de saídas do período;
  5. e) “Crédito Possível”: o resultado da divisão do total do crédito por 48 ( quarenta e oito);
  6. f) “Quantidade de dias/mês”: lançar sempre o correspondente a 30 (trinta) dias;
  7. g) “Pro rata die”: a quantidade de dias que restam para completar 30 dias a partir da data de escrituração do bem;
  8. h) “Crédito a ser utilizado no mês”: o resultante da multiplicação entre o crédito possível, a centésima parte do percentual de saídas tributadas, 1/30 ( um trinta avos) e a quantidade de dias lançada na coluna – Pro rate die”
  9. i) “Saldo passivo de Anulação”: o valor resultante da diferença entre o valor  lançado na coluna “Saldo passivo de anulação/Crédito a ser utilizado”, anterior e o crédito utilizado no mês.
  • 4º. Equiparam-se  às tributadas,  para  fins  do inciso V do § 5º, as saídas e prestações com destino ao exterior e  as saídas de papel destinado à impressão de livros, jornais e periódicos (Lei Complementar  (Federal) n.º 120/2005 e Lei n.º 5.849/06). (NR)

*§ 4º . alterado pelo Decreto nº 23.876, de 03.07.2006, com vigência a partir de  01.01.2006.

*Redação Anterior com vigência a partir de 01.05.2003,  até 31.12.2005.

  • 4º Equipara-se às tributadas, para fins do inciso V do parágrafo anterior, as saídas e prestações com destino ao exterior.
  • 5º O valor encontrado na coluna “crédito a ser utilizado no mês” deverá ser lançado no Livro Registro de Apuração do ICMS, no campo “Outros créditos”.
  • 6º Ocorrendo a desincorporação do bem o valor lançado na coluna “saldo passivo de anulação/crédito a ser utilizado”, deve ser cancelado.
  • A escrituração do CIAP deverá ser feita:

I – até o dia seguinte ao da:

  1. a) entrada do bem;
  2. b) emissão da nota fiscal referente à saída do bem;
  3. c) ocorrência do perecimento, extravio ou deterioração do bem;

II – no último dia do período de apuração, com relação aos lançamentos das parcelas correspondentes, conforme o caso, ao estorno ou ao crédito do imposto, não podendo atrasar-se por mais de 05 (cinco) dias.”

  • Será permitida, relativamente à escrituração do CIAP, a utilização do sistema eletrônico de processamento de dados.
  • § 7º e  8º acrescentados pelo decreto nº 27.120 de 25.05.2010, com vigência a partir de 27.05.2010.

Art. 50. Fica assegurado, ainda, o direito ao crédito, quando as mercadorias, anteriormente oneradas pelo imposto, forem:

I – objeto de devolução por consumidor final, na forma prevista neste Regulamento;

II – objeto de retorno por não terem sido negociadas no comércio ambulante e por não ter ocorrido a tradição real.

Art. 51. Quando o ICMS destacado no documento fiscal for maior do que o exigível na forma da lei, o seu aproveitamento como crédito terá por limite o valor correto” (NR).

Art. 51, alterado pelo Decreto nº 24.242, de 16.02.2007, com vigência a partir de 23.02.2007.

Redação anterior com vigência de 1.05.2003 até 22.02.2007.

Art. 51. Quando o ICMS destacado no documento fiscal for maior do que o exigível na forma da lei, o seu aproveitamento como crédito terá por limite o valor correto, observadas as normas sobre correção previstas neste Regulamento.

Art. 52. O direito ao crédito, para efeito de compensação com o débito do imposto, reconhecido ao estabelecimento que tenha recebido as mercadorias ou para o qual tenham sido prestados os serviços, está condicionado à idoneidade da documentação, independentemente do documento fiscal ter sido recepcionado ou não pelo Projeto Fronteira ou outro que o substitua e, se for o caso, à escrituração nos prazos e condições estabelecidos em ato do Secretário de Estado da Fazenda. (NR)

*Art. 52 “caput” alterado pelo Decreto nº 22.110, de 18/08/2003, com vigência a partir de 01/05/2003.

; *Primeira Redação do Decreto N° 21.400, de 10 de Dezembro de 2002.

Art. 52. O direito ao crédito, para efeito de compensação com o débito do imposto, reconhecido ao estabelecimento que tenha recebido as mercadorias ou para o qual tenham sido prestados os serviços, está condicionado à idoneidade da documentação e, se for o caso, à escrituração nos prazos e condições estabelecidos em ato do Secretário de Estado da Fazenda.”

Parágrafo único. O direito de utilizar o crédito extingue-se depois de decorridos 5 (cinco) anos, contados da data da emissão do documento.

Subseção II
Do Crédito Extemporâneo

Art. 53. A utilização do crédito fiscal fora do período a que se refere o § 6º do art. 47 deste Regulamento, será considerada extemporânea, devendo ser observados os seguintes procedimentos por parte do contribuinte:

I – requerer a Superintendência Geral de Gestão Tributária e não Tributária – SUPERGEST, observando o prazo prescricional do crédito tributário;(NR)

Inciso I do “caput” *Art. 53 alterado pelo Decreto nº 27.903, de 22.06.2011, com vigência a partir de 27.06.2011.
* Primeira redação impressa com vigência de 01.05.2003 até 26.06.2011.

I – requerer, sempre observando o prazo prescricional do crédito tributário;

II – comprovar o lançamento da Nota Fiscal junto à respectiva contabilidade, no Diário e/ou Caixa;

III – comprovar, com a devida escritura de propriedade ou com o contrato de locação, devidamente registrado, que utiliza o imóvel a que se refere o crédito, e que das respectivas Notas Fiscais/Faturas consta como titular, no caso de crédito de energia e/ou telecomunicações.

  • Não se aplica o disposto no “caput” deste artigo aos créditos não utilizados decorrentes do pagamento relativo a antecipação tributária, bem como nos casos de extravio da nota fiscal.
  • Na hipótese do pagamento relativo a antecipação tributária, prevista no parágrafo anterior, o contribuinte deverá mencionar o número do DAE, com o qual efetuou o respectivo recolhimento, no Livro Registro de Apuração, comunicando o fato ao Grupo de Crédito da Gerência Regional-Leste de Grupos Especiais – GERGRUP.
  • Na hipótese de extravio de nota fiscal o contribuinte deverá adotar as providências constantes no inciso IV do art. 58.

Art. 54. O crédito de que trata o art. 53, deste Regulamento após o deferimento pela Superintendência Geral de Gestão Tributária e não Tributária – SUPERGEST, será lançado no Livro Registro de Apuração do ICMS, no campo “Outros Créditos”, em até 24 (vinte e quatro) parcelas, mensais e sucessivas, observado o disposto no § 5º deste artigo. (NR)

*Caput do art. 54 alterado pelo Decreto nº 27.903, de 22.06.2011, com vigência a partir de 27.06.2011.
*Redação anterior com vigência de 18.11.2010 até 26.06.2011.

Art. 54. O crédito de que trata o art. 53, deste Regulamento após o deferimento pela SEFAZ, será lançado no Livro Registro de Apuração do ICMS, no campo “Outros Créditos”, em até 24 (vinte e quatro) parcelas, mensais e sucessivas. (NR)

*Caput do art. 54 alterado pelo Decreto nº 27.500 de 17.11.2010, com vigência a partir de 18.11.2010.

*Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 17.11.2010.

“Art. 54. O crédito de que trata o art. 53, após o deferimento pela SEFAZ, será lançado no Livro Registro de Apuração do ICMS, no campo “Outros Créditos”, em até 06 (seis) parcelas, mensais e sucessivas”.

  • O valor de cada parcela, a ser creditada mensalmente, não poderá ser inferior a 100 (cem) UFP/SE (Unidade Fiscal Padrão do Estado de Sergipe).
  • A SEFAZ, no ato do deferimento do pedido, definirá o valor de cada parcela.
  • O contribuinte lançará o crédito ou, se for o caso, a primeira parcela de crédito, no mesmo mês da ciência do deferimento do pedido.
  • Na hipótese dos créditos relativos aos bens do ativo permanente, não será observado o disposto no “caput” e no § 1º deste artigo.
  • O valor do Crédito extemporâneo de que trata este artigo quando exceder a 3.873(três mil oitocentos e setenta e três) UFPs, deve ser submetido a anuência do Secretário de Estado da Fazenda.
  • 5º acrescentado pelo Decreto nº 27.903 de 22.06.2011, com vigência a partir de 27.06.2011.

Art. 55. O pedido de utilização do crédito, de que trata este Regulamento, deverá conter os seguintes requisitos:

I – qualificação, local, data e endereço do requerente;

II – números de inscrição no CNPJ e no CACESE;

III – documentos comprobatórios de que tratam os incisos II e III do art. 53 deste Regulamento.

  • 1º REVOGADO

*§ 1º revogado pelo Decreto nº 27.509 de 22.11.2010, com vigência a partir de 23.11.2010.

*Redação revogada.

“§ 1º Constatado o direito ao crédito extemporâneo, e estando o contribuinte em débito com o Fisco Estadual, será ele compensado até o montante do débito, excluídos os valores relativos a multa fiscal, sendo o restante devolvido em forma de crédito fiscal.”

  • Decorridos 180 (cento e oitenta) dias contados da data da protocolização do pedido de restituição, sem que a SEFAZ tenha se pronunciado a respeito, o contribuinte poderá escriturar como crédito, no Livro Registro de Apuração do ICMS, no campo “Crédito do Imposto”, item “007 – Outros Créditos”, o respectivo valor mencionando o número do protocolo correspondente.
  • Na hipótese do parágrafo anterior, sobrevindo decisão contrária irrecorrível, o contribuinte, no prazo de 15 (quinze) dias da respectiva notificação, procederá ao estorno dos créditos lançados com o pagamento dos acréscimos legais cabíveis.” (NR)

*Parágrafo 3º, alterado pelo Decreto nº 22.436, de 24.11.2003, com vigência a partir de 25.11.2003.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003, até 24.11.2003:

  • 3º Na hipótese do parágrafo anterior, sobrevindo decisão contrária irrecorrível, o contribuinte, no prazo de 15 (quinze) dias da respectiva notificação, procederá ao estorno dos créditos lançados, também devidamente atualizados, com o pagamento dos acréscimos legais cabíveis.”

Art. 56. O funcionário do Fisco que por negligência, imperícia ou dolo não observar os procedimentos estabelecidos nos artigos 53, 54 e 55 será responsabilizado administrativamente.

Seção III
Do Crédito Presumido

Art. 57. Fica concedido crédito presumido do ICMS:

I – a partir de 01.05.90 até 31.05.2015, às empresas produtoras de discos fonográficos e de outros suportes com sons gravados, relativamente ao valor dos direitos autorais artísticos e conexos, observado o disposto nos §§ 1º, 2º, 3º e 4º deste artigo, comprovadamente pagos aos autores e artistas nacionais ou a empresas que (Convênios ICMS nºs 23/90, 99/90, 22/91, 80/91, 148/92, 124/93, 10/94, 121/95, 20/97, 48/97, 67/97, 85/97, 30/98, 61/99, 90/99, 84/00, 51/01, 83/01, 118/03, 40/04, 139/04, 119/09, 01/2010, 101/2012 e 191/2013):(alterado pelo Decreto nº 29.752, com efeitos a partir de 13.03.2014)

  1. a) os representem e das quais sejam titulares  ou sócios majoritários;
  2. b) com eles mantenham contratos de edição, nos termos do art. 53 da Lei n° 9.610/98;
  3. c) com eles possuam contratos de cessão ou transferência de direitos autorais, nos termos do art. 49 da mesma Lei acima citada;

II – a partir de 21.10.93, aos avicultores estabelecidos neste Estado, relativamente à saída interna de aves em pé produzidas pelos mesmos, no percentual de 100% (cem por cento) do imposto incidente na respectiva saída; (NR)

* Inciso II, alterado pelo Decreto n.º 22.289, de 20 de outubro de 2003, com vigência a partir de 21.10.2003.

* Redação Anterior com vigência de 21.10.93 até 20.10.2003:

II ̴ a partir de 21.10.93, aos avicultores estabelecidos neste Estado, relativamente às saídas internas de aves em pé promovidas pelos mesmos, no percentual de 100% (cem por cento) do imposto incidente na respectiva saída.

III – a partir de  06.07.94, às indústrias ceramistas  localizadas no Estado de Sergipe, relativamente às saídas internas e interestaduais de telhas, tijolos, lajotas e manilhas, no percentual de 20% (vinte por cento) do imposto incidente na respectiva saída, observado o disposto nos §§ 5º, 6º e 8º deste artigo  (Conv. ICMS 26/94);

IV – a partir de 1º.01.97, aos estabelecimentos prestadores de serviço de transporte, relativamente às prestações internas e interestaduais,  no percentual de 20% (vinte por cento) do valor do ICMS devido na prestação, observado o disposto nos §§ 5º, 6º, 7º, 8º e 15 deste artigo (Conv. ICMS 106/96);

V – a partir  de 01.01.97  às  empresas  prestadoras  de   serviço  de transporte aéreo, relativamente às prestações internas e às interestaduais quando tomadas por não contribuintes,  no percentual de 33,33%  (trinta e três inteiros e trinta e três centésimos por cento) do valor do ICMS devido na prestação, observado o estabelecido nos §§ 5º e 8º (Conv. ICMS 120/96);

VI – a partir de 01.01.99, ao estabelecimento industrial consumidor de aços planos, relativamente às entradas das matérias-primas e nos percentuais abaixo indicados, observado o disposto nos §§ 9º e 10 deste artigo:

  1. a) bobinas e chapas zincadas (7210 da NBM/SH), 6,5% (seis inteiros e cinco décimos por cento);
  2. b) tiras de chapas zincadas (7212 da NBM/SH), 6,5% (seis inteiros e cinco décimos por cento);
  3. c) bobinas e chapas finas a frio (7209 da NBM/SH), 8,0% (oito por cento);
  4. d) bobinas e chapas finas a quente e chapas grossas (7208 da NBM/SH), 12,2% (doze inteiros e dois décimos por cento);
  5. e) tiras de bobinas a quente e a frio (7211 da NBM/SH), 12,2% (doze inteiros e dois décimos por cento);
  6. f) bobinas de aço inoxidável a quente e a frio (7219 da NBM/SH), 12,2% (doze inteiros e dois décimos por cento);
  7. g) tiras de aço inoxidável a quente e a frio (7220 da NBM/SH), 12,2% (doze inteiros e dois décimos por cento);

VII – a partir de 01.08.2014 até 31.12.2020, à indústria têxtil, o percentual de 79,41% (setenta e nove inteiros e quarenta e um centésimos por cento), nas operações internas, e de 70,84% (setenta inteiros e oitenta e quatro centésimos por cento), nas operações interestaduais, a serem aplicados sobre os valores do ICMS devido nas operações de produção própria, observado o disposto nos §§ 5º, 5º- A, 6º, 8º, 13, 14 e 27 deste artigo, e o § 2º do art. 58.  (alterado pelo Decreto nº 29.831/14, republicado em 23.07.2014, efeitos a partir de 1º.08.2014)

VII-A – a partir de 01.05.2014 até 31.12.2020, à indústria têxtil, o percentual de 85,29% (oitenta e cinco inteiros e vinte e nove centésimos por cento), nas operações internas e de 79,17% (setenta e nove inteiros e dezessete centésimos  por cento), nas operações interestaduais, a serem aplicados sobre os valores do ICMS devido nas operações de produção própria, na hipótese do estabelecimento industrial estiver localizado nos Municípios indicados no § 17, observado ainda o disposto nos §§ 5º, 5º-A, 6º, 8º, 13, 14 e 27, todos deste artigo, e o § 2º-A do art. 58.(acrescentado pelo Decreto nº 29.831/14, republicado em 23.07.2014, efeitos a partir de 1º.08.2014)

VIII – a partir de 01.09.98, à indústria produtora de plástico, em relação às saídas de produtos abaixo relacionados, nos percentuais de 58,82% (cinqüenta e oito inteiros e oitenta e dois centésimos por cento), para as operações internas, e de 41,67% (quarenta e um inteiros e sessenta e sete centésimos por cento), para as operações interestaduais, a serem aplicados sobre o valor do ICMS devido na operação, observado o disposto nos §§ 5°, 6°, 8°, 13 e 19 deste artigo e § 3º do art. 58:

  1. a) copos e pratos descartáveis de plástico;
  2. b) plástico em bobinas;

IX – aos distribuidores de cerveja e refrigerante credenciados pelo fabricante, a título de ressarcimento,  quando da ocorrência da perda de líquido, acondicionado em vidro, em função da quebra do vasilhame, o resultado da aplicação do percentual de até  1% (um por cento) sobre o valor total do ICMS retido ou pago antecipadamente das mercadorias acondicionadas naquele tipo de embalagem, por período de apuração, conforme dispuser ato da Superintendência de Gestão Tributária – SUPERGEST.

X – a partir de 01.05.2000, às aquisições efetuadas por distribuidora de medicamentos estabelecida no Estado Sergipe, no percentual de 5% (cinco por cento), a ser aplicado sobre a base de cálculo definida no art. 686 deste Regulamento, e exclusivamente aos produtos indicados nas Tabelas II e III do Anexo IX, também deste Regulamento, observado o disposto no § 16 deste artigo.

 

 XI – REVOGADO

Inciso XI, revogado pelo  Decreto nº 23.382, de 19.09.05, com vigência a partir de 01.01.2006

Redação Revogada com vigência a partir de 01.05.2003 até 31.12.2005

XI – a partir de 01.08.2000, às operações com carne verde e produtos comestíveis  resultantes do abate de gado bovino,  bufalino,  caprino, ovino e suíno, em estado natural, resfriado ou congelado, relativamente ao abate, observado o disposto no § 5º deste artigo:

  1. a) realizado nos matadouros, com inspeção sanitária, um percentual de 70,84% (setenta inteiros e oitenta e quatro centésimos por cento), a ser aplicado sobre o valor do ICMS devido na operação interna;
  2. b) realizado nos matadouros-frigoríficos que atendam as disposições da Portaria nº 145, de 1º de setembro de 1998, ou de outro ato que venha a ser editado com a finalidade de estabelecer novas normas para comercialização do produto resultante do abate de gado, os percentuais de 83,33% (oitenta e três inteiros e trinta e três centésimos por cento) a serem aplicados sobre o valor do ICMS devido na operação interna e na operação interestadual;
  3. c) realizado nos matadouros, sem inspeção sanitária, um percentual de 41,66% (quarenta e um inteiros, sessenta e seis centésimos por cento), a ser aplicado sobre o valor do ICMS devido na operação interna;

XII – a partir de 1º.06.2001, ao industrial ou produtor, em relação aos produtos da cesta básica, produzidos neste Estado, no percentual de 41,66% (quarenta e um inteiros, sessenta e seis  centésimos por cento), a ser aplicado sobre o valor do ICMS devido na operação interna. (NR)

*Inciso XII alterado pelo Decreto nº 25.631 de 1º.10.2008, com vigência a partir de 02.10.2008, produzindo seus efeitos a partir de 1º.11.2008.

*Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 31.10.2008.

“XII – a partir de 1º.06.2001, ao industrial ou produtor, em relação aos produtos da cesta básica, produzidos neste Estado, no percentual de 41,66% (quarenta e um inteiros, sessenta e seis  centésimos por cento), a ser aplicado sobre o valor do ICMS devido na operação interna, exceto em relação às operações com os produtos indicados no Item 2, da alínea “b” do inciso VIII do art. 40, deste Regulamento.”

XIII – a partir de 1º.11.2001, aos pecuaristas estabelecidos neste Estado, relativamente às saídas interestaduais de gado em pé promovidas pelos mesmos, no percentual de 41,66% (quarenta e um inteiro, sessenta e seis  centésimos por cento) do imposto incidente na respectiva saída;

XIV – a partir de 1º de junho de 2002, ao fabricante de medicamentos, em relação à saída interestadual da matéria-prima de que trata o Item 12 do Anexo II deste Regulamento, no percentual de 57,116% (cinqüenta e sete inteiros e cento e dezesseis milésimos por cento) do imposto incidente nesta operação de saída;

XV – a partir de 1º de junho de 2002, aos fabricantes de medicamentos, relativamente às saídas interestaduais das mercadorias por eles comercializadas, no percentual de 83,333% (oitenta e três inteiros e trezentos e trinta e três milésimos por cento) do imposto incidente nas respectivas saídas, vedado o aproveitamento de quaisquer outros créditos, exceto o decorrente da operação de importação de matéria-prima;

XVI – a partir de 1º.06.2009, ao fabricante de Àlcool Etílico Hidratado Combustível – AEHC, nas operações internas quando promovidas para distribuidora de combustíveis, como tal definida e autorizada pelo órgão federal competente, e por opção do contribuinte, em substituição ao sistema normal de apuração do imposto, no percentual de 20% (vinte por cento) do valor das mencionadas operações, vedada a utilização de quaisquer outros créditos, para compensação do débito relativo às mesmas saídas, observado o disposto nos §§ 22, 23,  24, 25, 26 e 27 deste artigo;” (NR)

*Inciso XVI alterado pelo Decreto nº 26.198 de 05.06.2009, com vigência a partir de 08.06.2009, efeitos 1º.06.2009.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 31.05.2009.

XVI – a partir de 18.11.1999, ao fabricante de álcool etílico hidratado combustível – AEHC, nas operações internas quando promovidas para distribuidora de combustíveis, como tal definida e autorizada pelo órgão federal competente, e por opção do contribuinte, em substituição ao sistema normal de apuração do imposto, no percentual de 12% (doze por cento) do valor das mencionadas operações, vedada a utilização de quaisquer outros créditos,  para compensação do débito relativo às mesmas saídas, observado o disposto nos §§ 22, 23,  24, 25, 26 e 27 deste artigo;

XVII – a partir de 1º.01.2000, ao fabricante de álcool etílico hidratado combustível – AEHC, nas operações interestaduais quando promovida para distribuidora de combustíveis, como tal definida e autorizada pelo órgão federal competente, e por opção do contribuinte, em substituição ao sistema normal de apuração do imposto, no percentual de 7% (sete por cento) do valor das mencionadas operações, vedada a utilização de quaisquer outros créditos, para compensação do débito relativo às mesmas saídas, observado o disposto nos §§ 22 , 23, 24, 25, 26 e 27 deste artigo;

XVIII – a partir de 1º.06.2009, ao fabricante de Àlcool Etílico Hidratado Combustível – AEHC, nas operações interna e interestadual, quando promovida para distribuidora de combustíveis, como tal definida e autorizada pelo órgão federal competente, e por opção do contribuinte, em substituição ao sistema normal de apuração do imposto, nos percentuais de 20% (vinte por cento) e 7% (sete por cento), respectivamente, do valor das mencionadas operações, vedada a utilização de quaisquer outros créditos, para compensação do débito relativo às mesmas saídas, observado o disposto nos §§ 22, 23, 24, 25, 26 e 27 deste artigo;” (NR)

*Inciso XVIII alterado pelo Decreto nº 26.198 de 05.06.2009, com vigência a partir de 08.06.2009, efeitos 1º.06.2009

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 31.05.2009.

XVIII – a partir de 01.01.2000, ao fabricante de álcool etílico anidro combustível – AEAC, nas operações interna e interestadual, quando promovida para distribuidora de combustíveis, como tal definida e autorizada pelo órgão federal competente, e por opção do contribuinte, em substituição ao sistema normal de apuração do imposto, nos percentuais de 12% (doze por cento) e 7% (sete por cento), respectivamente, do valor das mencionadas operações, vedada a utilização de quaisquer outros créditos, para compensação do débito relativo às mesmas saídas, observado o disposto nos §§ 22, 23, 24, 25, 26 e 27 deste artigo;

XIX – a partir de 01.11.1999, ao fabricante de açúcar, nas operações internas, interestaduais e para o exterior, em substituição ao sistema normal de apuração do imposto e por opção do contribuinte, no percentual de 9% (nove por cento) do montante das mencionadas operações, vedada a utilização de quaisquer outros créditos, observado o disposto nos §§ 21, 22, 23 e 24 deste artigo.

XX Revogado ( a partir de 1º.02.2014)

 Ver Decreto 29.755/2014

XXI – a partir de 1º.10.2002, ao estabelecimento moageiro, nas operações de aquisição de trigo em grão importado para o processamento e produção própria de farinha de trigo, e nos seguintes percentuais, observado o disposto no § 29 e 29-A deste artigo; (NR)

*Caput do inciso XXI alterado pelo Decreto nº 28.431 de 22.03.2012, com vigência a partir de 23.03.2012.

*Redação anterior com vigência de 26.05.2011 até 22.03.2012.

“XXI – a partir de 1º.10.2002, ao estabelecimento moageiro, nas operações de aquisição de trigo em grão importado para o processamento e produção própria de farinha de trigo, e nos seguintes percentuais, observado o disposto no § 29 deste artigo: “

*Caput do inciso XXI alterado pelo Decreto nº 27.828 de 25.05.2011, com vigência a partir de 26.05.2011.

*Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 25.05.2011.

“XXI – a partir de 1º.10.2002, ao estabelecimento moageiro, nas operações de aquisição de trigo em grão para processamento e produção própria de farinha de trigo, e nos seguintes percentuais, observado o disposto no § 29 deste artigo:”

Vide Portaria n.º 218/2012-SEFAZ, que fixa percentual de vendas internas de farinha de trigo realizadas por estabelecimento moageiro de trigo em grão em relação à totalidade da aquisição do trigo em grão importado e institui planilha fiscal denominada “MAPA PARA APURAÇÃO DO CRÉDITO PRESUMIDO DO ICMS DO TRIGO EM GRÃO”, a ser utilizada pelo estabelecimento moageiro de trigo, e que se destina à apuração do crédito presumido concedido àquele estabelecimento, nas operações de aquisição de trigo em grão importado para o processamento e produção própria de farinha de trigo, conforme inciso XXI do art. 57 do Regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto n.º 21.400, de 10 de dezembro de 2002.

  1. a) de 15% (quinze por cento) sobre o valor do imposto apurado, correspondente à parcela de até 1.000 toneladas, excedente da aquisição mínima de 7.000 toneladas/mês;
  2. b) de 17,5% (dezessete inteiros e cinco décimos por cento) do valor do imposto apurado, correspondente à parcela compreendida entre 1.001 e 1.500 toneladas, excedente da aquisição mínima de 7.000 toneladas/mês;
  3. c) de 20% (vinte por cento) do valor do imposto apurado, correspondente à parcela compreendida entre 1.501 e 2.000 toneladas, excedente da aquisição mínima de 7.000 toneladas/mês;
  4. d) de 22,5% (vinte e dois inteiros e cinco décimos por cento) do valor do imposto apurado, correspondente à parcela compreendida entre 2.001 e 2.500 toneladas, excedente da aquisição mínima de 7.000 toneladas/mês;
  5. e) de 25% (vinte e cinco por cento) do valor do imposto apurado, correspondente à parcela compreendida entre 2.501 e 2.900  toneladas, excedente da aquisição mínima de 7.000 toneladas/mês;
  6. f) de 40% (quarenta por cento) do valor do imposto apurado, correspondente à parcela superior a 2.900 toneladas, excedente da aquisição mínima de 7.000 toneladas/mês;

Vide Portaria n.º 439/2003 – SEFAZ, que trata da utilização do crédito presumido pelo estabelecimento moageiro.

XXII – a partir de 1º.07.1999 até 30.06.2009, nas operações interestaduais promovidas pelo segmento industrial de calçados, no percentual de 75% (setenta e cinco por cento) aplicado sobre o valor do imposto destacado na Nota Fiscal; (NR)

*Inciso XXII alterado pelo Decreto nº 23.015, de 29.11.04, com vigência a partir de 30.11.2004.

*Redação Anterior com vigência de  01.05.2004 até 29.11.04.

“XXII – nas operações interestaduais promovidas pelo segmento industrial de calçados, no percentual de 75% (setenta e cinco por cento) aplicado sobre o valor do imposto destacado na Nota Fiscal.

XXIII – A partir de 01/05/2004, as empresas prestadoras de serviços de telecomunicações, estabelecidas neste Estado, nas prestações de serviço de telecomunicação por meio de cartões telefônicos indutivos para uso em telefônico público, no percentual de 40% (quarenta por cento) do valor do ICMS devido nestes serviços que exceder à média apurada dos últimos 12 (doze) meses, observado o disposto no §§ 18 e 30 deste artigo.

*Inciso XXIII, acrescentado pelo Decreto n.º 22.808, de 01.06.2004, com vigência a partir de 01.05.2004.

XXIV – A partir de 01/01/2005, nas operações promovidas pelas empresas extratoras, que produzam artesanalmente paralelepípedos e meio-fio, estabelecidas neste Estado, o percentual de 100% (cem por cento) do imposto incidente na respectiva saída, quando destinados a construtoras ou a não contribuintes do imposto.

*Inciso XXIV, acrescentado pelo Decreto nº 23.064, de 27.12.2004, com vigência a partir de 28.12.2004.

  • O aproveitamento do crédito do imposto, de que trata o inciso I do “caput” deste artigo, somente poderá ser efetuado até:

I o segundo mês subseqüente ao mês em que ocorreu o pagamento dos direitos autorais, artísticos e conexos;

II o limite dos percentuais abaixo elencados, aplicáveis sobre o valor do imposto correspondente às operações efetuadas com discos fonográficos e com outros suportes com sons gravados, debitados no mês (Convênios ICMS 83/01 e 105/01):

  1. a) 70% (setenta por cento), até 31 de dezembro de 2001;
  2. b) 60% (sessenta por cento), de 1° de janeiro de 2002 a 31 de dezembro de 2002;
  3. c) 50% (cinqüenta por cento), de 1° de janeiro de 2003 a 30 de junho de 2003;
  4. d) 40% (quarenta por cento), a partir de 1° de julho de 2003.
  • Fica vedado o aproveitamento de quaisquer outros créditos, bem como o aproveitamento  do excedente em quaisquer estabelecimento do mesmo titular ou de terceiros ou a transferência do crédito de uma para outra empresa.(Conv ICMS 23/90 e 83/01).
  • Para apuração do imposto debitado e do limite a que se refere o § 1° deste artigo, o contribuinte deverá:

I emitir documento fiscal individualizado em relação à respectiva operação;

II escriturar, em separado, as operações realizadas com discos fonográficos e com outros suportes com sons gravados;

III confeccionar demonstrativo que indique o valor do imposto devido nas referidas operações.

  • O benefício  de  que  trata  o  inciso I  do “caput” deste artigo fica condicionado à entrega, até o dia 15 (quinze) do mês subseqüente ao período de apuração, de:

I relação dos  pagamentos  efetuados  no  mês  a  título  de  direitos autorais artísticos e conexos, com a identificação dos beneficiários, seus domicílios e inscrição no CPF ou no CNPJ/MF na Secretaria de Estado da Fazenda – SEFAZ, e no Departamento da Receita Federal;

II  declaração sobre o  limite  referido  no  § 1º deste  artigo, contendo reprodução do demonstrativo mensal a que se refere o inciso III do parágrafo anterior à SEFAZ.

  • O crédito presumido, de que tratam os incisos III, IV, V, VII, VII-A VIII, XI e XXII do “caput” deste artigo, será utilizado opcionalmente pelo contribuinte, em substituição ao sistema normal de tributação, vedado o aproveitamento de quaisquer outros créditos exceto os previstos nos incisos I, VI, IX, X, XI e XIII do “caput” do art. 47 deste Regulamento e o imposto pago por ocasião do encerramento da fase do diferimento da matéria-prima importada.(alterado pelo Decreto nº 29.831/14, republicado em 23.07.2014, efeitos a partir de 1º.08.2014)
  • 5º-A Feita a opção pelo crédito presumido ou pelo regime normal de apuração do ICMS, esta deverá se estender a todos os estabelecimentos industriais da mesma pessoa jurídica.(acrescentado pelo Decreto nº 29.831/14, republicado em 23.07.2014, efeitos a partir de 1º.08.2014)
  • É vedada a acumulação de qualquer outro benefício fiscal, se o contribuinte tiver optado pela utilização de crédito presumido previsto nos incisos III, IV, V,  VII, VII-A, VIII e XI do “caput” deste artigo.(alterado pelo Decreto nº 29.831/14, republicado em 23.07.2014, efeitos a partir de 1º.08.2014)
  • O benefício previsto no inciso IV do “caput” deste artigo não se aplica às empresas prestadoras de serviço de transporte aéreo.
  • A opção pelo regime de apuração mediante o uso de crédito presumido, de que tratam os incisos  III, IV, V, VII, VII-A e VIII e XI do “caput” deste artigo, não poderá ser alterado dentro do mesmo mês.(alterado pelo Decreto nº 29.831/14, republicado em 23.07.2014, efeitos a partir de 1º.08.2014)
  • O crédito presumido a que se refere o inciso VI do “caput” deste artigo fica limitado ao valor correspondente ao serviço de transporte:

I – da usina produtora até o estabelecimento industrial ou a ele equiparado;

II – do estabelecimento comercial até o estabelecimento industrial, devendo, neste caso, constar no corpo da Nota Fiscal que documentar a saída com destino à indústria o valor do serviço de transporte ocorrido nas operações anteriores, ou seja da usina até o estabelecimento comercial.

  • 10. O disposto no inciso VI do “caput” deste artigo aplica-se, também, a estabelecimento comercial atacadista equiparado a industrial nos termos da legislação do IPI, que tenha recebido os produtos diretamente da usina produtora ou de outro estabelecimento da mesma empresa ou de  empresa interdependente.
  • 11. Considera-se Receita Bruta Anual, para  os efeitos deste Regulamento, o produto da venda de bens e serviços nas operações de conta própria, o preço dos serviços prestados  e  o resultado auferido nas operações em conta alheia,  não  incluído o Imposto sobre Produtos Industrializados – IPI, as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos;
  • 12. Para efeito de encontrar a Receita Bruta Anual, deve-se tomar, como referência, os últimos doze meses anteriores ao da data aposta pelo protocolo no requerimento formalizado pelo contribuinte solicitando seu enquadramento no inciso IV do art. 84, deste Regulamento.
  • 13. Nos casos em que a matéria-prima seja também utilizada para fabricação de produtos que não estejam beneficiados pelo crédito presumido, bem como do serviço de transporte relativo a matéria-prima, o aproveitamento será proporcional à quantidade da matéria -prima utilizada.
  • 14. Entende-se também como operação de produção própria as realizadas por estabelecimentos industrializadores por ordem do estabelecimento encomendante.
  • 15. A opção pelo benefício previsto no inciso IV do “caput” deste artigo, deverá alcançar todos os estabelecimentos do contribuinte localizados no território nacional  e será consignada no livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrências de cada estabelecimento (Conv. ICMS 95/99).
  • 16. A  partir de 1º.07.2002, a aplicação do crédito do crédito presumido de que trata o inciso X do “caput” deste artigo somente ocorrerá nas aquisições efetuadas diretamente das regiões Sul e Sudeste e após a celebração de Termo de Acordo firmado entre a distribuidora de medicamentos e a Secretaria de Estado da Fazenda.
  • 17 Amparo do São Francisco, Brejo Grande, Canhoba, Canindé do São Francisco, Carira, Cristinápolis, Gararu, Ilha das Flores, Indiaroba, Monte Alegre de Sergipe, Neópolis, Nossa Senhora da Gloria, Nossa Senhora de Lourdes, Pacatuba, Pinhão, Poço Redondo, Poço Verde, Porto da Folha, Própria, Santana do São Fransciso, Simão Dias, Telha, Tobias Barreto e Tomar do Geru.(alterado pelo Decreto nº 29.831/14, republicado em 23.07.2014, efeitos a partir de 1º.08.2014)
  • 17-A. Para fins do disposto no inciso VII do “caput” deste artigo a fruição do crédito presumido fica condicionada à manutenção do mesmo número de empregados, ao menos,  pelo período mínimo de 06 (seis) meses, contados a partir de 1º de junho de 2009.
  • 17-B. O cumprimento ao disposto no § 17-A deste artigo será acompanhado pela Secretaria de Estado do Trabalho, da Juventude e da Promoção da Igualdade Social – SETRAPIS.
  • 17-C. Constatado eventual descumprimento ao disposto no § 17-A, a SETRAPIS notificará o contribuinte para que regularize a situação no prazo de 05 (cinco) dias úteis, sob pena de perda do benefício fiscal de que trata este Decreto.”

  • § 17-A, 17-B e 17-C, acrescentados pelo Decreto nº 26.171 de 25.05.09, com vigência a partir de  27 .05.2009, efeitos 1º.06.2009.

  • 18. o valor a ser utilizado a título do crédito presumido de que trata este artigo deverá ser lançado, diretamente no Livro Registro de Apuração do ICMS no quadro “CRÉDITO DO IMPOSTO”, no item 007 – “OUTROS CRÉDITOS”, com a observação “UTILIZAÇÃO DE CRÉDITO PRESUMIDO DE ICMS do art.. 57 DO RICMS/SE.
  • 19. Os produtos beneficiados com o crédito presumido de que trata o inciso VIII do “caput” deste artigo deverão ser objeto de notas fiscais distintas.
  • 20. Na utilização do crédito presumido de que trata o inciso XIX do “caput” deste artigo, deverá ser observado o seguinte:

I – a utilização do mencionado crédito presumido ocorrerá exclusivamente para o fim de compensação com o débito do imposto apurado pelo respectivo estabelecimento fabricante;

II – o eventual crédito acumulado resultante do mencionado crédito presumido não poderá ser utilizado em forma diversa daquela prevista no inciso I deste parágrafo, ainda que decorrente de operações de exportação para o exterior;

III – o acúmulo do referido crédito presumido registrado em julho de cada ano, último mês da respectiva safra de cana-de-açúcar, somente poderá ser utilizado até o mês de julho do ano subseqüente, devendo a parcela não utilizada ser estornada neste mesmo período fiscal;

IV – o sistema adotado em agosto de cada ano, mês do início da safra da cana-de-açúcar, caracterizar-se-á como opção do contribuinte para todo o período, vedada a mudança de sistemática no curso de uma mesma safra;

  • 21. O contribuinte que se utilizar do crédito presumido de que trata o inciso XVI, XVII, XVIII e XIX do “caput” deste artigo  deverá comunicar à Secretaria de Estado da Fazenda que fez a opção pelo crédito presumido.
  • 22. O crédito presumido de que trata os incisos XVI, XVII, XVIII e XIX “caput” deste artigo deverá ser utilizado na modernização ou expansão do empreendimento econômico localizado no Estado de Sergipe, devendo a empresa beneficiária constituir reserva de capital específica, para atender essa finalidade, observado o § 24 deste artigo.
  • 23. O contribuinte com débito fiscal para com a Secretária de Estado da Fazenda somente poderá constituir a reserva de capital, de que trata o parágrafo anterior, após a regularização do referido débito fiscal.
  • 24. O crédito presumido de que tratam os incisos XVI, XVII e XVIII do “caput” deste artigo, será utilizado mediante a escrituração, a título de crédito presumido, diretamente no Livro Registro de Apuração do ICMS, separadamente, por operação realizada, no quadro “CRÉDITO DO IMPOSTO”, no item 07 – “OUTROS CRÉDITOS”, com a observação: “UTILIZAÇÃO DE CRÉDITO PRESUMIDO DO ICMS – INCISO__DO ART. 57 DO RICMS”.
  • 25. As destilarias e usinas produtoras de álcool etílico hidratado combustível –  AEHC, e  de álcool etílico anidro combustível – AEAC, poderão utilizar os saldos credores acumulados, decorrentes da utilização do crédito presumido de que tratam os incisos XVI, XVII e XVIII do “caput” deste artigo, para aquisição de insumos, conforme dispuser ato do Secretário de Estado da Fazenda.
  • 26. Entende-se como saldo credor acumulado, para efeito do disposto no parágrafo anterior, a parcela do crédito presumido que não foi totalmente absorvida no mês de apuração relativo a apropriação do referido crédito.
  • 27. O contribuinte que utilizar o crédito presumido de que trata o inciso VII e VII-A do “caput” deste artigo poderá utilizar do crédito fiscal de que trata o inciso XII do “caput” do art. 47 deste Regulamento, no montante igual ao valor  resultante do cálculo entre o imposto destacado no documento fiscal e o percentual de:

I – 20,59% (vinte e nove inteiros e quarenta e um centésimo por cento), na hipótese da indústria utilizar o crédito presumido de que trata o inciso VII do “caput” do art. 57;

II –14,71% (quatorze inteiros e setenta e um centésimo por cento), na hipótese da indústria utilizar o crédito presumido de que trata o inciso VII-A do “caput” do art. 57. (alterado pelo Decreto nº 29.831/14, republicado em 23.07.2014, efeitos a partir de 1º.08.2014)

  • 28. Revogado( a partir de 1º.02.2014)

Ver Decreto 29.755/2014

  • 29. Para fruição do benefício de que trata o inciso XXI do “caput” deste artigo, o estabelecimento moageiro deve adquirir, no mínimo, 7.000 toneladas/mês de trigo em grão para processamento e produção própria de farinha de trigo, e o crédito presumido deve ser calculado sobre o imposto que cabe ao Estado de Sergipe, partilhado na forma do art. 715 deste Regulamento.
  • 29-A. Para efeito de fruição do crédito presumido de que trata o inciso XXI do “caput” do art. 57, o Secretário de Estado da Fazenda fica autorizado a estabelecer o limite de vendas internas, em percentual no Estado de Sergipe, considerando para tanto o histórico de vendas praticado pela empresa,  bem como estabelecer  a periodicidade em que deve ser revisto este percentual.

*§ 29-A acrescentado pelo Decreto nº 28.431 de 22.03.2012, com vigência a partir de 23.03.2012.

  • 30. O crédito presumido de que trata o inciso XXIII do “caput” deste artigo somente ocorrerá após a celebração de Termo de Acordo firmado entre a empresa prestadora de serviços de telecomunicação e a Secretaria de Estado da Fazenda que estabelecerá dentre outras condições:

I – a média de recolhimento dos serviços promovidos por meio de cartões indutivos para uso em telefones públicos nos último doze meses;

II – demonstrativos e/ou relatórios que identifiquem o volume e valor das prestações de serviços com cartões indutivos para uso em telefones públicos;

III – a periodicidade do regime e o índice de correção.

*§ 30 acrescentado  pelo Decreto nº 22.808, de 1º.06.2004, com vigência a partir de 01.05.2004

Seção IV
Da Vedação do Crédito

Art. 58. Fica vedado o creditamento do ICMS nas seguintes hipóteses:

 I – operações ou prestações isentas ou não tributadas ou que se refiram a mercadorias ou serviços alheios à atividade do estabelecimento;

II – integração ou consumo em processo de industrialização ou produção, quando a saída do produto resultante, não for tributada ou estiver isenta do imposto, exceto quando se tratar de saída para o exterior;

III – comercialização ou prestação de serviço, quando a saída ou a prestação subseqüente não for tributada ou estiverem isentas do imposto, exceto as destinadas ao exterior;

IV – perda, extravio ou desaparecimento de documento fiscal correspondente, ressalvada a comprovação da ocorrência da operação ou prestação, mediante a apresentação de cópia autenticada da via do documento fiscal fixa ao talonário, devidamente visada pelo Fisco do Estado de origem da operação ou prestação ou por outros meios previstos na legislação;

V – quando o documento fiscal correspondente indicar estabelecimento destinatário diverso do recebedor da mercadoria ou do usuário do serviço;

VI – quando se tratar de documento fiscal inidôneo nos termos do art. 188, deste Regulamento, exceto nas hipóteses admitidas na Legislação Tributária Estadual;(NR)

*Inciso VI, alterado pelo Decreto nº 24.143, de 18.12.2006.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003, até 17.12.2006.

VI – quando se tratar de documento fiscal inidôneo nos termos do art. 188;

VII – a partir de 1°.04.98, a utilização integral do imposto destacado na nota fiscal, relativamente às operações e/ou prestações efetuadas por empresa que utilizam o crédito presumido de que trata o inciso VII, do art. 57, quando esta receber devolução de vendas, ocorridas a partir da data acima indicada, bem como do imposto destacado no Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas, relativo ao serviço de transporte, quando realizar operações de venda com cláusula CIF, observado o disposto no § 2° deste artigo;

 VII-A – a partir de 1°/08/2014 até 31/12/2020, a utilização integral do imposto destacado na nota fiscal, relativamente às operações e/ou prestações efetuadas por empresa que utilizam o crédito presumido de que trata o inciso VII-A, do art. 57, quando esta receber  devolução de vendas, ocorridas a partir da data acima indicada, bem como do imposto destacado no Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas, relativo ao  serviço de transporte, quando realizar operações  de venda com cláusula CIF, observado o disposto no § 2°-A deste artigo.(acrescentado pelo Decreto nº 29.831/14, republicado em 23.07.2014, efeitos a partir de 1º.08.2014)

VIII – a partir de 1°.09.98, a utilização integral do imposto destacado na nota fiscal, relativamente às operações efetuadas por empresa que utilizam o crédito presumido de que trata o inciso VIII do art. 57, deste Regulamento quando esta receber devolução de vendas, ocorridas a partir da data acima indicada, bem como do imposto destacado no Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas, relativo às prestações de Serviço de transporte, quando realizar operações de vendas com cláusula CIF de produtos contemplados com o referido crédito, observado o disposto no § 3º deste artigo;

IX – imposto retido de contribuinte substituído, pelo contribuinte substituto, ressalvada a hipótese em que o imposto retido esteja relacionado com operação ou prestação antecedente;

X – o crédito de imposto não destacado em documento fiscal;

XI – o valor do imposto retido ou do imposto pago com encerramento da fase de tributação relativo as operações indicadas no Anexo IX e Anexo X;

XII – o crédito do imposto destacado em documento fiscal correspondente a prestação de serviço relacionado com mercadoria adquirida a preço CIF;

  • Operações tributadas posteriores às saídas de que tratam os incisos II e III do “caput” deste artigo, dão, ao estabelecimento que as praticar, direito a creditar-se do imposto cobrado nas operações anteriores às isentas ou não tributadas, sempre que a saída isenta ou não tributada seja relativa a produtos agropecuários.
  • Para efeito do disposto no inciso VII do “caput” deste artigo, o valor a ser utilizado, a título de crédito, será o resultado da aplicação dos percentuais abaixo indicados, sobre o imposto destacado nos documentos fiscais, observado o disposto o art. 65 deste Regulamento:
  1. a) nas devoluções internas e nas prestações de serviço de transporte, relativas às vendas efetuadas com cláusula CIF: 20,59% (vinte inteiros e cinqüenta  e nove centésimo por cento);(alterado pelo Decreto nº 29.831/14, republicado em 23.07.2014, efeitos a partir de 1º.08.2014)
  2. b) nas devoluções interestaduais e nas prestações de serviço de transporte, relativas às vendas efetuadas com cláusula CIF: 29,16% (vinte e nove inteiros e dezesseis centésimos por cento).(alterado pelo Decreto nº 29.831/14, republicado em 23.07.2014, efeitos a partir de 1º.08.2014)
  • 2°-A. Para efeito do disposto no inciso  VII-A do “caput” deste artigo, o valor a ser utilizado, a título  de crédito, será o  resultado da aplicação dos percentuais abaixo indicados, sobre o imposto destacado nos documentos fiscais, observado o disposto o art. 65 deste Regulamento:
  1. a) nas devoluções internas e nas prestações de serviço de transporte, relativas às vendas efetuadas com cláusula CIF: 14,71% (quatorze inteiros e setenta e um centésimo por cento);
  2. b) nas devoluções interestaduais e nas prestações de serviço de transporte, relativas às vendas efetuadas com cláusula CIF: 20,83% (vinte inteiros e oitenta e três centésimos por cento);( § 2º-A alterado pelo Decreto nº 29.831/14, republicado em 23.07.2014, efeitos a partir de 1º.08.2014)
  • Para efeito do disposto no inciso VIII do “caput” deste artigo, o valor a ser utilizado, a título de crédito, será o resultado da aplicação dos percentuais abaixo indicados, sobre o imposto destacado nos documentos fiscais, observado o disposto o art. 65 deste Regulamento:
  1. a) nas devoluções internas e nas prestações de serviço de transporte, relativas às vendas efetuadas com cláusula CIF: 41,18% (quarenta e um inteiros e dezoito centésimos por cento);
  2. b) nas devoluções interestaduais e nas prestações de serviço de transporte relativas às vendas efetuadas com cláusula CIF: 58,33% (cinqüenta e oito e inteiros e trinta e três centésimos por cento);
  • As operações e prestações sujeitas ao regime de substituição e à antecipação tributária, realizada por força da não retenção pelo fornecedor, bem como referentes aos produtos da cesta básica, não implicarão em crédito do valor do imposto pago.

Seção V
Do Estorno do Crédito

Art. 59. O sujeito passivo deverá efetuar o estorno do imposto de que se tiver creditado, sempre que o serviço tomado ou a mercadoria entrada no estabelecimento:

I – for objeto de saída ou prestação de serviço não tributada ou isenta, sendo esta circunstância imprevisível na data da entrada da mercadoria ou da utilização do serviço;

II – for integrada ou consumida em processo de industrialização, quando a saída do produto resultante não for tributada ou estiver isenta do imposto;

III – vier a ser utilizada em fim alheio à atividade do estabelecimento, a exemplo de locação ou arrendamento a terceiro;

IV – vier a perecer, deteriorar-se, for objeto de roubo, furto, extravio, sinistro ou calamidade, ou, quando deteriorada, tornar-se imprestável para qualquer finalidade da qual resulte fato gerador do imposto;

V – for beneficiada com redução da base de cálculo, com alíquota inferior a da aquisição ou for objeto de saída com preço inferior ao da aquisição, hipóteses em que o estorno será proporcional ao valor reduzido exceto nos casos permitidos neste Regulamento;

VI – for transformada em produto cuja saída seja beneficiada com crédito presumido.

  • Na determinação do valor a estornar, observar-se-á o seguinte:

I – quando não for conhecido o seu valor exato, será calculado mediante a aplicação da alíquota vigente no momento da entrada ou da aquisição da mercadoria, sobre o preço da aquisição mais recente para o mesmo tipo de mercadoria;

II – não sendo possível precisar a alíquota vigente no momento da entrada da mercadoria, ou se as alíquotas forem diversas, em razão da natureza das operações, aplicar-se-á a alíquota da operação preponderante, se possível identificá-la, ou a média das alíquotas vigentes para as diversas operações de entrada, ao tempo do estorno;

III – quando houver mais de uma aquisição e não for possível determinar a qual delas corresponde a mercadoria, aplicar-se-á a alíquota vigente na data do estorno, sobre o preço da aquisição mais recente para o mesmo tipo de mercadoria.

  • 2º Revogado
  • 2º Revogado pelo decreto nº 27.120 de 25.05.2010, com vigência a partir 27.05.2010.
  • O não creditamento ou o estorno a que se referem os incisos II e III do “caput” do art. 58 e o “caput” deste artigo não impedem a utilização dos mesmos créditos em operações posteriores, sujeitas ao imposto, com a mesma mercadoria, observado o disposto no § 1º do art. 58.

Revogados §§ 4º, 5º, 6º, 7º, 8º, 9º, 10º, 11º, 12º, 13º, 14º, 15º, 16º, 17º e 18º, pelo decreto nº 27.120 de 25.05.2010, com vigência a apartir de 27.05.2010.

  • 19. O estorno de que tratam os incisos I, II e V do “caput” deste artigo, será lançado no campo “Débito do Imposto”, item “003 – Estorno de Crédito”, do Livro Registro de Apuração do ICMS, guardando-se o histórico e os cálculos do valor objeto do estorno. Nas demais hipótese o estorno será efetuado através de Nota Fiscal de Saída, cuja natureza da operação será “Estorno de Crédito”.
  • 20. O estorno de que trata este artigo será proporcional às operações e prestações isentas, não tributadas, beneficiadas com redução de base de cálculo ou com a alíquota de 7%, tomando-se por base o valor das entradas mais recentes.
  • 21 Revogado
  • 21 Revogado pelo decreto 27.05.2010, com vigência a partir de 27.05.2010.

Seção VI
Da Manutenção do Crédito

Art. 60. Não se exigirá o estorno do crédito fiscal relativo:

I – às entradas:

  1. a) de matérias-primas, material secundário, produtos intermediários e material de embalagem, bem como o relativo às aquisições de energia elétrica e aos serviços prestados por terceiros, para emprego na fabricação e transporte de produtos industrializados destinados a exportação direta ou indireta, cujas operações de saídas para o exterior ocorram com não-incidência do ICMS, nos termos dos art. 580 e 581 deste Regulamento;
  2. b) de mercadorias que venham a ser objeto de operações destinadas ao exterior nos termos dos artigos 580 e 581 deste Regulamento ou de operações de saída de papel destinado à impressão de livros, jornais e periódicos (Lei Complementar (Federal) n.º 120/2005 e Lei n.º 5.849/06); (NR)

Alínea “b” alterada pelo Decreto nº 23.876, de 03.07.2006, com vigência a partir de 01.01.2006.

II – à utilização de serviços relacionados com mercadorias ou serviços que venham a ser objeto de operações ou prestações destinadas ao exterior ou ainda de operações de saída de papel destinado à impressão de livros, jornais e periódicos (Lei Complementar (Federa) n.º 120/2005 e Lei n.º 5.849/06); (NR)

Inciso II alterado pelo Decreto nº 23.876, de 03.07.2006, com vigência a partir de 01.01.2006.

III – à saída interna de veículos adquiridos pela Secretaria de Estado da Segurança Pública, vinculada ao “Programa de Reequipamento Policial” da Polícia Militar, e pela Secretaria de Estado da Fazenda, para reequipamento da Fiscalização Estadual, observado o item 13 da Tabela I do Anexo I deste Regulamento, a partir de 25.10.2000; (Conv. ICMS 34/92 e 56/00);

IV – às aquisições no mercado interno, com máquina, equipamento, aparelho, instrumento ou material, ou seus respectivos acessórios, sobressalentes ou ferramentas, observado o disposto no item 16 Tabela I do Anexo I e o Item 3 do Anexo II deste Regulamento (Convênios ICMS 130/94 e 23/95);

V – à saída de mercadorias ou insumos em decorrência de doação à entidade governamental, para assistência a vítimas de calamidade pública, declarada por ato expresso de autoridade competente, estendendo-se este benefício à entidade assistencial de reconhecida utilidade pública, que atenda aos requisitos do art. 14 do CTN, observado o item 28 da Tabela I do Anexo I deste Regulamento(Convênios ICM 26/75; ICMS 39/90, 80/91, 58/92 e 151/94);

VI – às operações com artigos e aparelhos ortopédicos e para fraturas, relacionados no Item 46 da Tabela I do Anexo I deste Regulamento (Conv. ICMS 126/2010);(NR)

Inciso VI, alterado pelo Decreto nº 27.418 de 20.10.2010, com vigência a partir de 21.10.2010, produzindo seus efeitos a partir de 1º.12.2010.

VIIRevogado (revogado pelo Decreto 29.882/14, efeitos a partir de 05.09.2014)

VIII – às operações de aquisição que o Estado de Sergipe efetuar, por adjudicação, de mercadorias que tenham sido oferecidas à penhora, observado o item 53 da Tabela I do Anexo I deste Regulamento (Conv. ICMS 57/00);

IX – às saídas de insumos e mercadorias relacionadas com os produtos agropecuários de que tratam o item 2 da Tabela II do Anexo I e os itens 6 e 7 do Anexo II deste Regulamento (Conv. ICMS 100/97);

X – às saídas de insumos, partes, peças e acessórios destinados à produção dos Coletores Eletrônicos de Voto a que se refere o item 8 da Tabela II do Anexo I deste Regulamento, quando destinados ao Tribunal Superior Eleitoral – TSE (Conv. ICMS 75/97);

XI – às saídas de produtos e equipamentos destinadas a órgãos ou entidades da Administração Pública, Direta ou Indireta, bem como suas Autarquias e Fundações, indicados no item 12 da Tabela II do Anexo I deste Regulamento, a partir de 25/10/2000 (Conv. ICMS 84/97 e 66/00);

XII – às saídas de equipamentos e componentes para o aproveitamento das energias solar e eólica indicados no item 13 da Tabela II do Anexo I deste Regulamento.(Conv. ICMS 101/97, 23/98 e 46/98);

XIII – às operações e prestações referentes às saídas de mercadorias, em decorrência de doação a órgãos e entidades da administração direta e indireta da União, dos Estados e dos Municípios ou às entidades assistenciais reconhecidas como de utilidade pública, para assistência às vítimas de situação de seca nacionalmente reconhecida, na área de abrangência da SUDENE, conforme item 16 da Tabela II do Anexo I deste Regulamento (Conv. ICMS 57/98);

XIV – às saídas com equipamentos e insumos destinados a prestação de serviço de saúde, indicados no item 18 da Tabela II do Anexo I do RICMS/97(Conv. 01/99 e 05/99);

XV – Revogado

Item XV revogado pelo Decreto nº 28.848 de 22.10.2012, com vigência a partir de 24.10.2012, produzindo seus efeitos a partir de 1º.01.2013.

XVIRevogado

Inciso XVI do art. 60, revogado pelo Decreto 29.674, publicado em 13.01.2014, produzindo efeitos a partir de 1º.12.2013.

XVII – às entradas de mercadorias utilizadas como matéria-prima, material secundário ou de embalagem na fabricação dos veículos arrolados no item 8 do Anexo II deste Regulamento; (Convênios ICMS 37/92, 131/92, 133/92, 148/92, 01/93, 16/93, 44/94, 88/94, 52/95, 121/95, 39/96, 45/96, 102/96, 130/96, 20/97, 48/97 e 67/97);

XVIII – à matéria-prima, material secundário e material de embalagem, empregados na fabricação das mercadorias de que tratam os itens 16 da Tabela I do Anexo I e 3 do Anexo II deste Regulamento, bem como à prestação de serviço de transporte dessas mercadorias, quando adquiridas no mercado interno (Convênios ICMS 130/94 e 23/95);

XIX – às operações realizadas com os produtos elencados no item 34 da Tabela I do Anexo I deste Regulamento (Conv. 10/02)

XXRevogado (revogado pelo Decreto 29.882/14, efeitos a partir de 05.09.2014);

XXI – às matérias primas, materiais secundários e materiais de embalagens utilizados na produção dos bens  remetidos com isenção do ICMS na forma do  Item 7 da Tabela I do Anexo I (Conv. ICM 65/88); (NR) (item XXI alterado pelo Decreto nº 29.882/14, efeitos a partir de 05.09.2014);

XXIIRevogado (revogado pelo Decreto 29.882/14, efeitos a partir de 05.09.2014);

XXIII Revogado (revogado pelo Decreto 29.882/14, efeitos a partir de 05.09.2014);

XXIV – a partir de 13.06.03, às operações amparadas pelo benefício da isenção previsto no Item 21 da Tabela II do Anexo I deste Regulamento (Conv. ICMS 46/03).

Inciso XXIV, acrescentado pelo Decreto nº 22.047, de 25/07/2003, com vigência a partir de 28/07/2003 e acrescentado pelo Decreto n.º 22.120 de 22 de agosto de 2003, com vigência a partir de 25.08.2003.

XXV- Revogado (revogado pelo Decreto 29.882/14, efeitos a partir de 05.09.2014);

XXVI – a partir de 1º.01.04, às operações com preservativos amparadas pelo benefício da isenção previsto no Item 11 da Tabela II do Anexo I deste Regulamento (Conv. ICMS 119/03).”

inciso XXVI, acrescentado pelo Decreto nº 22.639, de 27.12.03,  com vigência a partir de 1º.01.04.

XXVII – a partir de 02.01.04, às operações de aquisição de veículos pelo Departamento de Polícia Rodoviária Federal amparadas pelo benefício da isenção previsto no Item 62 da Tabela I do Anexo I deste Regulamento (Conv. ICMS 122/03).

Inciso XXVII acrescentado pelo Decreto nº 22.697 de 13.02.2004, com vigência a partir de 02.01.2004.

XXVIII – a partir de 25.04.05, à saída de pilhas e baterias usadas, amparadas pelo benefício de isenção previsto no Item 65 da Tabela I do Anexo I deste Regulamento (Convênio ICMS 27/05).

Inciso XXVIII acrescentado pelo Decreto nº 23.227, de 20.05.2005, com vigência a partir de 25.04.2005.

XXIX -a partir de 22.07.2005, às saídas de selos destinados ao controle fiscal federal, promovidas pela Casa da Moeda do Brasil, amparadas pelo benefício de isenção previsto no ltem 66 da Tabela Ido Anexo I deste Regulamento (Convênio ICMS 80/05).

Inciso XXIX acrescentado pelo Decreto nº 23.345, de 22.08.2005, com vigência a partir de 22.07.2005.

XXX – a partir da 23.04.07, às operações amparadas pelo benefício de isenção previsto no Item 29 da Tabela II do Anexo I deste Regulamento (Conv. ICMS 23/07).

Inciso XXX, acrescentado pelo Decreto nº 24.457, de 19.06.2007, com vigência a partir de 23.04.2007.

XXXI – a partir da 06.06.07, às operações amparadas pelo benefício de isenção previsto no Item 31 da Tabela II do Anexo I deste Regulamento (Conv. ICMS 53/07).

Inciso XXXI, acrescentado pelo Decreto nº 24.532 de 20 de julho 2007, com vigência a partir de 06.06.2007.

XXXII – a partir da 04.01.08, às operações amparadas pelo benefício de isenção previsto no Item 75 da Tabela I do Anexo I deste Regulamento (Conv. ICMS 141/07).

XXXIII – a partir da 04.01.08, às operações amparadas pelo benefício de isenção previsto no Item 32 da Tabela II do Anexo I deste Regulamento (Conv. ICMS 147/07)”.

Incisos XXXII e XXXIII, acrescentados pelo Decreto nº 24.984 de 25.01.2008, com vigência a partir de 28.01.2008, produzindo seus efeitos a partir de  04.01.2008.

XXXIV – nas saídas internas diferidas destinadas a usina elétrica de que trata os incisos XXXV e XXXVI do “caput” do art. 14 deste Regulamento. (NR)

Inciso XXXIV alterado pelo Decreto nº 26.382 de 27.08.2009, com vigência a partir de 31.08.2009.

XXXV – A partir de 1º.08.09, às operações amparadas pelo benefício da isenção previsto no Item 34 da Tabela II do Anexo I deste Regulamento, observado o disposto na Nota 2 deste mesmo Item 34 (Conv. ICMS 54/09);

Inciso XXXV acrescentado pelo Decreto nº 26.352 de 14.08.2009, com vigência a partir de 17.08.2009, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2009.

XXXVI – a partir da 01.01.2011 a 31.12.2014, às operações amparadas pelo benefício de isenção previsto no Item 36 da Tabela II do Anexo I deste Regulamento (Conv. ICMS 39/09).”

Inciso XXVI acrescentado pelo Decreto nº 27.235 de 01.07.2010, com vigência a partir de 1º.01.2011.

XXXVII – a partir de 21.05.2010, às operações amparadas pelo benefício de isenção previsto no Item 37 da Tabela II do Anexo I deste Regulamento (Conv. ICMS 73/10);” (NR)) (item XXXVII alterado pelo Decreto nº 29.882/14, efeitos a partir de 05.09.2014)

Acrescentado o inciso XXXVII pelo Decreto n.º 27.235/10, efeitos a partir de 21/05/2010.

XXXVIII – Revogado (revogado pelo Decreto 29.882/14, efeitos a partir de 05.09.2014);

XXXIX – Revogado (revogado pelo Decreto 29.882/14, efeitos a partir de 05.09.2014);

XL – a partir de 1º de junho de 2011, às entradas de mercadorias e insumos, bem como os serviços tomados, a ele correspondentes, vinculados à redução de base de cálculo prevista no Item 29 do Anexo II deste Regulamento (Conv ICMS 34/06).( acrescentado pelo Decreto nº  27.917, efeitos a partir de 05.07.2011)

XLI – a partir de 1º de setembro de 2011, às matérias primas, materiais secundários e materiais de embalagens utilizados na produção dos bens objeto das saídas com isenção de que trata o Item 7 da Tabela I do Anexo I deste Regulamento, destinadas as Áreas de Livre Comércio indicadas na Nota 2 do citado Item (Conv. ICM 65/88 e Conv. ICMS 52/92 e 71/2011).

Inciso XLI acrescentado pelo Decreto n.º  28.141 de 07.11.2011, com vigência a partir de 08.11.2011.

XLII – a partir de 1º.01.13, às operações amparadas pelo benefício da isenção de que trata o Item 41 da Tabela II do Anexo I deste Regulamento (Conv. ICMS 38/2012);” (NR) (item XLII alterado pelo Decreto nº 29.882/14, efeitos a partir de 05.09.2014)

Inciso XLII acrescentado pelo Decreto nº 28.848 de 22.10.2012, com vigência a partir de 24.10.2012, produzindo seus efeitos a partir de 1º.01.2013.

XLIII – a partir de 1º/08/2014, às prestações de serviço de comunicação beneficiadas com a isenção prevista no Item 88 da Tabela I do Anexo I deste Regulamento (Convênios ICMS 38/2009 e 11/2010).(acrescentado pelo Decreto 29.845/14, efeitos a partir de 1º.08.2014)

Seção VII
Do Direito ao Crédito Relativo a Devolução e ao Retorno de Mercadorias

Subseção I
Da Devolução por Desfazimento de Negócio e da Devolução no Retorno de Mercadoria

Art. 61. É assegurado o crédito fiscal ao estabelecimento de origem:

I – do imposto que houver incidido por ocasião da saída, no caso de devolução de mercadoria por qualquer pessoa física ou jurídica em razão do desfazimento do negócio;

II – do imposto que houver incidido sobre a saída no retorno de mercadoria.

  • Os créditos previstos nos incisos I e II do “caput” deste artigo ficam condicionados:

I – à emissão regular do documento fiscal respectivo;

II – à comprovação efetiva da devolução ou do retorno, inclusive mediante o “visto” dos postos fiscais acaso existentes no trajeto;

III – à devolução ou ao retorno no prazo de 30 (trinta) dias, contados da data da saída da mercadoria, se outro não for estabelecido em cláusula contratual.

  • Nas vendas a consumidor, através de máquina registradora, para a utilização do crédito relativo à devolução, observar-se-á o disposto no art. 444.

Art. 62. O estabelecimento que receber mercadoria em devolução de pessoa física ou jurídica não obrigada à emissão de documento fiscal deverá:

I – emitir Nota Fiscal de Entrada, mencionando número, série e data da Nota Fiscal originária, e o valor total ou relativo à parte devolvida sobre a qual será calculado o imposto a ser creditado;

II – obter do comprador ou da pessoa que promoveu a devolução, declaração no verso da Nota Fiscal de Entrada ou em qualquer documento do motivo da devolução, fazendo constar o número do seu CPF ou CNPJ.

Parágrafo único. A Nota Fiscal de Entrada referida no inciso I do “caput” deste artigo deverá ser arquivada juntamente com a Nota Fiscal originária e a declaração fornecida pelo comprador, anotando-se a ocorrência na via da Nota Fiscal de Entrada presa ao bloco.

Art. 63. O estabelecimento que receber em retorno, mercadoria que por qualquer motivo não tenha sido entregue ao destinatário, para creditar-se do imposto pago por ocasião da saída deverá:

I – emitir Nota Fiscal de Entrada;

II – manter, em arquivo, a 1ª (primeira) via da Nota Fiscal emitida por ocasião da saída;

III – anotar a ocorrência na via da Nota Fiscal presa ao bloco;

IV – exibir ao Fisco, quando exigidos, todos os elementos, inclusive contábeis, comprobatórios de que a importância eventualmente debitada ao destinatário não foi recebida.

Parágrafo único. Na hipótese de que trata este artigo o transportador, antes de iniciar o retorno, deverá anotar no verso da 1ª (primeira) via da Nota Fiscal o motivo da não entrega, que servirá para acobertar o trânsito da mercadoria.

Art. 64. Nas operações de devolução, total ou parcial, de mercadoria ou bem, inclusive recebido em transferência, aplicar-se-á a mesma base de cálculo e a mesma alíquota constante do documento que acobertar a operação anterior de recebimento da mercadoria ou bem (Conv. ICMS 54/00).

Art. 65. Na devolução de mercadoria recebida com vedação do crédito será permitido ao contribuinte creditar-se do imposto destacado na Nota Fiscal de devolução.

Subseção II
Da Substituição de Peças em Virtude de Garantia por Concessionária, Revendedor, Agência ou Oficina Autorizada

Art. 66. Revogado

Art. 67. Revogado

Art. 68. Revogado

*Arts. 66, 67 e 68, revogados pelo Decreto nº 24.441, de 05.06.2007, com vigência a partir de 1º.05.2007.

*Redação revogada

“Art. 66. Na entrada de peça defeituosa a ser substituída, o concessionário, revendedor, agência ou oficina autorizada deverá emitir Nota Fiscal (entrada), sem destaque do imposto, que conterá, além dos demais requisitos, as seguintes indicações:

I – a discriminação da peça defeituosa;

II – o valor atribuído à peça defeituosa, que será equivalente a 10% do preço de venda ou fornecimento da peça nova praticado pelo concessionário, revendedor, agência ou oficina autorizada, constante em lista fornecida pelo fabricante, em vigor na data da substituição;

III – o número da Ordem de Serviço ou Nota Fiscal-Ordem de Serviço;

IV – o número, a data da expedição do certificado de garantia e o termo final de sua validade.

  • 1º A Nota Fiscal (entrada) de que trata este artigo poderá ser emitida no último dia do mês, englobando as entradas de peças defeituosas, desde que:

I – na Ordem de Serviço ou na Nota Fiscal-Ordem de Serviço, constem:

  1. a) o nome da peça defeituosa substituída;
  2. b) o número do chassi ou outros elementos identificativos, conforme o caso;
  3. c) o número, a data do certificado de garantia e o termo final de sua validade;

II – a remessa, ao fabricante, das peças defeituosas substituídas seja efetuada após o encerramento do mês.

  • 2º. A Nota Fiscal (entrada) será escriturada no Registro de Entradas, nas colunas “Operações ou Prestações sem Crédito do Imposto.
  • 3º. Considera-se garantia a obrigação assumida pelo remetente ou pelo fabricante de substituir ou consertar a mercadoria remetida, se esta apresentar defeito.

Art. 67. Na saída da peça defeituosa para o fabricante, o concessionário, revendedor, agência ou oficina autorizada deverá:

I – emitir Nota Fiscal, que conterá, além dos demais requisitos, as seguintes indicações:

  1. a) a discriminação das peças;
  2. b) o valor atribuído à peça defeituosa, nos termos do inciso II do artigo anterior;
  3. c) o destaque do imposto devido;

II – escriturar a Nota Fiscal referida no inciso anterior no Registro de Saídas, e estornar o débito correspondente no quadro “Crédito do Imposto – Estornos de Débitos”, do Registro de Apuração do ICMS.

  • 1º. O fabricante efetuará o lançamento da Nota Fiscal referida no artigo anterior no Registro de Entradas, nas colunas “Operações ou Prestações com Crédito do Imposto.
  • 2º. O fabricante deverá proceder ao estorno do crédito, se a peça defeituosa for inutilizada no estabelecimento, salvo quando transformada em outro produto ou em resíduo com saída tributada.

Art. 68. Na saída ou fornecimento da peça nova em substituição à defeituosa, o concessionário, revendedor, agência ou oficina autorizada deverá:

I – emitir Nota Fiscal, com destaque do imposto, tendo como destinatário o proprietário da peça substituída;

II – emitir Nota Fiscal, sem destaque do imposto, tendo como destinatário o nome do fabricante do bem que tiver concedido a garantia, a qual conterá, além dos demais requisitos, as seguintes indicações:

  1. a) a discriminação da peça;
  2. b) o número da Ordem de Serviço correspondente;
  3. c) o preço da peça debitado ao fabricante;
  4. d) o número, a série e a data da Nota Fiscal de que cuida o inciso anterior.
  • 1º A 1ª via da Nota Fiscal emitida nos termos do inciso II será enviada ao fabricante com o documento interno em que tiver sido relatada a garantia executada.
  • 2º Na saída ou fornecimento da peça nova em substituição à defeituosa, em virtude de garantia, a base de cálculo é o preço da peça debitado ao fabricante.”

Subseção II-A

Da Substituição de Peças em Virtude de Garantia

(Conv. ICMS 129/06 e 27/07)

Subseção II-A , alterada pelo Decreto nº 24441 de 05.06.07, vigência a partir de 06.06.07, efeitos 01.05.07.

Redação anterior com vigência de 01.03.07 até 30.04.07

Subseção II-A Da Substituição de Peças em Virtude de Garantia por fabricante de veículos  autopropulsados, seus Concessionários ou Oficina Autorizada

Art. 68-A. As operações com partes e peças substituídas em virtude de garantia, realizadas por fabricantes de veículos autopropulsados ou de qualquer outra mercadoria, seus concessionários ou oficinas autorizadas ou credenciadas, devem observar as disposições desta Subseção (Conv. ICMS 129/06 e 27/07). (NR)

Parágrafo único. O disposto nesta Subseção somente se aplica:

I – ao estabelecimento, concessionário ou não, ou à oficina credenciada ou autorizada que, com permissão do fabricante, promova a substituição de peça em virtude de garantia, tendo ou não efetuado a venda do veículo autopropulsado no caso do concessionário;

II – ao estabelecimento fabricante de veículo autopropulsado ou de qualquer outra mercadoria, que receba peça defeituosa substituída em virtude de garantia e de quem será cobrada a peça nova aplicada em substituição.

*Subseção e art. 68-A, alterado pelo Decreto nº 24.441, de 05.06.2007, com vigência a partir de 1º.05.2007.

*Redação anterior com vigência de 01.03.2007 até 30.04.2007.

“Art. 68-A. As operações com partes e peças substituídas em virtude de garantia, por fabricantes de veículos autopropulsados, seus concessionários ou oficinas autorizadas, observar-se-ão as disposições desta subseção (Conv. ICMS 129/06).

  • 1º O disposto nesta subseção somente se aplica:

I – ao estabelecimento concessionário de veículo autopropulsado ou à oficina autorizada que, com permissão do fabricante, promove substituição de peça em virtude de garantia, tendo ou não efetuado a venda do veículo autopropulsado;

II – ao estabelecimento fabricante de veículo autopropulsado que receber peça defeituosa substituída em virtude de garantia e de quem será cobrada a peça nova aplicada em substituição.”

Art. 68-B. O prazo de garantia é aquele fixado no certificado de garantia, contado da data de sua expedição ao consumidor.

Art. 68-C. Na entrada da peça defeituosa a ser substituída, o estabelecimento, concessionário ou não, ou a oficina credenciada ou autorizada, deve emitir nota fiscal, sem destaque do imposto, que conterá, além dos demais requisitos, as seguintes indicações (Conv. ICMS 27/07): (NR)

I – a discriminação da peça defeituosa;

II – o valor atribuído à peça defeituosa, que será equivalente a 10% (dez por cento) do preço de venda da peça nova praticado pelo estabelecimento, concessionário ou não, ou pela oficina credenciada ou autorizada (Conv. ICMS 129/06 e 27/07); (NR)

*”Caput” do Art. 68-C e os seus incisos I e II, alterados pelo Decreto nº 24.441, de 05.06.2007, com vigência a partir de 1º.05.2007.

*Redação anterior com vigência de 01.03.2007 até 30.04.2007.

Art. 68-C. Na entrada da peça defeituosa a ser substituída, o concessionário ou a oficina autorizada deve emitir nota fiscal, sem destaque do imposto, que conterá, além dos demais requisitos, as seguintes indicações:

I – a discriminação da peça defeituosa;

II – o valor atribuído à peça defeituosa, que deve ser  equivalente a 10% (dez por cento) do preço de venda da peça nova praticado pelo concessionária ou pela oficina autorizada;

III – o número da Ordem de Serviço ou da nota fiscal – Ordem de Serviço;

IV – o número, a data da expedição do certificado de garantia e o termo final de sua validade.

Art. 68-D. A nota fiscal de que trata o art. 68-C poderá ser emitida no último dia do período de apuração, englobando as entradas de peças defeituosas ocorridas no período, desde que:

I – na Ordem de Serviço ou na nota fiscal, conste:

  1. a) a discriminação da peça defeituosa substituída;
  2. b) o número do chassi e outros elementos identificativos do veículo autopropulsado;
  3. c) o número, a data da expedição do certificado de garantia e o termo final de sua validade;

II – a remessa, ao fabricante, das peças defeituosas substituídas, seja efetuada após o encerramento do período de apuração.

Parágrafo único. Ficam dispensadas as indicações referidas nos incisos I e IV do art. 68-C, quando da emissão da nota fiscal a que se refere o “caput” deste artigo.

Art. 68-E. Na remessa da peça defeituosa para o fabricante, o estabelecimento, concessionário ou não, ou a oficina credenciada ou autorizada deve emitir nota fiscal, contendo, além dos demais requisitos, o valor atribuído à peça defeituosa referido no inciso II do art. 68-C, observados os Itens 71 e 73 do Anexo I da Tabela I deste Regulamento.” (NR)

*Art. 68-E, alterado pelo Decreto nº 24.441, de 05.06.2007, com vigência a partir de 1º.05.2007.

*Redação anterior com vigência de 01.03.2003 até 30.04.2007.

“Art. 68-E. Na remessa da peça defeituosa para o fabricante, o concessionário ou a oficina autorizada deve emitir nota fiscal, que deve conter, além dos demais requisitos, o valor atribuído à peça defeituosa referido no inciso II do art. 68-C, observado o Item 71 do Anexo I da Tabela I deste Regulamento.”

Art. 68-F. Na saída da peça nova em substituição à defeituosa, o estabelecimento, concessionário ou não, ou a oficina credenciada ou autorizada deve emitir nota fiscal indicando como destinatário o proprietário do veículo ou da mercadoria, conforme o caso, com destaque do imposto, quando devido, cuja base de cálculo deve ser o preço cobrado do fabricante pela peça, aplicando-se na operação a alíquota interna estabelecida para o produto neste Estado (Conv. ICMS 27/07). (NR)

*Art. 68-F, alterado pelo Decreto nº 24.441, de 05.06.2007, com vigência a partir de 1º.05.2007.

*Redação anterior com vigência de 1º.03.2007 até 30.04.2007.

“Art. 68-F. Na saída da peça nova em substituição à defeituosa, o concessionário ou a oficina autorizada deve emitir nota fiscal indicando como destinatário o proprietário do veículo, com destaque do imposto, quando devido, cuja base de cálculo deve ser o preço cobrado do fabricante pela peça e a alíquota deve ser à aplicada na operação interna neste Estado.”

*Subseção II-A com os artigos 68-A a 68-F, acrescentada pelo Decreto nº 24.260 de 06.03.2007, com vigência a partir de 07.03.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.03.2007.

Subseção II-B

Da Substituição de Peças e Partes em Virtude de Garantia por Empresa Nacional da Indústria Aeronáutica (Conv. ICMS 26/09)

Art. 68-G. As operações com partes e peças substituídas em virtude de garantia, por empresa nacional da indústria aeronáutica, por estabelecimento de rede de comercialização de produtos aeronáuticos, ou por oficinas reparadoras ou de conserto e manutenção de aeronaves, homologadas pelo Comando da Aeronáutica do Ministério da Defesa e constantes na publicação do Ato COTEPE previsto na Nota 2-A do Item 2 do Anexo II deste Regulamento, devem observar as disposições desta Subseção.

Art. 68-H. O disposto nesta subseção somente se aplica:

I – à empresa nacional da indústria aeronáutica que receber peça defeituosa substituída em virtude de garantia e de quem será cobrada a peça nova aplicada em substituição;

II – ao estabelecimento de rede de comercialização de produtos aeronáuticos, ou à oficina reparadora ou de conserto e manutenção de aeronaves, homologadas pelo Comando da Aeronáutica do Ministério da Defesa, que, com permissão do fabricante, promove substituição de peça em virtude de garantia.

Art. 68-I. O prazo de garantia é aquele fixado em contrato ou estabelecido no certificado de garantia, contado da data de sua expedição ao consumidor.

Art. 68-J. Na entrada da peça defeituosa a ser substituída, o estabelecimento que efetuar o reparo, conserto ou manutenção deve emitir nota fiscal, sem destaque do imposto, que deve conter, além dos demais requisitos, as seguintes indicações:

I – a discriminação da peça defeituosa;

II – o valor atribuído à peça defeituosa, que deve ser equivalente a 80% (oitenta por cento) do preço de venda da peça nova praticado pelo fabricante;

III – o número da ordem de serviço ou da Nota Fiscal – Ordem de Serviço;

IV – o número, a data da expedição do certificado de garantia e o termo final de sua validade, ou a identificação do contrato.

Art. 68-K. A nota fiscal de que trata o art. 68-J poderá ser emitida no último dia do período de apuração, englobando as entradas de peças defeituosas ocorridas no período, desde que, na ordem de serviço ou na nota fiscal, conste:

I – a discriminação da peça defeituosa substituída;

II – o número de série da aeronave;

III – o número, a data da expedição do certificado de garantia e o termo final de sua validade, ou a identificação do contrato.

Parágrafo único. Ficam dispensadas as indicações referidas nos incisos I e IV do art. 68-J, deste Regulamento, na nota fiscal a que se refere o “caput” deste artigo.

Art. 68-L. Na saída da peça nova em substituição à defeituosa, o remetente deverá emitir nota fiscal indicando como destinatário o proprietário ou arrendatário da aeronave, sem destaque do imposto, observado o disposto no Item 33 da Tabela II do Anexo I deste Regulamento.

Art. 68-M. O disposto nesta subseção aplica-se de 27 de abril de.2009 até 31 de dezembro de 2013.

*Subseção II-B com os arts. 68-G à 68-M, acrescentada pelo Decreto nº 26.278, de 17.07.2009, com vigência a partir de 21.07.2009, produzindo seus efeitos a partir de 27.04.2009, exceto em, relação aos art. 616–Z-G a 616-Z-J com efeitos a partir de 1º de maio de 2009.

Seção VIII

Do Crédito Fiscal Acumulado

Subseção I

Das Hipóteses de Acumulação do Crédito Fiscal

Vide Portaria n.º 893/2004-SEFAZ, que disciplina a forma de utilização do crédito fiscal acumulado e dá providências correlatas.

Vide Portaria n.º 400/2005-SEFAZ, que disciplina a apuração e forma da utilização do crédito fiscal acumulado e cria os Anexos I, II, III, e IV, constituídos de planilhas fiscais e o Manual de Instrução para preenchimento dos citados anexos, destinadas a apurar os referidos créditos acumulados.

Art. 69. Constitui crédito fiscal acumulado para efeito deste Regulamento o imposto anteriormente cobrado relativo às entradas ou aquisições de bens do ativo imobilizado, energia elétrica, matérias-primas, material secundário, produtos intermediários, mercadorias, material de embalagem e serviços de transporte e de comunicação  de que resultem ou que venham a ser objeto de operações ou prestações:(NR)

I – que destinem ao exterior mercadorias e serviços com não-incidência do imposto;

II – com mercadorias sujeitas ao pagamento do imposto por antecipação ou substituição tributária, se o estabelecimento não realizar operações com outras mercadorias cujas saídas ocorram com tributação normal do ICMS, não tendo como ser absorvido naquele mês o crédito utilizado;

III – realizadas com isenção ou redução da base de cálculo, sempre que houver previsão legal de manutenção do crédito.

Subseção II

Da Apuração do Crédito Fiscal Acumulado

Art. 70. O contribuinte que realizar operação que enseje a manutenção de crédito conforme o artigo 60, quando da apuração do imposto do período, efetuado na forma do artigo 83, resultar em saldo credor, para efeito de apropriar parcela desse saldo, deve observar a proporcionalidade entre o total das vendas para o exterior e total das saídas pelo estabelecimento.(NR)

Art. 70-A. O contribuinte que operar somente  com mercadorias sujeitas ao pagamento do imposto por substituição tributária deverá considerar como acumulado o valor dos créditos de que trata o artigo 69 desde Regulamento.

Parágrafo único. Os saldos credores acumulados encontrados de acordo com os artigos 70 e 70-A poderão ser utilizados na forma do artigo 71 deste regulamento.

Subseção III

Da Utilização do Crédito Fiscal Acumulado

Art. 71. O contribuinte deve  utilizar o crédito fiscal acumulado, encontrado na forma do artigo 70 e 70-A, deste Regulamento, na apuração do imposto do período quando este apresentar saldo devedor, integralmente se o débito do período for superior ao crédito acumulado, podendo, na hipótese deste ser maior que o débito do período, ser aproveitado o saldo credor remanescente, utilizando-o de alguma das possibilidades abaixo.  (NR)

I – transferido pelo sujeito passivo a qualquer estabelecimento seu no Estado de Sergipe, havendo ainda saldo remanescente e inexistindo outro estabelecimento seu, no Estado, transferido para outros contribuintes deste Estado;

II – utilizado na aquisição de bens do ativo de emprego direto no processo produtivo.

III – utilizado na aquisição de insumo e matéria-prima diretamente utilizada no processo produtivo.

IV – utilizados para pagamento de débitos decorrentes de:

  1. a) Entrada de mercadoria importada do exterior;
  2. b) Autuação fiscal, exceto multa fiscal;
  3. c) Débitos inscritos na dívida ativa, exceto a multa fiscal.
  • 1º. O Secretário de Estado da Fazenda poderá condicionar a utilização de crédito acumulado à informação dos respectivos saldos na Declaração de informações do Contribuinte – DIC ou em forma de demonstrativos.
  • 2º. A utilização pelo contribuinte do crédito fiscal acumulado na forma dos incisos I, II, III e IV do caput deste artigo, será concedida nas condições estabelecidas pelo Secretário de Estado da Fazenda.
  • 3º. O valor máximo mensal a ser transferido do crédito acumulado para aproveitamento nos incisos I, II e III do caput deste artigo será estabelecido em ato pelo Secretário da Fazenda.
  • Protocolizado o pedido de transferência de crédito fiscal acumulado e não tendo a Secretaria da Fazenda deliberada a respeito no prazo de 90 (noventa dias), o transmitente emitirá Nota Fiscal transferindo o crédito objeto do pedido.
  • 5º REVOGADO

*§ 5º revogado pelo Decreto nº 23.594, de 29.12. 2005, com vigência a partir de 23.12.2005.

*Redação anterior com vigência de 01.05.2003 até 22.12.2005.

  • 5º A partir de 26 de outubro de 2005, fica suspensa a transferência de crédito acumulado em decorrência da desoneração das exportações.”

  • 6º REVOGADO

  • 6º revogado pelo Decreto nº 23.594, de 29.12. 2005, com vigência a partir de 23.12.2005.

Redação anterior com vigência de 01.05.2003 até 22.12.2005.

  • 6º O disposto no parágrafo 5º deste artigo aplica-se nas hipóteses dos incisos I e II do “caput” deste artigo, e, quanto ao inciso III, do mesmo “caput” deste artigo, quando o valor transferido se destinar a outro contribuinte.”

*§ 5º e § 6º acrescentado pelo Decreto nº 23.526 de 09.12.05, com vigência a partir de 26.12.05.

Subseção IV

Da Escrituração do Crédito Acumulado

Art. 72. O crédito fiscal a ser transferido a título de crédito acumulado relativo a cada mês, serão transferidos no final do período, do Registro de Apuração do ICMS (livro I), para outro livro Registro de Apuração do ICMS (livro II) especialmente destinado a este fim, com as observações, indicando a origem do crédito acumulado. (NR)

Parágrafo único. O Secretário de Estado da Fazenda estabelecerá a forma de escrituração relativa a compensação dos créditos acumulados.

*Seção VIII do CAPÍTULO IV do TÍTULO II do LIVRO I alterada pelo Decreto nº 22.667 de 28.01.04, com vigência a partir de 29.01.04.

*Redação anterior com vigência de 01.05.2003 até 28.01.2004.

Seção VIII
Da Transferência dos Créditos Acumulados

Art. 69. É vedada a transferência de crédito de um estabelecimento para outro ainda que do mesmo titular, ressalvada a hipótese prevista no art. 70 deste Regulamento.

Art. 70. O saldo credor acumulado em decorrência da aplicação do inciso II do art. 2º, a partir de 16 de setembro de 1996, por estabelecimento que realize operação e prestação de exportação, poderá ser na proporção que estas saídas representem do total das saídas realizadas pelo estabelecimento:

I – imputado pelo sujeito passivo a qualquer estabelecimento seu no Estado de Sergipe;

II – havendo saldo remanescente e inexistindo outro estabelecimento seu no Estado, transferido para outros contribuintes deste Estado.

  • 1º Entende-se como saldo credor acumulado para efeito do estabelecido no “caput” deste artigo aquele oriundo de operação ou prestação relacionada com a exportação.

; § 2º A transferência de crédito fiscal a que se refere o “caput” deste artigo será permitida, desde que seja destinada a:

I – aquisição de insumo e matéria-prima diretamente utilizados no processo produtivo;

II – aquisição de bens do ativo de emprego direto no processo produtivo ou ligados diretamente à atividade fim do estabelecimento;

III – pagamento de débitos fiscais relativos ao ICMS.

Art. 71. O contribuinte que desejar efetuar transferência do respectivo crédito deverá observar os seguintes procedimentos:

I – na hipótese do inciso I do “caput” do artigo anterior, emitir nota fiscal de transferência de crédito e comunicar o fato a repartição fazendária de sua circunscrição fiscal, para fins de controle;

II – na hipótese do inciso II do “caput” do artigo anterior, requerer por escrito à Secretaria da Fazenda, anexando ao pedido;

  1. a) cópia dos livros Registros de Entradas e Registros de Saídas de mercadorias;
  2. b) cópia do livro de Registro de Apuração do ICMS.
  • 1º As cópias de que trata o inciso II deste artigo referem-se ao mês em que ocorrer saldo credor.
  • 2º A Superintendência da Gestão Tributária – SUPERGEST analisará o pedido de transferência de crédito fiscal e emitirá parecer técnico conclusivo opinando pela concessão ou denegação do pleito, o qual estará sujeito à homologação pelo Secretário de Estado da Fazenda.
  • 3º Homologado o parecer concessivo pelo Secretário da Fazenda, o transmitente do crédito fiscal emitirá nota fiscal contendo, além dos requisitos essenciais, os seguintes dados:
  1. a) valor do crédito;
  2. b) identificação do parecer técnico;
  3. c) natureza da operação; “Transferência de Crédito Fiscal”.
  • 4º O crédito fiscal objeto de transferência somente poderá ser utilizado no mês subseqüente ao da concessão ou emissão do documento fiscal a que se refere o § 3º deste artigo.
  • 5º Protocolizado o pedido de transferência de crédito fiscal e não tendo a Secretaria da Fazenda deliberado a respeito no prazo de 90 (noventa) dias, o transmitente emitirá nota fiscal transferindo o crédito objeto do pedido na forma estabelecida neste Regulamento, para ser utilizado no período subseqüente pelo estabelecimento destinatário.

Art. 72. A nota fiscal em transferência de créditos será escriturada:

I – pelo estabelecimento transmitente;

  1. a) no Livro registro de Saídas de mercadorias, nas colunas “Documento Fiscal”, constando no campo “Observações” o número e data do parecer técnico concessivo, como também a expressão : “Transferência de Crédito Fiscal”;
  2. b) no Livro Registro de Apuração do ICMS, o valor do crédito objeto de transferência, na coluna “Outros Débitos” anotando no campo “Observações” o número e data da nota fiscal em transferência de crédito fiscal e do parecer técnico concessivo;

II – pelo estabelecimento recebedor:

  1. a) no Livro Registro de Entradas de mercadorias, na coluna “Documento Fiscal” e no campo “Observações”, o número e data da nota fiscal em transferência de crédito fiscal e do parecer técnico concessivo, acompanhado da expressão: “Recebimento de Crédito Fiscal em Transferência”;
  2. b) no Livro Registro de Apuração do ICMS, na coluna “Outros Créditos”, o valor recebido a título de transferência, anotando no campo “observações” o número e data da nota fiscal de transferência e do parecer técnico concessivo.

Art. 73. É vedada a devolução de crédito para a origem ou a sua transferência para terceiro.

Parágrafo único. Não será permitida a transferência ou recebimento de créditos acumulados do ICMS, quando o contribuinte estiver em situação irregular ou inscrito na Dívida Ativa do Estado e ainda não executada, exceto quando se destinar à quitação destas dívidas.

Seção IX
Do Débito Fiscal

Subseção I
Da Constituição do Débito

Art. 74. O ICMS será calculado aplicando-se a alíquota cabível à base de cálculo prevista para operação ou prestação tributada, obtendo-se o valor que será debitado na escrita fiscal do contribuinte.

Parágrafo único. Verificado posteriormente o reajustamento de preço da operação ou prestação tributada, proceder-se-á ao cálculo do imposto sobre a diferença, devendo ser emitido documento fiscal complementar, mencionando-se o documento originário.

Art. 75. Constitui débito fiscal, para efeito de cálculo do imposto a recolher:

I – o valor obtido nos termos do “caput” do artigo anterior;

II – o valor dos créditos estornados;

III – o valor devido a título de diferencial de alíquota.

Subseção II
Do Estorno ou Anulação do Débito Fiscal

Art. 76. Escriturado o débito fiscal no livro correspondente, este só poderá ser estornado dentro do mesmo período de apuração.

  • O débito fiscal lançado a maior ou indevidamente, não sujeito ao estorno, poderá ser objeto de pedido de restituição.
  • A escrituração fiscal do estorno de débito será feita mediante emissão de Nota Fiscal, cuja natureza da operação será “Estorno de Débito”, explicitando-se, no corpo do referido documento, a origem e os motivos do lançamento, bem como o cálculo do seu valor.
  • A escrituração será feita consignando-se o valor da nota fiscal de que trata o parágrafo anterior, no Livro Registro de Apuração do ICMS no último dia do mês, no quadro “Crédito do Imposto – Estornos de Débitos”.

Seção X
Da Apuração do Imposto

Subseção I
Das Disposições Gerais

Art. 77. A apuração do ICMS se dará através de:

I – regime normal de apuração do imposto;

II – regime simplificado de apuração do imposto;

III – regime de estimativa;

IV – regime de apuração simplificado do imposto – SIMFAZ, conforme disposições dos artigos 652 a 674 deste Regulamento.

Art. 78. O montante do imposto resultante entre o devido nas operações e prestações tributadas e o cobrado relativamente às operações ou prestações anteriores será apurado por período mensal.

Art. 79. As obrigações consideram-se vencidas na data em que termine o período de apuração e são extintas por compensação ou mediante pagamento em moeda corrente, observado o seguinte:

I – as obrigações consideram-se extintas por compensação até o montante dos créditos escriturados no mesmo período mais o saldo credor de período ou períodos anteriores, se for o caso;

II – se o montante dos débitos do período superar o dos créditos, a diferença será extinta mediante pagamento dentro do prazo fixado pela legislação tributária estadual;

III – se o montante dos créditos superar dos débitos, a diferença será transportada para o período seguinte.

Art. 80. Em substituição ao regime de apuração mencionado nos artigos 77 e 78 poderão ser utilizados os seguintes critérios:

I – cotejo entre créditos e débitos efetuado:

  1. a) por mercadoria ou serviço dentro de determinado período;
  2. b) por mercadoria ou serviço em cada operação;

II – pagamento do imposto em parcelas periódicas e calculado por estimativa, para um determinado período, em função do porte ou da atividade do estabelecimento, assegurado ao sujeito passivo o direito de impugná-la e instaurar processo contraditório.

Art. 81. Não será restituível o saldo credor existente na data do encerramento das atividades de qualquer estabelecimento.

Art. 82. O disposto nesta subseção não se aplica às empresas enquadradas no Regime de Apuração Simplificado do ICMS –SIMFAZ.

Subseção II
Do Regime Normal de Apuração do Imposto

Art. 83. Com base na respectiva escrituração, o valor do ICMS a recolher resultará da diferença, a maior, em cada período mensal, entre o débito do imposto referente às saídas de mercadorias e/ou prestação de serviços e o crédito relativo às mercadorias adquiridas ou aos serviços utilizados, sendo que:

I – haverá saldo devedor, quando o débito for maior que o crédito do imposto;

II – haverá saldo credor, quando o débito for menor que o crédito do imposto;

III – o saldo credor verificado a favor do contribuinte num período mensal será transferido para o período subseqüente;

IV – no total do débito, em cada período, devem estar compreendidas as importâncias relativas:

  1. a) às saídas e às prestações de serviço com débito do imposto;
  2. b) aos estornos de créditos;
  3. c) a outros débitos;

V – no total do crédito, em cada período, devem estar compreendidas as importâncias relativas:

  1. a) às entradas e às prestações de serviços com crédito do imposto;
  2. b) ao eventual saldo credor do período anterior;
  3. c) aos estornos de débitos;
  4. d) a outros créditos.
  • O mês será o período considerado para efeito da apuração do valor do ICMS a recolher.
  • É vedada a transferência de crédito de um estabelecimento para outro ainda que do mesmo titular, ressalvada a hipótese prevista no art. 69 deste Regulamento.

*Parágrafo único renumerado para § 1º e § 2º acrescentado pelo Decreto nº 22.667 de 28.01.04, com vigência a partir de 29.01.04.

Subseção III
Do Regime Simplificado de Apuração do Imposto

Art. 84. O regime simplificado de apuração do ICMS poderá ser aplicado quando ocorrer uma das situações abaixo:

I – aquisição de mercadoria por pessoa não inscrita no CACESE;

II – operações realizadas por estabelecimento de existência transitória;

III – nas hipóteses de substituição tributária ou antecipação por força da não retenção do imposto pelo remetente;

IV – fornecimento de refeição por contribuintes do ICMS usuários de Equipamento Emissor de Cupom Fiscal que atenda os requisitos definidos nos artigos 350 a 453 deste Regulamento, observado o disposto nos §§ 3º ao 7º deste artigo;

V – nas operações com produtos da cesta básica, observado o disposto no § 8º deste artigo, no inciso I do art. 786 e no art. 787 deste Regulamento.

VI – no fornecimento de alimentos preparados preponderantemente para empresas, observado o disposto nos §§ 3º ao 7º e 9º ao 11 deste artigo

*Inciso VI, acrescentado pelo Decreto nº 22.830 de 18.06.04, com vigência a partir de 01.07.2004.

  • A apuração do imposto na hipótese dos incisos I, II e III do “caput” deste artigo será feita com base na diferença a maior entre o montante do imposto relativo à operação ou prestação a tributar e o cobrado na operação ou prestação anterior.
  • Nas hipóteses de que trata os incisos I, II e III do “caput” deste artigo deverá ser observado o seguinte:

I – o ICMS será cobrado mediante a apresentação do documento fiscal ou do mapa de apuração, conforme o caso;

II – se as mercadorias estiverem desacompanhadas da documentação fiscal, o imposto será exigido pelo seu total, sem qualquer dedução;

III – atendendo a peculiaridade de determinadas operações ou prestações de serviços, o imposto poderá ser apurado por mercadoria ou serviços à vista de cada operação ou prestação ou por período diferente do definido no parágrafo único do art. 83 na forma como dispuser ato do Secretário de Estado da Fazenda.

  • 3º. A apuração do imposto, na hipótese de que tratam os incisos IV e VI do “caput” deste artigo, será feita mediante a aplicação do percentual de 6% (seis por cento) sobre o faturamento total do mês, subtraído deste o faturamento referente às saídas isentas ou não tributadas e às mercadorias sujeitas à substituição tributária. (NR)”
  • 3º- A – REVOGADO

*§ 3º-A alterado pelo Decreto nº 26.029, de 27.03.2009, com vigência a partir de 30.03.2009.

*Redação revogada

“§ 3º-A. Alternativamente ao § 3º, para o contribuinte varejista que exerce atividade econômica das posições 561 e 562 do CNAE, pode ser adotado regime de apuração simplificado com valor fixo, observando-se o disposto nos §§ 4º, 5º, 6º, 7º e 9º, e ainda o que segue:

I – o valor deve ser fixado em UFP/SE, com base no faturamento dos últimos 12 (doze) meses, ou proporcional ao tempo de atividade, se menor que 01 (um) ano;

II – na hipótese de estabelecimento novo, o valor deve ser estimado pelo postulante e analisado pela SEFAZ;

III – o beneficiário fica dispensado:

  1. a) do uso da solução de Transferência Eletrônica de Fundos interligado ao equipamento ECF; e
  2. b) do pagamento da antecipação tributária sem encerramento da fase de tributação;

IV – o beneficiário fica autorizado ao uso do equipamento do tipo” Point of Sale” – POS, para vendas com cartão de crédito;

V – não se inclui neste regime o produto sujeito à substituição tributária ou antecipação tributária com encerramento da fase de tributação, bem como do recolhimento do diferencial de alíquota”

*§ 3º-A alterado pelo Decreto nº 24.456, de 18.06.07, com vigência a partir de 19.06.07.

*Redação Anterior com vigência 01.08.06 até 18.06.07.

  • 3º-A. Alternativamente ao § 3º, para o contribuinte varejista que exerce atividade econômica da posição 552 do CNAE, pode ser adotado regime de apuração simplificado com valor fixo, observando-se o disposto nos §§ 4º, 5º, 6º, 7º e 9º, e ainda o que segue:

*§ 3º-A do art. 84, acrescentado pelo Decreto nº 24.021 de 04.10.06, com vigência a partir de 01.08.06.

*Parágrafo 3º alterado pelo  Decreto nº 23.015 de 29 de novembro de 2004, com vigência a partir de 30.11.04.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 29.11.2004

  • 3º A apuração do imposto, na hipótese de que tratam os incisos IV e VI do “caput” deste artigo, será feita mediante a aplicação do percentual de 6% (seis por cento) sobre o faturamento total do mês, subtraído deste, o faturamento referente às mercadorias sujeitas à substituição tributária.

  • Na hipótese dos incisos IV e VI do “caput” deste artigo, quando da apuração de que trata o § 3º, fica vedada a utilização de quaisquer créditos fiscais relacionados com a aquisição de bens e mercadorias, exceto o crédito presumido de que trata o inciso XX do art. 57. (NR)

*§ 4º alterado pelo Decreto nº 26.029, de 27.03.2009, com vigência a partir de 30.03.2009.

*Redação anterior com vigência de 1º.07.2004 até 29.03.2009.

“§ 4º Na hipótese dos incisos IV e VI do “caput” deste artigo, quando da apuração de que trata o parágrafo anterior, fica vedada a utilização de quaisquer créditos fiscais relacionados com a aquisição de bens e mercadorias exceto o crédito presumido de que trata art. 57, inciso XX.”

  • Para a fruição do regime simplificado de que tratam os incisos IV e VI do “caput” deste artigo, o contribuinte deverá requerer regime especial de tributação, observando o que segue:

 I – não possuir débito inscrito na dívida ativa do Estado ;

 II – não estar em atraso com o pagamento do ICMS;

 III – não estar em atraso com o pagamento do ICMS decorrente de parcelamento, inclusive débito inscrito na dívida ativa;

 IV – não estar em atraso no cumprimento de suas obrigações acessórias;

 V – estar utilizando o Equipamento Emissor de Cupom Fiscal – ECF, na hipótese do inciso IV do “caput” deste artigo.

 VI – Exibir ao Fisco, quando solicitado contrato de fornecimento de alimentação, na hipótese do inciso VI do “caput” deste artigo.

  • 6º Ocorrerá o desenquadramento do regime de apuração de que tratam os incisos IV e VI do “caput” deste artigo:

I – a pedido do contribuinte, mediante solicitação por escrito;

II – quando for detectado venda de refeição sem emissão de documento fiscal, ou por valor inferior ao da operação;

III – a critério da Secretaria de Estado da Fazenda.

*Parágrafos 3º, 4º, 5º e 6º alterados pelo  Decreto nº 22.830 de 18 de junho de 2004, com vigência a partir de 01.07.04.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 30.06.2004

  • 3º A apuração do imposto, na hipótese de que trata o inciso IV do “caput” deste artigo, será feita mediante a aplicação do percentual de 6% (seis por cento) sobre o faturamento total do mês, subtraído deste, o faturamento referente às mercadorias sujeitas à substituição tributária.
  • 4º Na hipótese do inciso IV do “caput” deste artigo, na apuração de que trata o parágrafo anterior, fica vedada a utilização de quaisquer créditos fiscais relacionados com a aquisição de mercadorias destinadas à produção de refeição, inclusive de energia elétrica.
  • 5º Para a fruição do regime simplificado de que trata o inciso IV do “caput” deste artigo, o contribuinte deverá requerer regime especial de tributação, observando o que segue:

I – não possuir débito inscrito na dívida ativa do Estado ;

II – não estar em atraso com o pagamento do ICMS;

III – não estar em atraso com o pagamento do ICMS decorrente de parcelamento, inclusive débito inscrito na dívida ativa;

IV – não estar em atraso no cumprimento de suas obrigações acessórias;

V – estar utilizando o Equipamento Emissor de Cupom Fiscal – ECF.

  • 6º Ocorrerá o desenquadramento do regime de apuração de que trata o inciso IV do “caput” deste artigo:

I – a pedido do contribuinte, mediante solicitação por escrito, hipótese em que o retorno ao regime normal de apuração somente ocorrerá também em início de período mensal de apuração;

II – quando for detectado venda de refeição sem emissão de Cupom Fiscal – ECF, ou por valor inferior ao da operação;

III – a critério da Secretaria de Estado da Fazenda.”

  • A opção de que trata o § 5º deste artigo será formalizada à Superintendência de Gestão Tributária – SUPERGEST e somente produzirá efeito a partir do mês seguinte ao da data do Termo de Acordo.
  • A forma de apuração do ICMS de que trata o inciso V do “caput” deste artigo, somente poderá ocorrer em início do período mensal de apuração do ICMS.
  • 9º. O retorno ao regime normal de apuração somente ocorrerá em início de período mensal de apuração.
  • 10. O contribuinte que optar pelo regime simplificado de que tratam os incisos IV e VI do “caput” deste artigo ficarão obrigados a demonstrar mensalmente as aquisições de mercadorias sujeitas à substituição tributária, conforme dispuser o regime especial de que trata o § 5º deste mesmo artigo.
  • 11. O Regime Simplificado de Apuração de que trata este artigo não se aplica:

I – ao crédito tributário exigido através de lançamento de ofício;

II – nas hipóteses dos incisos IV e VI, às mercadorias:

  1. a) sujeitas à substituição tributária;
  2. b) sujeitas à antecipação tributária de que tratam os artigos 781 a 796;
  3. c) elencadas no art. 40, VIII, b. ”

*Parágrafos  9, 10 e 11, acrescentados pelo  Decreto nº 22.830  de 18 de junho de 2004, com vigência a partir de 01.07.2004.

Subseção IV
Do Regime de Estimativa

 Art. 85. O Regime de Estimativa Fiscal poderá ser aplicado aos contribuintes dos setores de atividade econômica que preencham uma das seguintes condições:

I – atividade de difícil controle por parte da administração tributária estadual em razão da natureza das operações realizadas, valor das vendas, quantidades vendidas ou condições em que efetuar o negócio, seja impraticável a emissão de Nota Fiscal;

II – índice de recolhimento incompatível com a sua realidade econômico-financeira;

III – periodicidade das atividades econômicas.

Art. 86. Para determinação do valor da base de cálculo do imposto, levar-se-á em consideração, no mínimo, quanto ao período base:

I – o valor das entradas e/ou das saídas de mercadorias;

II – a margem de agregação do setor em que atua;

III – o valor das despesas gerais do estabelecimento;

IV – o horário mais significativo para o tipo de atividade do contribuinte.

  • Do valor a que se refere o inciso I do “caput” deste artigo, deverão ser excluídos os valores referentes à substituição e antecipação tributária com encerramento da fase de tributação.
  • O valor da base de cálculo a que se refere o “caput” deste artigo será fixado por um período de 6 (seis) meses.
  • Será considerado período base, para efeito de estimativa fiscal, prazo não superior a 6 (seis) meses, imediatamente anterior ao da estimativa.

Art. 87. As informações necessárias à fixação do valor estimado, a critério da autoridade administrativa, serão obtidas:

I – mediante fornecimento pelo próprio contribuinte, no prazo fixado pela autoridade competente;

II – com base nos dados econômico-fiscais existentes na Secretaria de Estado da Fazenda;

III – mediante apuração pelo Fisco Estadual.

Art. 88. O ICMS estimado deverá ser recolhido no prazo estabelecido para o recolhimento do ICMS normal.

Ver Portaria nº 672/2011, de 26.10.2011.

Art. 89. O recolhimento do ICMS estimado não desobriga o contribuinte do pagamento do tributo devido na qualidade de contribuinte substituto.

Art. 90. O enquadramento de estabelecimento no Regime de Estimativa Fiscal não dispensa o sujeito passivo do cumprimento de obrigações acessórias.

Art. 91. É facultado ao contribuinte requerer, fundamentadamente, revisão do valor estimado, no prazo máximo de 30 (trinta) dias, a contar da data da ciência do respectivo valor.

Art. 92. A revisão de que trata o art. 91 deste Regulamento não autoriza o contribuinte ao não pagamento do valor estimado até decisão em contrário.

Art. 93. Decorridos 30 (trinta) dias contados da data da protocolização do pedido de revisão de que trata o artigo anterior, sem que a SEFAZ tenha se pronunciado a respeito, o contribuinte poderá recolher o valor requerido até decisão em contrário.

Art. 94. O Secretário de Estado da Fazenda expedirá normas complementares necessárias à execução do Regime de Estimativa, especialmente quanto a:

I – documentação a ser fornecida pelo contribuinte;

II – seleção dos setores de atividade econômica;

III – fixação das margens de agregação por setor;

IV – procedimentos relativos ao recolhimento do imposto e ao pedido de revisão.

Subseção V
Da Centralização da Apuração do Imposto

   Art. 95. Os saldos devedores e credores resultantes da apuração prevista no art. 78, efetuada a cada período em cada um dos estabelecimentos do mesmo titular localizados em território sergipano, deverão ser compensados centralizadamente, sendo o resultado, quando devedor, objeto de recolhimento único. (Lei Complementar Federal n.º 102/2000 e Lei Estadual n.º 4.314/00).

            Art. 96. Para compensação, os saldos referidos no artigo anterior serão transferidos, total ou parcialmente, para estabelecimento centralizador, eleito segundo o regime de apuração do imposto, pelo titular, entre aqueles que estiverem sujeitos ao menor prazo para pagamento do imposto.

  • A compensação somente se fará entre estabelecimentos enquadrados no mesmo regime de apuração do imposto.
  • O contribuinte deverá fazer comunicação, de preferência via Internet, através do site www.sefaz.se.gov.br. à Secretaria de Estado da Fazenda, indicando o estabelecimento centralizador responsável pela compensação de créditos e débitos, bem como a relação de todos estabelecimentos envolvidos nessa sistemática de apuração, e a referida compensação somente deverá ser realizada:

I – a partir do mês subseqüente ao da comunicação, se esta informação foi transmitida até o dia 15 de cada mês;

II – a partir do 2º (segundo) mês subseqüente ao da comunicação, se esta informação foi transmitida após o dia 15 de cada mês

* § 2º. alterado pelo Decreto nº 21.882, de 02/06/2003, com vigência a partir de 03/06/2003.

* Redação Anterior com vigência de 01/05/2003 até 02/06/2003.

“§ 2º O contribuinte deverá fazer comunicação, por escrito, indicando o estabelecimento centralizador responsável pela compensação de créditos e débitos, bem como a relação de todos estabelecimentos envolvidos nessa sistemática de apuração, que deverá ser entregue na Gerência- Geral de Controle Tributário – GERCONT da Secretaria de Estado da Fazenda.”

  • Havendo inclusão de novo estabelecimento nesta sistema de compensação, deverá ser também comunicado o fato, via internet, indicando o novo estabelecimento.

*§ 3º. alterado pelo Decreto nº 21.882, de 02/06/2003, com vigência a partir de 03/06/2003.

*Redação Anterior com vigência de 01/05/2003 até 02/06/2003.

“§ 3º Havendo inclusão de novo estabelecimento neste sistema de compensação, deverá ser também comunicado o fato, por escrito, indicando o novo estabelecimento.”

  • Na hipótese do contribuinte eleger outro estabelecimento para recepcionar os débitos e créditos em substituição ao já eleito, deverá comunicar o fato, via internet, à Secretaria de Estado da Fazenda.

*§ 4º. alterado pelo Decreto nº 21.882, de 02/06/2003, com vigência a partir de 03/06/2003.

*Redação Anterior com vigência de 01/05/2003 até 02/06/2003.

  • 4º Na hipótese do contribuinte eleger outro estabelecimento para recepcionar os débitos e créditos em substituição ao já eleito, deverá comunicar o fato a Secretaria de Estado da Fazenda.”

  • Na hipótese de ocorrência do disposto no § 4º deste artigo, a compensação no novo estabelecimento eleito somente poderá ser efetuada a partir do 2º (segundo) mês subseqüente ao da comunicação.

*§ 5º. alterado pelo Decreto nº 21.882, de 02/06/2003, com vigência a partir de 03/06/2003.

*Redação Anterior com vigência de 01/05/2003 até 02/06/2003.

  • 5º Na hipótese do parágrafo anterior, a compensação neste estabelecimento somente poderá ser efetuada a partir do mês subseqüente ao da comunicação.”

Art. 97. Para efeito da transferência dos débitos e/ou créditos de que trata o art. 96 deste Regulamento, cada estabelecimento deve apurar o imposto relativo às operações ou prestações que realizar, transferindo para o estabelecimento centralizador:

I – o saldo devedor do imposto;

II – o saldo credor do imposto.

Art. 98. A transferência de saldos de que trata o art. 96 deve ser feita mediante emissão de Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A, que, além das demais exigências previstas na legislação, deve indicar:

I – como natureza da operação: “Apuração Centralizada – Transferência de Saldos”;

II – valor transferido, em algarismos e por extenso;

III – natureza devedora ou credora do saldo transferido.

  • O estabelecimento centralizador deve:

I – lançar, no livro Registro de Apuração do ICMS, os débitos e os créditos recebidos, indicando os estabelecimentos de origem;

II – indicar, na Declaração de Informação do Contribuinte – DIC, o montante de forma consolidada, os débitos e os créditos, e o imposto a recolher.

  • O estabelecimento transmitente deve:

I – relativamente ao crédito, lançar no livro de Registro de Apuração do ICMS:

  1. a) no campo “DÉBITO DO IMPOSTO” – Item 002, “OUTROS DÉBITOS”, o valor objeto da transferência de crédito;
  2. b) no Campo Observações, o número da Nota Fiscal emitida para efeito de transferência e a inscrição do estabelecimento centralizador.

II – relativamente ao débito, lançar no livro de Registro de Apuração do ICMS:

  1. a) no campo “CRÉDITO DO IMPOSTO” – Item 007, “OUTROS CRÉDITOS”, o valor objeto da transferência de débito;
  2. b) no Campo Observações, o número da Nota Fiscal emitida para efeito de transferência e a inscrição do estabelecimento centralizador.

III – indicar na Declaração de Informação do Contribuinte – DIC, no campo próprio:

  1. a) a identificação do estabelecimento centralizador;
  2. b) o número da Nota Fiscal objeto da transferência

Art. 98-A. O disposto nesta Subseção V não se aplica às empresas beneficiadas pelo Programa Sergipano de Desenvolvimento Industrial – PSDI, casos em que os débitos e créditos devem ser apurados em cada estabelecimento.

*Art. 98-A acrescentado pelo Decreto nº 22.764 de 19.04.2004, com vigência a partir de 01.01.2004.

Seção XI
Do Recolhimento do Imposto

Subseção I
Dos Prazos

Art. 99. Os prazos para recolhimento do ICMS serão estabelecidos em ato do Secretário de Estado da Fazenda.

  • O débito fiscal não pago no prazo fixado, fica sujeito à atualização monetária, juros e multa de mora.
  • No caso de encerramento das atividades do estabelecimento, o ICMS relativo ao estoque existente na data do pedido de baixa, deverá ser pago na data em que esta for requerida, devendo ser anexada ao referido pedido, cópia do documento comprobatório do pagamento.
  • Quando ocorrer reajustamento do preço da operação ou prestação, o imposto correspondente ao acréscimo do valor será recolhido no prazo das obrigações normais do contribuinte.
  • O ICMS devido por contribuintes não inscritos no CACESE será recolhido por antecipação ou substituição tributária.
  • Nas vendas efetuadas neste Estado por contribuinte de outras Unidades da Federação, observar-se-á o disposto nos artigos 558 a 561.
  • O recolhimento do ICMS, quando o contribuinte estiver localizado em outra Unidade Federada, será efetuado através da Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais – GNRE, nos prazos fixados em ato do Secretário de Estado da Fazenda.
  • O imposto retido será recolhido em agência de qualquer banco oficial signatário de Convênio patrocinado pela Associação Brasileira dos Bancos Comerciais Estaduais – ASBACE, localizada na praça do estabelecimento remetente, ou ainda, na falta desta, em agência de banco credenciado pelo Estado de Sergipe.
  • Os bancos deverão repassar os valores arrecadados, na forma e prazo estabelecidos em Convênio específico, na Conta Única n.° 400.315-5, mantida no Banco do Estado de Sergipe – BANESE.
  • O contribuinte substituto deverá em relação a cada regime de substituição tributária previsto em Convênio ou Protocolo recolher o ICMS devido em GNRE distinta.
  • 10. Nas saídas interestaduais dos produtos abaixo relacionados, promovidas por contribuinte inscrito ou não no Cadastro de Contribuintes do Estado de Sergipe – CACESE, o ICMS devido será pago através do Documento de Arrecadação Estadual – DAE, na Exatoria Estadual do domicílio fiscal do contribuinte, antes de iniciada a respectiva saída:

I – cascos;

II – castanha de caju;

III – chifres;

IV – couros e peles em estado fresco, salgado e/ou salmourado;

V – farinha de mandioca;

VI – ossos;

VII – produtos gordurosos não comestíveis de origem animal, inclusive sebos, exceto os industrializados (Convênios ICM 15/88 e ICMS 89/99);

VIII – laranja, exceto nas saídas promovidas por cooperativa de produtores ou associação de que o produtor faça parte;

IX – coco seco.

 X – papel usado e aparas de papel, sucata de metal, ferro velho, caco de vidro, fragmentos de plástico e de tecido e demais sucatas.

*Inciso X acrescentado pelo Decreto nº 23.015, de 29.11.2004, com vigência a partir de 30.11.2004.

XI – milho;

XII – feijão.

*Incisos XI e XII acrescentados pelo Decreto nº 23.381, de 16.09.2005, com vigência a partir de 31.09.2005.

  • 11. Nas saídas interestaduais dos produtos elencados no parágrafo anterior, promovidas por contribuintes inscritos no CACESE, o funcionário do Fisco Estadual deverá fazer constar, nas vias da respectiva Nota Fiscal emitida pelo contribuinte, a expressão: “ICMS pago – DAE nº…”, seguida da sua assinatura e do número do seu documento de identidade.
  • 12. A Nota Fiscal relativa à saída interestadual, com pagamento do ICMS, dos produtos indicados no § 10 deste artigo, será escriturada no Livro Registro de Saídas, nas colunas com os títulos “ICMS – Valores Fiscais” e “Operações sem Débito de Imposto – Outras”, devendo constar, na coluna “Observações”, a expressão: “ICMS pago – DAE nº…”.
  • 13. O Documento de Arrecadação Estadual– DAE, comprovando o recolhimento do imposto dos produtos elencados no § 10 deste artigo, acompanhará a mercadoria juntamente com a Nota Fiscal, para fins de transporte e de aproveitamento do crédito fiscal pelo destinatário (Conv. ICM 15/88).
  • 14. Não se aplica o disposto no § 10 deste artigo às remessas efetuadas por contribuinte optante pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte – Simples Nacional, com receita bruta anual até o sublimite adotado pelo Estado de Sergipe.

*§ 14. acrescentado pelos Decretos nºs 24.755 e 24.764 de 17.10.2007, com vigência a partir de 18.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2007.

Art. 100. Os prazos serão contínuos, excluindo-se na sua contagem o dia de início e incluindo-se o de vencimento.

Parágrafo único. Os prazos só se iniciam ou vencem em dia de expediente normal na repartição onde deva ser realizado o pagamento, ficando este prorrogado para o dia imediatamente posterior na hipótese de o vencimento ocorrer em dia em que não haja expediente normal.

Vide Portaria n.º 1.116/2000, que dispõe sobre período de apuração e prazo de pagamento do ICMS.

Subseção II
Do Pagamento

Art. 101. O ICMS será recolhido nos órgãos arrecadadores estaduais ou na rede bancária autorizada, no local de ocorrência da operação ou prestação tributável, assim considerado o da situação:

I – da mercadoria ou da prestação, no momento da ocorrência do fato gerador;

II – do estabelecimento do comerciante ou industrial transmitente da propriedade de mercadoria que por ele não tenha transitado;

III – do estabelecimento do comerciante ou industrial, ao qual couber, nos termos deste Regulamento, recolher o imposto devido sobre operações ou prestações de serviço de que resultar a entrada de mercadoria em seu estabelecimento ou a utilização de serviço;

IV – do estabelecimento depositante, quando a operação tributável tiver por objeto mercadoria depositada em armazém por contribuinte deste Estado;

V – do estabelecimento produtor de onde sair a mercadoria, quando lhe couber recolher o imposto incidente sobre a operação;

VI – do estabelecimento prestador de serviço, quando lhe couber recolher o imposto;

VII – da repartição aduaneira, localizada neste Estado, em que:

  1. a) se processar o desembaraço de mercadorias importadas e ocorrer o ato final da prestação de serviço de transporte iniciada no exterior;
  2. b) for realizado leilão ou qualquer outra modalidade de licitação de mercadorias importadas.

Parágrafo único. O recolhimento de que trata este artigo poderá, excepcionalmente, ser efetuada fora do local da ocorrência da operação ou prestação tributável, desde que autorizado pelo Secretário de Estado da Fazenda.

Art. 102. Quando o desembaraço aduaneiro se verificar em outra Unidade Federada, o ICMS relativo à importação, por pessoa física ou jurídica, de mercadoria ou bem e à prestação de serviço de transporte iniciada no exterior será recolhido na agência do Banco do Brasil S.A. onde forem efetuados os recolhimentos dos tributos federais devidos na ocasião, em GNRE.

Art. 103. Quando o contribuinte for inscrito no CACESE, o imposto deverá ser recolhido junto ao órgão arrecadador ou à rede bancária autorizada do seu domicílio fiscal, observado o estabelecido nos artigos antecedentes.

Art. 104. Quando não houver órgão arrecadador ou rede bancária autorizada, o imposto será recolhido na repartição fazendária previamente determinada pelo Secretário de Estado da Fazenda.

Subseção III

Da Forma

           Art. 105. O ICMS será recolhido:

Vide Portaria nº 820/2003-SEFAZ que aprova Documentos de Arrecadação Estadual – DAE.

I – através do Documento de Arrecadação Estadual – DAE, quando se tratar de ICMS normal devido por contribuinte inscrito no CACESE;

II – através do Documento de Arrecadação Estadual – DAE, quando se tratar de ICMS devido por:

  1. a) produtor;
  2. b) remetente de papel usado e aparas de papel, sucata de metais, ferro velho, caco de vidro, fragmentos de plástico, de tecido e demais sucatas, nos termos do art. 17;
  3. c) contribuinte substituto localizado neste Estado ou no caso de antecipação tributária;
  4. d) pessoa não inscrita no CACESE;
  5. e) outras hipóteses a critério do Secretário de Estado da Fazenda;

III – através da Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais – GNRE, quando o imposto deva ser recolhido em outra Unidade Federada.

  • O DAE poderá ser emitido em qualquer Repartição Fazendária informatizada ou através da internet no “site”: “www.sefaz.se.gov.br”.
  • Na impossibilidade de emissão eletrônica do DAE, o Auditor Técnico de Tributos poderá emitir o Documento de Arrecadação – DAR, Modelo III, manualmente.
  • O DAE não poderá conter emenda ou rasura ou ser objeto de fraude ou adulteração.

Art. 106. As pessoas físicas e jurídicas não inscritas no CACESE recolherão o imposto em seu próprio nome sempre que realizarem operações ou prestações de serviços sujeitas ao ICMS.

Art. 107. A Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais – GNRE, modelo 23, a ser aprovada através de ato do Secretário de Estado da Fazenda, conterá o seguinte (Ajuste SINIEF 11/97):

I – denominação “Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais – GNRE”;

II – Campo 1 – Código da Unidade Federada favorecida;

III – Campo 2 – Código da Receita: será preenchido pelo contribuinte, conforme especificado em tabela impressa no verso da GNRE;

IV – Campo 3 – CNPJ/CPF do contribuinte: será identificado o número do CNPJ ou CPF/MF, conforme o caso;

V – Campo 4 – Número do Documento de Origem: será identificado somente o número do auto de infração, do parcelamento, da inscrição como dívida ativa ou da declaração da importação, conforme o caso, atendendo as necessidades de cada UF;

VI – Campo 5 – Período de Referência ou Número Parcela: será indicado o mês e ano (no formato MM/AAAA) referente à ocorrência do fato gerador do tributo ou o número da parcela, quando se tratar de parcelamento;

VII – Campo 6 – Valor Principal: será indicado o valor nominal histórico do tributo;

VIII – Campo 7 – Atualização Monetária: será indicado o valor da atualização monetária incidente sobre o valor principal;

IX – Campo 8 – Juros: será indicado o valor dos juros de mora;

X – Campo 9 – Multa: será indicado o valor da multa de mora ou da multa aplicada em decorrência da infração;

XI – Campo 10 – Total a Recolher: será indicado o valor do somatório dos campos 6 a

XII – Campo 11 – Reservado: para uso das UF’s;

XIII – Campo 12 – Microfilme;

XIV – Campo 13 – UF Favorecida: será indicado o nome e a sigla da Unidade da Federação favorecida;

XV – Campo 14 – Data de Vencimento: indicar o dia, mês e ano (no formato DD/MM/AAAA) em que o tributo deverá ser recolhido;

XVI – Campo 15 – Número do Convênio ou Protocolo/Especificação da Mercadoria: será indicado o número do Convênio ou Protocolo que criou a obrigação tributária e especificada a mercadoria correspondente ao pagamento do tributo;

XVII – Campo 16 – Nome, Firma ou Razão Social: será indicado o nome, a firma ou a razão social, do contribuinte;

XVIII – Campo 17 – Inscrição Estadual na UF Favorecida: o contribuinte indicará o número de sua inscrição estadual na Unidade da Federação favorecida;

XIX – Campo 18 – Endereço Completo: será indicado o logradouro, o número e complemento do endereço do contribuinte;

XX – Campo 19 – Município: será indicado o Município do contribuinte;

XXI – Campo 20 – UF: será indicada a sigla da Unidade da Federação do contribuinte;

XXII – Campo 21 – CEP: será indicado o Código de Endereçamento Postal do contribuinte;

XXIII – Campo 22 – DDD/Telefone: será indicado o número do telefone do contribuinte;

XXIV – Campo 23 – Informações Complementares: reservado a outras informações exigidas pela legislação tributária ou que se façam necessárias;

XXV – Campo 24 – Autenticação: espaço para aposição da chancela indicativa do recolhimento da receita pelo agente arrecadador;

XXVI – Campo 25 – Código de Barras: espaço reservado para impressão do Código de Barras.

  • A GNRE conterá, no verso, além de opções para preenchimento, o seguinte:

I – a tabela de códigos das Unidades da Federação abaixo indicada:

01 – 9 Acre 16 – 7 Paraíba
02 – 7 Alagoas 17 – 5 Paraná
03 – 5 Amapá 18 – 3 Pernambuco
04 – 3 Amazonas 19 – 1 Piauí
05 – 1 Bahia 20 – 5 Rio Grande do Norte
06 – 0 Ceará 21 – 3 Rio Grande do Sul
07 – 8 Distrito Federal 22 – 1 Rio de Janeiro
08 – 6 Espírito Santo 23 – 0 Rondônia
10 – 8 Goiás 24 – 8 Roraima
12 – 4 Maranhão 25 – 6 Santa Catarina
13 – 2 Mato Grosso 26 – 4 São Paulo
28 – 0 Mato Grosso do Sul 27 – 2 Sergipe
14 – 0 Minas Gerais 29 – 9 Tocantins
15 – 9 Pará

II – as especificações e códigos de receita a seguir indicados:

  1. a) ICMS Comunicação – Código 10001-3;
  2. b) ICMS Energia Elétrica – Código 10002-1;
  3. c) ICMS Transporte – Código 10003-0;
  4. d) ICMS Substituição Tributária por apuração – Código 10004-8 ( Ajuste SINIEF 06/01 – Decreto n.º 20.702);
  5. e) ICMS Importação – Código 10005-6;
  6. f) ICMS Autuação Fiscal – Código 10006-4;
  7. g) ICMS Parcelamento – Código 10007-2;
  8. h) ICMS Dívida Ativa – Código 15001-0;
  9. i) Multa por infração à obrigação acessória – Código 50001-1;
  10. j) Taxa – Código 60001-6;
  11. l) recolhimentos especiais – código 1000-8 (Ajuste Sinief 01/01);
  12. m) ICMS Substituição Tributária por Operação – Código 10009-9 (Ajuste SINIEF 06/01 – Decreto n.º 20.702/02). (NR)

*Alínea “m” alterada pelo Decreto nº 28.387 de 27.02.2012, com vigência a partir de 05.03.2012.

*Redação anterior com vigência até 04.03.2012.

“m) ICMS Substituição Tributária por Operação (Ajuste SINIEF 06/01 – Decreto n.º 20.702).”

  • A GNRE obedecerá às seguintes especificações gráficas:

I – medidas:

  1. a) 10,5 x 21,0 cm, quando impressa em formulário plano;
  2. b) 10,2 x 24,0 cm, quando impressa em formulário contínuo;

II – será utilizado papel sulfite (apergaminhado) branco, de primeira qualidade, gramatura de 75 gramas por metro quadrado;

III – o texto e a tarja da GNRE serão impressos na cor preta.

  • A GNRE será emitida em 3 (três) vias, que terão a seguinte destinação:

I – a primeira via será remetida pelo agente arrecadador ao Fisco da Unidade da Federação favorecida;

II – a segunda via ficará em poder do contribuinte;

III – a terceira via será retida pelo Fisco Federal, por ocasião do despacho aduaneiro ou da liberação da mercadoria na importação, ou pelo Fisco Estadual da Unidade da Federação destinatária, no caso da exigência do recolhimento imediato, hipótese em que acompanhará o trânsito da mercadoria.

  • Cada via conterá impressa a sua própria destinação na margem esquerda, observado, ainda, que as vias não se substituem nas suas respectivas destinações.
  • A impressão da GNRE deve ser feita em meio eletrônico, cujo arquivo para geração da mesma encontra-se disponível no site: “www.gnre.pe.gov.br“.

Vide Portaria n.º 144/98, Portaria n.º 1036/2001-SEFAZ e Portaria n.º  834/2002, que aprova o modelo da Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais On

Art. 107-A. A Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais On-Line – GNRE On-Line, Modelo 28, a ser aprovada através de ato do Secretário de Estado da Fazenda, conterá o seguinte (Ajuste SINIEF 01/2010):

Vide Portaria nº 672/2011, de 26.10.2011.

I – Denominação “Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais – GNRE On-Line”;

II – UF Favorecida: Sigla da unidade federada favorecida;

III – Código da Receita: Identificação da receita tributária;

IV – N.º de Controle: numero de controle do documento gerado pela UF favorecida;

V – Data de Vencimento: dia, mês e ano (no formato DD/MM/AAAA) de vencimento da obrigação tributaria;

VI – N.º do Documento de Origem: numero do documento vinculado a origem da obrigação tributária;

VII – Período de Referência: mês e ano (no formato MM/AAAA) referente à ocorrência do fato gerador do tributo;

VIII – N.º Parcela: número da parcela, quando se tratar de parcelamento;

IX – Valor Principal: valor nominal histórico do tributo;

X – Atualização Monetária: valor da atualização monetária incidente sobre o valor principal;

XI – Juros: valor dos juros de mora;

XII – Multa: valor da multa de mora ou da multa aplicada em decorrência da infração;

XIII – Total a Recolher: será indicado o valor do somatório dos campos: Valor Principal, Atualização Monetária, Juros e Multa;

XIV – Dados do Emitente:

  1. a) Razão Social: Razão Social ou nome do contribuinte;
  2. b) CNPJ/CPF: número do CNPJ ou CPF, conforme o caso;
  3. c) Inscrição Estadual: número da Inscrição Estadual;
  4. d) Endereço: logradouro, número e complemento do endereço do contribuinte;
  5. e) Município: Município do domicilio do contribuinte;
  6. f) UF: sigla da unidade da Federação do contribuinte;
  7. g) CEP: Código de Endereçamento Postal do contribuinte;
  8. h) DDD/Telefone: código DDD e numero do telefone do contribuinte;

XV – Dados do Destinatário:

  1. a) CNPJ/CPF: número do CNPJ ou CPF, conforme o caso;
  2. b) Inscrição Estadual: número da Inscrição Estadual;
  3. c) Município: Município do contribuinte destinatário;

XVI – Informações à Fiscalização:

  1. a) Convênio / Protocolo: número do Convênio ou Protocolo que criou a obrigação tributária;
  2. b) Produto: especificação da mercadoria correspondente ao pagamento do tributo;

XVII – Informações Complementares: outras informações exigidas pela legislação tributária ou que se façam necessárias, tais como o detalhamento da receita;

XVIII – Documento válido para pagamento até: data limite para recolhimento da receita pelo agente arrecadador;

XIX – Autenticação: chancela indicativa do recolhimento da receita pelo agente arrecadador quando o pagamento for efetivado na boca do caixa;

XX – Representação Numérica do Código de Barras: espaço reservado para impressão do Código de Barras;

XXI – Código de Barras: espaço reservado para impressão do Código de Barras.

  • A emissão da Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais – GNRE On-Line obedecerá às seguintes tabelas:

I – Especificações / Códigos de Receita:

 

a) ICMS Comunicação Código 10001-3
b) ICMS Energia Elétrica Código 10002-1
c) ICMS Transporte Código 10003-0
d) ICMS Substituição Tributária por Apuração Código 10004-8
e) ICMS Importação Código 10005-6
f) ICMS Autuação Fiscal Código 10006-4
g) ICMS Parcelamento Código 10007-2
h) ICMS Dívida Ativa Código 15001-0
i) Multa p/infração à obrigação acessória Código 50001-1
j) Taxa Código 60001-6
l) ICMS recolhimentos especiais Código 10008-0
m) ICMS Substituição Tributária por Operação Código 10009-9

 

II – Código de Identificação da Unidade da Federação favorecida, que deve constar no código de barras:

0290 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DO ACRE – EMISSÃO ON – LINE AC
0291 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE ALAGOAS – EMISSÃO ON – LINE AL
0292 SECRETARIA DA RECEITA DO ESTADO DO AMAPÁ – EMISSÃO  ON – LINE AP
0293 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DO AMAZONAS – EMISSÃO ON – LINE AM
0294 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DA BAHIA – EMISSÃO ON – LINE BA
0295 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DO CEARÁ  – EMISSÃO ON – LINE CE
0296 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO – EMISSÃO ON – LINE ES
0297 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE GOIÁS – EMISSÃO ON – LINE GO
0298 SECRETARIA DA FAZENDA DO DISTRITO FEDERAL – EMISSÃO ON – LINE DF
0299 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DO MARANHÃO – EMISSÃO ON – LINE MA
0300 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE MATO GROSSO – EMISSÃO ON – LINE MT
0301 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL – EMISSÃO ON – LINE MS
0302 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE MINAS GERAIS – EMISSÃO ON – LINE MG
0303 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DO PARÁ – EMISSÃO ON – LINE PA
0304 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DA PARAÍBA – EMISSÃO ON – LINE PB
0305 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DO PARANÁ – EMISSÃO ON – LINE PR
0306 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE PERNAMBUCO – EMISSÃO ON – LINE PE
0307 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DO PIAUÍ – EMISSÃO ON – LINE PI
0308 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – EMISSÃO ON – LINE RJ
0309 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE – EMISSÃO ON – LINE RN
0310 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL – EMISSÃO ON – LINE RS
0311 SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS DE RONDÔNIA – EMISSÃO ON – LINE RO
0312 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE RORAIMA – EMISSÃO ON – LINE RR
0313 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE SANTA CATARINA – EMISSÃO ON – LINE SC
0314 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO – EMISSÃO ON – LINE SP
0315 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE SERGIPE – EMISSÃO ON – LINE SE
0316 SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE TOCANTINS – EMISSÃO ON – LINE TO

 

  • A emissão da GNRE On-Line deve obedecer  o seguinte:

I – emitida exclusivamente através do Portal GNRE no sitio www.gnre.pe.gov.br , com validação nos sistemas internos de cada Secretaria Estadual;

II – deverá ser impressa em 02 (duas) e no máximo de 03 (três) vias, exclusivamente em papel formato A4;

  • As vias impressas da GNRE On-Line deverão ter a  seguinte destinação:

I – a primeira via será retida pelo agente arrecadador;

II – a segunda via ficará em poder do contribuinte;

III – a terceira via, quando impressa, deverá ser retida pelo fisco federal, por ocasião do despacho aduaneiro ou da liberação da mercadoria na importação, ou pelo fisco estadual da unidade da Federação destinatária, no caso da exigência do recolhimento imediato, hipótese em que deverá acompanhar o trânsito da mercadoria.

  • Cada via deve conter impressa a sua própria destinação na parte inferior direita do documento, observando, ainda, que as vias não se substituem nas suas respectivas destinações.
  • Na emissão da GNRE on line poderá também ser exigido pela SEFAZ/SE, o código de classificação de receita estadual associado ao Código de Receita a que se refere o inciso I do § 1º, hipótese em que será obrigatória a sua informação. (NR)

*Art. 107-A, acrescentado pelo Decreto nº 27.291, de 28.07.10, com vigência a partir de 30.07.10, produzindo seus efeitos a partir de 1º.09.2010.

Seção XII

Seção XII
Dos Acréscimos Moratórios

Art. 108. O pagamento espontâneo do imposto fora do prazo regularmente estabelecido e antes de qualquer procedimento fiscal, fica sujeito à multa de mora de 4% (quatro por cento) ao mês, “pro rata die”, calculado sobre o valor atualizado, até o limite de 12% (doze por cento) (Lei n.º 5.870/06). (NR)

*Art. 108 alterado pelo Decreto nº 23.829, de 02 de junho de 2006, com vigência a partir de 17 de maio de 2006.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 16.05.2006.

Art. 108. O pagamento espontâneo do imposto fora do prazo regularmente estabelecido e antes de qualquer procedimento fiscal, fica sujeito à multa de mora de 4% (quatro por cento) ao mês ou fração de mês, calculado sobre o valor atualizado, até o limite de 12% (doze por cento).

  • O débito tributário inclusive o decorrente de multa não pago no prazo regularmente estabelecido, atualizado monetariamente, se for o caso, será acrescido de 1% (um por cento) de juros ao mês ou fração de mês.
  • Os juros de mora incidirão a partir do primeiro dia do mês imediato subseqüente ao vencimento, e a multa de mora, a partir do primeiro dia após o vencimento do débito tributário.

Seção XIII
Da Atualização Monetária

Art. 109. Na falta de pagamento do imposto na data devida, o valor do crédito tributário, inclusive o decorrente de multa, será atualizado monetariamente, exceto no tocante a quantia depositada na forma da legislação tributária estadual.

  • A atualização de que trata este artigo será procedida com base na Unidade Fiscal Padrão do Estado de Sergipe – UFP/SE, ou outro indexador fixado pelo Poder Executivo Estadual, que preserve adequadamente o valor real do imposto.
  • Adotada a atualização monetária, é permitida a aplicação “pro rata” do índice.
  • Visando a uniformização da atualização do crédito tributário, a Fazenda Estadual poderá optar pelo índice fixado pela União na cobrança dos impostos federais.
  • A Secretaria de Estado da Fazenda divulgará periodicamente os fatores de conversão e atualização.
  • Quando não for possível precisar a data da ocorrência do fato gerador será considerado o último mês do período fiscalizado.
  • Nos casos de parcelamento, a atualização será calculada até o mês do deferimento do respectivo pedido, e, a partir deste, até o efetivo pagamento de cada parcela.

Vide Decreto nº 24.821/07, que dispõe sobre parcelamento de débitos do ICMS e decorrentes de compensações financeiras e dá providências correlatas.

Revogado o Decreto n.º 22.050/03, que dispõe sobre Parcelamento de Débito Fiscal, e sobre adjudicação de bens penhorados em execução fiscal, e dá providências correlatas pelo Decreto nº 24.821/07.

  • Quando o pagamento da atualização monetária ou dos juros de mora for a menor, a insuficiência será atualizada a partir do dia em que ocorreu aquele pagamento.
  • Para determinação do valor do imposto a ser exigido em Auto de Infração, os valores originais deverão ser atualizados nos termos definidos neste Regulamento, a partir da ocorrência da infração até a data da lavratura do Auto, e desta até a do efetivo pagamento.

Seção XIV
Da Restituição

Art. 110. Será restituído, no todo ou em parte, o valor do imposto indevidamente recolhido nos seguintes casos:

I – quando ocorrer cobrança ou pagamento espontâneo do imposto indevido ou maior que o devido, em face da legislação tributária do ICMS, ou da natureza ou circunstância material do fato gerador efetivamente ocorrido;

II – erro na identificação do sujeito passivo, na determinação da alíquota aplicável, no cálculo do montante do débito ou na elaboração ou conferência de qualquer documento relativo ao pagamento;

III – reforma, anulação, revogação ou rescisão de decisão condenatória.

Vide Portaria nº 062 de 08.02.2013.

Art. 111. A restituição do ICMS somente será deferida a quem prove haver efetuado o referido pagamento, ou, no caso de ter transferido o encargo a terceiro, estar por este expressamente autorizado a recebê-la.

Art. 112. A restituição total ou parcial do ICMS dá lugar à restituição, na mesma proporção, dos juros de mora, da atualização monetária e das penalidades pecuniárias, salvo as referentes a infrações de caráter formal não prejudicadas pela causa da restituição.

Art. 113. A restituição dar‑se‑á mediante requerimento do interessado, dirigido ao Secretário de Estado da Fazenda, cuja decisão caberá a Superintendência Geral de Gestão Tributária e não Tributária – SUPERGEST, observado o disposto no § 6º deste artigo.”. (NR)

*Caput do *Art. 113 alterado pelo Decreto nº 27.903, de 22.06.2011, com vigência a partir de 27.06.2011.
* Primeira redação impressa com vigência de 01.05.2003 até 26.06.2011.

“Art. 113. A restituição dar‑se‑á mediante requerimento do interessado dirigido ao Secretário de Estado da Fazenda, cuja decisão poderá ser delegada à Superintendência de Gestão Tributária – SUPERGEST.

  • O pedido de restituição do ICMS conterá os seguintes requisitos:

I – qualificação do requerente;

II – local, data e endereço do requerente;

III – número de inscrição no CNPJ e no CACESE, ou se for o caso, número do CPF e da carteira de identidade;

IV – comprovante do pagamento indevido;

V – motivo de fato e de direito em que se fundamenta a pretensão.

  • É assegurado ao contribuinte o direito de se creditar do ICMS pago a maior, independentemente de pedido de restituição, desde que este não seja superior a 10% (dez por cento) do valor do imposto recolhido no mês em que ocorreu o indébito e não ultrapasse 100 vezes o valor da UFP/SE.
  • O valor de que trata o parágrafo anterior será escriturado no Livro Registro de Apuração do ICMS, no campo “Crédito do Imposto”, item “007 – Outros Créditos”, devendo o contribuinte comunicar tal fato à Gerência Regional de Fiscalização de Estabelecimento – GERFIEST, sujeitando-se dito lançamento a posterior homologação.
  • A GERCONT poderá autorizar a restituição de pagamento em duplicidade, ou a maior, mediante emissão de parecer homologado pela Superintendência de Gestão Tributária – SUPERGEST.
  • Na hipótese de pagamento a maior, o processo deverá ser encaminhado ao Grupo Especializado para manifestação.
  • A decisão sobre valor a ser restituído superior a 3.873 (três mil oitocentos e setenta e três) UFPs, caberá ao Secretário de Estado da Fazenda.
  • 6º acrescentado pelo Decreto nº 27.903 de 22.06.2011, com vigência a partir de 27.06.2011.

Art. 114. O pedido de restituição do ICMS será formalizado e protocolizado na repartição fazendária do domicílio tributário do requerente, que se encarregará de encaminhar este ao Protocolo Geral da Secretaria de Estado da Fazenda – SEFAZ.

Parágrafo único. Opcionalmente, o requerente poderá apresentar o pedido de restituição no Protocolo Geral da SEFAZ.

Art. 115. Decorridos 90 (noventa) dias contados da data da protocolização do pedido de restituição, sem que a SEFAZ tenha se pronunciado a respeito, e, sendo o requerente inscrito no CACESE, o mesmo poderá escriturar como crédito, no Livro Registro de Apuração do ICMS, no campo “Crédito do Imposto”, item “007 – Outros Créditos”, o respectivo valor mencionando o número do protocolo correspondente.

Art. 116. Na hipótese do art. 115 deste Regulamento, sobrevindo decisão contrária irrecorrível, o contribuinte, no prazo de 15 (quinze) dias da respectiva notificação, procederá ao estorno dos créditos lançados, devidamente atualizados, com o pagamento dos acréscimos legais cabíveis. (NR)

*Art. 116 alterado pelo Decreto nº 22.764 de 19.04.2004, com vigência a partir de 01.01.2004.

*Redação anterior com vigência de 01.05.2003 até 31.12.2003.

Art. 116. Na hipótese do artigo anterior, sobrevindo decisão contrária irrecorrível, o contribuinte, no prazo de 15 (quinze) dias da respectiva notificação, procederá ao estorno dos créditos lançados, também devidamente atualizados, com o pagamento dos acréscimos legais cabíveis.”

Art. 117. Quando o requerente for contribuinte inscrito no CACESE, a restituição será feita mediante compensação, pela utilização da quantia restituída como crédito fiscal do estabelecimento, mencionando-se o número do respectivo processo nos livros e documentos fiscais.

  • Na hipótese do requerente ter débito inscrito na Dívida Ativa que ainda não tenha sido executado, o valor devido a título de restituição será utilizado para abater o do respectivo débito, devendo, para tanto, a GERCONT, adotar as providências cabíveis, conforme disciplinado em ato do Secretário de Estado da Fazenda.
  • Para efeito do disposto no parágrafo anterior, o valor a ser restituído deve ser maior ou igual ao valor do débito inscrito na dívida ativa, excluindo-se deste, o montante relativo à multa fiscal, que deverá ser recolhido simultaneamente.
  • Na hipótese da quantia a ser restituída ser inferior ao valor do débito inscrito, poderá o contribuinte complementá-la, desde que recolha também a multa fiscal.
  • 4º Na hipótese do contribuinte ter 100 % (cem por cento) de suas mercadorias tributadas por substituição tributária e na impossibilidade de compensação na forma do “caput” deste artigo, a restituição poderá ser autorizada em forma de ressarcimento conforme o disposto no art. 118 deste Regulamento, sendo facultado à SEFAZ dispensar a emissão do “Mapa de Comprovação de Ressarcimento”.

*§ 4º acrescentado pelo Decreto nº 22.057, de 28 de julho de 2003, com vigência a partir de 29/07/2003.

Seção XV
Do Ressarcimento

Subseção I
Nas Saídas Interestaduais

Vide Portaria n.º 846/2005-SEFAZ, que institui documento denominado “Mapa de Ressarcimento” e “Mapa de Ressarcimento/Medicamentos (NCM 3002,3003 e 3004) que deve ser utilizado pelos contribuintes para calcular o ICMS a ser ressarcido.

Art. 118. O contribuinte do ICMS que promover saídas interestaduais de mercadorias já alcançadas pelo regime de substituição tributária ou de antecipação tributária com encerramento da fase de tributação poderá recuperar, como crédito fiscal, a parcela do imposto retida na fonte ou antecipada, mediante emissão de nota fiscal eletrônica – NF-e, exclusiva para este fim, em nome do estabelecimento fornecedor que tenha retido originalmente o imposto ou em nome do próprio emitente, nos termos do art. 120, ficando obrigado a preencher a planilha denominada “Mapa de Ressarcimento”, na forma estabelecida em ato do Secretário de Estado da Fazenda.

  • 1º Em substituição ao tratamento previsto no “caput” deste artigo, o contribuinte poderá emitir uma ou mais notas fiscais eletrônicas no valor do crédito apurado, destinando-as a um ou mais de seus fornecedores, à sua livre escolha, os quais, por sua vez, poderão deduzir igual valor do próximo recolhimento que vierem a realizar em favor do Estado de Sergipe.
  • 2º O valor do ICMS a ser ressarcido não poderá ser superior ao valor retido ou antecipado quando da aquisição do respectivo produto pelo estabelecimento.
  • 3º Na determinação do crédito a ser ressarcido, sendo impossível determinar o valor que serviu de base de cálculo para o pagamento do imposto na aquisição do respectivo produto, tomar-se-á o valor da última aquisição do produto pelo estabelecimento, e o valor do crédito será proporcional à quantidade saída.
  • 4º O respectivo Documento Auxiliar da NF-e – DANFE da nota fiscal eletrônica emitida para fins de ressarcimento deverá ser entregue diretamente à Gerência Regional-Leste de Grupos Especiais – GERGRUPE, para ser analisado e visado.
  • 5º No caso de desfazimento do negócio, se o imposto retido ou antecipado houver sido recolhido, aplicar-se-á o disposto no “caput” deste artigo, ficando dispensada a apresentação da relação de que trata o inciso IV do art. 123. (NR)

*Art. 118 alterado pelo Decreto nº 28.939 de 29.11.2012, com vigência a partir de 05.12.2012.

*Redação anterior com vigência de 13.10.2005 até 04.12.2012.

“Art. 118. Os contribuintes do ICMS que promoverem saídas interestaduais de mercadorias já alcançadas pelo regime de substituição poderão recuperar como crédito fiscal, a parcela do imposto retido na fonte ou antecipado por força da não retenção pelo remetente, mediante emissão de nota fiscal, exclusiva para este fim, em nome do estabelecimento fornecedor que tenha retido originalmente o imposto e nos termos do art. 120, ficando obrigado a preencher a planilha denominada “Mapa de Ressarcimento” conforme estabelecido em ato do Secretário de Estado da Fazenda. (NR)

*Art. 118 alterado pelo Decreto nº 23.423 de 10.10.2005 com vigência a partir de 13.10.2005

*Redação anterior com vigência de 01.05.2003 até 12.10.2005

“Art. 118. Os contribuintes do ICMS que promoverem saídas interestaduais de mercadorias já alcançadas pelo regime de substituição, poderão recuperar como crédito fiscal, a parcela do imposto retido na fonte ou antecipado por força da não retenção pelo remetente, mediante emissão de Nota Fiscal, exclusiva para este fim, em nome do estabelecimento fornecedor que tenha retido originalmente o imposto, nos termos do art. 120 ficando obrigado a preencher o “Mapa de Comprovação de Ressarcimento” previsto na Tabela I do Anexo XVI deste Regulamento.”

  • 1º Em substituição ao tratamento previsto no “caput” deste artigo, o contribuinte poderá emitir uma ou mais Notas Fiscais no valor do crédito apurado, destinando-as a um ou mais de seus fornecedores, a sua livre escolha, os quais por sua vez, poderão deduzir igual valor do próximo recolhimento que vierem a fazer em favor do Estado de Sergipe
  • 2º O valor do ICMS retido por substituição e/ou antecipação tributária a ser ressarcido, não poderá ser superior ao valor retido quando da aquisição do respectivo produto pelo estabelecimento.
  • 3º Para efeito de se encontrar o crédito a ser ressarcido, sendo impossível determinar o valor que serviu de base de cálculo para retenção do imposto na aquisição do respectivo produto, tomar-se-á o valor da última aquisição do produto pelo estabelecimento, e o valor do crédito será proporcional à quantidade saída.

* § 3º, alterado pelo Decreto nº 22.047, de 25 de julho de 2003, com vigência a partir de 28/07/2003.

*Redação Anterior com vigência de 01/05/2002 até 27/07/2003:

“§ 3º Quando for impossível determinar a correspondência do ICMS retido à aquisição do respectivo produto, tomar-se-á o valor do imposto retido quando da última aquisição do produto pelo estabelecimento proporcional à quantidade saída.”

  • 4º A Nota Fiscal emitida para fins de ressarcimento deverá ser entregue diretamente a Gerência Regional-Leste de Grupos Especiais – GERGRUP, para ser analisada e visada.
  • 5º – Revogado
  • 6º – Revogado
  • 7º – Revogado

*§§ 5º, 6º e 7º, revogados pelo Decreto nº 22.047, de 25 de julho de 2003, com vigência a partir de 28/07/2003.

*Redação Anterior com vigência de 01/05/2002 até 27/07/2003:

“§ 5º A relação de que trata o inciso IV do art. 123 poderá também ser entregue em meio magnético.

  • 6º As cópias da GNRE, relativas às operações interestaduais que gerarem o direito ao ressarcimento serão apresentadas à GERGRUP, no prazo de 10 (dez) dias após o pagamento, quando for o caso.
  • 7º Na falta do cumprimento do disposto no parágrafo anterior, a GERGRUP não visará nenhuma outra Nota Fiscal de ressarcimento do contribuinte omisso.”
  • 8º No caso de desfazimento de negócio, se o imposto retido houver sido recolhido, aplica-se o disposto no “caput” deste artigo, dispensando-se a apresentação da relação de que trata o inciso IV do art. 123 e o cumprimento do disposto § 6º deste artigo.”

Art. 119. Os distribuidores de produtos farmacêuticos e hospitalares que promoverem saídas internas ou interestaduais dos referidos produtos com destino a hospitais, clínicas, sanatórios, pronto-socorros, manicômios, casas de saúde e congêneres, públicos ou particulares, órgãos da administração pública federal, estadual ou municipal, cujo imposto tenha sido retido ou antecipado na etapa anterior, ficam autorizados a recuperar, como crédito fiscal, a parcela do imposto retido, e de responsabilidade do estabelecimento varejista, nos termos desta Seção XV, ficando obrigados a preencherem a planilha denominada “Mapa de Ressarcimento de Medicamentos” conforme estabelecido em ato do Secretário de Estado da Fazenda. (NR)

*Art. 119 alterado pelo Decreto nº 23.423 de 10.10.2005, com vigência a partir de 13.10.2005.

* Redação Anterior com vigência de 01/05/2003 até 12/10/2005.

Art. 119. Os distribuidores de produtos farmacêuticos e hospitalares, que promoverem saídas internas ou interestaduais dos referidos produtos com destino a hospitais, clínicas, sanatórios, pronto-socorros, manicômios, casas de saúde e congêneres, públicos ou particulares, órgãos da administração pública federal, estadual ou municipal, cujo imposto tenha sido retido ou antecipado na etapa anterior, ficam autorizados a recuperar, como crédito fiscal, a parcela do imposto retido, e de responsabilidade do estabelecimento varejista, nos termos desta Seção XV, ficando obrigados a preencher o “Mapa de Comprovação de Ressarcimento” previsto na Tabela II do Anexo XVI deste Regulamento.

  • 1º REVOGADO

*§ 1º revogado pelo Decreto n.º 23.310, de 22.07.2005, com vigência a partir de 1º.05.2005.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 30.04.2005:

  • 1º O valor a ser recuperado de que trata o “caput” deste artigo, pelo distribuidor detentor de Termo de Acordo celebrado com esta Secretaria da Fazenda, levando-se em conta a proporcionalidade das saídas, será calculado com base no preço praticado pelo fabricante multiplicado pelos percentuais de ressarcimento estabelecidos na Tabela I do Anexo LXX deste Regulamento.

  • 2º O valor a ser recuperado pelo distribuidor deve ser calculado com base no preço praticado pelo fabricante, o qual deve ser multiplicado pelos percentuais de ressarcimento estabelecidos no Anexo LXX deste Regulamento, levando-se em conta a proporcionalidade das saídas. (NR)

  • 3º REVOGADO

Parágrafo 3º revogado pelo Decreto nº 23.423 de 10.10.2005, com vigência a partir de 13.10.2005.

* Redação Anterior revogada com vigência de 01/05/2003 até 12/10/2005.

  • 3º Para efeito do disposto no § 2º, na aplicação do percentual de ressarcimento, deve ser levado em consideração a alíquota interestadual da origem dos produtos, bem como os percentuais de agregação estabelecidos para os mesmos, e ainda, se estes constam da Lista Negativa, Positiva ou Neutra, conforme estabelecido nas Tabelas II, III e IV do Anexo IX deste  Regulamento. (NR)

* §§ 2º e 3º, alterados pelo Decreto nº 23.310, de 22.07.2005, com vigência a partir de 1º.05.2005.

**Redação Anterior com vigência de 27.07.2003 até 30.04.2005.

  • 2º O valor a ser recuperado de que trata o “caput” deste artigo, pelo distribuidor não detentor de Termo de Acordo celebrado com esta Secretaria da Fazenda, levando-se em conta a proporcionalidade das saídas, será calculado com base no preço praticado pelo fabricante multiplicado pelos percentuais de ressarcimento estabelecidos na Tabela II do Anexo LXX deste Regulamento.
  • 3º Para efeito do disposto nos §§ 1º e 2º deste artigo, na aplicação do percentual de ressarcimento, deve ser levado em consideração a alíquota interestadual e a carga tributária interna, da origem dos produtos, bem como os percentuais de agregação estabelecidos para os mesmos, e ainda, se estes constam da Lista Negativa, Positiva ou Neutra, conforme estabelecido nas Tabelas II, III e IV do Anexo IX deste Regulamento.

* Art. 119, alterado pelo Decreto nº 22.047, de 25/07/2003, com vigência a partir de 28/07/2003.

* Redação Anterior com vigência de 01/05/2003 até 27/07/2003.

Art. 119. Os distribuidores de produtos farmacêuticos e hospitalares, que promoverem saídas internas ou interestaduais dos referidos produtos com destino a hospitais, clínicas, sanatórios, pronto-socorros, manicômios, casas de saúde e congêneres, públicos ou particulares, órgão da administração pública federal, estadual ou municipal, ou qualquer outro destinatário não contribuinte do ICMS, cujo imposto tenha sido retido ou antecipado na etapa anterior, ficam autorizados a recuperar como crédito fiscal, a parcela do imposto retido, devido pelo varejista, nos termos desta Seção, ficando obrigados a preencher o “Mapa de Comprovação de Ressarcimento”, previsto na Tabela II do Anexo XVI deste Regulamento.

  • 1º O valor a ser recuperado, de que trata o “caput” deste artigo, será calculado com base no preço praticado pelo fabricante multiplicado pelo percentual de 4,86% (quatro inteiros e oitenta e seis centésimos por cento) para as mercadorias adquiridas até 10.05.2000, e pelo percentual de 3,76% (três inteiros e setenta e seis centésimos por cento) para as mercadorias adquiridas a partir de 11.05.2000 na proporcionalidade das saídas.
  • 2º Quando a distribuidora efetuar vendas destinadas a farmácia ou distribuidora localizadas em outra Unidade da Federação, o valor a ser recuperado será calculado com base no preço praticado pelo fabricante, multiplicado pelo percentual de 9,85% (nove inteiros e oitenta e cinco centésimo por cento), para as mercadorias adquiridas até 10.05.2000 e de 8,76% (oito inteiros e setenta e seis centésimo por cento) para as mercadorias adquiridas a partir de 11.05.2000, na proporcionalidade das mercadorias saídas.”

Art. 120. A nota fiscal eletrônica de ressarcimento conterá as seguintes indicações:

I – a identificação do fornecedor ou do próprio emitente, na forma do art. 122: nome, endereço, CNPJ, inscrição estadual;

*Caput e inciso I do art. 120 alterados pelo Decreto nº 28.939 de 29.11.2012, com vigência a partir de 05.12.2012.

*Redação anterior com vigência de 01.05.2003 até 04.12.2012.

“Art. 120. A Nota Fiscal de ressarcimento conterá as seguintes indicações:

I – a identificação do fornecedor: nome, endereço, CNPJ, inscrição estadual;”

II – a natureza da operação: “Ressarcimento do ICMS”;

III – a expressão: “Ressarcimento do ICMS relativo á substituição ou antecipação tributária no valor de R$ _____(________________________) autorizado conforme artigos 118 a 129 do RICMS/02”.

IV – no campo apropriado, o CFOP: 5.603 ou 6.603, conforme o caso.

* Inciso IV, acrescentado pelo Decreto nº 22.047, de 25/07/2003, com vigência a partir de 28/07/2003.

Parágrafo único. Não serão preenchidos os campos “Valor das mercadorias” e “valor do ICMS”

Art. 121. As operações que ensejam pedido de ressarcimento nos termos dos arts. 118 e 119 deste Regulamento devem ter suas notas fiscais eletrônicas relacionadas, por período de apuração, nas planilhas referidas nesses mesmos artigos.

  • A NF-e de ressarcimento somente deverá ser emitida após a análise e visto da GERGRUPE da documentação de que trata o art. 123.
  • O DANFE da NF-e emitida para fins de ressarcimento, bem como as planilhas anteriormente referidas devem ser expedidas em 03 (três) vias, tendo as seguintes destinações:

I – 1ª (primeira) via: deve ser retida pela GERGRUPE;

II – 2ª (segunda) e 3ª (terceira) vias: após visadas pelo grupo específico, devem ser devolvidas ao contribuinte. (NR)

*Art. 121 alterado pelo Decreto nº 28.939 de 29.11.2012, com vigência a partir de 05.12.2012.

*Redação anterior com vigência de 13.10.2005 até 04.12.2012.

“Art. 121. As operações que ensejam pedido de ressarcimento nos termos dos arts. 118 e 119 deste Regulamento, devem ter suas notas fiscais relacionadas, por período de apuração, nas planilhas referidas nesses mesmos artigos.

Parágrafo único. Os documentos a que se refere o “caput” deste artigo devem ser emitidos em duas vias, tendo a seguinte destinação:

I – 1ª (primeira) via: deve ser retida pela GERGRUP;

II – 2ª (segunda) via:  após visada pelo grupo específico, deve ser devolvida ao contribuinte.”

*Art. 121 alterado pelo Decreto nº 23.423 de 10.10.2005, com vigência a partir de 13.10.2005.

* Redação Anterior com vigência de 01/05/2003 até 12/10/2005.

Art. 121. As operações que ensejam pedido de ressarcimento nos termos dos artigos 118 e 119 deste Regulamento, deverão ter suas notas fiscais relacionadas, por período de apuração, nos mapas já referidos, cujos modelos constam nas Tabelas I e II do Anexo XVI deste Regulamento.

  • 1º Os mapas de que trata o “caput” deste artigo serão emitidos em duas vias, que terão a seguinte destinação:

I – 1ª (primeira) via, será retida pela GERGRUP;

II – 2ª (segunda) via, após visada pelo grupo específico, será devolvida ao contribuinte.

  • 2º O mapa previsto na Tabela I do Anexo XVI deste Regulamento deverá ser emitido por Unidade da Federação.

Art. 122. Quando a recuperação do ICMS for efetuada via crédito fiscal da própria empresa ou for efetivada mediante a dedução do imposto ressarcido do valor do ICMS relativo à antecipação tributária com encerramento da fase de tributação, o contribuinte deve adotar as providências previstas nos arts. 118 ou 119, conforme o caso, e art. 120, todos deste Regulamento.

  • Quando as distribuidoras de medicamentos realizarem as operações previstas no art. 119 deste Regulamento no mesmo mês de entrada das mercadorias, somente deduzirão o ressarcimento proporcional relativo a essas saídas, no momento do pagamento da antecipação tributária referente às respectivas entradas.
  • Na hipótese da recuperação do imposto ser realizada via crédito fiscal, a NF-e deverá ser escriturada no quadro “Crédito do Imposto” no item “Outros Créditos” do Livro Registro de Apuração do ICMS.

*Art. 122 alterado pelo Decreto nº 28.939 de 29.11.2012, com vigência a partir de 05.12.2012.

*Redação anterior com vigência de 13.10.2005 até 04.12.2012.

“Art. 122. Quando a recuperação do ICMS for efetuada via crédito fiscal da própria empresa, o contribuinte deve adotar as providências previstas nos arts. 118 ou 119, conforme o caso, e art. 120, todos deste Regulamento. (NR)

Art. 122 alterado pelo Decreto nº 23.423 de 10.10.2005 com vigência a partir de 13.10.2005

Redação anterior com vigência de 01.05.2003 até 12.10.2005

Art. 122. Quando a recuperação do ICMS for efetuada via crédito fiscal da própria empresa, o contribuinte adotará as providências previstas no artigo 120 e preencherá o “Mapa de Comprovação de Ressarcimento”, conforme modelo constante na Tabela I do Anexo XVI, e na hipótese do artigo 119, adotará as providências ali previstas e preencherá o “Mapa de Comprovação de Ressarcimento” de acordo com o modelo constante na Tabela II do Anexo XVI, ambos deste Regulamento.

  • 1º Quando as distribuidoras de medicamentos realizarem as operações previstas no art. 119 deste Regulamento no mesmo mês de entrada das mercadorias, somente deduzirão o ressarcimento proporcional relativo a essa saídas, no momento do pagamento da antecipação tributária referente às respectivas entradas.

* § 1º, alterado pelo Decreto nº 22.047, de 25 de julho de 2003, com vigência a partir de 28/07/2003.

*Redação Anterior com vigência de 01/05/2002 até 27/07/2003:

“§ 1º As distribuidoras de medicamentos detentoras de Termo de Acordo, quando realizarem as operações previstas nos §§ 1º e 2º do art 119 deste Regulamento, no mesmo mês de entrada das mercadorias, deduzirão o ressarcimento relativo a essa saídas na ocasião do pagamento da antecipação tributária referente as respectivas entradas.”

  • 2º Na hipótese de que trata o “caput” deste artigo a Nota Fiscal, após visada pelo setor competente, deverá ser escriturada no Quadro “Crédito do Imposto” no item “Outros Créditos” do Livro Registro de Apuração do ICMS.”

Art. 123. Para fins de ressarcimento, o contribuinte deverá remeter à GERGRUP, os seguintes documentos:

I – o DANFE da NF-e de ressarcimento de que trata o art. 120, e somente após a análise e visto da documentação solicitada neste artigo;

*Inciso I alterado pelo Decreto nº 28.939 de 29.11.2012, com vigência a partir de 05.12.2012.

*Redação anterior com vigência de 01.05.2003 até 04.12.2012.

“I – a nota fiscal de ressarcimento de que trata o art. 120;”

II – a cópia da GNRE comprobatória do recolhimento do ICMS para outra Unidade Federada, quando for o caso;

* Inciso II alterado pelo Decreto nº 22.047, de 25/07/2003, com vigência a partir de 28/07/2003.

* Redação Anterior com vigência de 01/05/2003 até 27/07/2003.

II – a cópia da GNRE, comprobatória do recolhimento do ICMS, quando for o caso;”

III – os arquivos em meio magnético ou óptico e os mapas estabelecidos em ato do Secretário da Fazenda;(NR)

*Inciso III alterado pelo Decreto nº 23.423 de 10.10.2005, com vigência a partir de 13.10.2005.

* Redação Anterior com vigência de 01/05/2003 até 12/10/2005.

III – os mapas previstos nas Tabelas I ou II do Anexo XVI deste Regulamento;

IV – relação discriminando as operações interestaduais, se houver.

V – cópias das notas fiscais de entrada relacionadas nos mapas de que trata o inciso III do “caput” deste artigo, ou, quando for o caso, cópia do DANFE da NF-e de entrada. (NR)

*Inciso V alterado pelo Decreto nº 28.939 de 29.11.2012, com vigência a partir de 05.12.2012.

*Redação anterior com vigência de 28.07.2003 até 04.12.2012.

“V – cópias das notas fiscais de entrada relacionadas nos mapas de que trata o inciso III do “caput” deste artigo.”

* Inciso V, acrescentado pelo Decreto nº 22.047, de 25/07/2003, com vigência a partir de 28/07/2003.

Parágrafo único. A relação de que trata o inciso IV do “caput” deste artigo poderá também ser enviada via Internet ou entregue em meio magnético.

* Parágrafo único, acrescentado pelo Decreto nº 22.047, de 25/07/2003, com vigência a partir de 28/07/2003.

Art. 124. A GERGRUPE, depois da análise e conferência dos dados apresentados, deve visar as vias das planilhas de que tratam os arts. 118 e 119 deste Regulamento, após o que será permitido ao contribuinte a emissão da NF-e de ressarcimento.

Parágrafo único. A GERGRUPE, após receber o DANFE da NF-e de ressarcimento, deve visá-lo apondo a seguinte expressão: “DOCUMENTO ANALISADO PARA EFEITO DE RESSARCIMENTO SUJEITO A POSTERIOR HOMOLOGAÇÃO”. (NR)

*Art. 124 alterado pelo Decreto nº 28.939 de 29.11.2012, com vigência a partir de 05.12.2012.

*Redação anterior com vigência de 13.10.2005 até 04.12.2012.

Art. 124. A GERGRUP, após a análise e conferência dos dados apresentados, deve visar a 1ª (primeira) via da nota fiscal e a 2ª (segunda) via do documento de que tratam os arts. 118 e 119 deste Regulamento, ocasião em que deve ser retida a 3ª (terceira) via da Nota Fiscal. (NR)

Art. 124.  alterado pelo Decreto nº 23.423 de 10.10.2005 com vigência a partir de 13.10.2005

Redação anterior com vigência de 01.05.2003 até 12.10.2005

Art. 124. A GERGRUP, após a análise e conferência dos dados apresentados, visará a 1ª (primeira) via da Nota Fiscal e a 2ª (segunda) via do “Mapa de Comprovação de Ressarcimento”, constante na Tabela I e/ou II do Anexo XVI, deste Regulamento, ocasião em que serão retidas a 3ª (terceira) vias da Nota Fiscal.

Parágrafo único. Será aposta, pela GERGRUP, na Nota Fiscal apresentada, a seguinte expressão: “DOCUMENTO ANALISADO PARA EFEITO DE RESSARCIMENTO SUJEITO A POSTERIOR HOMOLOGAÇÃO”

Art. 125. O contribuinte deverá adotar os seguintes procedimentos, depois de tomadas as providências previstas no art. 124:

I – remeterá a via do DANFE da NF-e de ressarcimento, devidamente visada pela GERGRUPE, ao fornecedor de sua escolha, quando a recuperação do imposto for por este efetuada;

II – escriturará a NF-e de ressarcimento, conforme disposto no § 2º do art. 122 deste Regulamento, quando a recuperação do imposto for realizada mediante a escrituração no livro Registro de Apuração do ICMS;

III – apresentará a via do DANFE da NF-e de ressarcimento, devidamente visada pela GERGRUPE, ao preposto do Fisco Estadual, quando a recuperação do imposto for efetivada por meio da dedução do imposto ressarcido do valor do ICMS relativo à antecipação tributária com encerramento da fase de tributação. (NR)

*Art. 125 alterado pelo Decreto nº 28.939 de 29.11.2012, com vigência a partir de 05.12.2012.

*Redação anterior com vigência de 01.05.2003 até 04.12.2012.

“Art. 125. Uma vez tomadas as providências previstas no artigo anterior, o contribuinte adotará os seguintes procedimentos:

I – remeterá a 1ª (primeira) via da Nota Fiscal ao fornecedor de sua escolha, quando a recuperação do imposto for por este efetuada;

II – escriturará a Nota Fiscal de ressarcimento conforme disposto no § 2º do art. 122 deste Regulamento, quando a recuperação do imposto for efetuada mediante a escrituração no livro Registro de Apuração do ICMS.

Art. 126. É vedado o ressarcimento do imposto pelo fornecedor ou o aproveitamento do valor do ressarcimento concedido na forma do art. 122, sem que o respectivo DANFE da NF-e de ressarcimento e as planilhas de que tratam os arts. 118 e 119 estejam com o visto versado no art. 124, todos deste Regulamento. (NR)

*Art. 126 alterado pelo Decreto nº 28.939 de 29.11.2012, com vigência a partir de 05.12.2012.

*Redação anterior com vigência de 13.10.2005 até 04.12.2012.

“Art. 126. É vedado o ressarcimento do imposto pelo fornecedor, bem como o aproveitamento do valor do ressarcimento registrado na nota fiscal, emitida para esse fim, ou a escrituração desta no Livro Registro de Apuração do ICMS, sem que a referida nota fiscal ou os mapas estabelecidos em ato do Secretário de Estado da Fazenda, estejam com o visto de que trata o art. 124 deste Regulamento.”

*Art. 126 alterado pelo Decreto nº 23.423 de 10.10.2005, com vigência a partir de 13.10.2005.

* Redação Anterior com vigência de 28/07/2003 até 12/10/2005.

Art. 126. É vedado o ressarcimento do imposto pelo fornecedor, bem como o aproveitamento do valor do ressarcimento registrado na Nota Fiscal, emitida para este fim, ou a escrituração desta no Livro Registro de Apuração do ICMS, sem que a referida Nota Fiscal ou os mapas previstos nas Tabelas I e II do Anexo XVI, estejam com o visto de que trata o art. 124, deste Regulamento.

* Art. 126 alterado pelo Decreto nº 22.047, de 25/07/2003, com vigência a partir de 28/07/2003.

* Redação Anterior com vigência de 01/05/2003 até 27/07/2003.

Art. 126. É vedado o ressarcimento do imposto pelo fornecedor, ou a escrituração da respectiva Nota Fiscal no livro Registro de Apuração do ICMS, sem que a Nota Fiscal emitida para fim não esteja com o visto de que trata o parágrafo único do art. 124 deste Regulamento.

Art. 127. Para efeito de ressarcimento o contribuinte deverá:

I – estar em situação regular em relação ao recolhimento do ICMS;

II – não possuir débito inscrito na Dívida Ativa do Estado.

Art. 128. A Nota Fiscal de aquisição de mercadorias sujeitas ao regime de substituição ou antecipação tributária será escriturada no livro Registro de Entradas, nas colunas sob os títulos “ICMS – Valores Fiscais” e “Operações Sem Crédito do Imposto – Outras”, fazendo constar na coluna “Observações” a expressão: “ICMS Retido ou Antecipado”, conforme o caso.

Art. 129. As notas fiscais relativas às saídas de mercadorias sujeitas ao regime de substituição ou antecipação tributária, serão escrituradas no livro registro de Saídas, nas colunas “Operações Sem Débito do Imposto – Outras”, fazendo constar na coluna “Observações”, ICMS Retido ao Antecipado, conforme o caso.

Subseção II
Empresas Enquadradas no SIMFAZ e Contribuinte Não Inscrito

Art. 130. Na hipótese do § 8º do art. 118, sendo a devolução efetuada:

I – por empresa enquadrada no Regime Simplificado do ICMS (SIMFAZ), para contribuinte situado nesta ou em outra Unidade da Federação:

  1. a) será emitida Nota Fiscal, indicando, no campo “Informações Complementares”:
  2. 1. o número, a série e a data da Nota Fiscal de origem;
  3. o valor do imposto calculado, total ou proporcionalmente, conforme seja a devolução total ou parcial, em função da mesma base de cálculo e da mesma alíquota da Nota Fiscal de origem, se nesse documento constar o destaque do imposto;
  4. 3. o valor do imposto retido, total ou proporcionalmente, conforme o caso, se no documento de origem for indicado o valor retido;
  5. b) para que o destinatário possa utilizar o crédito fiscal relativo ao imposto da operação própria, bem como para efeitos de ressarcimento do imposto anteriormente retido, o documento fiscal emitido na forma da alínea anterior será apresentado pelo interessado à repartição fiscal, para substituição por Nota Fiscal Avulsa, em cuja emissão será observado, especialmente, o seguinte:
  6. 1. o imposto correspondente à saída será destacado no campo próprio do documento, sem ônus, contudo, para o emitente;
  7. 2. serão indicados, no campo “Informações Complementares”, para efeitos de ressarcimento do imposto, o número, a série e a data da Nota Fiscal de origem, o valor do imposto retido, total ou proporcionalmente, conforme o caso, se no documento de origem for indicado o valor retido, e a observação: “Nota Fiscal emitida para efeito de ressarcimento, de acordo com as cláusulas terceira e quarta do Convênio ICMS 81/93”;
  8. c) a 1ª via da Nota Fiscal Avulsa será enviada ao fornecedor nela indicado;
  9. d) o estabelecimento fornecedor que, na condição de responsável por substituição, houver efetuado a retenção do imposto, ao receber a 1ª via da Nota Fiscal Avulsa, poderá deduzir, do próximo recolhimento a ser feito a este Estado ou à Unidade da Federação da origem da mercadoria, conforme o caso, a importância do imposto objeto do ressarcimento;

II – por ambulante ou por contribuinte não inscrito, para contribuinte situado nesta ou em outra Unidade da Federação, o interessado deverá procurar a repartição fazendária do seu domicílio, de posse da documentação fiscal correspondente à aquisição das mercadorias, para emissão de Nota Fiscal Avulsa, em cuja emissão será observado o disposto nas alíneas “b”, “c” e “d” do inciso anterior.

CAPÍTULO V
DO REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO

Art. 131. Em casos peculiares e objetivando facilitar o cumprimento das obrigações principal e acessórias pelos contribuintes do ICMS, poder-se-á adotar Regime Especial de Tributação.

Parágrafo único. Entende-se por Regime Especial de Tributação, todo e qualquer tratamento diferenciado em relação às regras gerais de exigência do imposto e de cumprimento das obrigações acessórias, sem que deste resulte desoneração da carga tributária.

Art. 132.  A autoridade competente para conceder, alterar ou revogar Regime Especial de Tributação é o Secretário de Estado da Fazenda ou o Superintendência Geral de Gestão Tributária e não Tributária – SUPERGEST.”. (NR)

*Caput do *Art. 132 alterado pelo Decreto nº 27.903, de 22.06.2011, com vigência a partir de 27.06.2011.
* Primeira redação impressa com vigência de 01.05.2003 até 26.06.2011.

Art. 132 A autoridade competente para conceder, alterar ou revogar Regime Especial de Tributação é o Secretário de Estado da Fazenda ou, por delegação deste, o Superintendente Gestão Tributária.

Parágrafo único. O Regime Especial de Tributação será concedido, independentemente do número de contribuintes ou responsáveis envolvidos, através da celebração de Termo de Acordo firmado entre a Secretaria de Estado da Fazenda – SEFAZ na pessoa do seu titular, ou do Superintendente de Gestão Tributária, e os representantes legais das empresas ou estabelecimentos beneficiados.

Art. 133. O pedido de Regime Especial de Tributação, contendo a identificação do contribuinte, será apresentado em 2 (duas) vias na repartição fazendária do domicílio fiscal do requerente ou no Protocolo Geral da Secretaria de Estado da Fazenda, instruído com os seguintes documentos:

I – REVOGADO

*Inciso I revogado pelo Decreto nº 29.007 de 11.01.2013, com vigência a partir de 24.01.2013, produzindo seus efeitos a partir de 1º.01.2013.

*Redação revogada:

“I – Certidão Negativa de Débitos Fiscais, expedida pela União, e pelo Município onde o requerente tenha domicílio fiscal;”

II – Declaração de regularidade de recolhimento do ICMS fornecida pela Unidade Federada na qual o requerente tenha domicílio fiscal;

III – cópia autenticada do contrato social ou do ato constitutivo da empresa e alterações, se for o caso;

IV – cópia autenticada do instrumento procuratório nos casos em que o pedido ou a assinatura do Termo de Acordo não possa ser efetuado pelo representante legal da empresa.

  • Na hipótese do estabelecimento matriz situar-se em outra Unidade Federada, o pedido será formulado por qualquer estabelecimento de sua propriedade localizado em território sergipano, se a este exclusivamente interessar o regime especial.
  • A extensão de Regime Especial de Tributação a estabelecimento filial situado em outra Unidade Federada, dependerá da aprovação do Fisco Estadual a que estiver jurisdicionado.
  • Não será concedido Regime Especial de Tributação, na hipótese do requerente ter débito inscrito na Dívida Ativa Estadual, ou estar em situação irregular com referência ao recolhimento do ICMS ou qualquer tributo estadual, fato esse verificado através da Gerência-Geral de Controle Tributário – GERCONT mediante relatório.
  • A extensão de Regime Especial de Tributação a outros estabelecimentos do mesmo titular, bem como sua alteração, far-se-á mediante aditivo de Termo de Acordo.

Art. 134. O Regime Especial de Tributação de que trata este Capítulo, poderá ser revogado a qualquer tempo, bem como denunciado isoladamente por ambas as partes, mediante prévia notificação.

Art. 135. Qualquer autoridade fiscal poderá através da Superintendência de Gestão Tributária – SUPERGEST, propor ao Secretário de Estado da Fazenda alteração ou revogação de Regime Especial de Tributação concedido.

Art. 136. É vedada qualquer concessão de Regime Especial de Tributação por meio de instrumento diverso do indicado no parágrafo único do art. 132, exceto por meio de Termo de Autorização, nas hipóteses em que:

I – seja uma medida de caráter provisório;

II – vise facilitar a fiscalização estadual.” (NR)

*Art. 136 alterado pelos Decretos nºs 24.755 e 24.764 de 17.10.2007, com vigência a partir de 18.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2007.

“Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 30.06.2007.

Art. 136. É vedado qualquer concessão de Regime Especial de Tributação por meio de instrumento diverso do indicado no parágrafo único do art. 132.”

TÍTULO III
DA SUJEIÇÃO PASSIVA

CAPÍTULO I
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 137. São irrelevantes para excluir a responsabilidade pelo cumprimento da obrigação tributária ou a decorrente de sua inobservância:

I – a causa que, de acordo com o direito privado, exclua a capacidade civil da pessoa natural;

II – o fato de achar-se a pessoa natural sujeita a medidas que importem privação ou limitação do exercício de atividades civis, comerciais ou profissionais, ou da administração direta de seus bens ou negócios;

III – a irregularidade formal na constituição da pessoa jurídica de direito privado ou de firma individual, bastando que configure uma unidade econômica ou profissional;

IV – a inexistência de estabelecimento fixo, ou a sua clandestinidade ou precariedade de suas instalações.

Art. 138. As convenções particulares relativas à responsabilidade pelo pagamento do imposto não podem ser opostas à Fazenda Pública para modificar a definição legal do sujeito passivo das obrigações tributárias correspondentes.

CAPÍTULO II
DO CONTRIBUINTE

Art. 139. Contribuinte do ICMS é qualquer pessoa, física ou jurídica, que realize, com habitualidade ou em volume que caracterize intuito comercial, operação de circulação de mercadoria ou prestação de serviço de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação, ainda que a operação e a prestação se inicie no exterior.

Parágrafo único. É também contribuinte do ICMS, a pessoa física ou jurídica que, mesmo sem habitualidade ou intuito comercial (Lei Complementar Federal n.º 114/2002 e Lei Estadual n.º 4.732/02): (NR)

* Parágrafo único alterado pelo Decreto nº 22.110, de 18/08/2003, com vigência a partir de 01/05/2003.

* Primeira Redação do Decreto N° 21.400, de 10 de Dezembro de 2002.

Parágrafo único. É também contribuinte do ICMS, a pessoa física ou jurídica que, mesmo sem habitualidade:

I – importe mercadorias ou bens do exterior, qualquer que seja a sua finalidade (Lei Complementar Federal n.º 114/2002 e Lei Estadual n.º 4.732/02); (NR)

* Inciso I alterado pelo Decreto nº 22.110,, de 18/08/2003, com vigência a partir de 01/05/2003.

* Primeira Redação do Decreto N° 21.400, de 10 de Dezembro de 2002.

I – importe mercadorias ou bens do exterior, ainda que os destine a consumo ou ao ativo permanente do estabelecimento;

II – seja destinatária de serviço prestado no exterior ou cuja prestação se tenha iniciado no exterior;

III – adquira em licitação mercadoria ou bens apreendidos ou abandonados;

IV – adquira petróleo, energia elétrica, lubrificantes e combustíveis líquidos e gasosos derivados de petróleo oriundos de outro Estado, quando não destinados à comercialização ou à industrialização.

Art. 140. Considera-se:

I – comerciante: a pessoa física ou jurídica de direito público ou privado que:

  1. a) pratique a intermediação de mercadoria;
  2. b) forneça mercadoria juntamente com prestação de serviço;
  3. c) forneça alimentação e/ou bebidas;

II – industrial: a pessoa física ou jurídica de direito privado ou de direito público, inclusive cooperativa, que pratique operações havidas como de industrialização;

III – produtor: a pessoa física ou jurídica de direito privado ou de direito público, inclusive cooperativa, que se dedique à produção agropecuária, extração mineral e vegetal ou à captura de peixes, crustáceos e moluscos;

IV – comerciante ambulante: a pessoa física ou jurídica, sem estabelecimento fixo, que conduza mercadoria própria ou de terceiros, para aliená-la diretamente a consumidor ou usuário final.

CAPÍTULO III
DO RESPONSÁVEL POR SOLIDARIEDADE

Art. 141. São solidariamente responsáveis pelo pagamento do imposto e demais acréscimos legais devidos pelo contribuinte de direito:

I – o leiloeiro, o comissário, o síndico, o liquidante e o inventariante, em relação às operações sujeitas ao pagamento do imposto, decorrentes de leilões, concordatas, falências, liquidações, inventários ou arrolamentos;

II – os transportadores em relação às mercadorias:

  1. a) que entregarem a destinatário e/ou local diverso do indicado na documentação fiscal;
  2. b) procedentes de outro Estado sem destinatário certo no território sergipano;
  3. c) que forem negociadas no território sergipano durante o transporte;

d)que conduzirem sem documentação fiscal comprobatória de sua procedência ou destino, ou acompanhadas de documentação fiscal inidônea;

  1. e) que detiverem, na condição de fiéis depositários, nos termos do art. 783 deste Regulamento, sendo estas destinadas a contribuinte considerado inapto pela Secretaria de Estado da Fazenda.

III – qualquer pessoa física ou jurídica, em relação às mercadorias que detiver para comercialização ou simples entrega desacompanhadas da documentação fiscal exigível ou com documentação fiscal inidônea;

IV – o entreposto aduaneiro ou armazém alfandegado e qualquer pessoa que promova:

  1. a) saída de mercadoria para o exterior sem documentação fiscal correspondente;
  2. b) saída de mercadoria estrangeira com destino ao mercado interno sem a documentação fiscal correspondente, ou com destino a estabelecimento diverso daquele que a tiver importado ou adquirido, ou destinada a contribuinte não localizado;
  3. c) reintrodução no mercado interno de mercadoria recebida com o fim específico de exportação;

V – o representante, o mandatário e o gestor de negócios, em relação às operações feitas por seu intermédio;

VI – o estabelecimento beneficiador ou industrializador, nas saídas de mercadorias recebidas para beneficiamento ou industrialização destinada a pessoa ou a estabelecimento que não sejam os de origem;

VII – o adquirente, em relação às mercadorias saídas de estabelecimento produtor ou extrator não inscrito no Cadastro de Contribuintes do Estado de Sergipe – CACESE;

VIII – as empresas interdependentes, nos casos de falta de pagamento do imposto pelo contribuinte, em relação às operações em que intervierem ou em decorrência de omissão de que forem responsáveis;

IX – os condomínios e os incorporadores;

X – a empresa de transporte e a de comunicação cobradora do serviço, mediante convênio entre o Estado de Sergipe e os demais, em relação à prestação efetivada por mais de uma empresa;

XI – o tomador do serviço de transporte, em relação ao serviço prestado sem pagamento do imposto;

XII – os contribuintes em relação às operações ou prestações de serviços cuja fase de diferimento tenha sido encerrada ou interrompida;

XIII – os adquirentes em relação à mercadoria cujo imposto não tenha sido pago no todo ou em parte;

XIV – qualquer pessoa física ou jurídica, que entregar mercadoria ou bens importados do exterior sem a comprovação do recolhimento do ICMS;

XV – o armazém-geral e o depositário a qualquer título:

  1. a) nas saídas de mercadorias depositadas por contribuinte de outro Estado;
  2. b) nas transmissões da propriedade de mercadorias depositadas por contribuintes de outra Unidade Federada;
  3. c) quando receberem para depósito ou derem saída a mercadorias sem a documentação fiscal exigível, ou acompanhadas de documentação fiscal inidônea;

XVI – o contribuinte que receber mercadoria contemplada com isenção condicionada, quando não ocorrer a implementação da condição prevista;

XVII – Revogado

*Inciso XVII revogado pelo Decreto n.º  28.141 de 07.11.2011, com vigência a partir de 1º.01.2012.

*Redação rogada.

“XVII ‑ o estabelecimento gráfico, relativamente ao débito do imposto decorrente da utilização indevida, por terceiros, de documentos fiscais que imprimirem, quando:

  1. a) não houver o prévio credenciamento do referido estabelecimento gráfico;
  2. b) não houver a prévia autorização da Secretaria de Estado da Fazenda para a sua impressão;
  3. c) a impressão for vedada pela legislação tributária;”

XVIII – o fabricante e as pessoas credenciadas que prestem assistência técnica em máquinas, aparelhos e equipamentos destinados à emissão de documentos fiscais, quando a irregularidade por eles cometidas concorrer para a omissão total ou parcial dos valores registrados nos totalizadores e, conseqüentemente, para a falta de recolhimento do imposto;

XIX – todos aqueles que, direta ou indiretamente, concorrerem para sonegação do imposto;

XX – o fabricante de equipamento de controle fiscal, o credenciado pela Secretaria de Estado da Fazenda a neles intervir, ou qualquer pessoa ou empresa que disponibilizar equipamentos de controle fiscal que possibilitem ao usuário a alteração indevida de valores neles registrados;

XXI – qualquer pessoa ou empresa que forneça, divulgue ou utilize programa de processamento de dados que permita ao contribuinte a alteração indevida de valores registrados em equipamentos de controle fiscal.

XXII – a pessoa natural ou jurídica de direito privado, nas circunstâncias previstas nos arts. 131 a 138 do Código Tributário Nacional;

XXIII – o contribuinte substituído que realizar operação interestadual com combustíveis derivados do petróleo e com álcool etílico anidro combustível – AEAC, se o imposto não tiver sido objeto de retenção e recolhimento, por qualquer motivo, ou se a operação não tiver sido informada ao responsável pelo repasse, na forma estabelecida na Subseção VI da Seção XI do Capítulo I do Título IV do Livro III deste Regulamento.

*Incisos XXII e XXIII acrescentados pelo Decreto nº 22.764 de 19.04.2004, com vigência a partir de 01.01.2004.

XXIV – o estabelecimento gráfico, relativamente ao débito do imposto decorrente da utilização indevida, por terceiros, de documentos fiscais que imprimirem, quando (Lei  n.º 5.849/06 ):

  1. a) não houver o prévio credenciamento do referido estabelecimento gráfico;
  2. b) não houver a prévia autorização da Secretaria de Estado da Fazenda para a sua impressão;
  3. c) a impressão for vedada pela legislação tributária estadual.”

*Inciso XXIV e alíneas “a” “b” e “c”, acrescentados pelo Decreto nº 23.876, de 21.03.2006, com vigência a partir de 21.03.2006.

XXV – o posto revendedor varejista de combustíveis, em relação ao combustível adquirido junto a remetente sujeito a regime especial de fiscalização com obrigatoriedade do pagamento do ICMS, no momento da saída da mercadoria, quando a nota fiscal não estiver acompanhada do respectivo documento de arrecadação (Lei Estadual nº. 7.203/2011);

XXVI – o contribuinte substituído que realizar operação interestadual com combustíveis derivados do petróleo e com álcool etílico anidro combustível – AEAC, em relação ao recolhimento do imposto devido à unidade federada de destino, inclusive seus acréscimos legais, se este não tiver sido objeto de retenção e recolhimento, por qualquer motivo, ou se a operação não tiver sido informada ao responsável pelo repasse, conforme determinado em acordo interestadual (Lei Estadual n.º 7.203/2011);

XXVII – todos aqueles que, direta ou indiretamente, concorrem para a sonegação do imposto (Lei Estadual n.º 3.796/96).

*Incisos XXV, XXVI e XXVII acrescentados pelo Decreto n.º  28.141 de 07.11.2011, com vigência a partir de 20.09.2011.

  • 1º. Consideram-se interdependentes duas empresas quando:

I – uma delas, por si, seus sócios ou acionistas, e respectivos cônjuges ou filhos menores, conjunta ou isoladamente, for titular de mais de 50% (cinqüenta por cento) do capital da outra;

II – uma mesma pessoa fizer parte de ambas, na qualidade de diretor ou sócio com funções de gerência, ainda que exercidas sob outra denominação;

III – uma delas locar ou transferir à outra, a qualquer título, veículo destinado a transporte de mercadorias.

  • Respondem pelo crédito tributário todos os estabelecimentos do mesmo titular.
  • A responsabilidade prevista neste artigo não exclui a do contribuinte, facultando-se ao Fisco exigir o crédito tributário de qualquer um ou de ambos os sujeitos passivos.
  • O responsável sub-roga-se nos direitos e obrigações do contribuinte, estendendo-se a sua responsabilidade à punibilidade por infração tributária, ressalvado, quanto ao síndico e ao comissário, o disposto no parágrafo único do art. 134 do Código Tributário Nacional.

*§ 4º acrescentado pelo Decreto nº 22.764; de 19.04.2004, com vigência a partir de 01.01.2004.

LIVRO II

DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS

TÍTULO I
DA OBSERVÂNCIA DA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

Vide Portaria n.º 794/2007-SEFAZ, que dispõe sobre o fornecimento de informações, prestadas por administradoras de cartão de crédito ou, de débito, relativas                ás operações realizadas com estabelecimentos de contribuintes do ICMS.

Vide Portaria n.º 1447/2002 – SEFAZ , revogada pela Portaria n.º 794/2007-SEFAZ,  que dispõe sobre os procedimentos a serem adotados pelas empresas administradoras de cartões de crédito ou de débito quando do fornecimento de informações relativas às operações transacionais por contribuintes do ICMS.

Art. 142. São obrigações acessórias do sujeito passivo as decorrentes da legislação tributária, tendo por objeto as prestações, positivas ou negativas, impondo a prática de ato ou a abstenção de fato que não configure obrigação principal, estabelecidas no interesse da arrecadação ou da fiscalização do tributo.

Art. 143. A obrigação acessória, pelo simples fato de sua inobservância, converte-se em obrigação principal relativamente à penalidade pecuniária.

Art. 144. Além das obrigações previstas na legislação, relativas à inscrição, emissão de documentos, escrituração das operações e prestações, fornecimento de informações periódicas e outras, são obrigações do contribuinte:

I – inscrever-se na Repartição Fazendária antes de iniciar suas atividades, na forma regulamentar ressalvados os casos previstos em Regulamento;

II – comunicar à Repartição Fazendária as alterações contratuais e estatutárias de interesse do fisco estadual, especialmente as mudanças de sócios, de razão social, de domicílio, transferência de estabelecimento ou encerramento de atividade, na forma e prazos estabelecidos em Regulamento;

III – pagar o imposto devido na forma, local e prazo previstos na legislação estadual;

IV – exigir de outro contribuinte, nas operações que com ele realizar, a exibição do comprovante de inscrição estadual, sob pena de responder solidariamente pelo imposto devido, calculado na forma estabelecida em Regulamento, se do descumprimento desta obrigação decorrer o não recolhimento do imposto, total ou parcialmente;

V – exibir a outro contribuinte, quando solicitado, o comprovante de inscrição estadual nas operações que com ele realizar;

VI – acompanhar, pessoalmente ou por preposto, a contagem física da mercadoria, promovida pelo fisco, fazendo por escrito as observações que julgar convenientes;

VII – manter no estabelecimento, pelo prazo previsto no Regulamento do ICMS, os livros e documentos fiscais, programas, arquivos eletrônicos ou digitais, armazenados em meio magnético ou em qualquer outro meio;

VIII – exibir ou entregar ao fisco estadual os livros da escrita fiscal e comercial, documentos fiscais, programas e arquivos eletrônicos ou digitais, armazenados em meio magnético ou em qualquer outro meio, bem como levantamentos e elementos auxiliares relacionados com a condição de contribuinte;

IX – não impedir nem embaraçar a fiscalização estadual, facilitando-lhe o acesso a livros, documentos, programas, arquivos eletrônicos ou digitais, armazenados em meio magnético ou em qualquer outro meio, levantamentos, mercadorias em estoque e demais elementos solicitados;

*Incisos VII, VIII e IX, alterados pelo Decreto nº 24.795 de 29.10.2007, com vigência a partir de 30.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 12.09.2007.

“Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 11.09.2007.

VII – manter os livros e documentos fiscais no estabelecimento pelo prazo previsto no Regulamento do ICMS;

VIII – exibir ou entregar ao fisco estadual os livros e documentos fiscais previstos no Regulamento ICMS, bem como levantamentos e elementos auxiliares relacionados com a condição de contribuinte;

IX – não impedir nem embaraçar a fiscalização estadual, facilitando-lhe o acesso a livros, documentos, levantamentos, mercadorias em estoque e demais elementos solicitados;”

X – facilitar a fiscalização de mercadorias em trânsito ou depositadas em qualquer lugar;

XI – requerer autorização da repartição fiscal competente para imprimir ou mandar imprimir documentos fiscais;

XII – escriturar e emitir de forma manual ou eletrônica ou ainda, quando obrigado, na forma digital, os livros e documentos fiscais;

*Inciso XII, alterado pelo Decreto nº 24.795 de 29.10.2007, com vigência a partir de 30.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 12.09.2007.

“Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 11.09.2007.

XII – escriturar os livros e emitir documentos fiscais na forma prevista em Regulamento;”

XIII – entregar ao adquirente de mercadoria ou ao usuário do serviço ainda que não solicitado, o documento fiscal correspondente à operação ou prestação ;

XIV – comunicar ao fisco estadual quaisquer irregularidades de que tiver conhecimento;

XV – identificar a saída do produto com as mesmas especificações transcritas na Nota Fiscal de entrada.

XVI – prestar informações exigidas mediante o preenchimento de guias instituídas pela legislação tributária estadual;

XVII – exigir do estabelecimento vendedor ou remetente das mercadorias, ou do prestador do serviço, conforme o caso, os documentos fiscais próprios, sempre que adquirir, receber ou transportar mercadorias, ou utilizar serviços sujeitos ao imposto;

XVIII – afixar e manter na área de atendimento, em local visível ao público, cartazes informativos, fornecidos pela Secretaria da Fazenda, sobre a obrigatoriedade da entrega de documentos fiscais aos consumidores finais, adquirentes da mercadorias e ou serviços.

XIX – Apresentar ao Fisco, para fins de controle e etiquetagem, no mesmo período de aquisição, os documentos fiscais não recepcionados pelo Projeto Fronteira ou outro sistema que o venha substituir.

*Inciso XIX, acrescentado pelo Decreto nº 21.878, de 02/06/2003, com vigência a partir de 03/06/2003.

  • 1º. Aplicam-se aos responsáveis, no que couberem, as disposições contidas neste artigo.

*Parágrafo único modificado para §1º, pelo Decreto nº 24.795 de 29.10.2007, com vigência a partir de 30.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 12.09.2007.

  • As informações prestadas pelo contribuinte através de guias instituídas pela legislação tributária serão tidas como expressão da verdade.
  • Para fins do disposto neste artigo, presumem-se de natureza comercial e fiscal quaisquer livros, documentos, papéis, programas e arquivos eletrônicos ou digitais, armazenados em meio magnético ou em qualquer outro meio, pertencentes ao contribuinte.(NR)

*§§ 2º e 3º, acrescentados pelo Decreto nº 24.795 de 29.10.2007, com vigência a partir de 30.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 12.09.2007.

XX – apor selo fiscal em vasilhame que contenha água mineral natural ou água adicionada de sais em circulação neste Estado, ainda que proveniente de outra Unidade da Federação, na forma do Decreto nº  28.351,  de 09 de fevereiro de 2012 (Lei nº 7.316, de 19 de dezembro de 2011).(acrescentado pelo Decreto nº 29.833/14, efeitos a partir de 11.07.2014)

Art. 144-A. Devem prestar informações mediante notificação através de Ordem de Serviço, expedida pela Secretaria de Estado da Fazenda, referentemente a dados que disponham com relação aos bens, negócios ou atividades de terceiros, as empresas de transporte, públicas ou privadas, os síndicos, os comissários, inventariantes, liquidatários, estabelecimentos gráficos, funcionários públicos e estabelecimentos de prestadores de serviços, que interfiram nas operações ou prestações de serviços que constituam fato gerador do imposto (Lei nº 5.685/05). (AC)

  • 1º. As administradoras de “Shopping Center”, de centro comercial ou de empreendimento semelhante, além das obrigações previstas no “caput” deste artigo, deverão prestar à administração tributária estadual, outras informações que disponham a respeito dos contribuintes localizados no seu empreendimento, inclusive sobre valor locatício, nas condições previstas em ato do Secretário de Estado da Fazenda.
  • 2º. As administradoras de cartões de crédito, ou de débito em conta-corrente, e demais estabelecimentos similares, além das obrigações previstas no “caput” deste artigo, deverão informar as operações e prestações realizadas pelos estabelecimentos de contribuintes cujos pagamentos sejam feitos por meio de seus sistemas de crédito, débito ou similares, à Secretaria de Estado da Fazenda, nas condições estabelecidas em ato do Secretário de Estado da Fazenda.
  • 3º. A obrigação prevista neste artigo não abrangerá a prestação de informação quanto a fatos sobre os quais o informante esteja legalmente obrigado a observar o sigilo em razão de cargo, ofício, função, ministério, atividade ou profissão.

*Art. 144-A, acrescentado pelo Decreto nº 24.456, de 18.06.2007, com vigência a partir de 19.06.2007.

  • 1º O MEI Comercial, para atender ao que dispõe o inciso III emitirá, alternativamente:

I – a Nota Fiscal Avulsa – NFA;

II – a Nota Fiscal Eletrônica – NF-e, modelo 55;

III – a Nota Fiscal de Venda a Consumidor, modelo 2;

IV – a Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica – NFC-e, modelo 65.

  • 2º O MEI Industrial, para atender ao que dispõe o inciso III emitirá, alternativamente:

I – a NFA;

II – a NF-e, modelo 55.

Art. 144-B.alterado pelo Decreto nº 29.679 de 09,01,2014,, com vigência a partir de 14.01.2014

Redação Anterior com vigência até 13.01.2014

Art. 144-B. São obrigações do contribuinte Microempreendedor Individual – MEI, optante pelo SIMEI: (NR)

I – apresentar registro de vendas, para fins de comprovação de receita bruta;

II – anexar ao registro de vendas, as notas fiscais de entrada de mercadorias referentes ao período, bem como os documentos fiscais relativos às operações realizadas, eventualmente emitidos;

III – emitir nota fiscal nas vendas realizadas para destinatário inscrito no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas – CNPJ, ficando opcional a emissão para o consumidor final.

  • 1º O MEI Comercial poderá solicitar a emissão da Nota Fiscal Avulsa, ou, a seu critério, emitirá a Nota Fiscal Eletrônica – NF-e, modelo 55, ou ainda a Nota Fiscal de Venda a Consumidor, modelo 2.
  • 2º O MEI Industrial poderá solicitar a emissão da Nota Fiscal Avulsa, ou, a seu critério, emitirá a Nota Fiscal Eletrônica – NF-e, modelo 55.

*Art. 144-B alterado pelo Decreto nº 29.187, de 17.04.2013, com vigência a partir de 24.04.2013.

*Redação Anterior com vigência de 08.06.2010 até 23.04.2013.

144-B. São obrigações do contribuinte MEI optante pelo SIMEI:

I – apresentar registro de vendas, para fins de comprovação de receita bruta;

II – anexar ao registro de vendas, as notas fiscais de entrada de mercadorias referentes ao período, bem como os documentos fiscais relativos às operações realizadas, eventualmente emitidos;

III – emitir nota fiscal avulsa nas vendas realizadas para destinatário inscrito no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas – CNPJ, ficando dispensado desta emissão para o consumidor final.”.

Art. 144-B, acrescentado pelo Decreto nº 27.166 de 07.06.2010, com vigência a partir de 08.06.2010.

Vide LEI Nº. 6.969/2010, que senta a emissão de Nota Fiscal Avulsa emitida para Microempreendedor Individual – MEI.”.

Art. 144-C. Consideram-se fiéis depositários pela guarda, segurança e inviolabilidade dos selos, o estabelecimento gráfico credenciado, quanto ao selo fiscal por ele fabricado, sob sua responsabilidade ou de empresa transportadora por ele contratada (Lei nº 7.316, de 19 de dezembro de 2011).(acrescentado pelo Decreto nº 29.833/14, efeitos a partir de 11.07.2014)

TÍTULO II
DO CADASTRO DE CONTRIBUINTES

CAPÍTULO I
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 145. O Cadastro de Contribuintes do Estado de Sergipe – CACESE, corresponde à identificação, localização e classificação de todos os contribuintes do ICMS, inclusive dos estabelecimentos autônomos, permanentes ou temporários, e será agrupado segundo as seguintes categorias de atividades econômicas:

I – indústria e comércio;

II – produtor rural e as empresas agrícolas, de criação de animais, de pesca e de extração mineral e

III – prestação de serviço.

  • Os prestadores de serviço poderão se cadastrar com CPF (pessoa física) ou com CNPJ (pessoa jurídica), observadas as seguintes regras:

I – os cadastros serão homologados pela Administração Regional de Gestão Tributária – AREGEST do domicílio do contribuinte;

II – não devem possuir livros fiscais, exceto o Livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrências, Modelo 6;

 

*Inciso II alterado pelo Decreto nº 23.344, de 22.08.2005, com vigência a partir de 25.08.05.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 24.08.2005.

II – não possuirão livros fiscais;

III – poderá ser autorizado a confecção de notas fiscais modelo 1, dentro dos limites estabelecidos pela SEFAZ, que além das exigências previstas no Regulamento do ICMS, deverá conter em tarja transversal impressa em retícula na mesma cor do formulário a seguinte expressão em negrito: “ESTA NOTA FISCAL NÃO DÁ DIREITO A CRÉDITO – PROIBIDO O DESTAQUE DO ICMS”, exigência esta que deverá constar da Autorização de Impressão de Documentos Fiscais – AIDF.

  • 2º. Os contribuintes, sejam pessoas físicas ou jurídicas, cuja CNAE não incida ICMS devem ser tratados como prestadores de serviço e dispensados de obrigações acessórias, exceto em relação:(NR)

*§ 2º alterado pelo Decreto nº 24.456, de 18.06.2007, com vigência a partir de 19.06.2007.

*Redação Anterior com vigência de 25.08.2005 até 18.06.2007.

“§ 2º Os contribuintes, sejam pessoas físicas ou jurídicas, cujo CNAE não incida ICMS devem ser tratados como prestadores de serviço e dispensados de obrigações acessórias, exceto em relação:

I – Revogado( a partir de 1º.02.2014)

Ver Decreto nº 29.755/2014

II – a emissão de notas fiscais, para acobertar mercadorias ou bens em seu trânsito;

III – ao Livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrências, Modelo 6;

IV – a manutenção das Notas Fiscais de aquisição e transferência arquivadas no estabelecimento, pelo prazo prescricional, para eventual fiscalização.

*§ 2º alterado pelo Decreto nº 23.344, de 22.08.2005, com vigência a partir de 25.08.05.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 24.08.2005.

  • 2º Os contribuintes, sejam pessoas físicas ou jurídicas, cujo CNAE não incida ICMS serão tratados como prestadores de serviço e dispensados de obrigações acessórias, exceto em relação a Declaração de Informações do Contribuinte – DIC, na forma simplificada e emissão de notas fiscais, para acobertar mercadorias ou bens em seu trânsito, além de manter arquivadas as Notas Fiscais de aquisição e transferência, no estabelecimento, pelo prazo prescricional, para eventual fiscalização.

  • Os contribuintes de que trata o § 1º do “caput” deste artigo que possuam documentos fiscais sem a expressão de que trata o inciso III deste mesmo parágrafo deverá apor no corpo da nota fiscal, aquela observação através de carimbo.

Art. 146. O CACESE é composto dos seguintes tipos de contribuintes (NR):

I – normal;

II – substituto;

III – Simples Nacional

*Inciso III alterado pelos Decretos nºs 24.755 e 24.764 de 17.10.2007, com vigência a partir de 18.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2007.

“Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 30.06.2007.

III – SIMFAZ;”

IV –prestador de serviço.

  •  Na categoria de contribuinte de que trata o inciso III do “caput” deste artigo está incluído também o contribuinte MEI, optante pelo SIMEI”.
  • 2º Revogado
  • 3º Revogado

*§§ 2º e 3º revogados pelo Decreto nº 28.352 de 09.02.2012, com vigência a partir de 10.02.2012.

*Redação revogada.

“§ 2º A inscrição no CACESE poderá ser concedida provisoriamente, para empreendimentos que tenham caráter temporário.

  • 3º A inscrição provisória de que trata o § 2º deste artigo deve ser concedida pelo prazo estabelecido no contrato ou instrumento regulamentador do empreendimento, e pode ser prorrogado, mediante requerimento justificado da empresa interessada, com antecedência de, no mínimo, 15 (quinze) dias. (NR)”

*§3º alterado pelo Decreto nº 27.418 de 20.10.2010, com vigência a partir de 21.10.2010, produzindo seus efeitos a partir de 1º.12.2010.

*Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 30.11.2010.

“§ 3º. A inscrição provisória de que trata o § 1º deste artigo deve ser concedida pelo prazo estabelecido no contrato ou instrumento regulamentador do empreendimento, e pode ser prorrogado, mediante requerimento justificado da empresa interessada, com antecedência de, no mínimo, 15 (quinze) dias.”

  • O Secretário de Estado da Fazenda poderá instituir outros tipos de cadastro, bem como promover, a qualquer tempo, o recadastramento dos contribuintes inscritos no CACESE.

Acrescentado § 1º ao “caput” do art. 146, pelo Decreto nº 27.166 de 07.06.2010, sendo renomeados os §§ 1º, 2º e 3º para 2º, 3º e 4º, respectivamente, com vigência a partir 08.06.2010.

*§ 2º.alterado pelo Decreto nº 24.143, de 18.12.2006.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003, até 17.12.2006.

  • 2º A inscrição provisória de que trata o parágrafo anterior será concedido pelo prazo estabelecido no contrato ou instrumento regulamentador do empreendimento, e poderá ser prorrogado, mediante requerimento justificado da empresa interessada, observado o disposto no § 13 do art. 168 deste Regulamento.

Vide Portaria nº 1.523/2001- SEFAZ, que estabelece prazos para o recadastramento dos Contribuintes do CACESE e credenciamento dos Contabilistas, Gráficas e Empresas que comercializam o ECF no Estado de Sergipe, e dá providências correlatas; a Portaria nº 88/2002- SEFAZ, que reabre prazo para a solicitação do recadastra-mento das empresas de construção civil, transporte urbano intramunicipal, funerárias, hospitais, clínicas, e gráficas, e dá providências correlatas; a Portaria n.º 726/02, que reabre prazo para a solicitação do recadastramento e disciplina o cadastro dos produtores rurais, dos prestadores de serviço e dá providências correlatas, a Portaria n.º 1.190/2003-SEFAZ, que Dispõe sobre a impossibilidade de reativação de inscrição estadual para os contribuintes que tiveram sua inscrição cancelada por que não efetuaram o recadastramento nos termos das Portarias  n.ºs 1.523/01 e 726/02.

CAPÍTULO II
DA INSCRIÇÃO

Seção I
Da Obrigatoriedade

Vide Portaria n° 111/2005-SEFAZ, que estabelece procedimentos para adoção de inscrição estadual única a serem observados por contribuintes que num mesmo estabelecimento possuam mais de uma inscrição estadual e dá providências correlatas.

Art. 147. Inscrever-se-ão no CACESE, antes de iniciarem suas atividades, todas as pessoas físicas ou jurídicas consideradas contribuintes do ICMS nos termos do art. 139.

  • São também obrigados a se inscreverem no CACESE:

I – a companhia de armazém-geral;

II – o revendedor ou concessionário;

III – o leiloeiro.

  • O contribuinte deverá solicitar a baixa de sua inscrição no CACESE, quando da exclusão, do campo de incidência do ICMS, das operações e prestações que realizar.
  • Ficam também obrigados a se inscreverem no CACESE: (NR)

I – as micro e pequenas empresas, inclusive ambulantes, enquadrados no Regime de Apuração Simplificado do ICMS – SIMFAZ, conforme os artigos 652 a 674 deste Regulamento;

II – o estabelecimento gerador ou distribuidor, inclusive o agente comercializador de energia elétrica na condição de substitutos tributários, relativamente ao ICMS incidente sobre a entrada, neste Estado, de energia elétrica não destinada à comercialização ou à industrialização (Conv. ICMS 134/06).

*§ 3º, alterado pelo Decreto nº 24.260 de 06.03.2007, com vigência a partir de 07.03.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.03.2007.

*Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 28.02.2007.

“§ 3º Ficam também obrigados a se inscreverem no CACESE as micro e pequenas empresas, inclusive ambulantes, enquadrados no Regime de Apuração Simplificado do ICMS – SIMFAZ, conforme os artigos 652 a 674 deste Regulamento.”

  • A inscrição será obrigatória para cada estabelecimento, seja filial, sucursal, agência, fábrica, inclusive depósito, recebendo cada um inscrição distinta, ressalvadas as hipóteses previstas neste Regulamento.
  • É vedada a inscrição de estabelecimento que opere apenas com exposição de produtos cuja venda seja realizada diretamente a consumidor final por outro estabelecimento, ainda que de outra Unidade da Federação.
  • Na hipótese do parágrafo anterior, o contribuinte que receber, ainda que a título de revisão ou montagem, mercadorias vendidas diretamente a consumidor final será responsabilizado pelo pagamento incidente sobre as mesmas, sujeitando-se ainda às penalidades pecuniárias cabíveis.
  • No ato da inscrição no CACESE o solicitante informará a sua atividade econômica em conformidade com a Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE, levando em consideração a atividade econômica principal e as atividades secundárias.(NR)

*§ 7º alterado pelo Decreto nº 24.456, de 18.06.07, com vigência apartir de 19.06.2007.

*Redação Anterior com vigência de 03.02.2004 até 18.06.2007.

“§ 7º No ato da inscrição no CACESE o solicitante informará a sua atividade econômica em conformidade com a Classificação Nacional de Atividades Econômicas-Fiscal – CNAE-Fiscal, levando em consideração a atividade econômica principal e as atividades secundárias.

*§ 7º acrescentado pelo  Decreto nº 22.675  de 29.01.2004, com vigência a partir de 03.02.2004.

Art. 147-A. Ficam obrigados a inscrever-se no Cadastro de Contribuintes do Estado de Sergipe – CACESE, antes de iniciar suas atividades, na condição de contribuinte normal, o consórcio, formado por grupo de empresas, que desenvolva atividades relacionas com a exploração e produção de petróleo ou gás natural no território deste Estado, observado o seguinte:

I – a inscrição estadual, a ser requerida por intermédio da líder, com a anuência expressa das demais consorciadas, será concedida mediante contrato aprovado nos termos da Lei Federal n.° 6.404, de 15 de dezembro de 1976, não conferindo personalidade jurídica ao consórcio;

II – a empresa líder agirá como mandatária das demais consorciadas;

III – o consórcio deve registrar todas as operações de sua atividade em livros fiscais próprios, ficando a empresa líder responsável pela apuração e recolhimento do ICMS;

IV – aplica-se ao consórcio a legislação pertinente às empresas em geral no que se refere às obrigações principal e acessórias;

V – na hipótese de ocorrência de saldo credor este pode ser transferido para as consorciadas na proporção de sua participação no consórcio;

VI – as empresas consorciadas respondem solidariamente pelas obrigações tributárias relacionadas com a atividade do consórcio, nos termos do artigo 124, da Lei n° 5.172, de 25 de outubro de 1966 (Código Tributário Nacional), e art. 38, inciso II, da Lei Federal n.° 9.478, de 06 de agosto de 1997.

*Art. 147-A, acrescentado pelo Decreto nº 27.509 de 22.11.2010, com vigência a partir de 23.11.2010.

Seção II
Da Solicitação

Art. 148. O pedido de inscrição no CACESE será feito por meio da INTERNET, no endereço eletrônico da Secretaria da Fazenda “www.sefaz.se.gov.br”.

  • O contribuinte, ao solicitar a inscrição no CACESE, preencherá a Ficha de Atualização Cadastral – FAC, cujos dados serão arquivados no sistema informatizado da SEFAZ.
  • Após declarar as informações na FAC, o contribuinte deverá imprimir o comprovante de solicitação de cadastramento, o qual deverá ser guardado juntamente com os demais documentos exigidos para o cadastro, e apresentá-los ao Fisco, quando exigidos.
  • 2º-A. As empresas de televisão por assinatura via satélite, relativamente aos serviços não medidos; as empresas que prestem serviço de provimento de acesso à Internet, relativamente a esses mesmos serviços, e as empresas prestadoras de serviços indicadas no § 3º do art. 484 deste Regulamento, devem, obrigatoriamente, indicar quando do preenchimento da FAC (Conv. ICMS 113/2004, 04/2006 e 05/2006 ):

I – o endereço e o CNPJ de sua sede;

II – um representante legal domiciliado neste Estado de Sergipe.

*§2º-A acrescentado pelo Decreto nº 23.921, de 08.08.2006, com vigência a partir de 11.08.2006.

  • Caso haja alguma pendência na validação das informações prestadas pelo solicitante, inclusive por meio da INTERNET, o prazo para sua resolução será de 15 (quinze) dias, findo o qual, a solicitação será automaticamente cancelada.
  • A inscrição no CACESE poderá ser concedida provisoriamente, aos estabelecimentos:

I – que executem empreendimentos de caráter temporário.

II – que necessitem de Registro junto ao Órgão Federal.

  • A inscrição provisória de que trata o:

I – inciso I do § 4º deste artigo será concedida pelo prazo estabelecido no contrato ou instrumento regulamentador do empreendimento, e pode ser prorrogado, mediante requerimento justificado da empresa interessada, com antecedência de, no mínimo, 15 (quinze) dias;

II – inciso II do § 4º deste artigo será concedida pelo prazo de 60(sessenta) dias podendo ser prorrogado, excepcionalmente, por mais 30 (trinta) a pedido do contribuinte.

  • Fica vedado à liberação de nota fiscal para contribuinte que estiver de posse de inscrição provisória para efeito de liberação de inscrição junto a órgão Federal.

*§§ 4º, 5º e 6º, acrescentados pelo Decreto nº 28.352 de 09.02.2012, com vigência a partir de 10.02.2012.

Art. 149. O cadastro das empresas com Receita Bruta Anual – RBA, superior a R$ 1.800.000,00 (um milhão e oitocentos mil reais) será solicitado pelo Contabilista, sendo, no entanto, igual ou menor que este valor, a solicitação será feita pelo próprio contribuinte ou pelo contabilista, desde que as atividades econômicas não sejam de comércio atacadista, indústria, transporte ou comunicação.(NR)

*Caput do art. 149 alterado pelo Decreto nº 28.535 de 25.05.2012, com vigência a partir de 29.05.2012.

*Redação anterior com vigência de 1º.07.2007 até 28.05.2012.

“Art. 149. O cadastro das empresas com Receita Bruta Anual – RBA, superior a R$ 1.200.000,00 (um milhão e duzentos mil reais) será solicitado pelo Contabilista, sendo, no entanto, igual ou menor que este valor, a solicitação será feita pelo próprio contribuinte ou pelo contabilista, desde que as atividades econômicas não sejam de comércio atacadista, indústria, transporte ou comunicação.”

Parágrafo único. Considera-se receita bruta, para fins do disposto no “caput” deste artigo, o produto da venda de bens e serviços nas operações de conta própria, o preço dos serviços prestados e o resultado nas operações em conta alheia, não incluídas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos.” (NR)

*Art. 149 alterado pelos Decretos nºs 24.755 e 24.764 de 17.10.2007, com vigência a partir de 18.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2007.

“Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 30.06.2007.

Art. 149. O cadastro das empresas com Aquisição Bruta Anual – ABA superior a 10.000 (dez mil) UFP’s-SE, será solicitado pelo Contabilista, sendo, no entanto, igual ou menor que este valor, a solicitação será feita pelo próprio contribuinte ou pelo contabilista, desde que as atividades econômicas não sejam de comércio atacadista, indústria, transporte ou comunicação.

Parágrafo único. Considera-se ABA, a somatória de todas as entradas de mercadorias na empresa por CNPJ de grupo empresarial, excluindo-se as do Ativo Permanente e para o consumo.”

Art. 150. O requerente, além do comprovante de solicitação, deverá manter cópia autenticada dos seguintes documentos para apresentação ao Fisco:

I – em se tratando de pessoa jurídica ou firma individual:

  1. a) contrato social, estatuto ou ato constitutivo, devidamente registrado na Junta Comercial, e certidão da JUCESE quando houver alteração contratual, ou em outro órgão competente;
  2. b) título de nomeação expedido pelo referido órgão, quando se tratar de leiloeiro;
  3. c) CNPJ, RG e comprovante de domicílio dos sócios e do contador, observado o art. 149;

*Alínea “c” alterada pelos Decretos nºs 24.755 e 24.764 de 17.10.2007, com vigência a partir de 18.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2007.

“Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 30.06.2007.

  1. c) CNPJ, RG e comprovante de domicílio dos sócios e do contador;”

  1. d) escritura pública ou contrato de locação onde funcionará a empresa;
  2. e) alvará de funcionamento do estabelecimento expedido pelo órgão municipal competente, ainda que provisório;

*Alínea “e” alterada pelos Decretos nºs 24.755 e 24.764 de 17.10.2007, com vigência a partir de 18.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2007.

“Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 30.06.2007.

  1. e) alvará de funcionamento do estabelecimento expedido pelo órgão municipal competente;”

  1. f) declaração do imposto de renda dos sócios, pessoa física ou jurídica, do ano anterior ao do pedido, e quando se tratar de filial a declaração do IR da matriz ;
  2. g) revogada

*Alíne “g” revogada pelos Decretos nºs 24.755 e 24.764 de 17.10.2007, com vigência a partir de 18.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2007.

Redação revogada

  1. g) croqui ou mapa de localização do estabelecimento, com indicação, inclusive, de pontos de referência, além de outras indicações que facilitem a localização do imóvel, tais como: outra denominação porventura atribuída ao imóvel ou antiga numeração do imóvel, bem como a denominação de imóveis mais próximos, conhecidos na região, etc.;”

  1. h) procuração autenticada em cartório, quando houver procurador;

*Alínea “h” alterada pelos Decretos nºs 24.755 e 24.764 de 17.10.2007, com vigência a partir de 18.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2007.

“Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 30.06.2007.

  1. h) apresentação de procuração por instrumento público para o procurador;”

  1. i) Certidão Negativa de Tributos expedida pelo Estado onde o requerente tenha domicílio fiscal, quando houver, como sócio, uma pessoa jurídica;

II – em se tratando de empresa agrícola, de criação de animais, de pesca e de extração mineral, além dos documentos exigidos no inciso anterior será exigido o Certificado de Cadastro de Imóvel Rural no órgão competente (INCRA), quando for o caso.

III – em se tratando de produtor rural – pessoa física, o solicitante deverá manter cópia autenticada dos seguintes documentos para apresentação ao Fisco:

  1. a) Certificado de Cadastro de Imóvel Rural no órgão competente –INCRA;
  2. b) CPF e carteira de identidade;
  3. c) comprovante de domicílio do proprietário ou arrendatário.

IV – em se tratando de contribuinte MEI optante pelo SIMEI:

  1. a) CNPJ, CPF, RG e comprovante de domicílio;
  2. b) telefone e e-mail(opcional) do responsável.

Acrescentado o inciso IV ao Art. 150 pelo Decreto nº 27.166 de 07.06.2010, com vigência a partir de 08.06.2010

  • 1º. Além dos documentos elencados neste artigo, o contribuinte deverá apresentar declaração informando a previsão de sua Receita Bruta Anual – RBA, para fins de exigência do uso do Equipamento Emissor de Cupom Fiscal – ECF.
  • 2º. Na hipótese de imóvel alugado, além do contrato de locação mencionado na alínea “d” do inciso I do “caput”, deste artigo, a SEFAZ pode exigir cópia da escritura pública ou outro documento que comprove a propriedade do imóvel.”

*§ 2º acrescentado pelo Decreto nº 24.073, de 06.11.2006, com vigência a partir de 08.11.2006.

  • Não se aplica às disposições das alíneas “f” e “i” do inciso I do “caput” e do § 2º às microempresas e empresas de pequeno porte, nos termos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006.

*§ 3º. acrescentado pelos Decretos nºs 24.755 e 24.764 de 17.10.2007, com vigência a partir de 18.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2007.

Art. 150-A. As pessoas jurídicas definidas na legislação específica como Distribuidor de Combustíveis, Transportador-Revendedor-Retalhista – TRR e Posto Revendedor Varejista de Combustíveis estabelecidas neste Estado de Sergipe que requererem inscrição estadual no CACESE devem, além dos documentos previstos no art. 150 e das exigências do art. 150-H, ambos deste Regulamento, manter cópia autenticada dos seguintes documentos para apresentação ao Fisco:

*Art. 150-A alterado pelo Decreto nº 27.123 de 25.05.2010, com vigência a partir de 27.05.10, com vigência a partir de 27.05.10

Redação Anterior com vigência de 1º.05.2003 até 26.05.10

Art. 150-A. As pessoas jurídicas definidas na legislação específica como Distribuidor de Combustíveis, Transportador-Revendedor-Retalhista – TRR e Posto Revendedor Varejista de Combustíveis estabelecidas neste Estado de Sergipe que requererem inscrição estadual no CACESE devem, além dos documentos previstos no art. 150 e das exigências do art. art. 176-A, ambos deste Regulamento,  manter cópia autenticada dos seguintes documentos para apresentação ao Fisco:

I – comprovação do capital social exigido, nos termos do art. 150-B deste Regulamento;

II – comprovação da capacidade financeira exigida, nos termos do art. 150-C deste Regulamento;

III – cópia autenticada do alvará de funcionamento expedido pela prefeitura municipal;

IV – declaração de imposto de renda dos sócios nos 03 (três) últimos exercícios;

V – documentos comprobatórios das atividades exercidas pelos sócios nos últimos 24 (vinte e quatro) meses;

VI – certidões de cartórios de distribuição civil e criminal das justiças federal e estadual, e dos cartórios de registros de protestos das comarcas da sede da empresa, de suas filiais e do domicílio dos sócios, em relação a estes.

  • Os documentos previstos neste artigo também devem ser exigidos na comunicação de alteração da atividade para outra da cadeia de comercialização de combustíveis.
  • O Fisco estadual pode também exigir os seguintes documentos, inclusive na alteração do quadro societário com a inclusão de novos sócios (Prot. ICMS 51/04): (NR)

I – declaração de imposto de renda dos sócios nos 03 (três) últimos exercícios;

II – documentos comprobatórios das atividades exercidas pelos sócios nos últimos 24 (vinte e quatro) meses;

III – certidões de cartórios de distribuição civil e criminal das justiças federal e estadual, e dos cartórios de registros de protestos das comarcas da sede da empresa, de suas filiais e do domicílio dos sócios, em relação a estes.

  • Na hipótese do § 2º deste artigo sendo o sócio pessoa jurídica, os documentos previstos nos incisos II e III do mesmo parágrafo, devem ser exigidos em relação aos sócios desta, se brasileira, e em relação a seu representante legal no país, se estrangeira (Prot. ICMS 51/04). (NR)

*§§ 2º e 3º alterados pelo Decreto nº 23.224, de 20.05.2005, com vigência a partir de 22.12.2004.

*Redação anterior com vigência de 01.06.2004 até 21.12.2004.

  • 2º A comunicação de alteração no quadro societário com a inclusão de novos sócios será instruída com os documentos previstos nos incisos V a VI do “caput” deste artigo, sem prejuízo da apresentação daqueles previstos neste Regulamento.
  • 3º Sendo o sócio pessoa jurídica, os documentos previstos nos incisos V a VI do “caput” deste artigo, devem ser exigidos em relação aos sócios desta, se brasileira, e em relação a seu representante legal no país, se estrangeira.

  • Os contribuintes já inscritos no CACESE devem proceder adequação cadastral ou recadastrar-se no prazo de 90(noventa) dias, contados a partir de 1º de julho de 2004.

 Art. 150-B. Na hipótese do Art. 150-A deste Regulamento, a  pessoa jurídica interessada na obtenção de inscrição no CACESE deve  possuir capital social integralizado de, no mínimo:

I – R$ 200.000,00 (duzentos mil Reais), caso se trate de TRR;

II – R$ 1.000.000,00 (um milhão de Reais), caso se trate de distribuidor de combustíveis.

  • A comprovação do capital social deve ser feita mediante a apresentação do estatuto ou contrato social, registrado na JUCESE, acompanhado de Certidão Simplificada na qual conste o capital social e a composição do quadro de  acionistas ou de sócios.
  • A comprovação do capital social deve ser feita sempre que houver alteração do capital social, do quadro de acionistas ou de sócios (Prot. ICMS 51/04). (NR)

*§ 2º alterado pelo Decreto nº 23.224, de 20.05.2005, com vigência a partir de 22.12.2004.

*Redação anterior com vigência de 01.06.2004 até 21.12.2004.

  • 2º A comprovação do capital social deve ser feita semestralmente e sempre que houver alteração do capital social, do quadro de acionistas ou de sócios.

Art. 150-C. Na hipótese do Art. 150-A deste Regulamento, a pessoa jurídica interessada na obtenção de inscrição estadual deve  comprovar capacidade financeira correspondente ao montante de recursos necessários à cobertura das operações de compra e venda de produtos, inclusive os tributos envolvidos.

  • A capacidade financeira exigida pode ser comprovada por meio da apresentação de patrimônio próprio, seguro ou carta de fiança bancária.
  • A comprovação de patrimônio próprio pode ser feita mediante apresentação da Declaração de Imposto de Renda da pessoa jurídica ou de seus sócios, acompanhada da certidão de ônus reais dos bens considerados para fins de comprovação (Prot. ICMS 51/04). (NR)

*§ 2º alterado pelo Decreto nº 23.224 de 20.05.2005, com vigência a partir de 22.12.2004.

*Redação anterior com vigência de 01.06.2004 até 21.12.2004.

  • 2º A comprovação de patrimônio próprio deve ser feita mediante apresentação da Declaração de Imposto de Renda da pessoa jurídica ou de seus sócios, acompanhada da certidão de ônus reais dos bens considerados para fins de comprovação.

Art. 150-D. Nos pedidos de inscrição, de alteração de uma atividade para outra dentro da cadeia de comercialização de combustíveis, de alteração do quadro societário com a inclusão de novos sócios, estes e as pessoas indicadas no § 3º do art. 150-A deste Regulamento devem comparecer munidos dos originais de seus documentos pessoais, em dia, local e horário designados pelo fisco estadual, para entrevista pessoal, da qual deve ser lavrado termo circunstanciado.

Art. 150-E. A falta de apresentação de quaisquer dos documentos referidos no art. 150-A e dos requisitos exigidos no art. 150-H, ambos deste Regulamento, implica no imediato indeferimento do pedido (Prot. ICMS 51/04).” (NR)

*Art. 150-E alterado pelo Decreto nº 27.123 de 25.05.2010,, com vigência a partir de 27.05.10

*Redação Anterior com vigência de 1º.05.2003 até 26.05.10

Art. 150-E. A falta de apresentação de quaisquer dos documentos referidos no art. 150-A e dos requisitos exigidos no art. 176-A, ambos deste Regulamento, implica no imediato indeferimento do pedido (Prot. ICMS 51/04). (NR)”

*Art 150-E alterado pelo Decreto nº 23.224 de 20.05.2005, com vigência a partir de 22.12.2004.

*Redação anterior com vigência de 01.06.2004 até 21.12.2004.

Art. 150-E. A falta de apresentação de quaisquer dos documentos referidos no art. 150-A e dos requisitos exigidos no art. 176-A, ambos deste Regulamento, bem como o não comparecimento de qualquer das pessoas mencionadas no art. 150-D para entrevista pessoal, implica no imediato indeferimento do pedido, ou no cancelamento da inscrição já concedida, conforme o caso.

Art. 150-F. A SEFAZ deve realizar diligência fiscal, a fim de verificar previamente a existência da regularidade e da compatibilidade do local do estabelecimento, bem como da real existência dos sócios e de seus endereços residenciais, devendo o auditor tributário lavrar termo circunstanciado.

Parágrafo único. Previamente à diligência fiscal, o Grupo de Combustíveis da Superintendência Geral de Gestão Tributária e não Tributária – SUPERGEST deverá emitir opinativo sobre a viabilidade da concessão da inscrição ou de alterações desta, obedecidas as regras estabelecidas no art. 150-D deste Regulamento.

Acrescentado o Parágrafo Único ao Art. 150-F pelo Decreto nº  29.300 de 12.06.2013, com vigência a partir de 13.06.2013.

Art. 150-G. O pedido de inscrição no CACESE em endereço onde outro posto revendedor, distribuidor ou TRR já tenha operado poderá ser instruído, adicionalmente, por cópia autenticada do contrato social que comprove o encerramento das atividades da empresa antecessora, no referido endereço (Prot. ICMS 51/04). (NR)”

*Art 150-G alterado pelo Decreto nº 23.224 de 20.05.2005, com vigência a partir de 22.12.2004.

*Redação anterior com vigência de 01.06.2004 até 21.12.2004.

Art. 150-G. O pedido de inscrição no CACESE em endereço onde outro posto revendedor varejista, distribuidor ou TRR já tenha operado deve ser instruído, adicionalmente, por cópia autenticada do contrato social que comprove o encerramento das atividades da empresa antecessora, no referido endereço, e, quando couber, da quitação de dívida resultante de penalidade aplicada pela ANP.

Art. 150-H. Somente deve ser concedida inscrição no CACESE, aos distribuidores de combustíveis, Posto Revendedor Varejista de Combustíveis ou Transportador Revendedor-Retalhista – TRR, quando no quadro de administradores ou sócios, não participe pessoa física ou jurídica que, nos 5 (cinco) anos que antecederam à data do pedido de inscrição, não tenha sido administrador de empresa que não tenha liquidado débitos estaduais e tenha cumprido obrigações decorrentes do exercício de atividade regulamentada pela ANP, devendo-se ainda ser observado o que segue;(NR)

I – possua registro e autorização de funcionamento expedido pela Agência Nacional de Petróleo – ANP, específico para a atividade a ser exercida;

II – a Distribuidora de combustíveis, deve possuir base própria ou arrendada, de armazenamento e distribuição de combustíveis líquidos derivados de petróleo, álcool combustível e outros combustíveis automotivos, aprovada pela ANP, com capacidade mínima de armazenamento de 750m³ (setecentos e cinqüenta metros cúbicos), no Estado de Sergipe (Prot. ICMS 51/04);

III – o posto Revendedor varejista de Combustível deve dispor de instalações com tancagem para armazenamento e equipamento medidor de combustível automotivo;

IV – o Transportador Revendedor-Retalhista – TRR, deve possuir base própria ou arrendada, de armazenamento no Estado de Sergipe, aprovada pela ANP, com capacidade mínima de 45m³ (quarenta e cinco metros cúbicos) e dispor de no mínimo 3 (três) caminhões-tanque, próprios, afretados, contratados, sub-contratados ou arrendados mercantilmente (Prot. ICMS 51/04).

Parágrafo único. O Distribuidor de Combustíveis e o Transportador Revendedor e Retalhista – TRR devem comprovar sua regularidade perante o Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores – SICAF. (NR)

*Art. 150-H alterado pelo Decreto nº 26.834 de 06.01.2010, com vigência a partir de 07.01.2010.

*Redação anterior com vigência de 1º.06.2004 até 06.01.2010.

“Art. 150-H. Não deve ser concedida  inscrição no CACESE a posto revendedor varejista, distribuidor de combustíveis ou TRR, quando no quadro de administradores ou sócios, participe pessoa física ou jurídica que, nos 5 (cinco) anos que antecederam à data do pedido de inscrição, tenha sido administrador de empresa que não tenha liquidado débitos estaduais e não tenha cumprido obrigações decorrentes do exercício de atividade regulamentada pela ANP.”

Art. 150-I. A SEFAZ, considerando, especialmente, os antecedentes fiscais que desabonem as pessoas envolvidas, inclusive de seus sócios, se for o caso, pode exigir a prestação de garantia ao cumprimento das obrigações tributárias, para a concessão de inscrição no CACESE.

Art. 150-J. Na hipótese do art. 150-A, tratando-se de contribuinte que ainda não possua registro e autorização de funcionamento para o exercício da atividade, expedida pela ANP, a inscrição no CACESE deve ser concedida em caráter provisório, exclusivamente para possibilitar o atendimento de dispositivos que tratam da concessão de registro para o funcionamento, expedido por esse órgão.

Parágrafo único. A inscrição concedida nos termos do “caput” deste artigo deve ser cancelada, caso o contribuinte no prazo definido para obtenção de registro e autorização na ANP não apresente ao fisco deste Estado a comprovação de obtenção dos mesmos.

Art. 150-A a Art.-J acrescentados pelo Decreto nº 22.810 de 1º.06.04, com vigência a partir de 1º de junho.

Art. 150-K. As disposições constantes nos arts. 150-A a 150-J podem ser exigidas dos terminais de armazenamento e dos importadores (Prot. ICMS 51/04).”

* Art. 150-K acrescentado pelo Decreto nº 23.224, de 20.05.05, com vigência a partir de 22.12.04.

Art. 151. O pedido de inscrição será homologado pelo Secretário de Estado da Fazenda, o qual será deferido após diligência fiscal.

  • Excetuadas as hipóteses indicadas no art. 152 deste Regulamento fica a SUBIEF autorizada a homologar o pedido de inscrição estadual.
  • Não será exigida a diligência fiscal de que trata o “caput” deste artigo no caso de pedido de inscrição para contribuinte substituto, hipótese em que o Centro de Atendimento ao Contribuinte – CEAC/Aracaju, o homologará, após a recepção e conferência da regularidade dos documentos exigidos.” (NR)

*§ 2º alterado pelos Decretos nºs 24.755 e 24.764 de 17.10.2007, com vigência a partir de 18.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2007.

“Redação anterior com vigência de 05.09.2005 até 30.06.2007.

  • 2º Não será exigida a diligência fiscal de que trata o caput deste artigo, no caso de pedido de inscrição para contribuinte substituto, hipótese em que a SUBIEF o homologará, após a recepção e conferência da regularidade dos documentos exigidos.”

*Art. 151 alterado pelo Decreto nº 23.360, de 31.08.2005, com vigência a partir de 05.09.2005.

*Redação Anterior com vigência a partir de 01.05.2003 até 04.09.2005.

Art. 151. O pedido de inscrição só poderá ser homologado após diligência fiscal, exceto para o contribuinte substituto, hipótese em que a homologação ocorrerá após a recepção e conferência da regularidade dos documentos exigidos.

  • 3º Não será exigida diligência fiscal para o contribuinte MEI optante pelo SIMEI.
  • 3º Acrescentado pelo Decreto nº 27.166 de 07.06.2010, com vigência a partir de 08.06.2010.

Art. 152. A inscrição no CACESE não será homologada nos seguintes casos:

I – quando for constatado que o sócio ou titular participava de empresa que teve a inscrição estadual cancelada, exceto quando regularizada sua situação, inclusive com a quitação do débito tributário;

II – quando o endereço não estiver plenamente identificado;

III – quando, no endereço pleiteado, já se encontrar um outro contribuinte com situação cadastral ativa;

IV – quando as instalações físicas do estabelecimento do contribuinte forem incompatíveis com a atividade econômica pretendida, salvo se, pela tipicidade da natureza da operação, não devam as mercadorias por ali transitar, conforme previsto em contrato social ou na declaração de firma individual;

V quando o titular ou sócio estiver com o CPF bloqueado;

*Inciso V alterado pelos Decretos nºs 24.755 e 24.764 de 17.10.2007, com vigência a partir de 18.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2007.

“Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 30.06.2007.

V – quando o titular ou sócio estiver com o CPF bloqueado ou a empresa pleiteante estiver em Regime Especial de Fiscalização, pelos seguintes motivos:

  1. a) endereço informado encontra-se desocupado;
  2. b) o prédio informado encontra-se demolido;
  3. c) existência de outro contribuinte no local informado;
  4. d) logradouro não foi localizado;
  5. e) alteração de contrato social não informado a SEFAZ ;
  6. f) cheque devolvido;
  7. g) omissão de DIC;
  8. h) inscrição de débito fiscais na Dívida Ativa Estadual;
  9. i) débitos fiscais em execução judicial.

V-A – quando a empresa pleiteante estiver em Regime Especial de Fiscalização, pelos seguintes motivos:

  1. a) o endereço informado encontra-se desocupado;
  2. b) o prédio informado encontra-se demolido;
  3. c) existência de outro contribuinte no local informado;
  4. d) o logradouro não foi localizado;
  5. e) alteração de contrato social não informada à SEFAZ;
  6. f) cheque devolvido;
  7. g) omissão de DIC;
  8. h) inscrição de débito fiscais na Dívida Ativa Estadual;
  9. i) débitos fiscais em execução judicial.

*Inciso V-A, acrescentado pelos Decretos nºs 24.755 e 24.764 de 17.10.2007, com vigência a partir de 18.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2007.

VI – quando não comprovada a capacidade econômica e financeira do titular ou sócios em relação ao capital declarado ou à atividade pretendida.

VII – quando não apresentado o alvará de funcionamento do estabelecimento expedido pelo órgão municipal competente.

*inciso VII, acrescentado pelo Decreto nº 22.906, com vigência a partir de 27.08.04.

  • 1º. Na hipótese do inciso III  do “caput” deste artigo: (NR)

I –  deve se considerar liberado o endereço para nova inscrição, se o contribuinte inscrito:

  1. a) comunicar ao órgão de sua circunscrição fiscal a mudança de endereço ou pleitear baixa da respectiva inscrição;
  2. b) apresentar contrato de locação do imóvel, em que conste como locatário o pretendente à nova inscrição e que o local esteja devidamente desocupado, sem a realização de qualquer atividade econômica.

II – A Secretaria de Estado da Fazenda – SEFAZ, pode autorizar mais de uma inscrição no mesmo local, desde que não dificulte a fiscalização relativa ao cumprimento das obrigações tributárias, mediante homologação da Superintendência-Geral de Gestão Tributária e Não-Tributária – SUPERGEST/SEFAZ.

* § 1º do art. 152 alterado pelo Decreto nº 24.022, de 04.10.06, com vigência a partir de 25.07.06.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 24.07.06.

  • 1º Na hipótese do inciso III do “caput” deste artigo, considerar-se-á liberado o endereço para nova inscrição, se o contribuinte inscrito:

I – comunicar ao órgão de sua circunscrição fiscal a mudança de endereço ou pleitear baixa da respectiva inscrição;

II – apresentar contrato de locação do imóvel, em que conste como locatário o pretendente à nova inscrição e que o local esteja devidamente desocupado, sem a realização de qualquer atividade econômica.

  • A critério da Secretaria de Estado da Fazenda, o titular ou sócios poderão ser convidados para realização de entrevista.
  • Poderá ser concedida inscrição a empresa que legalmente já esteja constituída, cujas instalações físicas, porém, se encontrem em fase de implantação.
  • O CEAC/Aracaju somente poderá conceder inscrição estadual para firmas em que o endereço comercial seja o mesmo de residência dos sócios quando forem providenciadas reformas na construção do referido estabelecimento, de forma que a área comercial fique isolada da parte estritamente residencial, não havendo comunicação interna entre as mesmas, possibilitando assim, que o acesso para o setor comercial fique restrito à entrada externa do prédio.

*§ 4º alterado pelos Decretos nºs 24.755 e 24.764 de 17.10.2007, com vigência a partir de 18.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2007.

“Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 30.06.2007.

  • 4º A Subgerência-Geral de Informações Econômico-Fiscais – SUBIEF somente poderá conceder inscrição estadual para firmas em que o endereço comercial seja o mesmo de residência dos sócios quando forem providenciadas reformas na construção do referido estabelecimento, de forma que a área comercial fique isolada da parte estritamente residencial, não havendo comunicação interna entre as mesmas, possibilitando assim, que o acesso para o setor comercial fique restrito à entrada externa do prédio.”

  • 5º. A exigência de que trata o parágrafo anterior pode ser dispensada na hipótese do contribuinte ser prestador  de serviços de transporte ou cuja atividade não esteja abrangida no campo de incidência do ICMS. (NR)”

*§ 5º alterado pelo Decreto nº 24.143, de 18.12.2006, com vigência de 22.12.2006.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003, até 21.12.2006.

  • 5º A exigência de que trata o parágrafo anterior poderá ser dispensada na hipótese do contribuinte ser prestador de serviços cuja atividade não esteja abrangida no campo de incidência do ICMS.

  • O procedimento de que trata o §4º deste artigo, visa tão somente garantir ao FISCO sua presença no estabelecimento, para fins de fiscalização, sem que isso possa ser interpretado como violação do domicílio dos sócios.
  • No caso de pedido de baixa, o mesmo somente será homologado mediante comprovação de regularização da situação tributária do contribuinte perante o Fisco Estadual.
  • Na hipótese do contribuinte possuir débito tributário no momento do pedido de baixa, esta será efetivada com a observação de que há pendência.
  • Não se aplica às disposições dos incisos “I” e “V” do “caput” e dos §§ 4º, 5º e 7º às microempresas e empresas de pequeno porte, nos termos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006.

*§ 9º acrescentado pelos Decretos nºs 24.755 e 24.764 de 17.10.2007, com vigência a partir de 18.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2007.

Art. 153. A inscrição no CACESE deverá constar em todos os documentos que o contribuinte apresentar às repartições públicas estaduais.

Art. 154. Homologada a inscrição, o contribuinte receberá uma carta de homologação, através de Aviso de Recepção ou diretamente na repartição fiscal de sua jurisdição, orientando sobre a emissão da Ficha de Inscrição do Contribuinte – FIC, de preferência por meio da INTERNET, que se constitui em documento intransferível e servirá como identidade do contribuinte, não podendo seus dados serem alterados ou rasurados.

  • O contribuinte do ICMS localizado no Estado de Sergipe, quando da emissão de documento fiscal relativo à operação e/ou prestação de serviço que contratar com outro contribuinte, deverá exigir deste que lhe seja apresentado o original da FIC ou, quando se tratar de contribuinte localizado em outra Unidade Federada, o seu equivalente.
  • Na impossibilidade da apresentação dos documentos de que trata o parágrafo anterior, o adquirente fornecerá, em substituição aos mesmos, uma declaração datada e assinada por extenso, indicando o número da inscrição estadual, o CNPJ e o respectivo endereço.
  • Na hipótese de inscrição provisória de que trata o § 1º do art. 146, o CEAC/Aracaju fará constar na FIC a seguinte expressão “Cadastro Provisório”. (NR)

*§ 3º alterado pelos Decretos nºs 24.755 e 24.764 de 17.10.2007, com vigência a partir de 18.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2007.

“Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 30.06.2007.

  • 3º Na hipótese de inscrição provisória de que trata o § 1º do art. 146, a SUBIEF fará constar na FIC a seguinte expressão “Cadastro Provisório”.

Art. 155. Na hipótese de ser a FIC encontrada em poder de outra pessoa, que não o seu titular, representante legal ou preposto devidamente autorizado, a inscrição será cancelada de ofício, responsabilizando-se, pelos danos causados à Fazenda Estadual, a pessoa inscrita e aquela que se encontrava com a FIC, como solidariamente responsável.

Parágrafo único. O disposto no “caput” deste artigo não se aplica aos casos de perda, extravio e roubo da FIC, desde que o contribuinte comunique, por escrito, à SUBIEF, e registre o fato no Livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrências.

Art. 156. Revogado

*Art. 156, revogado pelo Decreto nº 24.456, de 18.06.2007, com vigência a partir de 19.06.2007.

*Redação revogada

“Art. 156. A FIC será apreendida pelos servidores do Fisco Estadual, no exercício dos respectivos cargos através de “Termo de Apreensão”,  sempre que:

I ‑ for encontrada em poder de terceiros sem autorização legal;

II ‑ houver provas de falsificação ou adulteração, total ou parcial, dos dados nela contidos;

III ‑ estiver com prazo de validade vencido.”

Art. 157. É vedado às pessoas inscritas no CACESE alterarem ou rasurarem quaisquer elementos da FIC.

Art. 158. Quando for permitida a centralização para efeito de escrituração e apuração do imposto, o estabelecimento centralizador informará, no ato da inscrição no CACESE, esta circunstância, bem como os dados dos outros estabelecimentos.

Art. 159. As empresas prestadoras de serviços de transporte rodoviário intermunicipal e interestadual de passageiros manterão inscrição única no CACESE, desde que:

I – no campo “Observações” da AIDF sejam indicados os locais, mesmo que através de códigos, em que serão emitidos os Bilhetes de Passagem Rodoviários, e os Resumos de Movimento Diário;

II – o estabelecimento centralizador mantenha controle de distribuição dos documentos mencionados no inciso anterior para os diversos locais de emissão;

III – o estabelecimento inscrito centralize os registros, as informações fiscais e mantenha à disposição do Fisco Estadual, os documentos relativos a todos os locais envolvidos.

Art. 160. Os estabelecimentos da mesma titularidade e que possuam naturezas diversas, situados no mesmo local, devem ter inscrição única abrangendo todas as atividades, considerando-se como principal a atividade preponderante.(NR)

*Art. 160 alterado pelo Decreto nº 24.022, de 04.10.06, com vigência a partir de 06.10.06.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 05.10.06.

*Art. 160. Os estabelecimentos de naturezas diversas e situados no mesmo local terão inscrição única abrangendo todas as atividades, considerando-se como principal a atividade preponderante.

Parágrafo único. Ato do Secretário de Estado da Fazenda disciplinará os procedimentos quanto a escrituração e demais obrigações acessórias para o atendimento do disposto no “caput” deste artigo.

Vide Portaria n° 111/2005 – SEFAZ, que estabelece procedimentos para adoção de inscrição estadual única a serem observados por contribuintes que num mesmo estabelecimento possuam mais de uma inscrição estadual e dá providências correlatas.

Vide Portaria n° 1.427/2005 – SEFAZ, que estabelece procedimentos para inscrição estadual no Cadastro de Contribuinte do Estado de Sergipe – CACESE e dá providências correlatas.

Art. 161. O contribuinte substituto definido em Protocolos e Convênios, que remeter mercadorias para contribuinte localizado no Estado de Sergipe, deverá requerer sua inscrição no CACESE, através da INTERNET.(Conv. ICMS 18/00).

  • Para efeito deste artigo, o contribuinte substituto remeterá ao setor de cadastro do Centro de Atendimento ao Contribuinte – CEAC, com endereço na Av. Gentil Barbosa, 350, Bairro Getúlio Vargas, CEP. 49.055-260, Aracaju‑SE, os seguintes documentos:

*§ 1º alterado pelos Decretos nºs 24.755 e 24.764 de 17.10.2007, com vigência a partir de 18.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2007.

“Redação anterior com vigência de 19.06.2007 até 30.06.2007.

  • 1º. Para efeito deste artigo, o contribuinte substituto remeterá ao setor de cadastro do Centro de Atendimento ao Contribuinte – CEAC de Aracaju, os seguintes documentos: (NR)”

*§ 1º. Alterado pelo Decreto nº 24.456, de 18.06.2007, om vigência a partir de 19.06.2007.

* Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 18.06.2007

“§ 1º Para efeito deste artigo, o contribuinte substituto remeterá à SUBIEF os seguintes documentos:

I – cópia legível e autenticada:

  1. a) do documento constitutivo da empresa, devidamente atualizado, e quando se tratar de sociedade por ações, também da ata da última assembléia de designação ou eleição da diretoria;
  2. b) do CNPJ e do RG do representante legal;
  3. c) do documento de inscrição no Estado de origem;
  4. d) do instrumento público procuratório, cópia autenticada do CPF e RG e comprovante de domicílio do representante legal, quando for o caso;
  5. e) registro ou autorização de funcionamento expedido por órgão competente pela regulação do respectivo setor de atividade econômica;
  6. f) declaração de imposto de renda dos sócios nos 03 (três) últimos exercícios;
  7. g) outros documentos previstos em ato do Secretário de Estado da Fazenda;

II – comprovante de solicitação da inscrição, emitido após o preenchimento dos dados da FAC, por meio da INTERNET;

III – certidão negativa de tributos estaduais, fornecida pelo Estado de origem.

  • 2º – revogado

*§ 2º revogado pelos Decretos nºs 24.755 e 24.764 de 17.10.2007, com vigência a partir de 18.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2007.

Redação revogada

  • 2º Os documentos previstos no parágrafo anterior poderão ser remetidos por via postal à SUBIEF, com endereço na Av. Tancredo Neves, s/n, Edifício Sálvio Oliveira, Bairro Capucho, CEP. 49.095-000, Aracaju-SE.”

  • A critério da SUPERGEST, poderá ser concedida a inscrição no CACESE a contribuinte substituto não definido em Protocolos e Convênios, hipótese em que poderão ser exigidos outros documentos, além dos já previstos no parágrafo anterior.
  • A SUPERGEST poderá rever, a qualquer tempo, a inscrição no CACESE do contribuinte referido no parágrafo anterior.

*§§ 3º e 4º alterados pelos Decretos nºs 24.755 e 24.764 de 17.10.2007, com vigência a partir de 18.10.2007, produzindo seus efeitos a partir de 1º.07.2007.

“Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 30.06.2007.

  • 3º A critério da SUBIEF, poderá ser concedida a inscrição no CACESE a contribuinte substituto não definido em Protocolos e Convênios, hipótese em que poderão ser exigidos outros documentos, além dos já previstos no parágrafo anterior.
  • 4º A SUBIEF poderá rever, a qualquer tempo, a inscrição no CACESE do contribuinte referido no parágrafo anterior.”

  • A solicitação de que trata o “caput” deste artigo poderá ser feita pelo próprio contribuinte ou por contabilista credenciado no Estado de Sergipe.
  • O número de inscrição concedida ao substituto deverá ser aposto em todo documento dirigido ao Estado de Sergipe, inclusive na GNRE.

Art. 162. Na hipótese do sujeito passivo por substituição não providenciar a sua inscrição nos termos do artigo anterior, em relação a cada operação, deverá efetuar o recolhimento do imposto devido a este Estado, por ocasião da saída da mercadoria de seu estabelecimento por meio de GNRE, devendo uma via acompanhar o transporte da mercadoria.

Parágrafo único. No caso previsto no “caput” deste artigo, deverá ser emitida uma GNRE distinta para cada um dos destinatários, constando no campo informações complementares o número da nota fiscal a que se refere o respectivo recolhimento (Conv. ICMS 95/01).

Seção III
Do Credenciamento do Contabilista

Art. 163. O Contabilista que pretenda atuar profissionalmente junto à SEFAZ deverá solicitar o credenciamento, acessando o site da SEFAZ na INTERNET, e preencher os campos do Cadastro de Contabilista, com os seguintes dados de identificação pessoal e profissional: Carteira de Identidade, CPF ou CNPJ, Endereço do Escritório ou da Empresa de Contabilidade, número do registro no CRC/SE do Contabilista e/ou Empresa, observado ainda:

I – somente será credenciado o contabilista habilitado ao exercício da função, e em situação regular junto ao Conselho Regional de Contabilidade – CRC/SE;

II – os Contabilistas inscritos no CRC de outra Unidade da Federação, que prestem serviços aos contribuintes do Estado de Sergipe, devem ter, obrigatoriamente, inscrição secundária no CRC/SE, além de estar em situação regular junto ao CRC do Estado de origem;

III – a empresa de contabilidade deverá indicar o responsável pelo estabelecimento no ato do credenciamento.

Seção IV
Da Alteração

Art. 164. Qualquer alteração nos dados cadastrais, bem como qualquer modificação nos dados dos atos constitutivos, deverão ser comunicadas a SEFAZ, através da INTERNET, dentro de 15 (quinze) dias, contados a partir da data em que ocorra a alteração, e, quando da mudança de endereço, será concretizada após prévia homologação do Fisco Estadual.

  • O pedido de alteração cadastral será feito com o preenchimento da FAC, através da INTERNET, devendo o contribuinte manter e apresentar ao Fisco, quando exigido, os documentos de que trata o art. 150, conforme o caso.
  • Nos casos de aquisição de estabelecimento ou fundo de comércio, transformação, incorporação, fusão ou cisão, ou de transmissão a herdeiro ou legatário, bem como nos casos de mudança de endereço, será mantido o mesmo número de inscrição, sempre que possível.
  • 3º. O pedido de alteração no CACESE não será homologado quando: (NR)

I – for constatado que o sócio ou titular participava de empresa que teve a inscrição estadual cancelada, exceto quando regularizada sua situação;

II – o sócio ou titular esteja com seu CPF bloqueado pelos motivos relacionados no inciso V do art. 152 deste Regulamento.”

*§ 3º alterado pelo Decreto nº 24.456, de 18.06.2007, com vigência a partir de 19.06.2007.

* Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 18.06.2007.

“§ 3º O pedido de alteração  no CACESE  não  será homologado, quando for constatado que o sócio ou titular participava de empresa que teve a inscrição estadual cancelada, exceto quando regularizada sua situação, inclusive com a quitação do débito tributário.

Art. 164-A. Uma vez constatada junto à JUCESE, ou por quaisquer outros meios,  alteração ou divergência de dados cadastrais sem que o contribuinte tenha informado à SEFAZ no prazo estabelecido no art. 164 deste Regulamento, fica esta autorizada a efetuar a atualização de ofício. (NR)

Parágrafo único A atualização de ofício de que trata este artigo somente poderá se dar quando o contribuinte não tenha atendido prévia notificação, hipótese em que a alteração cadastral deverá ser comunicada ao contribuinte.

*Art. 164-A alterado pelo Decreto nº 22.862 de 27.07.2004, com vigência a partir de 30.07.2004.

*Redação anterior com vigência de 01.05.2003 até 29.07.2004.

“Art. 164-A. Uma vez constatada junto à JUCESE qualquer alteração ou divergência de dados cadastrais sem que o contribuinte tenha informado à SEFAZ no prazo do artigo anterior, fica esta autorizada a efetuar a atualização de ofício.”

Art. 164-A acrescentado pelo Decreto nº 22.436, de 24.11.2003, com vigência a partir de 25.11.2003.

Vide Portaria  n.º 675/2006-SEFAZ, que dispõe sobre procedimentos para alteração de dados cadastrais do contribuinte, inclusive relativos aos sócios do estabelecimento.

Vide Portaria  n.º 894/2004-SEFAZ, que dispõe sobre a alteração cadastral, relativo a mudança de endereço não informada pelo contribuinte.

Seção V
Do Cancelamento

Vide Lei n.º 6.096/06, que dispõe sobre a cassação de eficácia da Inscrição no cadastro de contribuintes do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transportes Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação – ICMS, dos estabelecimentos que comercializem produtos falsificados, contrabandeados ou de origem duvidosa, na hipótese que especifica.

Vide Portaria n.° 214/2010-SEFAZ, que estabelece critérios para reativação da inscrição estadual cancelada, nos termos do parágrafo único do art. 165 do Regulamento do ICMS.

Art. 165. A inscrição no CACESE deve ser cancelada “ex offício” pela SEFAZ, nas seguintes hipóteses:

I ‑ constatação, através de ação fiscal, de que o contribuinte encerrou suas atividades no local indicado;

II – existência de outro contribuinte ou estabelecimento no local;

III ‑ após transitar em julgado a sentença declaratória de falência;

IV – cassação de decisão judicial que ordenou a  inscrição;

V ‑ sempre que ficar comprovada a falsidade dos elementos que serviram de base para obtenção da inscrição;

VI – falta de recadastramento.

VII – baixa no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica – CNPJ; (NR)

*Inciso VII alterado pelo Decreto nº 28.527 de 24.05.2012, com vigência a partir de 29.05.2012.

*Redação anterior com vigência de 1º.12.2011 até 28.05.2012.

VII – outras, a critério do Secretário de Estado da Fazenda.

*Inciso VII acrescentado pelo Decreto nº 28.203 de 30.11.2011, com vigência a partir de 01.12.2011.

VIII – deixar de enviar a Declaração de Informações do Contribuinte – DIC ou a Escrituração Fiscal Digital – EFD, por período superior ao definido em ato do Secretário de Estado da Fazenda;

Vide Portaria SEFAZ n.° 409/2012, que estabelece prazo para cancelamento, “ex offício”, da inscrição de contribuinte no Cadastro de Contribuintes do Estado de Sergipe – CACESE pela falta de envio da Declaração de Informações do Contribuinte – DIC ou da Escrituração Fiscal Digital – EFD, ou ainda pela falta de recolhimento do ICMS.

IX – outras, conforme critério definido em ato do Secretário de Estado da Fazenda.

*Incisos VIII e IX acrescentados pelo Decreto nº 28.527 de 24.05.2012, com vigência a partir de 29.05.2012.

Vide Portaria SEFAZ n.° 409/2012, que estabelece prazo para cancelamento, “ex offício”, da inscrição de contribuinte no Cadastro de Contribuintes do Estado de Sergipe – CACESE pela falta de envio da Declaração de Informações do Contribuinte – DIC ou da Escrituração Fiscal Digital – EFD, ou ainda pela falta de recolhimento do ICMS.

Parágrafo único. A inscrição cancelada pode ser reativada a critério da SEFAZ, após a realização de diligência.

*Caput do Art.  165 alterdo pelo Decreto  nº 24.456, de 18.06.2007, com vigência a partir de 19.06.2007.

*Redação Anterior com vigência de 22.12.2006 até 18.06.2007

“Art. 165. A inscrição no CACESE deve ser cancelada “ex offício” pela SEFAZ, nas seguintes hipóteses: (NR)

I ‑ constatação, através de ação fiscal, de que o contribuinte encerrou suas atividades no local indicado;

II – existência de outro contribuinte ou estabelecimento no local,

III ‑ após transitar em julgado a sentença declaratória de falência;

IV – cassação de decisão judicial que ordenou a  inscrição;

V ‑ sempre que ficar comprovada a falsidade dos elementos que serviram de base para obtenção da inscrição;

VI – falta de recadastramento.”

*Art. 165. alterado pelo Decreto nº 24.143, de 18.12.2006, com vigência a partir de 22.12.2006.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 21.12.2006.

Art. 165. A inscrição no CACESE será cancelada “ex offício” pela SEFAZ, nas seguintes hipóteses:

I – constatação, através de ação fiscal, de que o contribuinte não exerce as atividades no local indicado, e não foi localizado;

II – não localização do contribuinte em virtude do desaparecimento da empresa;

III – após transitar em julgado sentença declaratória de falência;

IV – sempre que ficar comprovada a falsidade dos elementos que serviram de base para obtenção da inscrição;

V – for a FIC encontrada em poder de terceiros, conforme o disposto no art. 156;

VI – após o prazo de 15 (quinze) dias concedido para que o contribuinte regularize a situação, em se tratando do não reinício das atividades, quando esgotado o prazo de suspensão da inscrição ou sua prorrogação;

VII – outras, a critério da SEFAZ.

Parágrafo único. A inscrição cancelada poderá ser reativada a critério da SEFAZ.

Vide Portaria n.º 214/2010-SEFAZ, que estabelece critérios para reativação da inscrição estadual cancelada, nos termos do parágrafo único do art. 165 do Regulamento do ICMS.

Art. 166. A SEFAZ publicará no Diário Oficial do Estado, Edital discriminando nome, endereço, CNPJ, CACESE do contribuinte que teve sua inscrição cancelada.

Parágrafo único. Os documentos fiscais do contribuinte de que trata o “caput” deste artigo serão considerados inidôneos a partir da data da publicação do cancelamento no Diário Oficial do Estado.

Art. 167. O número da inscrição cancelada não será utilizado para efeito de nova inscrição.

Seção VI
Da Baixa

Art. 168. O contribuinte do ICMS, inscrito no CACESE, que encerrar definitivamente suas atividades solicitará, por meio da INTERNET, dentro do prazo de 15 (quinze) dias, baixa de sua inscrição cadastral, hipótese em que a inscrição será suspensa.

  • O contribuinte, após a solicitação, deve se dirigir a repartição fiscal de sua jurisdição fiscal munido da seguinte documentação:

I – comprovante de solicitação de baixa, impresso depois da solicitação feita através da INTERNET;

II – Ficha de Inscrição do Contribuinte – FIC;

III – recibo de envio da Declaração de Informações do Contribuinte – DIC, correspondente ao período em que estiver solicitando a baixa, conforme o caso; (NR)

* Inciso III, alterado pelo Decreto nº 21.878, de 02/06/2003, com vigência a partir de 03/06/2003.

*Redação Anterior com vigência de 01/05/2003 até 02/06/2003.

III – recibo de envio da Declaração de Informações do Contribuinte – DIC correspondente ao exercício ou período em que estiver solicitando a baixa conforme o caso;”

IV – documentos fiscais não utilizados para serem destruídos pelo Setor de Cadastro;

V – cópia autenticada do comprovante de recolhimento do ICMS incidente sobre o estoque;

VI – outros documentos de interesse da Administração Tributária.

  • Na hipótese de utilização dos documentos fiscais de que trata o inciso IV do parágrafo anterior, por outro estabelecimento do mesmo titular, será aposto, em cada via do documento fiscal, após autorização do Setor de Cadastro carimbo contendo nome, números de inscrição, estadual e no CNPJ do estabelecimento que irá reutilizá-los.
  • Os livros e documentos fiscais utilizados ficarão em posse do contribuinte, devendo o sócio ou procurador assinar termo de responsabilidade, tornando-se fiel depositário dos mesmos.
  • 4º. A repartição fazendária, de posse dos documentos referidos no §1º deste artigo, pode a seu critério ou por determinação da Superintendência-Geral de Gestão Tributária e Não-Tributária – SUPERGEST, para conferir a veracidade das informações, realizar diligência no endereço do estabelecimento comercial do contribuinte, devendo, após isto, encaminhar o processo de solicitação de baixa juntamente com o relatório da diligência, quando houver,  à Gerência-Geral de Planejamento Fiscal – GERPLAF,  para fins de homologação.(NR)

  • 5º O pedido de baixa somente deve ser homologado após auditoria fiscal, exceto no caso de:

I – inscrição de contribuinte não recadastrado;

II – o contribuinte não ter realizado aquisições de mercadorias ou não ter utilizado serviço abrangido no campo de incidência do ICMS, e:

  1. a) não tenha efetuado pedido de autorização para utilização de documentos fiscais;
  2. b)  não tenha solicitado autorização para o uso de Equipamento Emissor de Cupom Fiscal – ECF;
  3. c) o período de solicitação de baixa tenha sido alcançado pelo instituto da decadência. (NR)
  • 5º do art. 168 alterado pelo Decreto 29.676/A de 27.12.13, com vigência a partir de 14.01.14.

Redação Anterior até 13.01.14.

  • 5º O pedido de baixa somente deve ser homologado após auditoria fiscal, exceto nos casos indicados abaixo:

I – de inscrição de contribuinte não recadastrado;

II – ausência de pedido de autorização para utilização de documentos fiscais ou credenciamento para emitir documento fiscal eletrônico e o contribuinte não ter realizado aquisições de mercadorias ou utilização de prestação de serviços abrangidas no campo de incidência do ICMS;

III – nos casos cujo período estiver sido alcançado pelo instituto da decadência

  • 5º do art. 168 alterado pelo Decreto nº 29.533 de 10.10.2013, com vigência a partir de 16.10.13, produzindo seus efeitos a partir de 1º.09.13.

Redação Anterior até 31.08.13.

  • 5º Exceto nos casos de baixa de inscrição de contribuinte não recadastrado, o pedido de baixa somente deve ser homologado após auditoria fiscal. (NR)

*§5º alterado pelo Decreto nº 28.527 de 24.05.2012, com vigência a partir de 29.05.2012.

*Redação anterior com vigência de 06.10.2006 até 28.05.2012.

“§ 5º. O pedido de baixa somente deve ser homologado após auditoria fiscal.”

*§§ 4º e 5º alterados pelo Decreto nº 24.022, de 04.10.06, com vigência a partir de 06.10.06

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 05.10.06.

  • 4º A SUBIEF encaminhará o processo de solicitação de baixa à Gerência Regional de Fiscalização de Estabelecimento – GERFIEST, para que seja providenciada a diligência fiscal.
  • 5º O pedido de baixa só será homologado após diligência fiscal.

  • 6º. REVOGADO

*§ 6º do art. 168 revogado pelo Decreto nº 24.022, de 04.10.06, com vigência a partir de 06.10.06.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 05.10.06.

  • 6º Encontrada qualquer irregularidade quanto ao ICMS, o agente fiscalizador responsável pela diligência fiscal tomará as medidas cabíveis, informando-as no processo de solicitação de baixa.

  • A concessão da baixa da inscrição não implicará em quitação do imposto devido, nem impedirá a Fazenda Pública Estadual de cobrar quaisquer outros débitos fiscais que venham a ser apurados.
  • 7º-A. O pedido de baixa da empresa beneficiária do Programa Sergipano de Desenvolvimento Industrial – PSDI, implica no vencimento dos prazos de recolhimento:

I – do ICMS diferido:

  1. a) na importação de matéria-prima, material secundário ou de embalagem;
  2. b) na importação de bens de capital, desde que desincorporados antes de 48 (quarenta e oito) meses, contados da data da aquisição;
  3. c) do diferencial de alíquota na aquisição de bens de capital, desde que desincorporados antes de 48 (quarenta e oito) meses, contados da data da aquisição;

II – do ICMS decorrente de suas operações com o benefício fiscal de carência para o pagamento.

*§ 7º-A acrescentado pelo Decreto nº 24.143, de 18.12.2006, com vigência a partir de 22.12.2006.

  • 7º-B. O pedido de baixa da empresa optante pelo SIMEI ocorrerá automaticamente, exceto nas seguintes situações:

I – caso seja verificada a existência de débitos deste contribuinte com a SEFAZ;

II – se for detectada omissão de declaração do contribuinte (DASN-MEI);

III – quando forem verificadas entradas de mercadorias neste Estado, cujo valor relativo ao exercício anterior ou observada a proporcionalidade quando se referir ao exercício em curso, extrapolem os limites legais.

  • 7º-B acrescentado pelo Decreto nº 27.828 de 25.05.2011, com vigência a partir de 26.05.2011.
  • 7º-CO pedido de baixa no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica – CNPJ solicitado pelo Microempreendedor Individual – MEI equivalerá ao pedido de baixa, também, no CACESE, sem prejuízo da cobrança de débitos porventura existentes deste contribuinte junto à SEFAZ.
  • 7º-C acrescentado pelo Decreto nº 29.187, de 17.04.2013, com vigência a partir de 24.04.2013.
  • A baixa de inscrição de empresa com pendência relativa a Auto de Infração somente será deferida mediante observação da existência de tal pendência.
  • No ato da solicitação da baixa, o contribuinte informará ao Fisco Estadual o local onde poderá ser encontrado, para fins de notificação sobre o andamento do processo de baixa e quaisquer outros eventos de interesse do Fisco.
  • 10. Os documentos fiscais de um estabelecimento que solicitar baixa de sua inscrição estadual poderão ser aproveitados por outro estabelecimento do mesmo contribuinte, desde que:

I – o estabelecimento interessado encaminhe, previamente, à ao Setor de Cadastro, pedido de uso de talonário, discriminando o tipo, a série, a subsérie e a numeração dos documentos a serem aproveitados;

II – conste, nos documentos fiscais, carimbo com a inscrição estadual, CNPJ, e endereço do estabelecimento solicitante;

III – os talonários de que trata o inciso I sejam escriturados no Livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrências do estabelecimento solicitante, indicando a numeração, a série e a subsérie.

  • 11. A SUBIEF autorizará o procedimento constante no parágrafo anterior, após a concessão da baixa da inscrição do estabelecimento que encerrou sua atividade.
  • 12. A utilização de documentos fiscais de um estabelecimento por outro do mesmo contribuinte, nos termos do § 10 só será permitido uma única vez.
  • 13. Revogado.

* § 13 revogado pelo Decreto nº 24.143 de 18.12.2006, com vigência a partir de 22.12.2006.

*Redação Revogada com vigência de 01.05.2003 até 21.12.2006.

  • 13. Não solicitada a prorrogação do prazo de validade da inscrição provisória, com antecedência de no mínimo 15 (quinze) dias, pela empresa interessada, esta deve ser enquadrada como inapta pelo motivo de “inscrição provisória com prazo expirado. (NR)

*Parágrafo 13 alterado pelo Decreto nº 23.449, de 26.10.2005, com vigência a partir de 27.10.2005.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 26.10.2005.

  • 13. Não solicitada a prorrogação do prazo de validade da inscrição provisória, com antecedência de no mínimo 15 (quinze) dias, pela empresa interessada, esta será enquadrada como inapta pelo motivo de “inscrição provisória com prazo inspirado.

  • 14. Caso o contribuinte seja credenciado junto à SEFAZ, deverá solicitar o descredenciamento antes da solicitação da baixa.
  • 15. O contribuinte que estiver em situação de irregularidade com débito inscrito na Dívida Ativa Estadual, terá os seus sócios impedidos de transacionar com a SEFAZ.

Seção VII
Da Suspensão e da Atualização

Art. 169. A inscrição no CACESE pode ser suspensa, a pedido do contribuinte, nos seguintes casos: (NR)

I – afastamento do contribuinte ou do sócio-dirigente da empresa para tratamento de saúde, dentro ou fora do Estado, mediante apresentação de atestado médico;

II – calamidade pública, incêndio ou sinistros justificados mediante apresentação de atestado do órgão competente;

III – reforma ou demolição do prédio onde funciona o respectivo estabelecimento, com apresentação do alvará fornecido pela Prefeitura;

IV – outros, a critério da Secretaria  de Estado da Fazenda – SEFAZ.

  • 1º. Nas hipóteses previstas no inciso I do “caput” deste artigo, o pedido justificado de suspensão cadastral deve ser feito através da internet, devendo o contribuinte manter e apresentar ao Fisco, quando exigido, os comprovantes de solicitação de suspensão e os documentos pertinentes.
  • 2º. O pedido de suspensão, quando solicitado pelo contribuinte, somente deve ser concedido após realização de diligência fiscal pela GERFIEST, exceto nos casos de contribuinte substituto localizado em outra Unidade da Federação.

*Artigo 169 alterado pelo Decreto nº 24.143, de 18.12.2006, com vigência a partir de 22.12.2006.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003, até 21.12.2006.

Art. 169. A inscrição no CACESE poderá ser suspensa:

I – a pedido do contribuinte, nos seguintes casos:

  1. a) afastamento do contribuinte ou do sócio-dirigente da empresa para tratamento de saúde, dentro ou fora do Estado, mediante apresentação de atestado médico;
  2. b) calamidade pública, incêndio ou sinistros justificados mediante apresentação de atestado do órgão competente;
  3. c) reforma ou demolição do prédio onde funciona o respectivo estabelecimento, com apresentação do alvará fornecido pela Prefeitura;
  4. d) outros, a critério da Secretaria de Estado da Fazenda;

II – por ato do Secretário de Estado da Fazenda, mediante a instauração de processo administrativo com amplo direito de defesa, quando os contribuintes praticarem irregularidades fiscais caracterizadas através da lavratura de auto de infração, inclusive com retenção de mercadorias, nas hipóteses abaixo:

  1. a) fraudar ou adulterar livro ou documento fiscal, bem como agir em conluio com outrem, com o fim de iludir o Fisco, fugindo ou retardando o pagamento do imposto;
  2. b) confeccionar, utilizar ou possuir Nota Fiscal ou documento fiscal equivalente, impressos sem a autorização do Fisco;
  3. c) reter e não recolher o imposto de sua responsabilidade, na hipótese de substituição tributária prevista na legislação;

III – na forma que dispõe o inciso anterior, o contribuinte praticar, de forma reiterada, irregularidade fiscal, caracterizada através da lavratura de auto de infração, inclusive com retenção de mercadoria, nas hipóteses abaixo:

  1. a) falta de exibição de documento e livro fiscal quando solicitada por autoridade fazendária, ou quando promover qualquer outra manifestação de embaraço, salvo motivo justificado;
  2. b) negar ou deixar de fornecer Nota Fiscal ou documento equivalente relativo à saída de mercadoria ou prestação de serviços;
  3. c) receber ou estocar mercadoria sem a documentação fiscal, ou sendo esta inidônea.

IV – no caso do contribuinte que deixar de entregar, quando solicitado, o equipamento necessário para medir a quantidade de combustível do tanque existente nos posto*s de combustíveis;

V – outras formas que, a critério da Secretaria de Estado da Fazenda, venham a ser estabelecidas.

  • 1º Nas hipóteses previstas no inciso I do “caput” deste artigo, o pedido justificado de suspensão cadastral deverá ser feito através da INTERNET, devendo o contribuinte manter e apresentar ao Fisco, quando exigido, os comprovantes de solicitação de suspensão e os documentos pertinentes.
  • 2º 0 pedido de suspensão, quando solicitado pelo contribuinte, só poderá ser concedido após realização de diligência fiscal pela GERFIEST, exceto nos casos de contribuinte substituto localizado em outra Unidade da Federação.
  • 3º Para efeito do disposto no inciso III do “caput” deste artigo, entende-se, como prática reiterada, o cometimento de infrações da mesma natureza por mais de 02 (duas) vezes, no período de 12 (doze) meses.

Art. 170. A suspensão da inscrição a pedido será concedida por prazo máximo de 180 (cento e oitenta) dias, podendo ser prorrogado por igual período, desde que solicitado dentro de, no mínimo, 15 (quinze) dias antes de esgotar-se o prazo inicial concedido.

Art. 171. Reiniciando suas atividades antes do prazo do artigo anterior, o contribuinte comunicará esta ocorrência à SEFAZ, por meio da INTERNET.

  • Feita a comunicação, o contribuinte será automaticamente reativado.
  • Expirado o prazo de suspensão da inscrição, o contribuinte deverá reiniciar suas atividades ou solicitar baixa no prazo de 15 (quinze) dias.
  • Expirado o prazo de que trata o parágrafo anterior sem que o contribuinte peça a baixa cadastral, a SEFAZ reativará sua inscrição automaticamente.

TÍTULO III
DOS DOCUMENTOS E LIVROS FISCAIS

CAPÍTULO I
DOS DOCUMENTOS FISCAIS

Seção I
Das Disposições Comuns a Todos os Documentos Fiscais

Subseção I
Das Disposições Gerais

Vide Portaria n.º 1.129/2004-SEFAZ, que institui o documento denominado “GUIA DE MOVIMENTAÇÃO – GM” e dá providências correlatas.

Art. 172. O contribuinte do ICMS, de acordo com as operações e prestações que realizar, deverá emitir os seguintes documentos fiscais (Conv. SINIEF s/nº/70, Conv. SINIEF 06/89 e Ajustes SINIEF 03/78, 04/78, 01/85, 01/86, 04/86, 04/87, 02/88, 01/89, 02/89, 04/89, 06/89, 10/89, 13/89, 14/89, 15/89, 16/89, 19/89, 20/89, 28/89, 01/93, 03/94, 01/95, 02/95, 03/95 e 04/95):

I – Nota Fiscal, modelos 1 e 1-A conforme Anexos XXXII e XXXIII, respectivamente;

II – Nota Fiscal de Venda a Consumidor, modelo 2, conforme Anexo XLIX;

III – Nota Fiscal de Produtor, modelo 4, conforme Anexo L;

IV – Nota Fiscal/Conta de Energia Elétrica, modelo 6, conforme Anexo XXXVI;

V – Nota Fiscal de Serviço de Transporte, modelo 7, conforme Anexo XXXVII;

VI – Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas, modelo 8 conforme Anexo XXXV;

VII – Conhecimento de Transporte Aquaviário de Cargas, modelo 9, conforme Anexo XXXIV;

VIII – Conhecimento Aéreo, modelo 10, conforme Anexo XXXVIII;

IX – Conhecimento de Transporte Ferroviário de Cargas, modelo 11, conforme Anexo XXXIX;

X – Despacho de Transporte, modelo 17, conforme Anexo XXX;

XI – Ordem de Coleta de Cargas, modelo 20, conforme Anexo XL;

XII – Manifesto de Carga, modelo 25, conforme Anexo XLVIII;

XIII – Autorização de Carregamento e Transporte, modelo 24, conforme Anexo XXXI;

XIV – Bilhete de Passagem Rodoviário, modelo 13, conforme Anexo XLI;

XV – Bilhete de Passagem Aquaviário, modelo 14, conforme Anexo XLII;

XVI – Bilhete de Passagem e Nota de Bagagem, modelo 15, conforme Anexo XLIII;

XVII – Bilhete de Passagem Ferroviário, modelo 16, conforme Anexo XLIV;

XVIII – Resumo de Movimento Diário, modelo 18, conforme Anexo XLV;

XIX – Documento de Excesso de Bagagem, conforme art. 285 deste Regulamento;

XX – Nota Fiscal de Serviço de Comunicação, modelo 21, conforme Anexo XLVI;

XXI – Nota Fiscal de Serviço de Telecomunicações, modelo 22, conforme Anexo XLVII;

XXII – Cupom Fiscal ECF;

XXIII – Cupom Fiscal de Máquina Registradora;

XXIV – Cupom Fiscal PDV.

XXV – Conhecimento de Transporte Multimodal de Cargas, Modelo 26, conforme Anexo LXXII deste Regulamento (Ajuste SINIEF 06/03).

*inciso XXV acrescentado pelo Decreto nº 22.636, de 27.12.2003, com vigência a partir de 01.01.2004.

XXVI – Nota Fiscal Eletrônica, modelo 55, e o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica (Ajuste SINIEF 07/05).

*Inciso XXVI acrescentado pelo Decreto nº 23.826 de 02.06.2006, com vigência a partir de 01.07.2006.

XXVII – Nota Fiscal de Serviço de Transporte Ferroviário, modelo 27 (Ajuste SINIEF 07/06).

Inciso XXVII acrescentado pelo Decreto n.º 24.135 de 11 de dezembro de 2006, com vigência a partir de  de 1º.01.2007.

XXVIII – Nota Fiscal de Venda a Consumidor On-line –  NFVC on line, modelo 2.

*Inciso XVIII acrescentado pelo Decreto nº 27.507 de 19.11.2010, com vigência a partir de 22.11.2010.

XXIX – Conhecimento de Transporte Eletrônico – CT-e, Modelo 57 (Ajuste SINIEF 09/07);

XXX – Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais – MDF-e, Modelo 58 (Ajuste SINIEF 21/2010).

XXXI – Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica – NFC-e, modelo 65 (Ajuste SINIEF nº 11/13);(Acrescentado pelo Decreto nº 29.796, com efeitos a partir de 25.04.2014)

*Incisos XXIX e XXX acrescentados pelo Decreto nº 28.696 de 13.08.2012, com vigência a partir de 16.08.2012.

Nota: Ver art.3º do Decreto nº 28.696 de 13.08.2012.

  • Os documentos fiscais mencionados neste artigo obedecerão aos modelos estabelecidos nos respectivos anexos deste Regulamento.

  • É vedada a utilização simultânea dos modelos 1 e 1-A do documento fiscal de que trata o inciso I do “caput” deste artigo, salvo quando adotadas séries distintas, nos termos do § 3º do art. 180 (Ajuste SINIEF 09/97).

  • 3º. No caso de roubo, furto, perda ou extravio, deterioração, destruição ou inutilização de documentos fiscais, o contribuinte deve adotar as seguintes providências: (NR)

*§ 3º do art. 172 alterado pelo Decreto nº 24.022 , de 04.10.06, com vigência a partir de de 06.10.2006.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 05.10.2006.

  • 3º No caso de perda ou extravio, deterioração, destruição ou inutilização de documentos fiscais, o contribuinte deverá adotar as seguintes providências:

I  – registrar no  prazo de 72 (setenta e duas) horas a ocorrência na Delegacia da Ordem Tributária;(NR)

II – publicar a ocorrência no Diário Oficial do Estado, no prazo de 72 (setenta e duas) horas, contado da data do boletim de ocorrência policial, cuja publicação deve conter no mínimo: (NR)

  1. a) nome, endereço, números de inscrição do estabelecimento no CNPJ e no CACESE;
  2. b) quantidade de livros e/ou documentos fiscais, detalhando espécie, modelo, número, série e subsérie, conforme o caso;
  3. c) motivo da ocorrência, conforme registrado no Boletim de Ocorrência Policial.

* Incisos I e II  alterados pelo Decreto nº 23.449,, de 26.10.2005, com vigência a partir de 27.10.2005.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 26.10.2005.

I – comunicar o fato por escrito, no prazo de 72 (setenta e duas) horas, à Gerência Regional de Fiscalização de Estabelecimentos – GERFIEST, através da repartição fazendária do domicílio fiscal do estabelecimento, instruindo a comunicação com fotocópia autenticada da publicação da ocorrência no Diário Oficial do Estado, cuja publicação conterá, no mínimo:

  1. a) nome, endereço, números de inscrição do estabelecimento no CNPJ e no CACESE;
  2. b) quantidade de livros e/ou documentos fiscais, detalhando espécie, modelo, número, série e subsérie, conforme o caso;

II – encaminhar à GERFIEST, no prazo de 5 (cinco) dias contados da data da comunicação de que trata o inciso I deste artigo, “Relação de Estoque de Mercadorias” existentes no estabelecimento.

III – registrar a ocorrência no Sistema de Informações do Contribuinte-SIC, no prazo de 72 (setenta e duas) horas, contado da data do boletim de ocorrência policial;

IV – dirigir-se à repartição fazendária de seu domicílio fiscal, portando a relação de estoque de mercadorias existentes no estabelecimento, além dos documentos de que tratam os incisos I e II deste parágrafo.

Incisos III e IV acrescentados pelo Decreto nº 23.449,, de 26.10.2005, com vigência a partir de 27.10.2005.

  • No caso de sinistro ou calamidade em que os documentos fiscais forem inutilizados, o contribuinte deverá

:I – comunicar o fato à SEFAZ, através da INTERNET, com o preenchimento do registro de ocorrência em documentos fiscais, dentro de 48 (quarenta e oito) horas, e manter o laudo pericial do órgão competente para apresentação ao Fisco, quando exigido;

II – fazer publicar no Diário Oficial do Estado, no prazo máximo de 8 (oito) dias, discriminando a numeração, a série e a subsérie dos documentos inutilizados.

  • 5º. REVOGADO

*§ 5º. revogado pelo Decreto nº 24.022, de 04.10.06, com vigência a partir de 06.10.06

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 24.10.06

  • 5º. Em caso de perda, roubo, ou furto de documentos fiscais, o contribuinte deverá:

I – comunicar o fato à SEFAZ, através da INTERNET, com o preenchimento do registro de ocorrência em documentos fiscais, dentro de 48 (quarenta e oito) horas, e manter em seu poder a queixa policial, para apresentação ao Fisco, quando exigido;

II – fazer publicar o ocorrido, no prazo de 8 (oito) dias, no Diário Oficial do Estado e em 2 (dois) jornais de grande circulação, fazendo constar os dados tais como série, subsérie, quantidade e numeração dos documentos furtados ou roubados.

  • 6º. Em quaisquer das hipóteses previstas nos §§ 3º e 4º deste artigo, a SEFAZ efetuar diligência fiscal. (NR)

*§ 6º. do art. 172 alterado pelo Decreto nº 24.022, de 04.10.06, com vigência a partir de 06.10.06

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 05.10.06

  • 6º Em qualquer das hipóteses previstas no §§ 4º e 5º deste artigo, a SEFAZ efetuará diligência fiscal.

  • 7º. Os documentos e impressos fiscais não podem ser retirados do estabelecimento, salvo: (NR)

*§ 7º. alterado pelo Decreto nº 24.143, de 18.12.2006, com vigência a partir de 22.12.2006.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 21.12.2006.

  • 7º Os livros, documentos e impressos fiscais não poderão ser retirados do estabelecimento, salvo:

I – quando autorizados pelo fisco;

II – para serem levados à repartição fiscal;

III – para permanecerem sob guarda de profissional contabilista que, para esse fim, estiver expressamente indicado no formulário de inscrição cadastral, hipótese em que a exibição, quando exigida, será feita em local determinado pelo fisco;

IV – em caso expressamente previsto pela legislação.

  • Na hipótese do inciso III do parágrafo anterior, o contribuinte comunicará, por meio do formulário de inscrição cadastral, qualquer alteração relacionada com a guarda e conservação dos livros e documentos fiscais.
  • O prestador de serviço de transporte fica autorizado a manter fora do estabelecimento, em seu poder ou em poder de prepostos, impressos de documentos fiscais (Conv. SINIEF 06/89).
  • 10. São considerados documentos fiscais, além dos indicados no “caput” deste artigo, àqueles instituídos pela legislação tributária estadual.

* § 10 acrescentado pelo Decreto nº 23.346, de 22.08.2005, com vigência a partir de 01.08.2005.

  • 11. Quando a pessoa  jurídica,  resultante  de fusão, incorporação, cisão ou transformação, continuar com a inscrição estadual da empresa sucedida, a SEFAZ pode autorizar a utilização dos documentos fiscais desta.

*§ 11 acrescentado pelo Decreto nº 24.143, de 18.12.2006, com vigência a partir de 22.12.2006.

  • 12º Poderá ser exigido do contribuinte, conforme as operações ou prestações que realizar a emissão de Documento Fiscal Eletrônico – DFE, conforme previsto na Seção I-B, Capítulo I do Titulo III – A, do Livro II do RICMS/SE.

*§ 12 acrescentado pelo Decreto nº 27.507 de 19.11.2010, com vigência a partir de 22.11.2010.

Art. 173. Os documentos fiscais, bem como faturas, duplicatas, guias, documentos de arrecadação, recibos e todos os demais documentos relacionados com o imposto devem ser conservados, no mínimo, pelo prazo decadencial, e, quando relativos a operações ou prestações objeto de processo pendente, até sua decisão definitiva, ainda que esta venha a ser proferida após aquele prazo. (NR)

*Artigo 173 alterado pelo Decreto nº 24.143, de 18.12.2006, com vigência a partir de 22.12.2006.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003, até 21.12.2006.

Art. 173. Os livros e documentos fiscais, bem como faturas, duplicatas, guias, documentos de arrecadação, recibos e todos os demais documentos relacionados com o imposto deverão ser conservados, no mínimo, pelo prazo decadencial, e, quando relativos a operações ou prestações objeto de processo pendente, até sua decisão definitiva, ainda que esta venha a ser proferida após aquele prazo.

Art. 174.  REVOGADO

Art. 174. revogado pelo Decreto nº 29.679   de  09.01.2014, com vigência a partir de .14.01.2014.

Redação revogada

Art. 174. Nos casos previstos neste Regulamento, poderá a SEFAZ, por intermédio de suas repartições fazendárias, emitir os seguintes documentos:

I ‑ Nota Fiscal Avulsa;

II ‑ Nota Fiscal Avulsa de Serviço de Transporte, modelo 7;

III ‑ Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas, modelo 8;

IV ‑ Conhecimento de Transporte Aquaviário de Cargas, modelo 9;

V ‑ Conhecimento Aéreo, modelo 10;

VI ‑ Nota Fiscal de Serviço de Comunicação, modelo 21.

  • 1º A SEFAZ emitirá os documentos fiscais enumerados nos incisos I a VI do artigo anterior, quando:

I ‑ o serviço for prestado por pessoa física ou jurídica, autônoma ou não, que não possua inscrição neste Estado;

II ‑ o serviço  for  iniciado  onde o contribuinte não possua estabelecimento inscrito no CACESE, ainda que o serviço seja prestado neste Estado;

III ‑ da ocorrência de operações previstas no art. 211.

  • 2º A SEFAZ, estabelecerá outras hipóteses em que poderão ser emitidos os documentos avulsos de que trata o artigo anterior, inclusive por meio da INTERNET .

Subseção II
Da Autorização para Impressão de Documentos Fiscais

Vide Portaria n.º 1.501/2006-SEFAZ, que estabelece prazo para que os estabelecimentos gráficos procedam a autenticação de AIDF que lhe foi dirigida.

Art. 175. Os documentos fiscais referidos no art. 172 deste Regulamento, inclusive os aprovados através de regime especial, só poderão:

I – ter a sua impressão autorizada por meio da Internet, mediante solicitação de Autorização para Impressão de Documentos Fiscais, feita pelo contribuinte ou seu representante legalmente constituído;(NR)

*Inciso I alterado pelo Decreto nº 25.079 de 27.02.2008, com vigência a partir de 29.02.2008.

Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 28.02.2008.

“I – ter a sua impressão autorizada por meio da INTERNET, mediante solicitação de Autorização para Impressão de Documentos Fiscais;”

II – ser impressos mediante prévia autorização da SUBIEF, nos casos em que o contribuinte esteja em Regime Especial de Fiscalização ou quando a quantidade de documentos solicitados exceder os limites previamente estabelecidos pela SEFAZ;

III – ser impressos em estabelecimento gráfico previamente credenciado pela SEFAZ/SE, ainda que a gráfica esteja localizada noutra Unidade da Federação.

  • No tocante à impressão de documentos fiscais, o disposto nos incisos I, II e III do “caput” deste artigo, aplica-se, também:

I – quando a impressão dos documentos fiscais for realizada em tipografia do próprio usuário;

II – no caso de o estabelecimento gráfico e o encomendante estarem situados em diferentes Unidades da Federação, hipótese em que:

  1. a) sendo o encomendante estabelecido neste Estado Sergipe e o estabelecimento gráfico situado em outra Unidade da Federação:
  2. 1. o contribuinte encomendante deverá, previamente, solicitar, através da INTERNET, além de atender às exigências porventura previstas na legislação da Unidade Federada onde deva ser impressa a documentação;
  3. 2. cumprida a exigência do item anterior, o estabelecimento gráfico deverá requerer autorização junto à repartição fiscal da Unidade da Federação onde estiver situado;
  4. b) sendo o estabelecimento gráfico situado neste Estado de Sergipe, ao receber encomenda de impressão de documentos fiscais de contribuinte localizado em outra Unidade da Federação, só poderá efetuar a impressão após autorização da SUBIEF, devendo ser extraída uma via adicional da referida autorização, para ser remetida ao Fisco da Unidade Federada onde estiver situado o estabelecimento encomendante.
  • Os usuários de sistema eletrônico de processamento de dados, que necessitem distribuir entre as suas filiais os formulários contínuos solicitados, solicitarão a “Distribuição de Documentos Sistema Eletrônico – DDSE”, que deve ser através da INTERNET .
  • O contribuinte deverá preencher a DDSE, a que se refere o parágrafo anterior, com as seguintes indicações :

I – nome, endereço e número de inscrição, estadual e no CNPJ, do estabelecimento usuário;

II – código, série, subsérie, inscrição estadual e quantidade dos documentos requisitados para cada inscrição.

  • A SUBIEF manterá controle dos pedidos de autorização de impressão de documentos fiscais.
  • Não se aplicará o disposto no “caput” deste artigo ao Conhecimento Aéreo, Modelo 10, que será autorizado pelo Fisco da Unidade Federada da localidade do estabelecimento que executar a escrituração contábil e fiscal.
  • Os estabelecimentos gráficos, através da INTERNET, consultarão as solicitações de AIDF que lhe foram dirigidas, devendo homologá-las no prazo máximo de oito dias consecutivos, fato este que permitirá a impressão da AIDF.
  • Quando do credenciamento os estabelecimentos gráficos deverão apresentar a seguinte documentação:

I – Contrato Social, estatuto ou ato constitutivo e/ou alterações dos registros na Junta Comercial;

II – alvará de funcionamento do estabelecimento expedido pelo órgão competente;

III – certidão negativa de tributos expedida pelo Estado onde o requerente tenha domicílio fiscal;

IV – instrumento público procuratório, cópia autenticada do CPF e RG e comprovante de domicílio do representante legal, quando for o caso.

  • O estabelecimento gráfico poderá ter seu credenciamento suspenso, ser inabilitado ou descredenciado pela SEFAZ, observando-se as seguintes regras:

I – será suspenso pelo prazo de 30 (trinta) dias quando:

  1. a) impressão de documentos fora do prazo estabelecido pela SEFAZ;
  2. b) impressão de documentos fora do padrão estabelecido nacionalmente;
  3. c) impressão de documentos com dados incorretos;

II – será inabilitado pelo prazo de 01 (um) ano quando o estabelecimento gráfico reincidir nas hipóteses previstas nas alíneas “b” e “c” do inciso anterior, e, durante este período, se voltar a incorrer nestes mesmos motivos, a inabilitação será prorrogada por igual prazo, a partir da data da infração;

III – será descredenciado quando:

  1. a) for constatada a impressão de documentos inidôneos, não podendo ser reativado ou ter novo credenciamento, devendo os documentos em seu poder serem cancelados, liberando-os para impressão em outra gráfica, por solicitação do contribuinte.
  2. b) houver a constatação, através da ação fiscal, que o credenciado encerrou suas atividades no local indicado no credenciamento, sem a devida comunicação à SEFAZ. (NR)

*Inciso III alterado pelo Decreto nº 25.760, de 02.12.2008, com vigência a partir de 03.12.2008.

*Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 02.12.2008.

“III – será descredenciado quando da impressão de documentos inidôneos, não podendo ser reativado ou ter novo credenciamento, e os documentos em seu poder serão cancelados, liberando-os para impressão em outra gráfica, por solicitação do contribuinte.”

  • Para efeito do disposto no inciso III do parágrafo anterior, os documentos fiscais são considerados inidôneos quando :

I – forem impressos sem a correspondente AIDF;

II – com dados que não correspondam à solicitação e que não tenham sido comunicados previamente a SEFAZ;

III – com numeração duplicada ou paralela.

  • 10. Durante o período de suspensão ou inabilitação a gráfica não receberá nenhuma outra solicitação de impressão de documentos, devendo apenas concluir as solicitações pendentes.

Art. 175-A. Fica dispensada a exigência de Autorização de Impressão de Documentos Fiscais para a confecção de impressos de Nota Fiscal de Venda a Consumidor, Modelo 2, em formulário contínuo, quando destinados a emissão por meio de Equipamento Emissor de Cupom Fiscal – ECF.

*Art. 175-A acrescentado pelo Decreto nº 27.507 de 19.11.2010, com vigência a partir de 22.11.2010.

Art. 176. A AIDF conterá as seguintes indicações :

I – o ano e o número;

II – a denominação “Autorização de Impressão e Autenticação de Documentos Fiscais – AIDF”;

III – nome, endereço e número de inscrição estadual e no CNPJ, do estabelecimento gráfico;

IV – razão social, nome fantasia, atividade econômica, endereço, número de inscrição, estadual e no CNPJ, do usuário dos documentos a serem impressos;

V – tipo, código, espécie, série e subsérie, assim como a quantidade de talões, jogos, documentos e vias desejadas e o número inicial e o final dos documentos a serem confeccionados.

  • Na hipótese de desistência dos serviços gráficos por parte do encomendante, este fica obrigado a comunicar o fato à SUBIEF, através da INTERNET, solicitando o cancelamento total ou parcial da AIDF .
  • No caso de impressão total ou parcial de documentos fiscais, a gráfica deverá informar, também, através da INTERNET, a confecção destes documentos.

Art. 176-A – REVOGADO

*Art. 176-A revogado pelo Decreto nº 26.834 de 06.01.2010, com vigência a partir de 07.01.2010.

*Redação revogada

“Art. 176-A. Somente deve concedida a AIDF aos distribuidores de combustíveis, Transportador Revendedor-Retalhista – TRR e Posto Revendedor Varejista  de Combustíveis, se o contribuinte possuir registro e autorização para exercício da atividade fornecido pela Agência Nacional de Petróleo – ANP, específico para a atividade a ser exercida;

  • 1º O Posto Revendedor varejista de Combustível deve dispor de instalações com tancagem para armazenamento e equipamento medidor de combustível automotivo;
  • 2º O TRR deve possuir  base própria ou arrendada, de armazenamento no Estado de Sergipe, aprovada pela ANP, com capacidade mínima de 45m³ (quarenta e cinco metros cúbicos) e dispor de no mínimo 3 (três) caminhões-tanque, próprios, afretados, contratados, sub-contratados ou arrendados mercantilmente (Prot. ICMS 51/04). (NR)”
  • 3º A Distribuidora de combustíveis deve possuir base própria ou arrendada, de armazenamento e distribuição de combustíveis líquidos derivados de petróleo, álcool combustível e outros combustíveis automotivos, aprovada pela ANP, com capacidade mínima de armazenamento de 750m³ (setecentos e cinqüenta metros cúbicos), no Estado de Sergipe (Prot. ICMS 51/04). (NR)

*§§ 2º e § 3º do Art. 176-A alterados  pelo Decreto n° 23.224, de 20.05.2005, com vigência  a partir de 22.12.2004.

* Redação Anterior  com viência de 01.07.2004 até 21.12.2004.

“§ 2º O TRR deve possuir  base própria de armazenamento no Estado de Sergipe,  aprovada pela ANP, com capacidade mínima de 45m³ (quarenta e cinco metros cúbicos) e dispor de no mínimo 3 (três) caminhões-tanque, próprios, afretados, contratados, sub-contratados ou arrendados mercantilmente;

  • 3º A Distribuidora de combustíveis deve possuir base própria de armazenamento e distribuição de combustíveis líquidos derivados de petróleo, álcool combustível e outros combustíveis automotivos, aprovada pela ANP, com capacidade mínima de armazenamento de 750 m³ (setecentos e cinqüenta metros cúbicos), no Estado de Sergipe;
  • 4º O TRR ou Distribuidor de Combustíveis deve comprovar sua regularidade perante o Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores – SICAF.

*Art. 176-A acrescentado pelo Decreto nº 22.810 de 1º.06.04, com vigência a partir de 1º.07.2004.”

Subseção III
Das Características dos Documentos Fiscais

Art. 177. Os documentos fiscais serão numerados, por espécie, em todas as vias, em ordem crescente de 1 a 999.999, e enfeixados em blocos uniformes de 20 (vinte), no mínimo, e de 50 (cinqüenta), no máximo, podendo também, em substituição aos blocos, ser confeccionados em formulários contínuos ou jogos soltos, observados os requisitos específicos para a emissão dos correspondentes documentos (Ajuste SINIEF 03/94).

  • Atingido o número 999.999, a numeração deverá ser recomeçada com a mesma designação de série e subsérie, quando for o caso.
  • A numeração da Nota Fiscal modelos 1 e 1-A será reiniciada sempre que houver:

I – adoção de séries distintas, nos termos do § 3º do art. 180 (Ajuste SINIEF 09/97);

II – troca do modelo 1 para 1-A, e vice-versa.

  • A numeração da Nota Fiscal de Produtor será reiniciada sempre que houver a adoção de séries distintas, nos termos do inciso III do § 3º art. 180 (Ajuste SINIEF 09/97).
  • A emissão dos documentos fiscais, em cada bloco, será feita pela ordem de numeração referida neste artigo.
  • Os blocos serão usados pela ordem de numeração dos documentos, não podendo nenhum bloco ser utilizado sem que esteja simultaneamente em uso ou já tenha sido o de numeração inferior.
  • Cada estabelecimento, seja matriz, filial, sucursal, agência, depósito ou qualquer outro, terá talonário próprio.

Art. 178. Relativamente aos documentos especificados no art. 172, é permitido:

I – o acréscimo de indicações necessárias ao controle de tributos federais e municipais, desde que atendidas as normas da legislação de cada tributo;

II – o acréscimo de indicações de interesse do emitente, desde que não lhes prejudiquem a clareza;

III – excluir os campos referentes ao controle do IPI, no caso de utilização de documentos em operações não sujeitas a esse tributo, exceto o campo “Valor Total do IPI”, do quadro “Cálculo do Imposto”, hipótese em que nada será anotado neste campo;

IV – alterar a disposição e o tamanho dos diversos campos, desde que não lhes prejudiquem a clareza e o objetivo;

V – em substituição aos blocos, o uso de formulários contínuos ou jogos soltos, a serem emitidos por processamento de dados ou por processo mecanizado, observadas as disposições dos artigos 295 a 326, bem como dos §§ 4º e 5º do art. 180.

  • O disposto nos incisos II e IV do “caput” deste artigo não se aplica à Nota Fiscal, modelos 1 e 1-A, exceto quanto:

I – à inclusão do nome de fantasia, do endereço telegráfico, do número do telex e da caixa postal, no quadro “Emitente”;

II – à inclusão, no quadro “Dados do Produto”:

  1. a) de colunas destinadas à indicação de descontos concedidos e outras informações correlatas que complementem as indicações previstas para o referido quadro;
  2. b) de pauta gráfica, quando os documentos forem manuscritos;

III – à inclusão, na parte inferior da Nota Fiscal, de indicações expressas em código de barras, desde que determinadas ou autorizadas pelo Fisco Estadual;

IV – à alteração no tamanho dos quadros e campos, respeitados o tamanho mínimo, quando estipulado neste Regulamento, e a sua disposição gráfica;

V – à inclusão de propaganda, na margem esquerda dos modelos 1 e 1-A, desde que haja separação de, no mínimo, 0,5 cm (cinco décimos de centímetro) do quadro do modelo;

VI – à deslocação do comprovante de entrega, na forma de canhoto destacável, para a lateral direita ou para a extremidade superior do impresso;

VII – à utilização de retícula e fundos decorativos ou personalizantes, desde que não excedentes aos seguintes valores da escala “europa”:

  1. a) 10% para as cores escuras;
  2. b) 20% para as cores claras;
  3. c) 30% para as cores creme, rosa, azul, verde e cinza, em tintas próprias para fundos.
  • É proibida a impressão e utilização de documentos extrafiscais com denominação ou apresentação iguais ou semelhantes às dos documentos especificados no art. 172.

Art. 179. Além das indicações a serem impressas tipograficamente segundo as normas atinentes a cada um dos modelos de documentos fiscais relacionados no art. 172, deverá constar, ainda, nos impressos dos referidos documentos:

I – a expressão, em campo próprio, em todas as vias, em corpo “10”, na parte superior direita do documento fiscal: “Válida (o) Para Uso Até 00/00/00”;.

II – no rodapé do formulário, as seguintes indicações:

  1. a) o nome, o endereço e os números de inscrição, estadual e no CNPJ, do impressor do documento;
  2. b) a data e a quantidade da impressão;
  3. c) o número de ordem do primeiro e do último documento impresso, e respectiva série e subsérie, quando for o caso;
  4. d) o número da AIDF;
  5. e) o número do processo do regime especial concedido para emissão de documentos fiscais, quando for o caso.
  • Em se tratando da Nota Fiscal, modelos 1 e 1-A, as indicações de que cuida o inciso II do “caput” deste artigo poderão ser feitas no rodapé ou na lateral direita do formulário.
  • O disposto neste artigo não se aplica à impressão ou confecção dos documentos relativamente aos quais a legislação dispense, expressamente, tais exigências.
  • Os documentos fiscais de que trata esta capítulo terão prazo de validade indeterminado.
  • Os documentos fiscais impressos com prazo determinado de validade, devem poder ser prorrogados a critério da SEFAZ, desde que o requerente não esteja incurso nas hipóteses do art. 782 deste Regulamento.

*§ 4º alterado pelo Decreto nº  23.344, de 22.08.2005, com vigência a partir de 25.08.2005.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 24.08.2005.

  • 4º Os documentos Fiscais impressos ou que tiverem sua impressão autorizada, com prazo determinado de validade poderão ser prorrogados a critério da SEFAZ desde que o requerente não esteja incurso nas hipóteses do art. 782 deste Regulamento.

  • 4º acrescentado pelo Decreto nº 22.436, de 24.11.2003, com, com vigência a partir de 25.11.2003.

Subseção IV
Das Séries e Subséries dos Documentos Fiscais

Art. 180. Os documentos fiscais relacionados no art. 172 serão confeccionados e utilizados com observância das seguintes séries:

I – série “B”:

  1. a) Nota Fiscal/Conta de Energia Elétrica, modelo 6, nas saídas de energia elétrica para destinatários situados neste Estado ou no exterior;
  2. b) nas prestações de serviços a usuários situados neste Estado ou no exterior;

II – série “C”:

  1. a) Nota Fiscal/Conta de Energia Elétrica, modelo 6, nas saídas de energia elétrica para destinatários situados em outras Unidades da Federação;
  2. b) nas prestações de serviços a usuários situados em outras Unidades da Federação;

III – série “D”:

  1. a) Nota Fiscal de Venda a Consumidor, modelo 2, nas vendas à vista de mercadorias a consumidor não contribuinte, exclusivamente quando as mercadorias forem retiradas pelo comprador;
  2. b) nas prestações de serviços de transporte de passageiros;

IV – série “F”, na utilização do Resumo de Movimento Diário, modelo 18.

  • Relativamente aos documentos fiscais:

I – tratando-se da Nota Fiscal, modelos 1 e 1-A, poderão conter o algarismo arábico designativo da série, na hipótese do § 3º deste artigo;

II – no caso dos demais documentos fiscais, deverão conter o algarismo arábico designativo da subsérie, em ordem crescente a partir de 1, que será aposto ao lado da letra indicativa da série.

  • É permitido, em cada uma das séries dos documentos fiscais, o uso simultâneo de duas ou mais subséries, exceto em se tratando da Nota Fiscal, modelos 1 e 1-A.
  • Relativamente à utilização de séries nos documentos a que se referem os incisos I, II e III do art. 172, observar-se-á o seguinte (Ajuste SINIEF 09/97):

I – na Nota Fiscal, modelos 1 e 1-A:

  1. a) será obrigatória a utilização de séries distintas, no caso de uso concomitante da Nota Fiscal e da Nota Fiscal-Fatura a que se refere o § 7º do art. 194;
  2. b) sem prejuízo do disposto na alínea anterior, será permitida a utilização de séries distintas, quando houver interesse por parte do contribuinte;
  3. c) as séries serão designadas por algarismos arábicos, em ordem crescente, a partir de 1, vedada a utilização de subséries;

II – na Nota Fiscal de Venda a Consumidor, modelo 2:

  1. a) será adotada a série “D”;
  2. b) poderá conter subséries com algarismo arábico, em ordem crescente, a partir de 1, impresso após a letra indicativa da série;
  3. c) poderão ser utilizadas simultaneamente duas ou mais subséries;
  4. d) deverão ser utilizados documentos de subsérie distinta sempre que forem realizadas operações com produtos estrangeiros de importação própria ou operações com produtos estrangeiros adquiridos no mercado interno;

III – na Nota Fiscal de Produtor, modelo 4:

  1. a) será obrigatória a utilização de séries distintas no caso de uso concomitante da Nota Fiscal de Produtor e da Nota Fiscal Fatura de Produtor a que se refere o § 5º do art. 212 ou, quando houver determinação por parte do Fisco, para separar as operações de entrada das de saída;
  2. b) sem prejuízo do disposto na alínea anterior, poderá ser permitida a utilização de séries distintas, quando houver interesse por parte do contribuinte;
  3. c) as séries serão designadas por algarismos arábicos, em ordem crescente, a partir de 1, vedada a utilização de subsérie.
  • Ao contribuinte que utilizar sistema eletrônico de processamento de dados é permitido, ainda, o uso de documento fiscal emitido a máquina ou manuscrito, observado o disposto no parágrafo anterior.
  • É permitido o uso:

I – de documentos fiscais sem distinção por série e subsérie, englobando as operações e prestações a que se refere este artigo, devendo constar a designação “Série Única”;

II – das séries “B” e “C”, conforme o caso, sem distinção por subséries, englobando as operações e prestações para as quais sejam exigidas subséries especiais, devendo constar a designação “Única”, após a letra indicativa da série.

  • No exercício da faculdade a que alude o parágrafo anterior, será obrigatória a separação, ainda que por meio de códigos, das operações e prestações em relação às quais são exigidas subséries distintas.
  • Os contribuintes poderão utilizar documento fiscal de série distinta, sempre que realizarem:

I – ao mesmo tempo, operações ou prestações sujeitas ou não ao IPI e/ou ao ICMS;

II – vendas fora do estabelecimento, inclusive por meio de veículos, podendo ser adotada uma série para as operações de remessa, e outra, comum a todos os vendedores, para as operações de venda;

III – operações com produtos estrangeiros de importação própria;

IV – operações com produtos estrangeiros adquiridos no mercado interno;

V – operações de saída de mercadorias armazenadas em depósito fechado ou armazém-geral, que não devam transitar pelo estabelecimento depositante;

VI – vendas a contribuintes substituídos;

VII – outras situações, a critério do contribuinte.

  • O Fisco poderá restringir o número de séries e subséries.
  • Os contribuintes que possuírem inscrição centralizada poderão adotar série ou subsérie distinta para cada local de emissão do documento fiscal, qualquer que seja a série adotada, exceto quando se tratar da Nota Fiscal modelos 1 ou 1-A, caso em que poderá ser adotada série distinta.
  • 10. Nos fornecimentos de energia elétrica e nas prestações de serviços sujeitos a diferentes alíquotas do ICMS, será obrigatório o uso de subsérie distinta dos documentos fiscais para cada alíquota aplicável, podendo o contribuinte utilizar-se da faculdade a que se refere o § 6º deste artigo.
  • 11. É vedada a utilização simultânea dos modelos 1 e 1-A da Nota Fiscal, salvo quando adotadas séries distintas, nos termos do § 3º deste artigo.

Subseção V
Da Emissão dos Documentos Fiscais

Art. 181. Os documentos fiscais especificados no art. 172 serão emitidos pelos contribuintes do ICMS:

I – sempre que realizarem operações ou prestações de serviços sujeitas à legislação do ICMS;

II – no reajustamento de preço, por qualquer circunstância, de que decorra aumento do valor originário da operação ou prestação, devendo o documento fiscal complementar ser emitido dentro de 48 (quarenta e oito) horas da data em que se efetivou o reajustamento do preço;

III – na exportação, se o valor resultante do contrato de câmbio acarretar acréscimo ao valor da operação constante na Nota Fiscal;

IV – na regularização em virtude de diferença de preço em operação ou prestação, ou na quantidade, volume ou peso de mercadoria, quando efetuada no período de apuração do imposto em que tiver sido emitido o documento fiscal originário;

V – para lançamento do imposto que não tiver sido pago na época própria, em virtude de erro de cálculo para menos, por erro de classificação fiscal ou por qualquer outro motivo, quando a regularização ocorrer no período de apuração do imposto em que tiver sido emitido o documento fiscal originário;

VI – por ocasião da destinação a uso, consumo ou integração ao ativo imobilizado ou ao emprego em objeto alheio à atividade do estabelecimento, de mercadoria adquirida para comercialização, industrialização, produção, geração ou extração;

VII – na data do encerramento das atividades do estabelecimento, relativamente às mercadorias existentes no estoque final;

VIII – no caso de diferença apurada no estoque de selos especiais de controle fornecidos ao usuário pelas repartições do Fisco Federal para aplicação em seus produtos, desde que a emissão do documento fiscal seja efetuada antes de qualquer procedimento do Fisco;

IX – no caso de mercadoria cuja unidade não possa ser transportada de uma só vez, desde que o ICMS deva incidir sobre o todo;

X – para efeito de estornos de créditos ou de débitos fiscais;

XI – nas demais hipóteses previstas na legislação.

  • Nas hipóteses dos incisos II ou III do “caput” deste artigo, o documento fiscal será emitido dentro de 3 (três) dias, contados da data em que se tiver efetivado o reajustamento do preço ou o acréscimo ao valor da operação ou prestação.
  • Nas hipóteses dos incisos IV ou V do “caput” deste artigo, se a regularização se efetuar após o período de apuração, o documento fiscal também será emitido, devendo o contribuinte:

I – indicar, no novo documento emitido, o motivo da regularização e, se for o caso, o número e a data do documento originário;

II – recolher em documento de arrecadação especial a diferença do imposto com as especificações necessárias à regularização, indicando, na via do documento presa ao talão, essa circunstância, bem como o número e a data do documento de arrecadação;

III – mencionar, na via presa ao talonário, as especificações do documento de arrecadação respectivo;

IV – efetuar, no Livro Registro de Saídas:

  1. a) a escrituração do documento fiscal;
  2. b) a indicação da ocorrência, na coluna “Observações”, nas linhas correspondentes aos lançamentos do documento fiscal originário e do documento fiscal complementar;

V – lançar o valor do imposto recolhido na forma do inciso II deste parágrafo no Livro Registro de Apuração do ICMS, no quadro “Crédito do Imposto – Estornos de Débitos”, com a expressão “Diferença do Imposto”.

  • Não se aplicará o disposto nos incisos II e V do parágrafo anterior se, no período de apuração em que tiver sido emitido o documento fiscal originário e nos períodos subseqüentes, até o imediatamente anterior ao da emissão do documento fiscal complementar, o contribuinte tiver mantido saldo credor do imposto nunca inferior ao valor da diferença.
  • Na hipótese do inciso VIII do “caput” deste artigo:

I – a falta de selos caracteriza saída de produtos sem a emissão do documento fiscal e sem o pagamento do imposto;

II – o excesso de selos caracteriza saída de produtos sem a aplicação de selos e sem o pagamento do imposto.

  • No documento fiscal complementar deverá constar o motivo determinante da emissão e, se for o caso, o número e a data do documento originário, bem como o destaque da diferença do imposto, se devido.
  • 6º. Fica permitida a utilização de carta de correção, para regularização de erro ocorrido na emissão de documento fiscal, desde que o erro não esteja relacionado com (Ajuste SINIEF 01/07): (NR)

I – as variáveis que determinam o valor do imposto tais como:

  1. a) base de cálculo;
  2. b) alíquota;
  3. c) diferença de preço;
  4. d) quantidade;
  5. e) valor da operação ou prestação.

II – a correção de dados cadastrais que implique mudança do emitente, tomador, remetente ou do destinatário (Ajuste SINIEF 02/08).

Inciso II alterado pelo Decreto nº 25.555 de 29.08.2008, com vigência a partir de 1º.09.2008.

Redação anterior com vigência de 19.07.2007 até 31.08.2008.

“II – a correção de dados cadastrais que impliquem mudança do remetente ou do destinatário;”

*Inciso II, alterado pelo Decreto nº 24.527 de 18.07.2007, com vigência a partir de 19.07.2007.

*Redação anterior com vigência de 04.04.2003 até 18.07.2007.

“II – a correção de dados cadastrais que não impliquem mudança do remetente ou do destinatário;”

III – a data da emissão ou de saída;

  • 6º, alterado pelo Decreto nº 24.464, de 20.06.2007, com vigência a partir de 04.04.2007.

Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 03.04.2007.

“§ 6º Não serão admitidas as chamadas “cartas de correção” para corrigir dados relacionados com:

I – o valor da operação ou prestação;

II – a base de cálculo;

III – o valor do imposto;

IV – a identificação completa do destinatário.”

  • A entrega da mercadoria ou de quaisquer bens será feita ao destinatário e no local indicado em campo específico do documento fiscal.
  • É vedado o recebimento, a qualquer título, de mercadoria ou bens cujo documento fiscal não indique o recebedor como destinatário e/ou o endereço não seja o constante do documento.
  • O Documento Fiscal deverá ser emitido em conformidade com a operação realizada.

Art. 182. Os documentos fiscais não poderão ser fraudados ou conter emendas ou rasuras, e serão emitidos por decalque a carbono ou em papel carbonado ou autocopiativo, devendo ser preenchidos à máquina ou manuscritos a tinta ou a lápis-tinta ou, ainda, por sistema eletrônico de processamento de dados, por processo mecanográfico ou datilográfico, por ECF, PDV ou máquina registradora, devendo os seus dizeres e indicações estar legíveis, em todas as vias.

  • Para a emissão de documentos fiscais, salvo disposição em contrário, é permitida ao contribuinte a utilização simultânea de quaisquer espécies ou meios previstos neste Regulamento, observada a disciplina específica de cada um.
  • O contribuinte poderá emitir documentos fiscais em formulários contínuos ou jogos soltos, por processamento eletrônico de dados ou por processo mecanizado, observadas as disposições dos artigos 295 a 326, bem como dos §§ 4º e 5º do art. 180.
  • O contribuinte poderá ser autorizado a realizar impressão e emissão de documentos fiscais, simultaneamente, na condição de impressor autônomo, observado o disposto no art. 327.
  • A discriminação das mercadorias ou dos serviços no documento fiscal poderá ser feita por meio de códigos, desde que no próprio documento, ainda que no verso, conste a correspondente decodificação.

Art. 183. Os impressos de documentos fiscais serão usados na ordem seqüencial de sua numeração, vedada a utilização de blocos ou conjunto de formulários sem que estejam simultaneamente em uso ou já tenham sido utilizados os de numeração inferior.

Art. 184. As diversas vias dos documentos fiscais não se substituirão em suas respectivas funções e a sua disposição obedecerá ordem seqüencial que as diferencie, vedada a intercalação de vias adicionais.

Art. 185. Quando a operação ou prestação for beneficiada por isenção, redução da base de cálculo ou diferimento, ou quando estiver amparada por imunidade, não-incidência ou suspensão da incidência do ICMS, ou, ainda, quando o imposto já houver sido pago por antecipação, essa circunstância será mencionada em todas as vias do documento fiscal, indicando-se o dispositivo pertinente da legislação, ainda que por meio de código, cuja decodificação conste no próprio documento fiscal.

Parágrafo único. É vedado o destaque do imposto no documento fiscal, quando a operação ou prestação for beneficiada por isenção, redução total da base de cálculo ou diferimento, ou quando estiver amparada por imunidade, não-incidência ou suspensão da incidência do ICMS, ou, ainda, quando o imposto já houver sido pago por antecipação.

Art. 186. Quando o valor da base de cálculo for diverso do valor da operação ou prestação, o contribuinte mencionará essa circunstância no documento fiscal, indicando o dispositivo pertinente da legislação, bem como o valor sobre o qual tiver sido calculado o imposto.

Art. 187. É vedada a emissão de documento fiscal que não corresponda a uma efetiva saída ou entrada de mercadoria ou a uma efetiva prestação de serviço, exceto nas hipóteses expressamente previstas na legislação.

Subseção VI
Do Documento Fiscal Inidôneo

Art. 188. Considera-se como inidôneo, o documento fiscal que não preencha os requisitos fundamentais de validade e eficácia, previstos na legislação tributária estadual ou for, comprovadamente expedido com dolo, fraude ou simulação, inclusive nas hipóteses em que:

I ̴ impossibilite a identificação do destinatário das mercadorias ou serviços constante no documento fiscal; (NR)

*Inciso I, alterado pelo Decreto n.º 22.289, de 20 de outubro de 2003, com vigência a partir de 21.10.2003.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 20.10.2003:

I – impossibilite a identificação da procedência ou do destino da mercadoria ou serviço, assim como a identificação do remetente ou prestador e o seu destinatário ou usuário.”

II – especifique mercadoria ou serviço que não corresponda à operação ou prestação;

III ̴ indique, em suas respectivas vias, valor, quantidade, qualidade, espécie, origem ou destino diferentes, bem como data de emissão divergente; (NR)

*Inciso III alterado pelo Decreto nº 23.689, de 02.03.2006, com vigência a partir de 1º.02.2006.

Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 31.01.2006.

III – indique, em suas respectivas vias, valor, quantidade, qualidade, espécie, assim como origem ou destino diferentes;”

IV ̴ seja emitido por contribuinte fictício ou que não mais exerça suas atividades em decorrência de baixa ou cancelamento de sua inscrição no cadastro de contribuintes desta ou de outra Unidade Federada; (NR)

*Inciso IV, alterado pelo Decreto n.º 22.289,, de 20 de outubro de 2003, com vigência a partir de 21.10.2003.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003, até 20.10.2003:

IV – seja emitido por contribuinte que não mais exerça suas atividades em decorrência de baixa ou cancelamento de sua inscrição no cadastro de contribuintes desta ou de outra Unidade Federada.”

V – for emitido por máquina registradora, PDV ou ECF cujo funcionamento não tenha sido previamente autorização pelo Fisco Estadual;

VI – acobertar operações não permitidas pela legislação federal, para os efeitos fiscais, fazendo prova apenas em favor do Fisco;

VII – possuir, em relação a outro documento do contribuinte, o mesmo número de ordem e a mesma série e subsérie;

VIII – não seja o legalmente exigido para a respectiva operação ou prestação;

IX – embora revestido das formalidades legais, tiver sido utilizado com o intuito comprovado de dolo, fraude ou simulação; (NR)

Inciso IX, alterado pelo Decreto n.º 22.289, de 20 de outubro de 2003, com vigência a partir de 21.10.2003.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 20.10.2003:

IX – embora revestido das formalidades legais, tiver sido utilizado com o intuito comprovado de fraude.”

X – tenha sido declarado, por ato do Superintendente da Gestão Tributária, desaparecido ou extraviado.

XI – esteja rasurado ou ilegível de forma que o torne totalmente imprestável ao fim a que se destina.

XII – estiver fora do prazo estabelecido para a saída nos termos do art. 191-A deste Regulamento. (NR)

*Inciso XII alterado pelo Decreto nº 27.620 de 24.01.2011, com vigência a partir de 26.01.2011.

*Redação anterior com vigência de 22.12.2006 até 25.01.2011.

“XII – estiver fora do prazo estabelecido para a saída nos termos do art. 192 deste Regulamento.”

*Inciso XII, acrescentado pelo Decreto nº 24.143, de 18.12.2006, com vigência a partir de 22.12.2006.

*Inciso XI, acrescentado pelo Decreto n.º 22.289, de 20.10.2003, com vigência a partir de 21.10.2003.

XIII – não estiver provido de selo de controle, quando exigido pela legislação;

XIV – após decorridos os prazos de que trata o §2° do art. 192-C, apresente divergências entre os dados nele constantes e as informações contidas no respectivo Registro Eletrônico de Documento Fiscal – REDF, relativas a valores ou a outros elementos que caracterizam a operação ou a prestação correspondente.

*Incisos XIII e XIV, acrescentados pelo Decreto nº 27.507 de 19.11.2010, com vigência a partir de 22.11.2010.

Parágrafo único. Os vícios erros e omissões constatados no documento fiscal, que não importem em sonegação total ou parcial do imposto, não implicam na inidoneidade do documento.” (NR)

*Parágrafo único alterado pelo Decreto n.º 22.289,, de 20.10.2003, com vigência a partir de 21.10.2003.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003 até 20.10.2003:

Parágrafo único. Ressalvadas as hipóteses estabelecidas neste artigo, os demais vícios erros e omissões constatados no documento fiscal, que não importem em sonegação total ou parcial do imposto, não implicam na inidoneidade do documento.”

Subseção VII
Do Cancelamento e do Prazo de Validade dos Documentos Fiscais

Vide Portaria n.º 960/2010-SEFAZ, que dispõe sobre a validade jurídica, em território sergipano, da Nota Fiscal Avulsa e Nota Fiscal de Produtor Rural emitidas por meio eletrônico de dados, em papel formato A-4, pelos contribuintes localizados nos Estados de Minas Gerais e Rondônia, até 31 de dezembro de 2012.

Art. 189. Quando o documento fiscal for cancelado, conservar-se-ão no talonário, formulário contínuo ou jogos soltos todas as suas vias, com declaração do motivo que houver determinado o cancelamento, e referência, se for o caso, ao novo documento emitido.

  • O motivo do cancelamento do documento fiscal será anotado, também, no livro fiscal próprio, na coluna “Observações”.
  • No caso de documento copiado, far-se-ão os assentamentos no livro copiador, arquivando-se todas as vias do documento cancelado.
  • Quando o motivo determinante do cancelamento for a desistência por parte do comprador, deverá ser anexado, às vias do documento fiscal, a carta ou outro documento da desistência da compra.

Art. 190. Não poderá ser cancelado o documento fiscal que tiver sido escriturado no livro fiscal próprio, ou que tiver dado trânsito à mercadoria.

Art. 191. Na hipótese do artigo anterior, uma vez lançado o documento fiscal, no Livro Registro de Saídas, será emitida Nota Fiscal (entrada) para reposição da mercadoria no estoque e utilização do crédito fiscal, quando for o caso.

Art. 191-A. Nas operações com mercadorias ou bens, os Documentos Fiscais que acobertá-las, terão as suas datas de saída, para efeito de circulação, consideradas:

I – pelo período de 05 (cinco) dias contados a partir da efetiva saída do estabelecimento, no caso da Nota Fiscal, Modelo 1 ou 1-A e/ou da Nota Fiscal Eletrônica,  Modelo 55; (NR)

*Inciso I alterado pelo Decreto nº 28.387 de 27.02.2012, com vigência a partir de 05.03.2012.

*Redação anterior com vigência de 26.01.2011 até 04.03.2012.

“I – pelo período de 05 (cinco) dias contados a partir da efetiva saída do estabelecimento, no caso da Nota Fiscal, Modelo 1 ou 1-A;”

II – pelo período de 48 (quarenta e oito) horas contados da data e hora da efetiva saída do estabelecimento e apostas no verso do Cupom Fiscal e da Nota Fiscal de Venda a Consumidor, Modelo 2, ambos emitidos por ECF.

  • O disposto no inciso I do “caput” deste artigo não se aplica às operações:

I – realizadas fora do estabelecimento, por meio de veículo ou qualquer outro meio de transporte, hipótese em que o documento fiscal, para efeito de circulação, deve ter validade de 10 (dez) dias contados a partir da data de sua emissão;

II – efetuadas por feirantes, cujo documento fiscal, para efeito de circulação, deve ter validade de 30 dias, exceto quando se tratar de gêneros alimentícios, bebidas, higiene pessoal e material de limpeza, hipótese em que o prazo deve ser de 05 (cinco) dias, contados a partir  da data sua emissão.

  • O disposto no inciso II do “caput” deste artigo aplica-se à venda a prazo ou para entrega de mercadoria em domicílio, no Estado de Sergipe, observado o disposto nos §§ 5º, 6º e 7º do art. 207 deste Regulamento.
  • Não constando, no Documento Fiscal, a data da saída da mercadoria, será considerada a data e hora da emissão do mesmo Documento Fiscal.
  • Os prazos de que trata o “caput” deste artigo poderão ser prorrogados uma única vez por igual período, mediante autorização expressa no Documento Fiscal, procedida pelo Supervisor da Exatoria do domicílio fiscal do contribuinte.

*Art. 191-A acrescentado pelo Decreto nº 27.620 de 24.01.2011, com vigência a partir de 26.01.2011.

  • Os prazos previstos no “caput” deste artigo serão contados a partir da data de emissão do Conhecimento de Transporte, quando a empresa de transporte for devidamente inscrita no CACESE.

*§ 5º acrescentado pelo Decreto nº 28.387 de 27.02.2012, com vigência a partir de 05.03.2012.

Art. 192. REVOGADO

*Art. 192 revogado pelo Decreto nº 27.510 de 24.11.2010, com vigência a partir de 25.11.2010.

Redação revogada.

“Art. 192. Nas operações com mercadorias ou bens, os Documentos Fiscais que acobertá-las, terão as suas datas de saída, para efeito de circulação, consideradas:

I – pelo período de 5 (cinco) dias contados a partir da efetiva saída do estabelecimento, no caso da Nota Fiscal, Modelo 1 ou 1-A;

II – pelo período de 48 (quarenta e oito) horas contados da data e hora da efetiva saída do estabelecimento e apostas no verso do Cupom Fiscal e da Nota Fiscal de Venda a Consumidor, Modelo 2, ambos emitidos por ECF.

  • 1º O disposto no inciso I do “caput” deste artigo não se aplica às operações: (NR)

I – realizadas fora do estabelecimento, por meio de veículo ou qualquer outro meio de transporte, hipótese em que o documento fiscal, para efeito de circulação, deve ter validade de 10 (dez) dias contados a partir da data de sua emissão;

II – efetuadas por feirantes, cujo documento fiscal, para efeito de circulação, deve ter validade de 30 dias, exceto quando se tratar de gêneros alimentícios, bebidas, higiene pessoal e material de limpeza, hipótese em que o prazo será de 05 (cinco) dias, contados a partir  da data sua emissão.

*§ 1º. alterado pelo Decreto 23.310, de 22 de julho de 2005, com vigência a partir de 1º.08.2005.

*Redação Anterior com vigência de 01.05.2003, até 31.07.2005.

  • 1º O disposto no inciso I do “caput” deste artigo não se aplica às operações realizadas para fora do estabelecimento sem destinatário certo, por meio de veículo ou qualquer outro meio de transporte.
  • 2º O disposto no inciso II do “caput” deste artigo aplica-se à venda a prazo ou para entrega de mercadoria em domicílio, no Estado de Sergipe, observado o disposto nos §§ 5º, 6º e 7º do art. 207 deste Regulamento.
  • 3º Não constando, no Documento Fiscal, a data da saída da mercadoria, será considerada a data e hora da emissão do mesmo Documento  Fiscal.
  • 4º Os prazos de que trata o “caput” deste artigo poderão ser prorrogados uma única vez por igual período, mediante autorização expressa no Documento Fiscal, procedida pelo Supervisor da Exatoria do domicílio fiscal do contribuinte.
  • 5º. REVOGADO

*§ 5º. revogado pelo Decreto nº 24.143 de 18.12.2006, com vigência  a partir de 22.12.2006.

*Redação Revogada.

  • 5º. O não cumprimento das exigências previstas neste artigo sujeitará o infrator à multa prevista no art. 72, inciso III, alínea “a”, da Lei nº 3.796, de 26 de dezembro de 1996.”

Seção I-A  Da Nota Fiscal Avulsa Eletrônica Emitida Para Órgão ou Entidade da Administração Pública

Estadual ou Municipal.  REVOGADO

 

Seção I-A Da Nota Fiscal Avulsa Eletrônica Emitida Para Órgão ou Entidade da Administração Pública Estadual ou Municipal  revogada pelo Decreto nº 29.679   de  09.01.2014, com vigência a partir de 14.01.2014.

Redação Revogada

Seção I-A

Da Nota Fiscal Avulsa Eletrônica Emitida Para Órgão ou Entidade da Administração Pública Estadual ou Municipal

Art. 192-A. Nas operações internas com mercadorias destinadas a órgão ou entidade da Administração Pública Estadual ou Municipal, direta ou indireta, localizado neste Estado, nas situações em que seja exigida a emissão de Notas Fiscais Modelos 1 ou 1-A, deverá, também, ser emitida a Nota Fiscal Avulsa Eletrônica Série 3. (NR)

  • 1º A Nota Fiscal Avulsa Eletrônica Série 3 referida no “caput” deste artigo a ser emitida por meio eletrônico, mediante acesso ao Programa DIC, disponibilizado no endereço eletrônico “www.sefaz.se.gov.br”, deve atender o que segue:

I – conter os mesmos dados relativos à operação ou prestação discriminados na Nota Fiscal Modelo 1 ou 1-A;

II – constar no campo “Dados Complementares” o número e a série da Nota Fiscal modelo 1 ou 1-A emitida, bem como o número do empenho;

III – ter sua autenticidade e seus dados acessíveis pelo emitente, pelo órgão ou entidade da Administração Pública destinatária, e pelos órgãos fiscalizadores e controladores, por meio do site da SEFAZ/SE, a partir do número do protocolo gerado no recibo de entrega da declaração, quando do seu envio.

  • 2º O recibo de entrega gerado deve acompanhar a Nota Fiscal Modelo 1 ou 1-A com a qual deve ser arquivada, pelo órgão ou entidade destinatária.
  • 3º O Programa DIC, para digitação, validação e geração do arquivo magnético está disponível na página da SEFAZ, na Internet, no endereço eletrônico “www.sefaz.se.gov.br”.
  • 4º A transmissão da Nota Fiscal Avulsa Eletrônica Série 3, deverá ser feita pela Internet, no portal do contribuinte, através da página da SEFAZ no endereço descrito no parágrafo anterior.
  • 5º A Nota Fiscal Avulsa Eletrônica Série 3 não deve ser escriturada nos livros fiscais do contribuinte emitente ou do órgão ou entidade destinatária.
  • 6º O disposto neste artigo não se aplica às operações em que seja emitida a Nota Fiscal Avulsa de que trata o art. 220 deste Regulamento. (NR)

Seção I-A alterada pelo Decreto nº 25.331 de 30.06.2008, com vigência a partir de 02.06.2008.

Redação anterior com vigência de 1º.06.2006 até 1º.06.2008.

Seção I-A

Da Nota Fiscal Avulsa Emitida para Órgão ou Entidade da Administração Pública Estadual ou Municipal.

Art. 192-A. Nas operações internas com mercadorias destinadas a órgão ou entidade da Administração Pública Estadual ou Municipal, direta ou indireta, localizado neste Estado, nas situações em que seja exigida a emissão de Notas Fiscais Modelos 1 ou 1-A, deverá, também, ser emitida a Nota a Nota Fiscal Avulsa Série 3.

  • 1º. A Nota Fiscal Avulsa referida no “caput” deste artigo deve ser emitida por meio eletrônico, mediante acesso ao sistema informatizado da Secretaria de Estado da Fazenda, disponibilizado no endereço eletrônico “www.sefaz.se.gov.br”. e obedecendo ao seguinte:

I – deve conter os mesmos dados relativos à operação ou prestação discriminados na Nota Fiscal Modelo 1 ou 1-A;

II – deve mencionar no campo “dados adicionais” o número e a série da Nota Fiscal modelo 1 ou 1-A emitida, bem como o número do empenho;

III – deve acompanhar a Nota Fiscal Modelo 1 ou 1-A com a qual deve ser arquivada, pelo órgão ou entidade destinatária;

IV – deve ter sua autenticidade e seus dados acessíveis pelo emitente, pelo órgão ou entidade da Administração Pública destinatária, e pelos órgãos fiscalizadores e controladores, a partir do número do protocolo gerado quando da sua emissão.

  • 2º. A Nota Fiscal Avulsa Série 3 não deve ser escriturada nos Livros Fiscais do contribuinte emitente ou do órgão ou entidade destinatária.
  • 3º. O disposto neste artigo não se aplica às operações:

I – REVOGADO

*Inciso I, revogado pelo Decreto nº 24.259 de 22.02.2007, com vigência a partir de 18.12.2006.

*Redação revogada

“I –  realizadas com valores iguais ou inferiores a 50 (cinqüenta) UFP’s;”

II – em que seja emitida a Nota Fiscal Avulsa de que trata o art. 220 deste Regulamento.”

*Capítulo I acrescentado ao Título III do Livro I pelo Decreto nº 23.827 de 02 de junho de 2006, com vigência a partir de 1º de junho de 2006.

*Seção I-A alterada pelo Decreto nº 25.331 de 30.05.2008, com vigência a partir de 02.06.2008.

Redação anterior com vigência de 1º.06.2006 até 1º.06.2008.

Seção I-A

Da Nota Fiscal Avulsa Emitida para Órgão ou Entidade da Administração Pública Estadual ou Municipal.

Art. 192-A. Nas operações internas com mercadorias destinadas a órgão ou entidade da Administração Pública Estadual ou Municipal, direta ou indireta, localizado neste Estado, nas situações em que seja exigida a emissão de Notas Fiscais Modelos 1 ou 1-A, deverá, também, ser emitida a Nota a Nota Fiscal Avulsa Série 3.

  • 1º. A Nota Fiscal Avulsa referida no “caput” deste artigo deve ser emitida por meio eletrônico, mediante acesso ao sistema informatizado da Secretaria de Estado da Fazenda, disponibilizado no endereço eletrônico “www.sefaz.se.gov.br”. e obedecendo ao seguinte:

I – deve conter os mesmos dados relativos à operação ou prestação discriminados na Nota Fiscal Modelo 1 ou 1-A;

II – deve mencionar no campo “dados adicionais” o número e a série da Nota Fiscal modelo 1 ou 1-A emitida, bem como o número do empenho;

III – deve acompanhar a Nota Fiscal Modelo 1 ou 1-A com a qual deve ser arquivada, pelo órgão ou entidade destinatária;

IV – deve ter sua autenticidade e seus dados acessíveis pelo emitente, pelo órgão ou entidade da Administração Pública destinatária, e pelos órgãos fiscalizadores e controladores, a partir do número do protocolo gerado quando da sua emissão.

  • 2º. A Nota Fiscal Avulsa Série 3 não deve ser escriturada nos Livros Fiscais do contribuinte emitente ou do órgão ou entidade destinatária.
  • 3º. O disposto neste artigo não se aplica às operações:

I – REVOGADO

*Inciso I, revogado pelo Decreto nº 24.259 de 22.02.2007, com vigência a partir de 18.12.2006.

*Redação revogada

“I –  realizadas com valores iguais ou inferiores a 50 (cinqüenta) UFP’s;”

II – em que seja emitida a Nota Fiscal Avulsa de que trata o art. 220 deste Regulamento.”

*Capítulo I acrescentado ao Título III do Livro I pelo Decreto nº 23.827 de 02 de junho de 2006, com vigência a partir de 1º de junho de 2006.

Seção I-B

Do Documento Fiscal Eletrônico – DFE e do Registro Eletrônico de Documento Fiscal – REDF.

Art. 192-B. São Documentos Fiscais Eletrônicos – DFE, de que trata o § 12 do art. 172:

I – a Nota Fiscal Eletrônica – NF-e, Modelo 55;

II – a Nota Fiscal de Venda a Consumidor On-line – NFVC-On-line, modelo 2;

III – a Nota Fiscal/Conta de Energia Elétrica, Modelo 6;

IV – a Nota Fiscal de Serviço de Comunicação, Modelo 21;

V – a Nota Fiscal de Serviço de Telecomunicações, Modelo 22;

VI – o Conhecimento de Transporte Eletrônico – CT-e, modelo 57;

VII – os demais documentos fiscais relativos à prestação de serviço de comunicação ou ao fornecimento de energia elétrica ou de gás canalizado;

VIII – o Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais – MDF-e, Modelo 58 (Ajuste SINIEF 21/2010).

*Inciso VIII acrescentado pelo Decreto nº 28.696 de 13.08.2012, com vigência a partir de 16.08.2012.

Nota: Ver art.3º do Decreto nº 28.696 de 13.08.2012.

IX – Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica – NFC-e, modelo 65 (Ajuste SINIEF nº  11/13). (Acrescentado pelo Decreto nº 29.796, com efeitos a partir de 25.04.2014)

  • o documento fiscal para o qual tenha sido gerado o respectivo Registro Eletrônico de Documento Fiscal – REDF, de que trata o art.192-C, deste Regulamento, desde que já decorrido o prazo para a retificação ou cancelamento deste.
  • Os documentos fiscais, de que tratam este artigo, serão armazenados eletronicamente na  SEFAZ.
  • A SEFAZ estabelecerá disciplina para dispor sobre a forma e condições de emissão, transmissão, consulta, substituição, retificação, cancelamento e armazenamento eletrônico dos documentos fiscais de que trata este artigo.
  • A Nota Fiscal de Venda a Consumidor On line – NFVC On-line, Modelo 2, de que trata o inciso II do caput deste artigo:

I – será emitida diretamente no ambiente de processamento eletrônico de dados da SEFAZ, cujo acesso será disponibilizado de forma individualizada e restrita a cada contribuinte emitente;

II – após sua emissão, nos termos do inciso I deste parágrafo, ficará disponível aos interessados para consulta, impressão e download no sítio www.sefaz.se.gov.br, no ambiente de processamento eletrônico de dados da SEFAZ, mediante informação dos dados identificadores do respectivo documento fiscal;

III – terá existência apenas na forma de arquivo digital, cuja impressão servirá exclusivamente como demonstrativo de que foi emitida e armazenada eletronicamente na SEFAZ.

  • Os documentos fiscais de que tratam os incisos III, IV, V, VII e VIII do “caput” deste artigo, salvo disposição em contrário, serão: (NR)

*Caput do § 5º alterado pelo Decreto nº 28.696 de 13.08.2012, com vigência a partir de 16.08.2012.

*Redação anterior com vigência de 22.11.2010 até 15.08.2012.

“§ 5° Os documentos fiscais, de que tratam os incisos III, IV, V e VII do “caput” deste artigo, salvo disposição em contrário, serão:”

I – emitidos exclusivamente por meio de processamento eletrônico de dados;

II – submetidos a processo de codificação digital para garantia da integridade dos seus dados;

III – gravados em arquivos eletrônicos, os quais deverão ser assinados digitalmente pelo emitente e transmitidos para a SEFAZ.

Art. 192-C. Os documentos fiscais a seguir indicados deverão, após sua emissão, ser registrados eletronicamente na Secretaria de Estado da Fazenda:

I – Nota Fiscal, Modelo 1 ou 1-A;

II – Nota Fiscal de Venda a Consumidor, Modelo 2;

III – Cupom Fiscal emitido por meio de Equipamento Emissor de Cupom Fiscal – ECF.

  • A partir do procedimento previsto no “caput” deste artigo, será gerado, para cada documento fiscal registrado, o respectivo Registro Eletrônico de Documento Fiscal – REDF, assim entendido o conjunto de informações armazenadas eletronicamente na SEFAZ que correspondem aos dados do documento fiscal informados pelo contribuinte emitente.
  • A SEFAZ estabelecerá a forma, condições e prazos que deverão ser observados pelos contribuintes para:

I – registrar eletronicamente na SEFAZ os documentos fiscais por eles emitidos;

II – retificar ou cancelar o Registro Eletrônico de Documento Fiscal – REDF correspondente a cada documento fiscal emitido.

Vide Portaria n.º 556/2011-SEFAZ, que dispõe sobre a forma, condições e prazos que deverão ser observados pelos contribuintes para que sejam registrados eletronicamente na Secretaria de Estado da Fazenda de Sergipe os documentos fiscais para os quais deva ser gerado o respectivo Registro Eletrônico de Documento Fiscal – REDF, conforme previsto no § 12 do artigo 172 do RICMS/SE. Vê Portaria n.º  752 /2011-SEFAZ, que prorroga o prazo para efetuar o Registro Eletrônico dos Documentos Fiscais – REDF, da Portaria SEFAZ nº. 556, de 26 de setembro de 2011, que dispõe sobre a forma, condições e prazos que deverão ser observados pelos contribuintes para que sejam registrados eletronicamente na SEFAZ os documentos fiscais para os quais deva ser gerado o respectivo REDF. Vê Portaria n.º 154/2012-SEFAZ, que prorroga o prazo para efetuar o Registro Eletrônico dos Documentos Fiscais – REDF conforme Portaria n.º 556/2011-SEFAZ, de 26 de setembro de 2011, que dispõe sobre a forma, condições e prazos que deverão ser observados pelos contribuintes para que sejam registrados eletronicamente na SEFAZ os documentos fiscais para os quais deva ser gerado o respectivo REDF, conforme previsto no § 12 do artigo 172 do RICMS/SE.

  • O Registro Eletrônico de Documento Fiscal – REDF, de que trata o § 1° deste artigo:

I – passará a ser considerado via adicional do documento fiscal que lhe deu origem, desde que, cumulativamente:

  1. a) o respectivo documento fiscal tenha sido emitido por contribuinte em situação regular perante o fisco, na forma e condições previstas na legislação;
  2. b) já tenha decorrido o prazo para a sua eventual retificação ou cancelamento;

II – ficará armazenado na SEFAZ, no mínimo, pelo prazo previsto no art. 836 deste Regulamento;

III – deverá ser cancelado quando o documento fiscal que lhe deu origem tiver sido cancelado.

  • Salvo disposição em contrário, o contribuinte ficará, após os prazos de que trata o § 2° deste artigo, dispensado de apresentar ao fisco a sua via em papel das Notas Fiscais de Venda a Consumidor e dos Cupons Fiscais por ele emitidos, desde que os tenha registrado eletronicamente na SEFAZ, nos termos deste artigo.
  • O disposto no § 4° deste artigo não dispensa o contribuinte do cumprimento das demais obrigações tributárias previstas na legislação estadual.
  • O contribuinte deverá, antes de decorrido o prazo para retificação do Registro Eletrônico de Documento Fiscal – REDF, regularizar eventuais divergências existentes entre as informações nele contidas e os dados constantes no documento fiscal que lhe deu origem.
  • O contribuinte que constar como destinatário nos documentos fiscais de que trata o “caput” deste artigo, deverá verificar se o respectivo Registro Eletrônico de Documento Fiscal – REDF foi regularmente gerado, e na hipótese de constatar, após os prazos de que trata o § 2º deste artigo, a ausência do REDF, ou a divergência entre as informações nele contidas e os dados constantes no respectivo documento fiscal, deverá, nos termos de disciplina estabelecida pela SEFAZ alternativamente:

I – comunicar o fato à SEFAZ;

II – estornar o crédito relativo ao respectivo documento fiscal.

  • O disposto no “caput” deste artigo, não se aplica à Nota Fiscal de Venda a Consumidor On-line – NFVC-On line, Modelo 2.
  • Na hipótese em que o documento fiscal deva ser registrado eletronicamente na SEFAZ, nos termos deste artigo, o crédito somente será admitido se, observadas as demais condições previstas na legislação:

I – o respectivo Registro Eletrônico de Documento Fiscal – REDF tiver sido regularmente gerado;

II – na ausência do respectivo Registro Eletrônico de Documento Fiscal – REDF, o destinatário deverá comunicar o fato à SEFAZ, nos termos de disciplina por esta estabelecida;

III – havendo divergência entre os dados constantes no documento fiscal e as informações contidas no respectivo Registro Eletrônico de Documento Fiscal – REDF, o destinatário comunicará a irregularidade à SEFAZ, nos termos de disciplina por esta estabelecida.

Art. 192-D. O contribuinte deverá informar à SEFAZ, nos termos de disciplina por ela estabelecida, alterações de natureza tributária ou comercial relativas às operações ou prestações acobertadas pelos Documentos Fiscais Eletrônicos – DFE de que trata o art. 192-B deste Regulamento.

*Seção I-B acrescentado pelo Decreto nº 27.507 de 19.11.2010, com vigência a partir de 22.11.2010.

Seção II
Dos Documentos Fiscais Relativos às Operações

Subseção I
Da Nota Fiscal nas Operações de Saída

Art. 193. Os contribuintes do ICMS, conforme as operações que realizarem emitirão Nota Fiscal:

I – sempre que efetuarem saída ou fornecimento de mercadorias;

II – na transmissão de propriedade de mercadorias, quando estas não devam transitar pelo estabelecimento transmitente;

III – nas vendas a consumidor:

  1. a) a prazo;
  2. b) a prazo ou à vista, quando as mercadorias não forem retiradas pelo comprador;

IV – sempre que, no estabelecimento, entrarem bens ou mercadorias, real ou simbolicamente, nas hipóteses do art. 204;

V – nas hipóteses do art. 181 e nas demais situações previstas na legislação.

Art. 194. A Nota Fiscal conterá, nos quadros e campos próprios, observada a disposição gráfica dos modelos 1 e 1-A, as seguintes indicações:

I – no quadro “Emitente”:

  1. a) o nome, razão social ou denominação;
  2. b) o endereço;
  3. c) o bairro ou distrito;
  4. d) o Município;
  5. e) a Unidade Federada;
  6. f) o telefone e/ou fax;
  7. g) o Código de Endereçamento Postal – CEP;
  8. h) o número de inscrição no CNPJ/MF;
  9. i) a natureza da operação de que decorrer a saída ou a entrada, tais como: venda, compra, transferência, devolução, importação, consignação, remessa (para fins de demonstração, de industrialização ou outra);
  10. j) o código fiscal da operação ou prestação;
  11. l) o número da inscrição estadual do substituto tributário na Unidade Federada em favor da qual seja retido o imposto, quando for o caso;
  12. m) o número da inscrição estadual;
  13. n) a denominação: “Nota Fiscal”;
  14. o) a indicação da operação, se de entrada ou de saída;
  15. p) o número de ordem da Nota Fiscal e, imediatamente abaixo, a expressão “Série”, acompanhada do número correspondente, se adotada nos termos do § 3º do art. 180 (Ajuste SINIEF 09/97);
  16. q) o número e a destinação da via da Nota Fiscal;
  17. r) a data-limite para emissão da Nota Fiscal;
  18. s) a data da emissão da Nota Fiscal;
  19. t) a data da efetiva saída ou entrada da mercadoria no estabelecimento;
  20. u) a hora da efetiva saída da mercadoria do estabelecimento;

II – no quadro “Destinatário/Remetente”:

  1. a) o nome, razão social ou denominação;
  2. b) o número de inscrição no CNPJ/MF ou no CPF/MF;
  3. c) o endereço;
  4. d) o bairro ou distrito;
  5. e) o Código de Endereçamento Postal;
  6. f) o Município;
  7. g) o telefone e/ou fax;
  8. h) a Unidade Federada;
  9. i) o número de inscrição estadual;

III – no quadro “Fatura”, se adotado pelo emitente, as indicações previstas na legislação pertinente;

IV – no quadro “Dados do Produto”:

  1. a) o código adotado pelo estabelecimento para identificação do produto;
  2. b) a descrição dos produtos, compreendendo: o nome, a marca, o tipo, o modelo, a série, a espécie, a qualidade e demais elementos que permitam sua perfeita identificação;
  3. c) o código estabelecido na Nomenclatura Comum do Mercosul/Sistema Harmonizado – NCM/SH, nas operações realizadas por estabelecimento industrial ou a ele equiparado, nos termos da legislação federal, e nas operações de comércio exterior. (Ajuste SINIEF nº 11/09).(NR)

*Alínea “c” alterada pelo Decreto nº 26.603 de 05.11.2009, com vigência a partir de 08.11.2009, produzindo seus efeitos a partir de 1º.01.2010.

*Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 31.12.2009.

“c) a classificação fiscal dos produtos, quando exigida pela legislação do IPI;”

  1. d) o código de situação tributária;
  2. e) a unidade de medida utilizada para a quantificação dos produtos;
  3. f) a quantidade dos produtos;
  4. g) o valor unitário dos produtos;
  5. h) o valor total dos produtos;
  6. i) a alíquota do ICMS;
  7. j) a alíquota do IPI, quando for o caso;
  8. l) o valor do IPI, quando for o caso;

V – no quadro “Cálculo do Imposto”:

  1. a) a base de cálculo total do ICMS;
  2. b) o valor do ICMS incidente na operação;
  3. c) a base de cálculo aplicada para a determinação do valor do ICMS retido por substituição tributária, quando for o caso;
  4. d) o valor do ICMS retido por substituição tributária, quando for o caso;
  5. e) o valor total dos produtos;
  6. f) o valor do frete, quando cobrado pelo remetente;
  7. g) o valor do seguro;
  8. h) o valor de outras despesas acessórias;
  9. i) o valor total do IPI, quando for o caso;
  10. j) o valor total da Nota Fiscal;

VI – no quadro “Transportador/Volumes Transportados”:

  1. a) o nome, razão social ou denominação do transportador, e a expressão “Autônomo”, se for o caso;
  2. b) a condição de pagamento do frete: se por conta do emitente (CIF) ou do destinatário (FOB);
  3. c) a placa do veículo, no caso de transporte rodoviário, ou outro elemento indicativo, nos demais casos;
  4. d) a Unidade Federada de registro do veículo;
  5. e) o número de inscrição do transportador no CNPJ ou no CPF/MF;
  6. f) o endereço do transportador;
  7. g) o Município do transportador;
  8. h) a Unidade Federada do domicílio do transportador;
  9. i) o número da inscrição estadual do transportador, quando for o caso;
  10. j) a quantidade de volumes transportados;
  11. l) a espécie dos volumes transportados;
  12. m) a marca dos volumes transportados;
  13. n) a numeração dos volumes transportados;
  14. o) o peso bruto dos volumes transportados;
  15. p) o peso líquido dos volumes transportados;

VII – no quadro “Dados Adicionais”:

  1. a) no campo “Informações Complementares”, outros dados de interesse do emitente, tais como: o número do pedido, o vendedor, o emissor da Nota Fiscal, o local de entrega, quando diverso do endereço do destinatário nas hipóteses previstas na legislação, propaganda, etc..;
  2. b) no campo “Reservado ao Fisco”, indicações estabelecidas pelo Fisco da Unidade Federada do emitente;
  3. c) o número de controle do formulário, no caso de Nota Fiscal emitida por processamento eletrônico de dados;

VIII – os dados destinados ao controle fiscal dos documentos, a saber:

  1. a) o prazo de validade para emissão da Nota Fiscal, na forma do inciso I do art. 17
  2. b) as indicações relativas à confecção do documento, a serem impressas no rodapé ou na lateral direita da Nota Fiscal, nos termos do inciso II do art. 178;

IX – no comprovante de entrega dos produtos, que deverá integrar apenas a 1ª (primeira) via da Nota Fiscal, na forma de canhoto destacável:

  1. a) a declaração de recebimento dos produtos;
  2. b) a data do recebimento dos produtos;
  3. c) a identificação e a assinatura do recebedor dos produtos;
  4. d) a expressão “Nota Fiscal”;
  5. e) o número de ordem da Nota Fiscal.
  • A Nota Fiscal será de tamanho não inferior a 21,0 cm x 28,0 cm e 28,0 cm x 21,0 cm para os modelos 1 e 1-A, respectivamente, e suas vias não poderão ser impressas em papel-jornal, observado o seguinte:

I – os quadros terão largura mínima de 20,3 cm, exceto os quadros:

  1. a) “Destinatário/Remetente”, que terá largura mínima de 17,2 cm;
  2. b) “Dados Adicionais”, no modelo 1-A;

II – o campo “Reservado ao Fisco” terá tamanho mínimo de 8,0 cm x 3,0 cm, em qualquer sentido (Ajuste SINIEF 02/95);

III – os campos “CNPJ”, “Inscrição Estadual do Substituto Tributário”, “Inscrição Estadual”, do quadro “Emitente”, e os campos “CNPJ/CPF” e “Inscrição Estadual”, do quadro “Destinatário/Remetente”, terão largura mínima de 4,4 cm.

  • Serão impressas tipograficamente as indicações:

I – das alíneas “a” a “h”, “m”, “n”, “p”, “q” e “r” do inciso I do “caput” deste artigo, devendo as indicações das alíneas “a”, “h” e “m” ser impressas, no mínimo, em corpo “8”, não condensado (Ajuste SINIEF 02/95);

II – do inciso VIII, devendo ser impressas, no mínimo:

  1. a) em corpo “10”, no caso da alínea “a”;
  2. b) em corpo “5”, não condensado, no caso da alínea “b” (Ajuste SINIEF 02/95);

III – das alíneas “d” e “e” do inciso IX.

  • As indicações a que se referem as alíneas “a” a “h” e “m” do inciso I do “caput” deste artigo poderão ser dispensadas de impressão tipográfica, a juízo da SUBIEF, desde que a Nota Fiscal seja fornecida e visada pela repartição fiscal, hipótese em que os dados a esta referentes poderão ser inseridos no quadro “Emitente”, e a sua denominação será “Nota Fiscal Avulsa”, observado, ainda (Ajustes SINIEF 01/96 e 02/97):

I – o quadro “Destinatário/Remetente” será desdobrado em quadros “Remetente” e “Destinatário”, com a inclusão de campos destinados a identificar os códigos dos respectivos Municípios;

II – no quadro “Informações Complementares”, poderão ser incluídos o código do Município do transportador e o valor do ICMS incidente sobre o frete.

  • Observados os requisitos deste Regulamento, a Nota Fiscal poderá ser emitida por processamento eletrônico de dados, com (Ajuste SINIEF 02/95):

I – as indicações das alíneas “b” a “h”, “m” e “p” do inciso I e da alínea “e” do inciso IX do “caput” deste artigo, impressas por esse sistema;

II – espaço em branco de até 5,0 cm na margem superior, na hipótese de uso de impressora matricial.

  • As indicações a que se referem a alínea “l” do inciso I e as alíneas “c” e “d” do inciso V do “caput” deste artigo, só serão prestadas quando o emitente da Nota Fiscal for o substituto tributário.
  • Nas operações de exportação, o campo destinado ao Município, do quadro “Destinatário/Remetente”, será preenchido com a cidade e o país de destino.
  • A Nota Fiscal poderá servir como fatura, feita a inclusão dos elementos necessários no quadro “Fatura”, caso em que a denominação prevista nas alíneas “n” do inciso I e “d” do inciso IX do “caput” deste artigo, passará a ser “Nota Fiscal-Fatura”.
  • Nas vendas a prazo, quando não houver emissão de Nota Fiscal-Fatura ou de fatura, ou, ainda, quando esta for emitida em separado, a Nota Fiscal, além dos requisitos exigidos neste artigo, deverá conter, impressas ou mediante carimbo, no campo “Informações Complementares do quadro “Dados Adicionais”, indicações sobre a operação, tais como: preço final, quantidade, valor e datas de vencimento das prestações.
  • Serão dispensadas as indicações do inciso IV do “caput” deste artigo, se estas constarem em romaneio, o qual passará a constituir parte inseparável da Nota Fiscal, desde que obedecidos os requisitos abaixo:

I – o romaneio deverá conter, no mínimo, as indicações (Ajuste SINIEF 02/95):

  1. a) das alíneas “a” a “e”, “h”, “m”, “p”, “q”, “s” e “t” do inciso I do “caput” deste artigo;
  2. b) das alíneas “a” a “d”, “f”, “h” e “i” do inciso II do “caput” deste artigo;
  3. c) da alínea “j” do inciso V do “caput” deste artigo;
  4. d) das alíneas “a” e “c” a “h” do inciso VI do “caput” deste artigo;
  5. e) do inciso VIII do “caput” deste artigo;

II – a Nota Fiscal deverá conter as indicações do número e da data do romaneio, e este, do número e da data daquela.

  • 10. Relativamente à indicação da alínea “a” do inciso IV do “caput” deste artigo:

I – deverá ser efetuada com os dígitos correspondentes ao código de barras, se o contribuinte utilizar o referido código para o seu controle interno;

II – poderá ser dispensada, a critério da Unidade Federada do emitente, hipótese em que a coluna “Código do Produto”, no quadro “Dados do Produto”, poderá ser suprimida.

  • 11. Revogado
  • 11 revogado pelo Decreto nº 26.603 de 05.11.2009, com vigência a partir de 08.11.2009, produzindo seus efeitos a partir de 1º.01.2010.
  • 12. REVOGADO (revogado pelo Decreto nº 29.839, efeitos a partir de 1º.05.2014)
  • 13. Os dados relativos ao Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza – ISS serão inseridos, quando for o caso, entre os quadros “Dados do Produto” e “Cálculo do Imposto”, conforme a legislação municipal, observado o disposto no inciso IV do § 1° do art. 178.
  • 14. Caso o transportador seja o próprio remetente ou o destinatário, esta circunstância será indicada no campo “Nome/Razão Social” do quadro “Transportador/Volumes Transportados”, com a expressão “Remetente” ou “Destinatário”, dispensadas as indicações das alíneas “b” e “e” a “i” do inciso VI do “caput” deste artigo.
  • 15. Na Nota Fiscal emitida relativamente à saída de mercadorias em retorno ou em devolução, deverão ser indicados, ainda, no campo “Informações Complementares”, o número, a data da emissão e o valor da operação do documento originário.
  • 16. No campo “Placa do Veículo” do quadro “Transportador/Volumes Transportados”, deverá ser indicada a placa do veículo tracionado, quando se tratar de reboque ou semi-reboque deste tipo de veículo, devendo a placa dos demais veículos tracionados, quando houver, ser indicada no campo “Informações Complementares”.
  • 17. A aposição de carimbos nas Notas Fiscais, pelo Fisco, no trânsito da mercadoria, deverá ser feita no verso das mesmas, salvo quando forem carbonadas.
  • 18. Caso o campo “Informações Complementares” não seja suficiente para conter as indicações exigidas, poderá ser utilizado, excepcionalmente, o quadro “Dados do Produto”, desde que não prejudique a clareza.
  • 19. Revogado
  • 19 revogado pelo Decreto nº 22.675 de 29.01.2004, com vigência a partir de 03.02.2004.
  • 20. É permitida a inclusão de operações enquadradas em diferentes códigos fiscais numa mesma Nota Fiscal, hipótese em que estes serão indicados no campo “CFOP” do quadro “Emitente”, e no quadro “Dados do Produto”, na linha correspondente a cada item, após a descrição do produto (Ajuste SINIEF 02/95).
  • 21. É permitida a indicação de informações complementares de interesse do emitente, impressas tipograficamente no verso da Nota Fiscal, hipótese em que sempre será reservado espaço, com a dimensão mínima de 10 cm x 15 cm, em qualquer sentido, para atendimento ao disposto no § 17 (Ajuste SINIEF 02/95).
  • 22. O Fisco poderá dispensar a inserção, na Nota Fiscal do controle destacável comprovante da entrega da mercadoria.
  • 23. A Nota Fiscal poderá ser impressa em tamanho inferior ao estabelecido no § 1º deste artigo, exclusivamente nos casos de emissão por processamento eletrônico de dados, desde que as indicações a serem impressas quando da sua emissão sejam grafadas em, no máximo, 17 caracteres por polegada, sem prejuízo do disposto no § 2º deste artigo (Ajuste SINIEF 04/95).
  • 24. Quando a mesma nota fiscal documentar operações interestaduais tributadas e não tributadas, cujas mercadorias estejam sujeitas ao regime de substituição tributária, o contribuinte deverá indicar o valor do imposto retido relativo a tais operações, separadamente, no campo “Informações Complementares” (Ajuste SINIEF 02/96).
  • 25. A critério da SUBIEF, poderá ser exigida dos estabelecimentos gráficos, em complemento às indicações constantes do inciso VIII, deste artigo, a impressão do código da repartição fiscal a que estiver vinculado o contribuinte. (Ajuste SINIEF 06/96).
  • 26. As Notas Fiscais modelos 1 e 1-A a serem emitidas por empresas de construção civil e demais pessoas cadastradas no CACESE, sem emissão de DAE, que se utilizam das mesmas exclusivamente para movimentar bens e mercadorias não comercializados, deverá conter, entre outras informações previstas neste Regulamento, em tarja transversal impressa em retícula na mesma cor do formulário a seguinte expressão: “Esta Nota Fiscal não dá Direito a Crédito – Proibido o Destaque do ICMS”.
  • 27. Constatado que o requerente se enquadra na hipótese de que trata o parágrafo anterior a SUBIEF fará constar na AIDF a seguinte expressão: “Nota Fiscal a ser confeccionada em atendimento ao disposto no § 26 do art. 194 do RICMS/02”.
  • 28 Em se tratando dos produtos classificados nos códigos 3003 e 3004 da Nomenclatura Brasileira de Mercadoria/Sistema Harmonizado – NBM/SH, na descrição prevista na alínea “b” do inciso IV do “caput”deste artigo, deverá ser indicado o número do lote de fabricação a que a unidade pertencer, devendo a discriminação ser feita em função dos diferentes lotes de fabricação e respectivas quantidades e valores.
  • 29. A Nota Fiscal emitida por fabricante, importador ou distribuidor, relativamente à saída para estabelecimento atacadista ou varejista, dos produtos classificados nos códigos 3002, 3003, 3004 e 3006.60 da Nomenclatura Brasileira de Mercadoria/Sistema Harmonizado – NBM/SH, exceto se relativa às operações com produtos veterinários, homeopáticos ou amostras grátis, deve conter, na descrição prevista na alínea “b” do inciso IV deste artigo, a indicação do valor correspondente ao preço constante da tabela, sugerido pelo órgão competente para venda a consumidor e, na falta deste preço, o valor correspondente ao preço máximo de venda a consumidor sugerido ao público pelo estabelecimento industrial (Ajuste SINIEF 12/03, 06/04 e 07/04). (NR)
  • 30. Nas operações não alcançadas pelo disposto na alínea “c” do inciso IV do “caput” deste artigo, será obrigatória somente a indicação do correspondente capítulo da Nomenclatura Comum do Mercosul/Sistema Harmonizado – NCM/SH. (Ajuste SINIEF nº 11/09).

*§ 30 acrescentado pelo Decreto nº 26.603 de 05.11.2009, com vigência a partir de 08.11.2009, produzindo seus efeitos a partir de 1º.01.2010.

Prazo inicial de vigência do § 29 do art. 194, prorrogado para 01.10.2004, pelo Decreto nº 22.795 de 19.05.2004, com vigência a partir de 08.04.2004.

  • 31 Tratando-se de destinatário não contribuinte do imposto, a entrega da mercadoria em local situado no estado de Sergipe poderá ser efetuada em qualquer de seus domicílios ou em domicílio de outra pessoa, desde que esta também não seja contribuinte do imposto e o local da efetiva entrega esteja expressamente indicado no documento fiscal relativo à operação (Ajuste SINIEF 01/14). (acrescentado pelo Decreto nº 29.839, efeitos a partir de 1º.05.2014)

Art. 195. A Nota Fiscal será emitida nos seguintes momentos:

I – antes de iniciada a saída de mercadorias;

II – no momento do fornecimento de alimentação, bebidas e outras mercadorias em restaurantes, bares, cafés e estabelecimentos similares.

III – antes da tradição real ou simbólica de mercadorias:

  1. a) nos casos de transmissão de propriedade de mercadorias ou de títulos que as representem, quando estas não transitarem pelo estabelecimento do transmitente;
  2. b) nos casos de ulterior transmissão de propriedade de mercadoria que, tendo transitado pelo estabelecimento transmitente, deste tenha saído sem o pagamento do ICMS, em decorrência de locação ou de remessa para armazém ou depósito fechado;

IV – antes do início da prestação de serviço nos casos de transporte intermunicipal, interestadual e internacional de turistas e de outras pessoas, realizadas pelas agências de viagem ou por quaisquer transportadores;

V – quinzenalmente ou mensalmente, sempre dentro do mês da prestação do serviço, quando do transporte de valores realizados por pessoa inscrita no CACESE que obedecer às condições previstas na legislação federal pertinente;

VI – ao final da prestação do serviço, com base no despacho de cargas, nas prestações relativas a transporte ferroviário interestadual e intermunicipal;

VII – ao final do período de apuração, nos casos de transporte de passageiros, quando houver excesso de bagagem;

VIII – no ato da prestação do serviço de comunicação;

IX – por serviço prestado ou no final do período da prestação de serviço, quando este for medido periodicamente, nos casos de serviço de telecomunicações;

X – relativamente à entrada de bens ou mercadorias, nos momentos definidos no § 3º do art. 204(Ajuste SINIEF 03/94);

XI – para efetivação de transferência de crédito;

XII – nas situações e prazos do art. 181.

  • Na Nota Fiscal emitida em caso de ulterior transmissão da propriedade de mercadorias, prevista na alínea “b” do inciso III do “caput” deste artigo, deverão ser mencionados o número, a série e a data da Nota Fiscal emitida anteriormente, por ocasião da saída das mercadorias.
  • O contribuinte deverá indicar a saída do produto, na Nota Fiscal, modelos 1 e 1-A, com as mesmas especificações transcritas quando da sua entrada no estabelecimento.
  • O não cumprimento do disposto no parágrafo anterior, autoriza a realização do levantamento do estoque de forma agrupada por gênero de mercadoria.

Art. 196. No caso de mercadorias de procedência estrangeira que, sem entrar no estabelecimento do importador ou arrematante, sejam por estes remetidas a terceiros, deverá o importador ou arrematante emitir Nota Fiscal, com a declaração de que as mercadorias sairão diretamente da repartição federal em que houver sido processado o desembaraço.

Art. 197. Nas vendas à ordem ou para entrega futura, observar-se-á o disposto nos artigos 481 a 483.

Art. 198. Fora dos casos previstos neste Regulamento e na legislação do IPI, é vedada a emissão de Nota Fiscal que não corresponda a uma efetiva saída de mercadorias.

Art. 199. A Nota Fiscal será emitida, no mínimo (Ajuste SINIEF 03/94):

I – em 3 ( três) vias:

  1. a) nas operações internas ;
  2. b) nas operações de exportação para o exterior, quando o embarque for efetuado neste Estado;

II – em 4 (quatro) vias:

  1. a) nas operações interestaduais;
  2. b) nas operações de exportação para o exterior, quando o embarque for efetuado em outra Unidade Federada;

III – em 5 (cinco) vias, nas saídas de produtos industrializados destinados à Zona Franca de Manaus e às Áreas de Livre Comércio com isenção do ICMS.

Art. 200. Na saída de mercadorias para destinatário situado neste Estado, as vias da Nota Fiscal terão a seguinte destinação (Ajuste SINIEF 03/94):

I – 1ª via – acompanhará as mercadorias e será entregue, pelo transportador, ao destinatário;

II – 2ª via – ficará presa ao bloco, para fins de controle do Fisco;

III – 3ª via – acompanhará as mercadorias, devendo ser retida pelo Fisco, no primeiro posto fiscal do percurso ou onde forem interceptadas pela fiscalização, ocasião em que será visada obrigatoriamente a 1ª (primeira) via.

Art. 201. Na saída de mercadorias para outra Unidade Federada, as vias da Nota Fiscal terão a seguinte destinação (Ajuste SINIEF 03/94):

I – 1ª via – acompanhará as mercadorias e será entregue, pelo transportador, ao destinatário;

II – 2ª via – ficará presa ao bloco, para fins de controle do Fisco da Unidade Federada do emitente;

III – 3ª via – acompanhará as mercadorias para fins de controle do Fisco na Unidade Federada de destino;

IV – 4ª via – acompanhará as mercadorias, devendo ser retida pelo Fisco da Unidade Federada do remetente, no primeiro posto fiscal do percurso ou onde forem interceptadas pela fiscalização, ocasião em que será visada obrigatoriamente a 1ª (primeira) via.

Art. 202. Nas operações de exportação para o exterior (Ajuste SINIEF 03/94):

I – se as mercadorias forem embarcadas neste Estado, as vias da Nota Fiscal terão a destinação prevista nos incisos I, II e III do art. 200 deste Regulamento;

II – se o embarque se processar em outra Unidade Federada, as vias da Nota Fiscal terão a destinação prevista nos incisos I, II, III e IV do art. 201 deste Regulamento.

Art. 203. Nas saídas de produtos industrializados de origem nacional destinados à Zona Franca de Manaus e às Áreas de Livre Comércio com gozo da isenção prevista no item 7 da Tabela I do Anexo I deste Regulamento, a Nota Fiscal será emitida nos termos do art. 480-F deste Regulamento (Ajuste SINIEF 03/94).” (NR)

*Art. 203 alterado pelo Decreto nº 25.336 de 03.06.2008, com vigência a partir de 04.06.2008, produzindo seus efeitos a partir de 1º.06.2008.

Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 31.05.2008.

“Art. 203.  Nas saídas de produtos industrializados de origem nacional destinados à Zona Franca de Manaus e às Áreas de Livre Comércio com gozo da isenção prevista no item 7 da Tabela I do Anexo I deste Regulamento, a Nota Fiscal será emitida nos termos do art. 466 deste Regulamento (Ajuste SINIEF 03/94).”

Art. 203-A. O estabelecimento que promover operação com benefício fiscal, que condicione a fruição ao abatimento do valor do ICMS dispensado, deve informar, em relação a cada mercadoria constante do documento fiscal, o valor dispensado, logo após a respectiva descrição (Ajuste SINIEF 10/2012).

Parágrafo único.  Na hipótese do “caput” deste artigo, o contribuinte deve informar o valor total da desoneração no campo “Informações Complementares”.

*Art. 203-A acrescentado pelo Decreto nº 28.951 de 30.11.2012, com vigência a partir de 10.12.2012, produzindo seus efeitos a partir de 1º.12.2012.

Subseção II
Da Nota Fiscal nas Operações de Entrada

Art. 204. Os contribuintes, excetuados os produtores rurais e os extratores não equiparados a comerciantes ou a industriais, emitirão Nota Fiscal, modelos 1 ou 1-A, sempre que em seu estabelecimento entrarem mercadorias ou bens, real ou simbolicamente (Ajuste SINIEF 03/94):

I – novos ou usados, remetidos, a qualquer título, por particulares, por produtores rurais, por extratores ou por pessoas físicas ou jurídicas não obrigadas à emissão de documentos fiscais;

II – em retorno, quando remetidos por profissionais autônomos ou avulsos aos quais tenham sido enviados para industrialização, beneficiamento, manutenção ou conserto;

III – em retorno de exposições ou feiras para as quais tenham sido remetidos para fins de exposição ao público;

IV – em retorno de remessas feitas para venda fora do estabelecimento, inclusive por meio de veículo;

V – importados diretamente do exterior, bem como os arrematados em leilão ou adquiridos em concorrência promovida pelo poder público, no caso de mercadorias ou bens importados e apreendidos ou abandonados;

VI – em retorno ao estabelecimento de origem, no caso de mercadoria não entregue ao destinatário;

VII – nas hipóteses do art. 181 e nas demais situações previstas na legislação.

  • O documento previsto neste artigo servirá para acompanhar o trânsito das mercadorias ou bens até o local do estabelecimento emitente, nas seguintes hipóteses:

I – quando o estabelecimento destinatário assumir o encargo de retirar ou de transportar as mercadorias ou bens, a qualquer título, no mesmo Município ou de um Município para outro, neste Estado, remetidos:

  1. a) por particulares;
  2. b) por produtores rurais ou extratores não equiparados a comerciantes ou a industriais;

II – nos retornos a que se referem os incisos II e III do “caput” deste artigo;

III – nos casos do inciso V do “caput” deste artigo.

  • Relativamente às mercadorias ou bens importados a que se refere o inciso V do “caput” deste artigo, observar-se-á, ainda, o seguinte:

I – o transporte será acobertado apenas pelo documento de desembaraço:

  1. a) quando o desembaraço aduaneiro ocorrer em outra Unidade Federada:
  2. 1. se as mercadorias forem transportadas de uma só vez;
  3. 2. por ocasião da primeira remessa, no caso previsto no inciso III do § 1º do “caput” deste artigo;
  4. b) quando a remoção das mercadorias ou bens for autorizada por autoridade alfandegária;

II – cada remessa, a partir da segunda, será acompanhada pelo documento de desembaraço e por Nota Fiscal referente à parcela remetida, na qual se mencionará o número e a data da Nota Fiscal a que se refere o “caput” deste artigo, bem como a declaração de que o ICMS, se devido, foi recolhido;

III – a Nota Fiscal conterá, ainda, a identificação da repartição onde se processou o desembaraço, bem como o número e a data do documento de desembaraço;

IV – a repartição competente do Fisco Federal em que se processar o desembaraço destinará uma via do correspondente documento ao Fisco da Unidade Federada em que se localizar o estabelecimento importador ou arrematante, salvo se dispensada pelo ente tributante.

  • Nas hipóteses deste artigo, a Nota Fiscal será emitida, conforme o caso:

I – no momento em que as mercadorias ou bens entrarem no estabelecimento;

II – no momento da aquisição da propriedade, quando as mercadorias não devam transitar pelo estabelecimento do adquirente;

III – antes do início da remessa, nos casos previstos no § 1º deste artigo;

IV – nas circunstâncias contempladas no art. 181.

  • Nas hipóteses deste artigo, a 2ª (segunda) via da Nota Fiscal ficará presa ao bloco, e as demais terão a destinação prevista nos artigos 200 ou 201, conforme se trate de remessa interna ou interestadual.
  • O campo “Hora da Saída” e o canhoto de recebimento somente serão preenchidos quando a Nota Fiscal acobertar o transporte de mercadorias.
  • Na hipótese do inciso IV do “caput” deste artigo, a Nota Fiscal conterá, ainda, no campo “Informações Complementares”, as indicações previstas no inciso I do § 3º art. 562.

Art. 205 – REVOGADO

*Art. 205 revogado pelo Decreto nº 27.418 de 20.10.2010, com vigência a partir de 21.10.2010, produzindo seus efeitos a partir de 1º.12.2010.

*Redação revogada.

“Art. 205. A nota fiscal de que trata esta Subseção poderá ser emitida, ainda, pelo tomador de serviços de transporte, exceto se usuário de sistema eletrônico de processamento de dados, para atendimento ao disposto no § 5º do art. 339 deste Regulamento, no último dia de cada mês, devendo ser emitida uma nota fiscal (Ajuste SINIEF 01/04 e 08/04):

*Art. 205 “caput” alterado pelo Decreto n.º 23.065 de 27.12.2004 com vigência a partir de 01.01.2005.

*Redação Anterior com vigência até 31.12.2004

“Art. 205. A Nota Fiscal de que trata esta Subseção poderá ser emitida, ainda, pelo tomador de serviço de transporte, para atendimento ao disposto no § 5º do art. 339 deste Regulamento, no último dia de cada mês, devendo ser emitida uma Nota Fiscal:”

* Art. 205 “caput” alterado pelo Decreto nº 22.110, de 18 de agosto de 2003, com vigência a partir de 01/05/2003.

* Primeira redação impressa com vigência de 01/05/2003.

“Art. 205.  A Nota Fiscal de que trata esta Subseção poderá ser emitida, ainda, pelo tomador de serviço de transporte, para atendimento ao disposto no, § 7º do art. 339, no último dia de cada mês, devendo ser emitida uma Nota Fiscal:”

I – para cada código fiscal de prestações;

II – para cada situação tributária da prestação: tributada, amparada por não-incidência, isenta, com diferimento ou suspensão do imposto;

III – para cada destinação:

  1. a) no serviço vinculado a operação ou prestação subseqüente alcançada pela incidência do imposto;
  2. b)  no serviço em que o tomador for o usuário final, tratando-se de:
  3. bens do ativo imobilizado, destinados à manutenção das atividades do estabelecimento;
  4. bens de uso ou materiais de consumo;
  5. demais situações;

IV – para cada alíquota aplicada.

  • 1º A Nota Fiscal emitida nos termos deste artigo conterá:

I – a indicação dos requisitos específicos de cada uma das situações previstas nos incisos deste artigo;

II – a expressão: “Emitida nos termos do art. 205 do RICMS/SE”;

III – em relação às prestações de serviços englobados, os valores totais:

  1. a) das prestações;
  2. b) das respectivas bases de cálculo do imposto;
  3. c) do imposto destacado.
  • 2º  Na hipótese deste artigo, a 1ª (primeira) via da Nota Fiscal ficará em poder do emitente, juntamente com os Conhecimentos.”

Art. 206. Para emissão de Nota Fiscal, nas hipóteses desta Subseção, o contribuinte deverá:

I – no caso de emissão por processamento eletrônico de dados, arquivar as segundas vias dos documentos emitidos, separadas das relativas às saídas;

II – nos demais casos, sem prejuízo do disposto no inciso anterior, reservar bloco ou faixa de numeração seqüencial de jogos soltos ou formulários contínuos, registrando o fato no Livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrências.

Subseção III
Da Nota Fiscal de Venda a Consumidor

Art. 207. Nas operações em que o adquirente seja pessoa física ou jurídica, não contribuinte do ICMS, será emitido o Cupom Fiscal ou, no lugar deste, a Nota Fiscal de Venda a Consumidor, Modelo 2, em ambos os casos, emitidos por equipamento Emissor de Cupom Fiscal – ECF.

  • O disposto no “caput” deste artigo não se aplica:

I – quando o adquirente, mesmo não sendo contribuinte do ICMS, esteja inscrito no CACESE, hipótese em que será emitida a Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A, ou a Nota Fiscal de Produtor;

II – às operações com veículos sujeitos a licenciamento por órgão oficial (Ajuste SINIEF 12/2010); (NR)

*Inciso II alterado pelo Decreto nº 27.418 de 20.10.2010, com vigência a partir de 21.10.2010, produzindo seus efeitos a partir de 1º.12.2010.

Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 30.11.2010.

“II – às operações de venda de veículos automotores;”

III – às operações realizadas fora do estabelecimento;

IV – às concessionárias ou permissionárias do serviço público;

V – às empresas não obrigadas ao uso do ECF conforme art 350 deste Regulamento.

  • As especificações do equipamento ECF de que trata este artigo são as definidas nos artigos 350 a 453 deste Regulamento.
  • Nos casos fortuitos ou por motivo de força maior, tais como falta de energia elétrica, quebra ou furto do equipamento, em que o contribuinte esteja impossibilitado de emitir pelo equipamento ECF o respectivo Cupom Fiscal ou a Nota Fiscal de Venda a Consumidor, Modelo 2, será permitido, em substituição aos mesmos, a emissão por qualquer outro meio, podendo ser on-line ou manual, da Nota Fiscal, Modelo 1 ou 1-A, ou da Nota Fiscal de Venda a Consumidor, Modelo 2, devendo ser anotado no livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência (RUDFTO), Modelo 6:(NR)

*Caput do § 3º alterado pelo Decreto nº 27.507 de 19.11.2010, com vigência a partir de 22.11.2010.

*Redação anterior com vigência de 1º.05.2003 até 21.11.2010.

“§ 3º Nos casos fortuitos ou por motivo de força maior, tais como falta de energia elétrica, quebra ou furto do equipamento, em que o contribuinte esteja impossibilitado de emitir pelo equipamento ECF o respectivo Cupom Fiscal ou a Nota Fiscal de Venda a Consumidor, Modelo 2, será permitido, em substituição aos mesmos, a emissão por qualquer outro meio, inclusive o manual, da Nota Fiscal, Modelo 1 ou 1-A, ou da Nota Fiscal de Venda a Consumidor, Modelo 2, devendo ser anotado no livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência (RUDFTO), Modelo 6:”

I – motivo e data da ocorrência;

II – números, inicial e final, dos documentos fiscais emitidos.

  • O contribuinte que também o seja do Imposto sobre Produtos Industrializados deve, ainda, atender à legislação própria do mesmo IPI.
  • A venda a prazo ou para entrega de mercadoria em domicílio, no Estado de Sergipe, poderá ser efetuada através da utilização de Cupom Fiscal ou Nota Fiscal de Venda a Consumidor, Modelo – 2, emitido por equipamento Emissor de Cupom Fiscal, hipótese em que devem ser impressas, pelo próprio equipamento, no respectivo Cupom Fiscal de Venda Consumidor, Modelo 2, sem prejuízo dos demais requisitos, as seguintes informações

I – identificação do adquirente, por meio do número de inscrição no Cadastro de Contribuintes do Ministério da Fazenda;

II – código previsto no art. 430 do Regulamento e a descrição das mercadorias objeto da operação, ainda que resumida.

  • Na hipótese do parágrafo anterior, a emissão do documento será feita em 03 (três) vias, com a seguinte destinação:

I – 1ª (primeira) via – destinatário;

II – 2ª (segunda) via – fisco;

III – 3ª (terceira) via – contribuinte.

  • Na hipótese do § 5º deste artigo, deverá constar do Cupom Fiscal, ainda que em seu verso, o nome e o endereço do adquirente, data e hora de saída, e, tratando-se de venda a prazo, as indicações previstas no § 8º do art. 194 deste Regulamento.
  • Sem prejuízo da emissão do Cupom Fiscal:

I – por exigência de legislação federal, o contribuinte emitirá Nota Fiscal, Modelo 1 ou 1-A;

II – por solicitação do adquirente, o contribuinte poderá emitir a Nota Fiscal de Venda a Consumidor, Modelo 2, ou a Nota Fiscal, Modelo 1 ou 1-A.

  • Nas hipóteses previstas no parágrafo anterior, o contribuinte deverá:

I – anotar, nas vias do documento fiscal emitido, os números de ordem do Cupom Fiscal e do ECF, este atribuído pelo estabelecimento;

II – indicar na coluna “Observações”, do livro Registro de Saídas, apenas o número e a série do documento;

III – anexar o Cupom Fiscal à via fixa do documento emitido.

  • 10. Para fins de apuração do imposto, quando da ocorrência dos casos previstos nos §§ 1º e 3º deste artigo, os documentos emitidos deverão ser escriturados em linha(s) específica(s), diferentemente das utilizadas para escrituração dos Cupons Fiscais e Notas Fiscais de Venda a Consumidor emitidas por ECF.
  • 11. O disposto neste artigo aplica-se igualmente às prestações de serviços de transporte e de comunicação.
  • 12. Quando solicitado pelo consumidor, o número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas – CPF ou no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas – CNPJ, que o identifique, deverá cons